Grande Prêmio de San Marino de 1989

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio de San Marino
de Fórmula 1 de 1989
Circuit Imola 1992.png
Nono GP de San Marino realizado em Imola
Detalhes da corrida
Data 23 de abril de 1989
Nome oficial IX Gran Premio Kronenbourg di San Marino
Local Autódromo Enzo e Dino Ferrari, Ímola, Emília-Romanha, Itália
Total 58 voltas / 292.320 km
Condições do tempo Ensolarado, ameno, seco
Pole
Piloto
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Tempo 1:26.010
Volta mais rápida
Piloto
França Alain Prost McLaren-Honda
Tempo 1:26.795 (na volta 45)
Pódio
Primeiro
Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda
Segundo
França Alain Prost McLaren-Honda
Terceiro
Itália Alessandro Nanini Benetton-Ford

Resultados do Grande Prêmio de San Marino de Fórmula 1 realizado em Imola em 23 de abril de 1989.[1] Segunda etapa da temporada, teve como vencedor o brasileiro Ayrton Senna, que subiu ao pódio junto a Alain Prost numa dobradinha da McLaren-Honda, com Alessandro Nanini em terceiro pela Benetton-Ford.[2][3][4][nota 1]

Resumo[editar | editar código-fonte]

Ao iniciar a quarta volta, a Ferrari do austríaco Gerhard Berger não fez a curva Tamburello. O carro do piloto bateu forte violentamente no muro da pista arrastando-se até parar. Imediatamente, o Ferrari cheio de gasolina pega fogo.

Em 15 segundos, os competentes comissários de pista italianos accionaram os extintores em cima da Ferrari, conseguem por fim ao fogo em 5 segundos e retirar Berger do cockpit. Transportado ao Centro Médico do circuito, constata-se outro milagre: Berger nada tem, além de queimaduras nas mãos!

Depois de socorrer o piloto austríaco, a prova esteve parada durante uma hora até à segunda relargada, com menos uma volta da prevista. Quanto aos resultados, iriam ser juntados até a 3ª volta mais os da segunda largada e iria ser feito uma média. Na segunda largada, uma polêmica com os pilotos da McLaren. Prost largou melhor, mas na freada da curva Tosa, Senna ultrapassa-o para a liderança. o francês afirma que o brasileiro tinha violado um acordo que tinham feito antes da relargada, pois foi dito entre os dois que quem largasse na frente não seria atacado pelo outro até depois da primeira curva, porque a superioridade dos carros ingleses era enorme sobre as demais equipes que não valeria a pena um confronto logo na primeira curva de cada corrida.

Depois disso, o resto da corrida foi mais calmo. As McLaren dominaram-na, dando quase uma volta ao terceiro classificado, o Benetton de Alessandro Nannini, que herdara a posição a Nigel Mansell, que tinha desistido na volta 23, devido na caixa de câmbio. A seguir a Nannini, vinha Nelson Piquet, que não durou muito mais, pois na volta 29, o motor explodiu. Assim, o quarto posto caiu nas mãos de Thierry Boutsen, que o conservou até ao final. Mas os comissários de pista desclassificaram-no, porque descobriu-se que tinham trocado de pneus entre as duas partidas, a ele e a Alex Caffi, o 7º lugar. Mas meses depois, descobriu-se que os comissários italianos tinham autorizado a troca, e devolvidos os lugares que tinham sido retirados. Assim, com o pódio Senna-Prost-Nannini, Thierry Boutsen (4º), o Arrows de Derek Warwick (5º) e o Tyrrell de Jonathan Palmer (6º) fechou os pontos.

Classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 1 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda 58 1:26'51"245 1 9
2 2 França Alain Prost McLaren-Honda 58 + 40"225 2 6
3 19 Itália Alessandro Nannini Benetton-Ford 57 + 1 volta 7 4
4 5 Bélgica Thierry Boutsen Williams-Renault 57 + 1 volta 6 3
5 9 Reino Unido Derek Warwick Arrows-Ford 57 + 1 volta 12 2
6 3 Reino Unido Jonathan Palmer Tyrrell-Ford 57 + 1 volta 25 1
7 21 Itália Alex Caffi Dallara-Ford 57 + 1 volta 9
8 40 Itália Gabriele Tarquini AGS-Ford 57 + 1 volta 18
9 10 Estados Unidos Eddie Cheever Arrows-Ford 56 + 2 voltas 21
10 22 Itália Andrea de Cesaris Dallara-Ford 56 + 2 voltas 16
11 20 Reino Unido Johnny Herbert Benetton-Ford 56 + 2 voltas 23
12 17 Itália Nicola Larini Osella-Ford 52 Rodada 14
Ret 7 Reino Unido Martin Brundle Brabham-Judd 51 Pressão do combustível 22
NC 12 Japão Satoru Nakajima Lotus-Judd 46 Não classificado 24
Ret 24 Espanha Luis Pérez-Sala Minardi-Ford 43 Acidente 15
Ret 15 Brasil Mauricio Gugelmin March-Judd 39 Transmissão 19
Ret 11 Brasil Nelson Piquet Lotus-Judd 29 Motor 8
Ret 27 Reino Unido Nigel Mansell Ferrari 23 Câmbio 3
Ret 6 Itália Riccardo Patrese Williams-Renault 21 Motor 4
Ret 8 Itália Stefano Modena Brabham-Judd 19 Acidente 17
Ret 23 Itália Pierluigi Martini Minardi-Ford 6 Câmbio 11
DSQ 26 França Olivier Grouillard Ligier-Ford 4 Desclassificado 10 [nota 2]
Ret 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 3 Acidente 5
Ret 16 Itália Ivan Capelli March-Judd 1 Acidente 13
Ret 30 França Philippe Alliot Lola-Lamborghini 0 Pane elétrica 20
DNS 29 França Yannick Dalmas Lola-Lamborghini 0 Pane elétrica 26
DNQ 4 Itália Michele Alboreto Tyrrell-Ford
DNQ 25 França René Arnoux Ligier-Ford
DNQ 38 Alemanha Ocidental Christian Danner Rial-Ford
DNQ 31 Brasil Roberto Moreno Coloni-Ford
DNPQ 37 Bélgica Bertrand Gachot Onyx-Ford
DNPQ 33 Suíça Gregor Foitek Eurobrun-Judd
DNPQ 18 Itália Piercarlo Ghinzani Osella-Ford
DNPQ 36 Suécia Stefan Johansson Onyx-Ford
DNPQ 41 Alemanha Ocidental Joachim Winkelhock AGS-Ford
DNPQ 32 França Pierre-Henri Raphanel Coloni-Ford
DNPQ 35 Japão Aguri Suzuki Zakspeed-Yamaha
DNPQ 34 Alemanha Ocidental Bernd Schneider Zakspeed-Yamaha
DNPQ 39 Alemanha Ocidental Volker Weidler Rial-Ford

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas. Entre 1981 e 1990 cada piloto podia computar onze resultados válidos por temporada não havendo descartes no mundial de construtores.

Notas

  1. Voltas na liderança: Ayrton Senna liderou todas as voltas da prova, pois em função do acidente com a Ferrari de Gerhard Berger no quarto giro, a corrida teve apenas 55 passagens "contínuas" às quais foram acrescidas as três prévias ao ocorrido com o austríaco, totalizando 58 ao invés das 61 voltas previstas.
  2. Olivier Grouillard foi desclassificado porque a Ligier reparou seu carro ilegalmente quando o mesmo já estava posicionado no grid. Thierry Boutsen e Alex Caffi também foram desclassificados após um protesto da Ligier, pois trocaram os pneus no pitlane, mas foram reintegrados após um recurso.

Referências

  1. «1989 San Marino Grand Prix - race result». Consultado em 19 de agosto de 2018 
  2. Fred Sabino (23 de abril de 2018). «Um acordo quebrado, uma ultrapassagem, e o estopim da guerra Senna x Prost». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de abril de 2019 
  3. Fred Sabino (23 de abril de 2019). «Gerhard Berger sobreviveu a assustador acidente com fogo na curva Tamburello, há 30 anos». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 23 de abril de 2019 
  4. Fred Sabino (28 de abril de 2019). «Famoso pela morte de Ayrton Senna, autódromo de Imola era dos mais rápidos e desafiadores». globoesporte.com. Globo Esporte. Consultado em 28 de abril de 2019 
Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1989
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1989
Sucedido por
Grande Prêmio de Mônaco de 1989
Precedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1988
Grande Prêmio de San Marino
9ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio de San Marino de 1990