Grande Prêmio do Brasil de 1993

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Grande Prêmio do Brasil
de Fórmula 1 de 1993
Circuit Interlagos.svg
12º GP do Brasil realizado em Interlagos
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 28 de março de 1993
Nome oficial Grande Prêmio do Brasil
Local Autódromo José Carlos Pace, São Paulo, São Paulo, Brasil
Total 71 voltas / 307.075 km
Condições do tempo Seco, chuva torrencial, depois secou
Pole
Piloto
França Alain Prost Williams-Renault
Tempo 1:15.866
Volta mais rápida
Piloto
Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford
Tempo 1:20.024 (na volta 61)
Pódio
Primeiro
Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford
Segundo
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Terceiro
Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford

Resultados do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 realizado em Interlagos em 28 de março de 1993. Foi a segunda etapa da temporada e marcou a última vitória de Ayrton Senna, da McLaren-Ford, em seu país.[1]

Treinos[editar | editar código-fonte]

As Williams haviam dominado os treinos livres e classificatórios. Alain Prost tinha marcado a pole-position e Damon Hill a segunda posição no grid de largada, completando a “dobradinha” da equipe de Frank Williams. A diferença de tempo entre Prost e Senna, que largou em terceiro, de quase dois segundos, chamou à atenção. Senna sabia do favoritismo das Williams, entretanto, esperava por uma boa prova, principalmente se a chuva chegasse durante a corrida, nivelando o nível dos carros, fazendo com que o piloto fizesse a diferença.[2]

Corrida[2][editar | editar código-fonte]

Na largada, Michael Andretti e Gerhard Berger se envolveram em um acidente na curva que dá acesso ao "S do Senna". Os dois pilotos não sofreram ferimentos graves.

Ayrton pula para a segunda posição mas viu sua diferença em relação a Prost aumentar a cada volta. Na 24ª volta, Senna foi penalizado com um "Stop and Go" de 10 segundos, por ter feito uma manobra arriscada em cima de Erik Comas, caindo assim para a quarta posição.

Na 27ª volta, começou a chover em Interlagos e Senna percebendo que a precipitação podia se intensificar, fez seu pit stop primeiro para trocar os pneus "slick", pelos pneus de chuva. Os demais pilotos foram parando para trocarem os seus pneus, enquanto que Prost resolveu continuar com os pneus "slick". Na 28ª volta, Aguri Suzuki perde o controle de sua Arrows e bate violentamente no muro da reta dos boxes, por não ter trocado os seus pneus, e na 29ª volta Prost não conseguiu mais segurar a sua Williams, rodando e se chocando com a Minardi de Christian Fittipaldi, que tinha rodado também, por não ter trocado os pneus, assim os dois carros foram parar na caixa de brita.

Devido a esses acidentes, somado com a chuva fortíssima que caia no autódromo, a direção de prova decidiu aplicar a bandeira amarela em todo o circuito, assim o safety-car entrou na pista e Hill se torna o novo líder da prova.

Na 36ª volta, ocorre a relargada com Hill em primeiro. Imediatamente, Senna entra nos boxes antes de todos os pilotos e troca os pneus de chuva pelos pneus slick. Os demais foram efetuando as trocas nas voltas seguintes, sendo que Hill fez a sua parada mas conseguiu voltar na frente de Senna. Mesmo assim foi o suficiente para o brasileiro alcançar o carro do piloto inglês.

Na 41ª volta, Senna entra pela esquerda da subida do laranjinha, faz a ultrapassagem em cima do carro de Damon Hill e consegue tomar a primeira posição do inglês.

A partir de então, Senna administra a sua vantagem conseguida em cima do piloto inglês e parte para a sua 37ª vitória, a segunda e última conseguida em Interlagos.

Pós corrida[editar | editar código-fonte]

Logo após o final da corrida, a torcida brasileira invade a pista para comemorar a vitória, nesse instante o carro de Senna pára na pista e vê sua McLaren cercada pelos torcedores. Após ajuda, ele consegue sair do carro e comemora com a torcida, dando uma volta no circuito no carro de segurança.[2]

Treinos classificatórios[editar | editar código-fonte]

Não classificado
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
26 15 Itália Ivan Capelli Jordan-Hart 1:21.789

Grid de largada e classificação da prova[editar | editar código-fonte]

