Grande Prêmio da Bélgica de 1982

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio da Bélgica
de Fórmula 1 de 1982
Circuit Zolder-1975-1985.svg
Grande Prêmio da Bélgica de 1982.
Detalhes da corrida
Data 9 de maio de 1982
Local Zolder, Heusden-Zolder, Limburgo, Bélgica
Percurso 4.262 km
Total 70 voltas / 298.340 km
Pole
Piloto
França Alain Prost Renault
Tempo 1:15.701
Volta mais rápida
Piloto
Reino Unido John Watson McLaren-Ford
Tempo 1:20.214 (na volta 67)
Pódio
Primeiro
Reino Unido John Watson McLaren-Ford
Segundo
Finlândia Keke Rosberg Williams-Ford
Terceiro
Estados Unidos Eddie Cheever Ligier-Matra

Resultados do Grande Prêmio da Bélgica de Fórmula 1 realizado em Zolder à 9 de maio de 1982. Foi a quinta etapa daquela temporada.

Sábado trágico[editar | editar código-fonte]

O piloto canadense Gilles Villeneuve morreu num acidente durante a última sessão de treinos oficiais. Pouco antes seu companheiro de equipe, Didier Pironi, marcara um tempo 0,1s mais rápido do que Villeneuve. Escritores contemporâneos e mais recentes dividem-se entre a narrativa de que o canadense tentava melhorar seu oitavo lugar ou o figadal desejo de derrotar Pironi devido à amargura sofrida nos momentos finais do Grande Prêmio de San Marino, quando Villeneuve acreditava que o francês não o ultrapassaria na disputa pela vitória, situação inversa ao ocorrido.[1]

Faltando menos de dez minutos para o fim do treino o carro de Villeneuve percorria a pista e encontrou a March de Jochen Mass num ritmo lento. O alemão viu a Ferrari aproximar-se em alta velocidade e moveu-se para a direita para deixá-la passar, porém o bólido vermelho também se moveu na mesma direção a fim de executar a ultrapassagem e nesse instante houve uma colisão na traseira da March e a Ferrari foi lançada no ar percorrendo mais de 100 metros a uma velocidade próxima dos 250 km/h antes de atingir chão e se desintegrar enquanto quicava na borda da pista.[2] Villeneuve, ainda amarrado a seu assento, mas sem seu capacete, foi lançado a cerca de 50 metros dos destroços caindo próximo à cerca de proteção na borda externa da curva Terlamenbocht.

Acionado, o socorro médico chegou ao local onde caíra o piloto canadense e logo constatou que Villeneuve não respirava, embora pudessem detectar seu pulso. Intubado e ventilado, passou pelo centro médico do circuito antes de ser transferido de helicóptero para o Hospital Universitário St. Raphael em Louvain, onde uma fratura fatal do pescoço foi diagnosticada, bem como inúmeros danos no cérebro. Clinicamente morto, foi conectado ao sistema de suporte vital até que sua esposa e filhos chegassem ao hospital. Os médicos consultaram especialistas em todo o mundo, mas a situação foi irreversível e o piloto foi declarado morto às 9:12 da noite, na primeira fatalidade envolvendo um piloto de Fórmula 1 desde Ronnie Peterson no Grande Prêmio da Itália de 1978.[3][4]

A equipe Ferrari deixou o circuito após a morte de Gilles Villeneuve e não participou da corrida. Os oito minutos finais da qualificação foram realizados após removeram os destroços do acidente. Nenhum dos pilotos melhorou seu tempo, deixando as Renault de Alain Prost e René Arnoux na primeira fila do grid.

Vitória e consternação[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte René Arnoux conservou o primeiro lugar durante quatro voltas, entretanto o destaque naquele início de prova foi o acidente entre Bruno Giacomelli e Eliseo Salazar, mutuamente prensados à altura de um guard-rail quando o italiano da Alfa Romeo avaliou mal uma tentativa de ultrapassagem. No quinto giro o finlandês Keke Rosberg superou Arnoux e assumiu a ponta até que, na antepenúltima volta, seus pneus sucumbiram ao desgaste e nisso John Watson tomou o primeiro lugar para si, uma manobra respeitável considerando que o norte-irlandês foi apenas o décimo colocado no grid e pouco depois confirmou sua vitória no duelo contra Rosberg. Pior destino teve Niki Lauda, pois os comissários da FISA cassaram seu terceiro lugar ao verificarem que sua McLaren estava dois quilos abaixo dos 580 exigidos pelo regulamento, num erro considerado pueril por um Ron Dennis que oscilava entre a fúria e a resignação: "Calculamos mal o desgaste dos pneus e a perda de água e óleo durante a corrida", disse ele.[5][6] Beneficiado pelo azar do time inglês, Eddie Cheever subiu ao pódio enquanto Elio de Angelis, Nelson Piquet e Chico Serra completaram a zona de pontuação, sendo que este último colheu o derradeiro ponto da Fittipaldi na Fórmula 1.

