Região Metropolitana de São Luís

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Grande São Luís)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Março de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Região Metropolitana da Grande São Luís
Localização
Localização da Região Metropolitana da Grande São Luís
Unidade federativa  Maranhão
Lei CE (1989)
EC nº 042/2003
Data da criação 2 de dezembro de 2003
Número de municípios 13
Cidade-sede São Luís
Características geográficas
Área 9 417,61 km²[1]
População 1 604 540 hab. (19º) Estimativa IBGE/2016[2]
Densidade Erro de expressão: Número inesperado hab./km²
IDH 0,755 – elevado PNUD/2010[3]
PIB R$ 28,856 bilhões IBGE/2014[4]
PIB per capita R$ 17.607,20 IBGE/2008[4]

A Região Metropolitana da Grande São Luís, também conhecida como Grande São Luís, é composta pelos municípios de São José de Ribamar, Raposa, Paço do Lumiar, Alcântara, Bacabeira, Rosário, Santa Rita, Icatu, Morros, Presidente Juscelino, Axixá, Cachoeira Grande e São Luís, situados no estado brasileiro do Maranhão. Juntos, perfazem uma população de 1.605.305 habitantes (IBGE/2016).

É situada no arquipélago de ilhas do Golfão Maranhense e porção continental circudante, com mais de 1000 km². Está inserida no Meio-Norte, uma das sub-regiões do Nordeste do Brasil.

A Grande São Luís possui o quarto maior PIB dentre todas as regiões metropolitanas do Nordeste, atrás apenas do Grande Recife, da Grande Salvador e da Grande Fortaleza, sendo a vigésima primeira dentre as regiões metropolitanas do Brasil.

A Região Metropolitana de São Luís possui o melhor IDH dentre as regiões metropolitanas do Nordeste, com IDH 0,755.[5] A região também apresenta o melhor acesso à educação dentre as regiões metropolitanas do país, com IDHM Educação de 0,737, seguida por São Paulo (0,723), Distrito Federal e Curitiba, ambas com o índice de 0,701.[6]

São Luís, localizada na ilha de Upaon-Açu, é a única cidade brasileira fundada por franceses, no dia 8 de setembro de 1612.

Em 1621 quando o Brasil foi dividido em duas unidades administrativas — Estado do Maranhão e Estado do Brasil — São Luís foi a capital da primeira unidade administrativa.

Na segunda metade do século XVIII, devido à Guerra de Independência, os Estados Unidos interrompem sua produção de algodão e abrem espaço para que o Maranhão passe a fornecer a matéria-prima demandada pela Inglaterra. Em 1755, é fundada a Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão e o porto de São Luís ganha enorme movimento de chegada e saída de produtos e se torna uma das regiões economicamente mais fortes da colônia. Com a proibição do uso de escravos indígenas e o aumento das plantações, sobe muito o número de escravos africanos.

Nesse período, foi construído o Centro Histórico de São Luís, o qual foi declarado patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO, no ano de 1997.

Todavia, após o fim da Guerra Civil dos Estados Unidos da América, quando perdeu espaço na exportação de algodão, o estado entrou em colapso; somente após o final da década de 1960 no século XX, o estado passou a receber incentivos e saiu do isolamento, com ligações férreas e rodoviárias com outras regiões.

A região tem localização portuária estratégica, o que representa sete dias a menos até a costa leste americana, em relação aos portos das regiões Sul e Sudeste. O complexo portuário tem conexão com a Ferrovia Norte-Sul, integrando-se aos seus terminais ferroviários e pontos de concentração de carga em Anápolis, Uruaçu, Gurupi, Guaraí, Araguaína, Palmeirândia, Porto Nacional e Açailândia, exportando grãos e celulose por exemplo. Através da Estrada de Ferro Carajás, exporta-se o minério de ferro extraído do Pará. Através da ferrovia São Luís-Teresina, transportam-se combustíveis para a capital piauiense.[7]

Cidades[editar | editar código-fonte]