Grid de largada
Pos. Piloto Chassi/Motor Tempo
1 2 França Alain Prost Williams-Renault 1:15.866
2 0 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 1:16.859
3 8 Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford 1:17.697
4 5 Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford 1:17.821
5 7 Estados Unidos Michael Andretti McLaren-Ford 1:18.635
6 6 Itália Riccardo Patrese Benetton-Ford 1:19.049
7 30 Finlândia J. J. Lehto Sauber 1:19.207
8 29 Áustria Karl Wendlinger Sauber 1:19.230
9 27 França Jean Alesi Ferrari 1:19.260
10 26 Reino Unido Mark Blundell Ligier-Renault 1:19.296
11 19 França Philippe Alliot Larrousse-Lamborghini 1:19.340
12 12 Reino Unido Johnny Herbert Lotus-Ford 1:19.435
13 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 1:19.561
14 14 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Hart 1:19.593
15 11 Itália Alessandro Zanardi Lotus-Ford 1:19.804
16 25 Reino Unido Martin Brundle Ligier-Renault 1:19.835
17 20 França Erik Comas Larrousse-Lamborghini 1:19.868
18 9 Reino Unido Derek Warwick Footwork-Mugen/Honda 1:20.064
19 10 Japão Aguri Suzuki Footwork-Mugen/Honda 1:20.232
20 23 Brasil Christian Fittipaldi Minardi-Ford 1:20.716
21 22 Itália Luca Badoer Scuderia Italia-Ferrari 1:20.908
22 3 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 1:20.991
23 4 Itália Andrea de Cesaris Tyrrell-Yamaha 1:21.224
24 24 Itália Fabrizio Barbazza Minardi-Ford 1:21.228
25 21 Itália Michele Alboreto Scuderia Italia-Ferrari 1:21.488
Classificação da prova
Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 8 Brasil Ayrton Senna McLaren-Ford 71 1:51:15.485 3 10
2 0 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 71 + 16.625 2 6
3 5 Alemanha Michael Schumacher Benetton-Ford 71 + 45.436 4 4
4 12 Reino Unido Johnny Herbert Lotus-Ford 71 + 46.557 12 3
5 26 Reino Unido Mark Blundell Ligier-Renault 71 + 52.127 10 2
6 11 Itália Alessandro Zanardi Lotus-Ford 70 + 1 volta 15 1
7 19 França Philippe Alliot Larrousse-Lamborghini 70 + 1 volta 11
8 27 França Jean Alesi Ferrari 70 + 1 volta 9
9 9 Reino Unido Derek Warwick Footwork-Mugen/Honda 69 + 2 voltas 18
10 20 França Erik Comas Larrousse-Lamborghini 69 + 2 voltas 17
11 21 Itália Michele Alboreto Scuderia Italia-Ferrari 68 + 3 voltas 25
12 22 Itália Luca Badoer Scuderia Italia-Ferrari 68 + 3 voltas 21
Ret 29 Áustria Karl Wendlinger Sauber 61 Motor 8
Ret 30 Finlândia J. J. Lehto Sauber 52 Falha eletrônica 7
Ret 4 Itália Andrea de Cesaris Tyrrell-Yamaha 48 Sistema de combustível 23
Ret 2 França Alain Prost Williams-Renault 29 Acidente 1
Ret 23 Brasil Christian Fittipaldi Minardi-Ford 28 Acidente 20
Ret 10 Japão Aguri Suzuki Footwork- Mugen/Honda 27 Rodou 19
Ret 3 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 26 Rodou 22
Ret 14 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Hart 13 Câmbio 14
Ret 6 Itália Riccardo Patrese Benetton-Ford 3 Suspensão 6
Ret 25 Reino Unido Martin Brundle Ligier-Renault 0 Acidente 16
Ret 24 Itália Fabrizio Barbazza Minardi-Ford 0 Acidente 24
Ret 7 Estados Unidos Michael Andretti McLaren-Ford 0 Acidente 5
Ret 28 Áustria Gerhard Berger Ferrari 0 Acidente 13
DNQ 15 Itália Ivan Capelli Jordan-Hart Não qualificado

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

  • Nota: Somente as primeiras cinco posições estão listadas.

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Esta foi a primeira corrida a utilizar o Safety Car desde 1973, na ocasião, um Fiat Tempra 16V.
  • Esta corrida marcou a 100ª vitória da equipe McLaren.
  • Primeiro e único ponto de Alessandro Zanardi na Fórmula 1.
  • Primeiro pódium (2º lugar) e pontos também de Damon Hill na categoria.
  • Última corrida (não se classificou no grid) de Ivan Capelli.
  • Por muito tempo, essa foi a última vez que dois carros da equipe Lotus conseguiram pontuar na mesma corrida. Isso só voltou a ocorrer no Grande Prêmio do Bahrein de 2012, quando os pilotos Romain Grosjean (2º) e Kimi Räikkönen (3º) chegaram ao pódio.
  • Última vitória de um piloto brasileiro no Grande Prêmio do Brasil até 2006 quando Felipe Massa venceu pela Ferrari.
  • Rubens Barrichello abandonou a prova devido a problemas no câmbio de seu carro.

Referências

  1. «1993 Brazilian Grand Prix - race result». Consultado em 27 de agosto de 2019 
  2. a b c Top 10 do GP do Brasil: 1993, outro show de Senna Tazio, UOL - 15/10/2009 - Bruno Vicaria

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Grande Prêmio da África do Sul de 1993
Campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA
Ano de 1993
Sucedido por
Grande Prêmio da Europa de 1993
Precedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1992
Grande Prêmio do Brasil
22ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio do Brasil de 1994