Grande Prêmio da África do Sul de 1993

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio da África do Sul
de Fórmula 1 de 1993
Kyalami.svg
21º GP da África do Sul em Kyalami
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 14 de março de 1993
Nome oficial Panasonic South African Grand Prix[1]
Local Kyalami, Midrand, Província de Gautengue, África do Sul
Total 72 voltas / 306.792 (191.386 mi) km
Condições do tempo Muito quente e úmido
Pole
Piloto
França Alain Prost Williams-Renault
Tempo 1:15.696
Volta mais rápida
Piloto
França Alain Prost Williams-Renault
Tempo 1:19.492 (na volta 40)
Pódio
Primeiro
França Alain Prost Williams-Renault
Segundo
Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford
Terceiro
Reino Unido Mark Blundell Ligier-Renault

Resultados do Grande Prêmio da África do Sul de Fórmula 1 realizado em Kyalami em 14 de março de 1993. Foi a etapa de abertura da temporada e teve como vencedor o francês Alain Prost em sua reestreia na categoria como piloto da Williams-Renault.[2] Em segundo lugar com sua McLaren-Ford, Ayrton Senna conquistou seu melhor resultado em Kyalami e Mark Blundell completou o pódio com a Ligier-Renault. Foi também a última corrida de Fórmula 1 em território sul-africano, marca ainda vigente em 2019.[nota 1][nota 2]

Originalmente prevista para 28 de fevereiro, a prova sul-africana foi adiada em duas semanas pela FISA por razões econômicas, comerciais, logísticas e desportivas, sobretudo alusivas à definição de quais pilotos defenderiam as principais equipes da categoria.[3]

Resumo da prova[editar | editar código-fonte]

Bastidores sul-africanos[editar | editar código-fonte]

Esta foi a primeira vez desde 1971 que a primeira corrida de uma temporada não contou com a presença do campeão dos pilotos do ano anterior (Jochen Rindt faleceu nos treinos para o Grande Prêmio da Itália de 1970 e foi campeão póstumo graças à vitória de Emerson Fittipaldi nos EUA). Nigel Mansell, campeão de 1992, transferiu-se para a Fórmula Indy, onde conquistou o título em seu ano de estreia. Assim a Williams ficou impossibilitada de ostentar o número #1, e atribuiu o número #2 para designar Alain Prost e o #0 para Damon Hill, nesse último caso uma medida inédita desde o Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1973 quando Jody Scheckter defendia a McLaren.[4][5]

Demitido pela Ferrari após o Grande Prêmio do Japão de 1991 por críticas acerbas à equipe,[6] Alain Prost permaneceu fora das pistas e como reflexo do domínio imposto pela Williams, o nome do francês surgiu como candidato a uma vaga no time de Grove a partir do fim de semana do Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1992 numa torrente de boatos envolvendo os nomes de Nigel Mansell e Ayrton Senna,[7] mas graças ao poderio da Renault e da Elf, Alain Prost foi anunciado como piloto de Frank Williams no Grande Prêmio de Portugal de 1992 sob um contrato de dois anos como substituto de Nigel Mansell,[8] que preferiu correr na Fórmula Indy, categoria onde foi campeão em sua temporada de estreia pela Newman-Haas.[9]

Antes do primeiro treino livre, a March, que teria Jan Lammers e Jean-Marc Gounon como pilotos, encerrou suas atividades. Entretanto o número de times inscritos manteve-se o mesmo graças à estreia da Sauber com J. J. Lehto e Karl Wendlinger.[10] Dentre os pilotos cabe mencionar as estreias de Luca Badoer, Michael Andretti (filho de Mario Andretti e campeão da Fórmula Indy em 1991) e Rubens Barrichello. Contudo foi a última corrida de Ivan Capelli, dispensado pela Jordan ao não se classificar para o Grande Prêmio do Brasil de 1993.

Rivais na primeira fila[editar | editar código-fonte]

De volta à categoria, Alain Prost fez a pole com apenas oitenta e oito milésimos de vantagem para Ayrton Senna, o qual marcou seu melhor tempo aos vinte e seis minutos de treino. Aos trinta e dois foi Prost quem cravou o melhor tempo do dia com ínfima vantagem para desgosto de seu rival. Desde o Grande Prêmio da França de 1989 o francês não conquistava a posição de honra (nessa corrida ele e o brasileiro largaram na primeira fila pela McLaren). Um novo recorte histórico assinala que os dois não saíam na fila de honra desde o Grande Prêmio da Bélgica de 1991 e naquela ocasião Senna ficou à frente (pole).[11][12][13]

Corrida[editar | editar código-fonte]

Na largada, Senna pulou adiante e trouxe Hill consigo, mas como o inglês rodou logo nos primeiros metros, caiu várias posições e assim permitiu a perseguição de Schumacher e Prost ao brasileiro da McLaren. Após superar Schumacher na décima terceira volta, o francês inicia uma perseguição a Senna até superá-lo na vigésima quarta volta, quando o alemão Schumacher chegou ao segundo lugar. Como os dois vice-líderes foram aos boxes logo a seguir, Prost ficou na pista por mais uma volta e trocou seus pneus sem perder a liderança e quando retornou ao asfalto tinha Ayrton Senna em segundo lugar e Michael Schumacher em terceiro, graças ao bom pit stop realizado pela McLaren.[14]