Município Área (km²)
[8]
População
(2016)[9]
IDH Densidade PIB
Paço do Lumiar 132,410 119.15 0,724 873,75 hab/km² 364.895
Raposa 66,280 30.304 0,632 431,94 hab/km² 100.618
São José de Ribamar 386,282 176.008 0,708 446,33 hab/km² 596.770
São Luís 827,141 1.082.935 0,768 1 286,6 hab/km² 24.601.718
Alcântara 1.483,232 21.667 0,600 14,70 hab/km² 62.130
Bacabeira 615,761 16.812 0,602 26,44 hab/km² 125.264
Rosário 685,036 42.016 0,630 60,36 hab/km² 104.991
Santa Rita 706,38 36.556 0,592 50,06 hab/km² 85.615
Icatu 1.448,796 26.651 0,546 17,36 hab/km² 66.832
Morros 1.715,325 19.116 0,548 11,14 hab/km² 41.220
Presidente Juscelino 442,135 12.532 0,563 28,34 hab/km² 27.809
Axixá 203,194 11.915 0,641 58,64 hab/km² 30.421
Cachoeira Grande 705,636 8.878 0,537 12,58 hab/km² 21.539
Total 9417,61 1.604.540 0,622 170,37 hab/km² 26.042.002,155

Geografia[editar | editar código-fonte]

O Golfão Maranhense é uma área de terras emersas, cercadas de água, localizado no extremo norte do Estado do Maranhão, formado pelas baías de São Marcos e São José separadas pela ilha Upaon-Açu, e inserido na Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses. A área é caracterizada pela presença de manguezais estruturados complexamente e macromaré semidiurna com variações médias de 4 m e máxima de 7 m (a segunda maior do Brasil).

Baía de São Marcos, com a cidade de São Luís ao fundo

O Golfão Maranhense abrange a reentrância delimitada, a oeste, pela ponta do Guajuru, município de Cedral, e a leste, pela ilha de Santaninha, no município de Humberto de Campos, tendo, ao centro, a ilha Upaon-Açu, além das ilhas do Medo, Pequena, Livramento, Caranguejo, Duas Irmãs, Tauá-Redonda, Tauá-Mirim e Ponta Grossa e compreendendo as baías de Cumã, São Marcos, São José e Tubarão. [10]

Na área litorânea do Golfão Maranhense encontram-se características comuns ao Litoral Ocidental e ao Litoral Oriental. As baías de São Marcos e de São José são consideradas as mais importantes do litoral do Maranhão tanto, por serem onde deságuam os maiores rios do estado (Itapecuru, Mearim, Pindaré, dentre outros), quanto pela densidade das atividades humanas e a circulação de riquezas.[11]

O relevo é ondulado com altitude média de 25 metros, o ponto mais elevado ficando na região do aeroporto.

O clima é tropical semi-úmido sendo fortemente influenciado pelo mar e pela Zona de Convergência Intertropical. Além da vegetação litorânea há pequenas áreas de Floresta Amazônica que resistiram ao processo de urbanização, protegidas por parques ambientais, como: o Parque Estadual da Lagoa da Jansen; o Parque Estadual do Bacanga; o Parque Estadual do Sítio do Rangedor; a Área de Proteção Ambiental do Itapiracó; Área de Proteção Ambiental da Região do Maracanã; APA das Reentrâncias Maranhenses; APA Upaon-Açu-Miritiba-Alto Preguiças; além do Parque do Bom Menino e o Parque da Quinta do Diamante.

Aspectos econômicos[editar | editar código-fonte]

Lagoa da Jansen, em São Luís.

A economia é diversificada. A capital, São Luís, concentram sozinha em torno de 94% do PIB da Região Metropolitana, pois os setores indústrias e econômicos estão concentrados nela, deixando os outros municípios dependentes.

Destacam-se a grande usina de alumina (Alumar), segunda maior do país, a usina de peletização de ferro (Vale do Rio Doce), o complexo portuário da ilha, formado pelos terminais de Itaqui, Ponta da Madeira e Alumar. O porto do Itaqui é considerado o porto natural mais profundo do mundo, com profundidade de 23 metros e autorizando navios com calado de até 22,3 metros.

Somados, os três portos maranhenses movimentaram, entre janeiro e novembro de 2017, 185,074 milhões de toneladas. Conforme o Anuário da Antaq, o Terminal da Vale é o campeão nacional em movimentação de cargas. O Porto do Itaqui é o 11º no ranking geral, e o Porto da Alumar, é o 10º entre os portos privados.[12] Há um projeto de instalação de mais um porto, o Porto São Luís.

Também tem destaque a indústria alimentícia, o turismo e o setor de serviços.

O turismo envolve o Centro Histórico de São Luís, as manifestações culturais como a culinária, o bumba-meu-boi, o cacuriá e tambor de criola no São João, o Centro Histórico de Alcântara, o turismo religioso em São José de Ribamar e as diversas praias da região.

