Grande Prêmio da Alemanha de 1970

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio da Alemanha
de Fórmula 1 de 1970
Circuit Hockenheimring-1970.svg
Primeiro GP da Alemanha em Hockenheim
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 2 de agosto de 1970
Nome oficial Grosser Preis von Deutschland
Local Hockenheimring, Hockenheim, Baden-Württemberg, Alemanha Ocidental
Percurso 6.789 km
Total 50 voltas / 339.450 km
Pole
Piloto
Bélgica Jacky Ickx Ferrari
Tempo 1:59.5
Volta mais rápida
Piloto
Bélgica Jacky Ickx Ferrari
Tempo 2:00.5 (na volta 50)
Pódio
Primeiro
Áustria Jochen Rindt Lotus-Ford
Segundo
Bélgica Jacky Ickx Ferrari
Terceiro
Nova Zelândia Denny Hulme McLaren-Ford

Resultados do Grande Prêmio da Alemanha de Fórmula 1 realizado em Hockenheim em 2 de agosto de 1970.[1] Oitava etapa da temporada, foi vencida pelo austríaco Jochen Rindt, da Lotus-Ford, com Jacky Ickx em segundo pela Ferrari e Denny Hulme em terceiro pela McLaren-Ford.[2][nota 1]

Resumo[editar | editar código-fonte]

Estreia de Hockenheim[editar | editar código-fonte]

Palco de vinte e nove edições do Grande Prêmio da Alemanha, o circuito de Nürburgring não sediará a edição de 1970 porque os organizadores da etapa germânica não realizaram a tempo as modificações em prol da segurança no local, conforme denunciava a Grand Prix Drivers' Association e por isso escolheram a pista de Hockenheim, próxima à cidade homônima, para a disputa da oitava etapa do mundial de Fórmula 1. O novo circuito, registre-se, foi reformado desde a morte de Jim Clark numa prova de Fórmula 2 em 1968.[3][4][5][nota 2]

Exceto pela aposentadoria de Dan Gurney, substituído na McLaren pelo britânico Peter Gethin, o grid germânico era similar ao da prova anterior, na Grã-Bretanha. Dentre as equipes a Frank Williams Racing Cars foi limada do Grande Prêmio da Alemanha porque a De Tomaso de Brian Redman não atingiu o tempo necessário para classificar-se, dentre outros carros.[3]

Após duelar com Jochen Rindt nos treinos, o belga Jacky Ickx superou o rival e obteve a quinquagésima pole position na história da Ferrari[6] deixando o piloto da Lotus atrás de si enquanto Clay Regazzoni (Ferrari), Jo Siffert (March), Henri Pescarolo (Matra) e Chris Amon (March) vinham a seguir com o campeão mundial, Jackie Stewart, apenas em sétimo com sua March/Tyrrell.[3]

Última vitória de Rindt[editar | editar código-fonte]

Jacky Ickx soube aproveitar a pole position e manteve o primeiro lugar sob uma perseguição feroz de Jochen Rindt durante seis voltas quando seu rival o ultrapassou, mas o ferrarista retomou a liderança no décimo giro, mas graças ao vácuo proporcionado pelas longas retas do circuito de Hockenheim, Rindt retornou à ponta na volta dezoito. Salvo alguma intrusão por parte de Clay Regazzoni (líder por duas voltas), o embate entre Ickx e Rindt foi a tônica do fim de semana e ao todo a liderança mudou de posição em onze oportunidades, com os rivais em questão alternando-se entre a primeira e a segunda posição no grid.[7]

Na trigésima volta, a Ferrari de Clay Regazzoni rodou e saiu da pista deixando o terceiro lugar para Chris Amon, mas este sucumbiu a uma quebra de motor quatro giros mais tarde. Igual destino teve John Surtees ao herdar tão volátil posição. Dentre os coadjuvantes da prova cabe ressaltar o desempenho de Emerson Fittipaldi, pois embora fosse o terceiro piloto da equipe de Colin Chapman, o brasileiro guiava com esmero redobrado ao volante de um obsoleto Lotus 49. Décimo terceiro piloto no grid de largada, ele soube aproveitar os momentos de ultrapassagem e as quebras de seus adversários para ganhar terreno e chegou à zona de pontuação quando o câmbio da Matra de Henri Pescarolo falhou na quadragésima sexta volta. A quebra dos motores de John Surtees (agora piloto de sua própria equipe) e Jo Siffert (BRM) permitiram a Fittipaldi chegar na quarta posição igualando o resultado de Chico Landi (então piloto da Maserati) no Grande Prêmio da Argentina de 1956.[8][nota 3]

Enquanto isso o duelo pela vitória seguia acirrado e nisso Jacky Ickx assumiu a liderança na volta 48, mas Jochen Rindt deu o troco na passagem seguinte. Num esforço final Ickx marcou a melhor volta da prova no último giro a fim de superar Rindt, mas o austríaco da Lotus resistiu e conquistou aquela que seria a última vitória de sua carreira[7] e durante a cerimônia de premiação ele cumprimentou Ickx em reconhecimento à dura e leal disputa que tiveram, num dia onde Denny Hulme levou sua McLaren à terceira posição, assumida a quatro voltas do fim com a quebra de John Surtees. Conforme já assinalado, Emerson Fittipaldi foi o quarto colocado e marcou os primeiros pontos de sua carreira e para o deleite dos alemães Rolf Stommelen ficou em quinto lugar com sua Brabham e Henri Pescarolo ainda levou sua Matra à sexta posição.[7]

Jochen Rindt saboreou a vitória em Hockenheim de maneira singular, pois embora tivesse nacionalidade austríaca, nasceu na cidade alemã de Mainz, situada à margem esquerda do Rio Reno. Lembranças à parte, Rindt liderava o mundial de pilotos com 45 pontos e a Lotus era a melhor entre os construtores com 50 pontos.

Classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 2 Áustria Jochen Rindt Lotus-Ford 50 1:42:00.3 2 9
2 10 Bélgica Jacky Ickx Ferrari 50 + 0.7 1 6
3 4 Nova Zelândia Denny Hulme McLaren-Ford 50 + 1:21.8 16 4
4 17 Brasil Emerson Fittipaldi Lotus-Ford 50 + 1:55.1 13 3
5 21 Alemanha Ocidental Rolf Stommelen Brabham-Ford 49 + 1 volta 11 2
6 14 França Henri Pescarolo Matra 49 + 1 volta 5 1
7 23 França François Cevert March-Ford 49 + 1 volta 14
8 12 Suíça Jo Siffert March-Ford 47 Ignição 4
9 7 Reino Unido John Surtees Surtees-Ford 46 Motor 15
Ret 9 Reino Unido Graham Hill Lotus-Ford 37 Motor 20
Ret 5 Nova Zelândia Chris Amon March-Ford 34 Motor 6
Ret 15 Suíça Clay Regazzoni Ferrari 30 Motor 3
Ret 16 Reino Unido John Miles Lotus-Ford 24 Motor 10
Ret 1 Reino Unido Jackie Stewart March-Ford 20 Motor 7
Ret 11 Estados Unidos Mario Andretti March-Ford 15 Câmbio 9
Ret 22 Suécia Ronnie Peterson March-Ford 11 Motor 19
Ret 6 México Pedro Rodríguez BRM 7 Ignição 8
Ret 18 Reino Unido Jackie Oliver BRM 5 Motor 18
Ret 3 Austrália Jack Brabham Brabham-Ford 4 Vazamento de óleo 12
Ret 8 França Jean-Pierre Beltoise Matra 4 Suspensão 21
Ret 24 Reino Unido Peter Gethin McLaren-Ford 3 Acelerador 17
DNQ 25 Reino Unido Brian Redman De Tomaso-Ford
DNQ 20 Itália Andrea de Adamich McLaren-Alfa Romeo
DNQ 27 Suíça Silvio Moser Bellasi-Ford
DNQ 26 Alemanha Ocidental Hubert Hahne March-Ford
Fonte:[1]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Em 1970 os pilotos computariam seis resultados nas sete primeiras corridas do ano e cinco nas últimas seis. Neste ponto esclarecemos: na tabela dos construtores figurava somente o melhor colocado dentre os carros de um time.

Notas

  1. Voltas na liderança: Jacky Ickx 31 voltas (1-6, 10-17, 26-31, 36-43, 45-46, 48); Jochen Rindt 17 voltas (7-9, 18-21, 24-25, 32-35, 44, 47, 49-50); Clay Regazzoni 2 voltas (22-23).
  2. O circuito de Automobil-Verkehrs- und Übungsstraße (AVUS) sediou o primeiro Grande Prêmio da Alemanha em 1926 e também a edição de 1959.
  3. Chico Landi dividiu a pontuação pelo quarto lugar no Grande Prêmio da Argentina de 1956 com o italiano Gerino Gerini.

Referências

  1. a b «1970 German Grand Prix - race result». Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  2. Fred Sabino (18 de abril de 2018). «Jochen Rindt é até hoje o único campeão póstumo na história da Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  3. a b c «German GP, 1970 (em inglês) no grandprix.com». Consultado em 27 de julho de 2020 
  4. Fred Sabino (7 de abril de 2018). «Há 50 anos, morria Jim Clark, ídolo maior de uma geração na Fórmula 1». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de julho de 2020 
  5. Fred Sabino (2 de agosto de 2020). «Circuitos clássicos #8: há 50 anos, F1 visitava Hockenheim pela 1ª vez; relembre a história». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 2 de agosto de 2020 
  6. «Ferrari – pole positions (em inglês) no statsf1.com». Consultado em 27 de julho de 2020 
  7. a b c Fred Sabino (2 de agosto de 2018). «Primeiros pontos de Emerson Fittipaldi na F1 foram marcados na Alemanha». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  8. Fred Sabino (22 de janeiro de 2020). «Landi fez primeiros pontos do Brasil na F1, e Fangio estreou na Ferrari com vitória em casa». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 27 de julho de 2020 
  9. a b «1970 German GP – championships (em inglês) no Chicane F1». Consultado em 30 de julho de 2020 
Precedido por
Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1970
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1970
Sucedido por
Grande Prêmio da Áustria de 1970
Precedido por
Grande Prêmio da Alemanha de 1969
Grande Prêmio da Alemanha
32ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Alemanha de 1971