Após retornarem dos boxes, a vantagem de Alain Prost sobre Ayrton Senna girava em torno de três segundos e essa margem subiu paulatinamente enquanto o brasileiro detinha cerca de meio segundo sobre Michael Schumacher na disputa pela segunda posição. O duelo entre Senna e o alemão terminou na altura da quadragésima volta quando o piloto da Benetton empreendeu uma tentativa de ultrapassagem cujo resultado foi um toque de rodas que o eliminou da prova, manobra cujo resultado prejudicou o germânico.[15] Pouco depois Riccardo Patrese rodou enquanto ocupava a terceira posição herdada de seu companheiro de equipe. A saída do italiano legou a Mark Blundell o terceiro lugar mas, tão logo isso ocorreu, o inglês da Ligier tomou uma volta de Alain Prost, líder da prova com mais de meio minuto sobre Ayrton Senna.

Sem ninguém a persegui-lo de perto, Alain Prost seguiu na liderança e administrou sua vantagem a ponto de cruzar a linha de chegada com quase um minuto e vinte segundos de diferença sobre Ayrton Senna, não obstante a chuva que caiu sobre Kyalami nas voltas finais. Foi a primeira dobradinha entre ambos desde os Estados Unidos em 1991 e a primeira vez que sobem juntos ao pódio desde a Itália naquele mesmo ano, além de ser a primeira vitória do francês desde o Grande Prêmio da Espanha de 1990, quando o mesmo defendia a Ferrari.[16][nota 3] Além disso, Mark Blundell subiu pela primeira vez ao pódio, o primeiro da Ligier desde o Grande Prêmio de Detroit de 1986, enquanto Christian Fittipaldi foi o quarto colocado[17] com uma menção honrosa a J. J. Lehto que pontuou na corrida de estreia da equipe Sauber na Fórmula 1. Mesmo parando a duas voltas do fim, Gerhard Berger ficou em sexto lugar com sua Ferrari. Aliás, tanto o austríaco quanto o britânico Derek Warwick (sétimo colocado em sua reestreia), foram classificados por cumprirem mais de três quartos da corrida.

Quatro dias depois da prova, Alain Prost foi absolvido pelo conselho mundial da FISA ao se desculpar por críticas feitas à entidade.[18]

Treinos classificatórios[editar | editar código-fonte]

Grid de largada e classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Grid de largada
Pos. Piloto Equipe Tempo
1 2 França Alain Prost Williams-Renault 1:15.696
2 8 Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford 1:15.784
3 5 Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford 1:17.261
4 0 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 1:17.592
5 27 França Jean Alesi Ferrari 1:18.234
6 30 Finlândia J.J. Lehto Sauber 1:18.664
7 6 Itália Riccardo Patrese Benetton-Ford 1:18.676
8 26 Reino Unido Mark Blundell Ligier-Renault 1:18.687
9 7 Estados Unidos Michael Andretti McLaren-Ford 1:18.786
10 29 Áustria Karl Wendlinger Sauber 1:18.950
11 19 França Philippe Alliot Larrousse-Lamborghini 1:19.034
12 25 Reino Unido Martin Brundle Ligier-Renault 1:19.138
13 23 Brasil Christian Fittipaldi Minardi-Ford 1:19.285
14 14 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Hart 1:19.305
15 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 1:19.386
16 11 Itália Alessandro Zanardi Lotus-Ford 1:19.396
17 12 Reino Unido Johnny Herbert Lotus-Ford 1:19.498
18 15 Itália Ivan Capelli Jordan-Hart 1:19.759
19 20 França Erik Comas Larrousse-Lamborghini 1:20.081
20 10 Japão Aguri Suzuki Footwork-Mugen/Honda 1:20.237
21 3 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 1:20.401
22 9 Reino Unido Derek Warwick Footwork-Mugen/Honda 1:20.402
23 4 Itália Andrea de Cesaris Tyrrell-Yamaha 1:20.660
24 24 Itália Fabrizio Barbazza Minardi-Ford 1:20.994
25 21 Itália Michele Alboreto Scuderia Italia-Ferrari 1:21.893
26 22 Itália Luca Badoer Scuderia Italia-Ferrari 1:24.737
Classificação da prova
Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 2 França Alain Prost Williams-Renault 72 1:38:45.082 1 10
2 8 Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford 72 + 1:19.824 2 6
3 26 Reino Unido Mark Blundell Ligier-Renault 71 + 1 volta 8 4
4 23 Brasil Christian Fittipaldi Minardi-Ford 71 + 1 volta 13 3
5 30 Finlândia J. J. Lehto Sauber 70 + 2 voltas 6 2
6 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 69 Motor 15 1
7 9 Reino Unido Derek Warwick Footwork-Mugen/Honda 69 Rodou 22
Ret 25 Reino Unido Martin Brundle Ligier-Renault 57 Rodou 12
Ret 21 Itália Michele Alboreto Scuderia Italia-Ferrari 55 Superaquecimento 25
Ret 20 França Erik Comas Larrousse-Lamborghini 51 Motor 19
Ret 6 Itália Riccardo Patrese Benetton-Ford 46 Rodou 7
Ret 5 Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford 39 Rodou 3
Ret 12 Reino Unido Johnny Herbert Lotus-Ford 38 Abastecimento 17
Ret 29 Áustria Karl Wendlinger Sauber 33 Motor 10
Ret 14 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Hart 31 Câmbio 14
Ret 27 França Jean Alesi Ferrari 30 Suspensão 5
Ret 19 França Philippe Alliot Larrousse-Lamborghini 27 Rodou 11
Ret 24 Itália Fabrizio Barbazza Minardi-Ford 21 Colisão 24
Ret 10 Japão Aguri Suzuki Footwork-Mugen/Honda 21 Colisão 20
Ret 22 Itália Luca Badoer Scuderia Italia-Ferrari 20 Câmbio 26
Ret 0 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 16 Colisão 4
Ret 11 Itália Alessandro Zanardi Lotus-Ford 16 Colisão 16
Ret 7 Estados Unidos Michael Andretti McLaren-Ford 4 Colisão 9
Ret 15 Itália Ivan Capelli Jordan-Hart 2 Rodou 18
Ret 3 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 1 Transmissão 21
Ret 4 Itália Andrea de Cesaris Tyrrell-Yamaha 0 Transmissão 23