Transporte[editar | editar código-fonte]

A região está ligada ao interior do estado e ao estado do Piauí pela ferrovia São Luís-Teresina, aos estados vizinhos Pará e Tocantins por meio da ferrovia Estrada de Ferro Carajás e Ferrovia Norte-Sul, sendo que esta última conecta a cidade a Região Centro-Oeste o que facilita e barateia a escoação agrícola vinda do interior do país para o porto de Itaqui. Por rodovia, a capital maranhense é servida pela BR-135 (em processo de duplicação) que a liga ao continente, e pelo transporte aéreo conta com o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, com capacidade de atender 5.900.000 passageiros por ano.[13]

Porto do Itaqui[editar | editar código-fonte]

Trem da Estrada de Ferro Carajás, com destino a São Luís

O Porto de Itaqui movimenta anualmente milhões de toneladas de carga, sendo um importante corredor logístico para o Centro-Oeste do país. Entre os principais produtos movimentados no ano de 2017 estão: a soja (6.152.909 de toneladas), milho (1.642.944 de toneladas), fertilizantes (1.536.697 t), cobre (836.062 t), carvão (636 254 t), ferro-gusa (505.733 t) clinquer+escória (225.796 t), manganês (147.063 t), arroz (89.833 t), granéis líquidos importados (3.881.635 t), soda cáustica (86.542 t), etanol (112.364 t) e GLP (150.753 t), totalizando uma movimentação anual de 17.140.470 de toneladas.[14]

O Terminal de Grãos do Porto do Itaqui (Tegram) recebeu, em média, 26 mil toneladas de grãos (soja e milho) por dia, no ano de 2016, recebidos, principalmente por via ferroviária do sul do Maranhão, Tocantins, Mato Grosso e Goiás.[15]

O Porto do Itaqui exportou 1,184 milhões de toneladas de papel e celulose de janeiro a outubro de 2017, produzidos pela unidade da Suzano Papel e Celulose em Imperatriz (MA), trazidos pela Ferrovia Norte Sul e Ferrovia Carajás. [16]

O Porto de Itaqui foi responsável por 54,2% da gasolina e 49,8% do diesel importados no Brasil no ano de 2012.[17]

Em 2015, 1,2 bilhões de litros de combustível circularam pela EFC do Porto do Itaqui, em São Luís (MA), com destino à Marabá (PA), Açailândia (MA), e Palmas (TO).[18]

A Ferrovia São Luís-Teresina também transporta combustível com destino ao Piauí.

Na região do porto, foi construída a Usina Termelétrica Porto do Itaqui, movida a carvão natural, com potência instalada de 360 MW.

Terminal da Ponta da Madeira

Ponta da Madeira[editar | editar código-fonte]

O Terminal Marítimo de Ponta da Madeira é um porto privado pertencente à Companhia Vale do Rio Doce, adjacente ao porto de Itaqui, e próximo à cidade de São Luís e defronte à Baía de São Marcos, no Maranhão, nordeste do Brasil. Destina-se principalmente à exportação de minério de ferro trazido do projeto Serra dos Carajás, no Pará.

Entre janeiro e novembro de 2017, foram transportados 153,466 milhões de toneladas e é o campeão nacional em movimentação de cargas.[19]

Porto do Consórcio Alumar[editar | editar código-fonte]

O Porto do Consórcio Alumar transportou 13,720 milhões de toneladas entre janeiro e novembro de 2017.[20]

Demais Municípios[editar | editar código-fonte]

Nos demais municípios, destacam-se atividades primárias como agricultura, pesca, extrativismo vegetal e exploração mineral.

Alcântara- MA

O acesso ao município de Alcântara se dá principalmente por ferry boats e balsas. O sistema de ferry boats e balsas funciona diariamente, já que o transporte via rodovias é muito mais demorado, e os moradores de lá dependem dele para chegar à ilha de Upaon-açu. As viagens pelos ferry-boats, veículos maiores e mais modernos, começaram a ser feitas em 1988. A travessia tem aproximadamente 20 quilômetros, que são percorridos em pouco mais de 2 horas.

Perto de Alcântara, há um centro espacial do qual são lançados os veículos lançadores de satélites no âmbito da Missão espacial completa brasileira. É o CLA - Centro de Lançamento de Alcântara. Na América Latina, o CLA é o único concorrente do Centro Espacial de Kourou situado na Guiana Francesa.

Praia em São José de Ribamar

Os municípios de Bacabeira, Santa Rita e Rosário foram incorporados, recentemente, na região metropolitana. Esse fato ocorreu depois do início da construção da Refinaria Premium I em Bacabeira, que permitiu a integração maior destes municípios com a ilha de São Luís. Entretanto, as obras foram canceladas em razão da crise da Petrobrás.

