Grande Oriente Médio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o termo com conotações históricas, veja Oriente Próximo. Para o termo no contexto da Idade Antiga, veja Antigo Oriente Próximo. Para a região geopolítica asiática, veja Médio Oriente. Para a região definida pelas Nações Unidas, veja Sudoeste Asiático.
  Definição tradicional do Oriente Médio
  Definição do G8 do Grande Oriente Médio
  Ásia Central (algumas vezes associada ao Grande Oriente Médio)

O Grande Oriente Médio é um termo político utilizado pelo governo de George W. Bush[1] para designar uma área que se estende do Marrocos e da Mauritânia até o Paquistão e Afeganistão, incluindo a Argélia, Turquia, Líbia, Egito, e a Península Árabe.[2] Os países da Ásia Central, do Cáucaso, do Norte da África e mesmo o Chifre da África (a Somália) são, por vezes, também incluídos. Alguns podem usar o termo para designar as áreas com maiorias muçulmanas significativas, mas esse uso não é universal. O termo não faz sentido em termos acadêmicos. Seu uso como um adjetivo comparativo se deu a partir dos anos 1950 e começou a ser utilizado mais frequentemente em análises estratégicas americanas no fim dos anos 1970, mas seu emprego recente em 2004 que suscitou polêmicas[3] O Grande Oriente Médio é muitas vezes referido como o "Novo Oriente Médio",[4] ou o "Projeto do Grande Médio Oriente".[5][6]

A administração Bush considera a área como uma região com amplas semelhanças políticas (governos autoritários ou democracias limitadas) e culturais (o Islã), que exigem ativa intervenção externa para promover a aplicação das medidas de liberalização. De dentro da região, esta abordagem é criticada por diversos atores.

Este termo expandido foi introduzido nos trabalhos preparatórios do governo dos EUA para a cimeira do G8 de 2004[7] como parte de uma proposta de mudança radical na forma como o Ocidente lida com o Oriente Médio.

O antigo Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Zbigniew Brzezinski, em alusão ao Oriente Médio moderno como uma alavanca de controle em uma área que ele chama de os países dos Balcãs na Eurásia.[8] Os Balcãs eurasiático constituem o Cáucaso (Geórgia, Azerbaijão e Armênia) e Ásia Central (Cazaquistão, Uzbequistão, Quirguistão, Turcomenistão, Afeganistão, e Tajiquistão) e a Turquia. A Turquia constitui a parte mais setentrional do Oriente Médio (embora para alguns o país se encontra na região do Cáucaso).[9] Os territórios da Turquia ocidental (ou seja, a Trácia oriental e as áreas em torno de Istambul) são consideradas uma parte do Sudeste da Europa, e não do Oriente Médio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Haeri, Safa (2004-03-03). «Concocting a 'Greater Middle East' brew». Asia Times [S.l.: s.n.] Consultado em 2008-08-21 
  2. Ottaway, Marina & Carothers, Thomas (2004-03-29), The Greater Middle East Initiative: Off to a False Start, Policy Brief, Carnegie Endowment for International Peace, 29, Pages 1-7
  3. «Grand Moyen-Orient - Greater Middle East . Le lieu d'un moment». mappemonde.mgm.fr. Consultado em 2016-12-17 
  4. Nazemroaya, Mahdi Darius (2006-11-18). «Plans for Redrawing the Middle East: The Project for a "New Middle East"». Global Research. Consultado em 2008-08-21 
  5. “Great Middle East Project” Conference by Prof. Dr. Mahir Kaynak and Ast.Prof. Dr. Emin Gürses in SAU
  6. «Emek Partisi (EMEP)». Emek Partisi (EMEP) (em turco). Consultado em 2017-01-05 
  7. Perthes, V., 2004, America's "Greater Middle East" and Europe: Key Issues for Dialogue, Middle East Policy, Volume XI, No.3, Pages 85-97.
  8. Zbigniew Brzezinski, "The Grand Chessboard: American Primacy and Its Geo-strategic Imperatives"[falta página] Cited in (Nazemroaya, 2006).
  9. «Middle East Map». middleeast.zoom-maps.com. Consultado em 2017-01-05