Grande Loja Feminina de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Grande Loja Feminina de Portugal é resumidadmente chamada de G.L.F.P., foi criada em 1996, e é a Obediência Maçônica maçónica exclusivamente Feminina da Portugal sendo uma obediência adogmática e de cariz liberal.

Resumo histórico sobre a Grande Loja Feminina de Portugal[editar | editar código-fonte]

A Grande Loja Feminina de Portugal teve duas fases históricas de existência e desenvolvimento:

A primeira é a que leva às condições para o "levantamento de colunas" desta Grande Loja. Primeiro, levantou colunas a R∴L∴ Unidade e Mátria, em 1983, e depois a R∴L∴ Lusitânia, fundada em 1988, ambas a Oriente de Lisboa e constituidas por irmãs Francesas da Grande Loja Feminina de França e Portuguesas (que se iniciaram em França). Mais tarde, levantou colunas, uma terceira R∴L∴ a Oriente do Porto denominada Invicta e uma quarta Loja, a Oriente da Figueira da Foz, denominada Claridade. [1] Estas Lojas pertenciam à Grande Loja Feminina de França. Estavam assim criadas as condições necessárias para a criação da Grande Loja Feminina de Portugal

A fundação: em 27 de Março de 1996[2] é criada a Grande Loja Feminina de Portugal constituida por estas quatro lojas, sendo instalada a nova Grande Loja por irmãs mestras maçonas da Grande Loja Feminina de França numa cerimónia de autonomização realizada no Palácio Maçónico do Grande Oriente Lusitano.

Organização e estrutura interna[editar | editar código-fonte]

A Grande Loja Feminina de Portugal detém uma estrutura organizativa democratica de poder, baseada numa Constituição interna aprovada pelo o poder legislativo que é exercido pela Assembleia Geral e tem um poder executivo que é exercido pelo Concelho Federal que é Presidido pela Grã-Mestre tendo pelo menos uma Grã-Mestre Adjunta que a auxilia (esta estrutura é semelhante na generalidade com a da Grande Loja Feminina de França, pois foi esta que lhe deu origem).

Assim esta constitui-se como uma federação de lojas que trabalham nos três primeiros graus da maçonaria simbólica. Enquanto Obediência Maçônica e nos seus trabalhos de Grande Loja esta trabalha no Rito Escocês Antigo e Aceito tendo as lojas liberdade de escolha para funcionar nos seus ritos, sendo que os que são actualmente utilizados pelas lojas são o Rito Escocês Antigo e Aceito e o Rito Francês ou Moderno, este presente em duas Respeitáveis Lojas a Unidade e Matria e a Nove Irmãs (sendo estas curiosamente a primeira e a ultima a serem fundadas).

A Grande Loja Feminina de Portugal no presente[editar | editar código-fonte]

A Grande Loja Feminina de Portugal detém hoje doze lojas, com pelo menos duzentas e cinquenta irmãs (números de 2001 que pecam com certeza por defeito[1]).

As suas Lojas dividem-se por vários Orientes, assim temos em Lisboa as três já citadas, a saber, Respeitáveis Lojas Unidade e Mátria (fundada em 1983), a Lusitânia (fundada em 1988) e África (fundada até 1996), depois e fundada até 2001,[1] temos neste Oriente a R∴L∴ As Sete Irmãs, posteriormente a 2001 são criadas a Oriente de Lisboa, mais cinco Respeitáveis Lojas, de entre estas destaco a Maat e a Nove Irmãs (a ultima fundada por esta Obediência em 2006).

Fora de Lisboa, são criadas duas Respeitáveis Lojas a Oriente do Porto sendo a Invicta a primeira que é criada antes de 2001, também antes desta data aparece a R∴L∴ Claridade na Figueira da Foz/Coimbra (que foi criada numa região com uma longa tradição maçónica), depois de 2001 é criada a Oriente de Évora a R∴L∴ Diana.

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

No plano internacional esta Obediência Maçônica adere ao CLIMAF - Centro de Ligação Internacional das Maçonarias Femininas no ano seguinte á sua fundação, em 1997, participando regularmente nos seus Congressos internacionais.

No ano de 2006, esta Obediência Maçônica é a organizadora do Congresso que ocorreu em Lisboa, estando presentes neste mais de trezentas irmãs vindas de todo o mundo.[1][3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • António Arnaut, Introdução à Maçonaria, 2000, Coimbra Editora, ISBN 9789723214161
  • A. H. de Oliveira Marques, História da Maçonaria em Portugal, I Volume, Editorial Presença, Lisboa, 1990, ISBN 972-23-1226-X
  • Roger Dachez, Histoire de la franc-maçonnerie française, PUF, Paris, 2003, ISBN 2-13-053539-9
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Maçonaria.