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas.

Notas

  1. Voltas na liderança: Ayrton Senna 23 voltas (1-23), Alain Prost 49 voltas (24-72).
  2. A exemplo do ocorrido em 1985 e 1992 a Williams conquistou a pole position e a vitória na África do Sul e Alain Prost tornou-se tornou-se o primeiro a vencer em sua estreia pela equipe de Grove desde Nelson Piquet no Grande Prêmio do Brasil de 1986.
  3. Desde o Grande Prêmio da França de 1988, quando defendia a McLaren, Alain Prost não dominava os treinos classificatórios, fazia a volta mais rápida e conseguia a vitória numa mesma prova.

Referências

  1. «Motor Racing Programme Covers: 1993». The Programme Covers Project. Consultado em 24 de julho de 2019 
  2. «1993 South African Grand Prix - race result». Consultado em 14 de setembro de 2018 
  3. ANDRADA E SILVA, Mário. Crise adia a largada da F 1 em 93 (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 21/11/1992. Esportes, p. 17. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  4. Williams terá número zero (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 26/10/1992. Esporte, p. 5-4. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  5. Prost pode correr com o número zero (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 26/10/1992. Esportes, p. 07. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  6. «Sports People: Auto Racing; Prost is dropped from Ferrari team». The New York Times. The New York Times Company. 30 de outubro de 1991. Consultado em 2 de abril de 2015 
  7. «Três escuderias disputam três pilotos. Disponível na Folha de S.Paulo, 11/07/1992». Consultado em 2 de abril de 2015 
  8. ANDRADA E SILVA, Mário. Prost assina com a Williams e irrita Senna (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 28/09/1992. Esportes, p. 07. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  9. Fred Sabino (8 de agosto de 2018). «Os 65 anos de Nigel Mansell: relembre dez momentos marcantes do Leão na F1». Consultado em 25 de julho de 2019 
  10. «South African GP, 1993 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 24 de julho de 2019 
  11. ANDRADA E SILVA, Mário. Prost ganha o primeiro confronto (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/03/1993. Esportes, p. 36. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  12. Senna se irrita porque é segundo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/03/1993. Esportes, p. 36. Página visitada em 25 de julho de 2019.
  13. «Prost larga na pole e Senna obtém 2º posto. Disponível na Folha de S.Paulo, 14/03/1993». Consultado em 10 de abril de 2015 
  14. «Prost vence disputa de gigantes na África do Sul. Disponível na Folha de S.Paulo, 15/03/1993». Consultado em 2 de abril de 2015 
  15. «Alemão sai da pista e dá queixa contra Senna. Disponível na Folha de S.Paulo, 15/03/1993». Consultado em 2 de abril de 2015 
  16. «ChicaneF1.com: Results and Statistics». Consultado em 2 de abril de 2015 
  17. Fred Sabino (14 de março de 2019). «O milagroso quarto lugar de Christian Fittipaldi com uma Minardi na África do Sul, em 1993». Consultado em 25 de julho de 2019 
  18. «Fisa muda o discurso e absolve Alain Prost. Disponível na Folha de S.Paulo, 19/03/1993». Consultado em 2 de abril de 2015 
Precedido por
Grande Prêmio da Austrália de 1992
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1993
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1993
Precedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1992
Grande Prêmio da África do Sul
33ª edição
Sucedido por
Nenhum