Mesmo vitorioso, John Watson mostrou-se consternado com a morte de Gilles Villeneuve.[5]

Resultado da corrida[editar | editar código-fonte]

Exceto quando indicado, todos os resultados provêm do site oficial da Fórmula 1.[7]

Pos. Piloto Chassi/Motor Voltas Tempo/Dif. Grid Pontos
1 7 Reino Unido John Watson McLaren-Ford 70 1:35'41"995 10 9
2 6 Finlândia Keke Rosberg Williams-Ford 70 + 7"268 3 6
DSQ 8 Áustria Niki Lauda[6] McLaren-Ford 70 + 1'08"137 4 -
3 25 Estados Unidos Eddie Cheever Ligier-Matra 69 + 1 volta 14 4
4 11 Itália Elio de Angelis Lotus-Ford 68 + 2 voltas 11 3
5 1 Brasil Nelson Piquet Brabham-BMW 67 + 3 voltas 8 2
6 20 Brasil Chico Serra Fittipaldi-Ford 67 + 3 voltas 23 1
7 29 Suíça Marc Surer Arrows-Ford 66 + 4 voltas 22 -
8 18 Brasil Raul Boesel March-Ford 66 + 4 voltas 24 -
9 26 França Jacques Laffite Ligier-Matra 66 + 4 voltas 17 -
Ret 5 República da Irlanda Derek Daly Williams-Ford 60 Spun Off 13 -
Ret 17 Alemanha Jochen Mass March-Ford 60 Motor 25 -
Ret 15 França Alain Prost Renault 59 Spun Off 1 -
Ret 2 Itália Riccardo Patrese Brabham-BMW 52 Spun Off 9 -
Ret 30 Itália Mauro Baldi Arrows-Ford 51 Acelerador 26 -
Ret 31 França Jean-Pierre Jarier Osella-Ford 37 Broken Wing 16 -
Ret 22 Itália Andrea de Cesaris Alfa Romeo 34 Câmbio 6 -
Ret 4 Reino Unido Brian Henton Tyrrell-Ford 33 Motor 20 -
Ret 3 Itália Michele Alboreto Tyrrell-Ford 29 Motor 5 -
Ret 35 Reino Unido Derek Warwick Toleman-Hart 29 Transmissão 19 -
Ret 36 Itália Teo Fabi Toleman-Hart 13 Freios 21 -
Ret 12 Reino Unido Nigel Mansell Lotus-Ford 9 Embreagem 7 -
Ret 16 França René Arnoux Renault 7 Turbo 2 -
Ret 9 Alemanha Manfred Winkelhock ATS-Ford 0 Embreagem 12 -
Ret 23 Itália Bruno Giacomelli Alfa Romeo 0 Colisão 15 -
Ret 10 Chile Eliseo Salazar ATS-Ford 0 Colisão 18 -
DNS 28 França Didier Pironi Ferrari Não participou
DNS 27 Canadá Gilles Villeneuve Ferrari Acidente fatal
DNQ 14 Colômbia Roberto Guerrero Ensign-Ford
DNQ 33 Países Baixos Jan Lammers Theodore-Ford
DNPQ 32 Itália Riccardo Paletti Osella-Ford
DNPQ 19 Espanha Emilio de Villota March-Ford

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Referências

  1. «SABINO, Fred. Inimizade entre Villeneuve e Pironi foi efêmera, mas marcou história da F1 (globoesporte.com)». Consultado em 8 de julho de 2018. 
  2. O acidente (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 09/05/1982. Esportes, capa. Página visitada em 8 de julho de 2018.
  3. Villeneuve morre no último treino do GP (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 09/05/1982. Quarto caderno, pág. 42. Página visitada em 8 de julho de 2018.
  4. As mortes na F-1 de 1950 até hoje (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 09/05/1982. Esportes, capa. Página visitada em 8 de julho de 2018.
  5. a b John Watson vence o trágico Grande Prêmio da Bélgica (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 10/05/1982. Esportiva, pág. 18. Página visitada em 13 de julho de 2018.
  6. a b McLaren diz que errou cálculo e não recorre (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 10/05/1982. Esportes, p. 03. Página visitada em 8 de julho de 2018.
  7. «1982 Belgian Grand Prix - race result». Consultado em 8 de julho de 2018. 


Precedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1982
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1982
Sucedido por
Grande Prêmio de Mônaco de 1982
Precedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 1981
Grande Prêmio da Bélgica
40ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Bélgica de 1983