Além disso, a expansão e crescimento das cidades tem levado a uma conurbação, aproximando esses municípios da ilha. Por estarem localizados fora da ilha, o acesso à São Luís, se dá, por meio de uma única rodovia, a BR-135.

A região exerce influência sobre todo estado e nos vizinhos Piauí, Ceará, Pará e Tocantins. Os municípios do entorno começam a se integrar ampliando o colar metropolitano.

Aspectos urbanos[editar | editar código-fonte]

Visão noturna do bairro Ponta do Farol, em São Luís

A infra-estrutura da ilha conta com um aeroporto de médio porte (Marechal Cunha Machado), o porto do Itaqui, já mencionados, o terminal rodoviário de São Luís, estação ferroviária (com transporte de passageiro entre São Luís e Parauapebas, no Pará, pela EFC), e dois terminais para barcos de passageiros, um em São Luís o outro em São José de Ribamar.

O acesso à ilha de Upaon-açu se faz pela BR-135, onde há uma ponte para veículos (Ponte Marcelino Machado), ou pelas estradas de ferro da CFN e CVRD.

A população está distribuída de maneira muito esparsa, havendo extensas áreas livres entre os bairros. As maiores concentrações urbanas correspondem ao núcleo central de São Luís, aos bairros da Cohab e Cohatrac, Maiobão, eixo São Francisco-Renascença, Cidade Operária, e bairros do Itaqui-Bacanga, com as demais povoações esparsas e praticamente isoladas.

O sistema de transporte urbano faz-se por ônibus e serviços alternativos de vans. Atualmente vem passando por um processo de modernização com a integração das diferentes regiões da cidade por terminais urbanos de ônibus.

Praia da Ponta D'Areia

Dois rios dividem a ilha quase em duas, são o Anil e o Bacanga. Na região compreendida entre ambos, está o núcleo inicial de povoação da região; a norte e oeste do rio Anil ficam os bairros mais modernos e bem equipados da cidade; ao sul do Bacanga, está o distrito industrial da ilha e o complexo portuário.

Nas Zonas Centro e Norte da Região Metropolitana, estão os grandes bairros populares, quase sempre conjuntos habitacionais, construídos até meados da década de oitenta. Nos extremos norte e leste a ocupação é esparsa, são áreas de praias desertas e manguezais fechados. No lado oeste da ilha, ficam os bairros mais prósperos, as praias mais frequentadas e melhor infra-estrutura.

As avenidas Litorânea e dos Holandeses ligam os bairros da Zona Oeste entre si e à Zona Norte, onde fica o município de Raposa. A avenida Jerônimo de Albuquerque formou um eixo de expansão para onde foi levado o desenvolvimento urbano da cidade, ligando a área do São Francisco-Renascença à Cohab. Em suas margens, surgiram vários bairros residenciais e estabelecimentos comerciais, por exemplo o bairro do Vinhais.

Os outros dois eixos importantes são os formados pela avenida dos Guajajaras ligando a Zona sul às Oeste e Norte, e a estrada de Ribamar, que liga o centro da ilha aos bairros da região norte e às sedes dos municípios de Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa. Este último tem como atividades principais de subsistência a pesca e a produção de rendas, ambas realizadas de forma artesanal.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  2. [IBGE_Pop_2016 «IBGE divulga as estimativas populacionais dos municípios em 2015»] Verifique valor |url= (ajuda). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 30 de agosto de 2016. Consultado em 7 de setembro de 2016. 
  3. PNUD (2014). «Ranking de todas as RMs». Seção Região Metropolitana. Atlas do desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 5 de dezembro de 2014. 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2014». IBGE. Consultado em 2 de março de 2017. 
  5. «Campinas entra em 2º e Maceió em último no IDH das metrópoles». Folha de S.Paulo 
  6. «Região Metropolitana de São Luís tem melhor acesso à educação, diz Ipea». Maranhão. 25 de novembro de 2014 
  7. Maximize. «Porto do Itaqui investe em projeto de exportação da carne brasileira». Porto do Itaqui investe em projeto de exportação da carne brasileira (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018. 
  8. IBGE, Área Territorial Oficial, Resolução nº 5 de 10 de outubro de 2002. Acessado em 26 de fevereiro de 2008.
  9. Estimativa da População residente nos municípios brasileiros em 1 de julho de 2016. IBGE. Página visitada em 07 setembro de 2016
  10. [www.labogef.iesa.ufg.br/links/sinageo/articles/476.pdf «RELEVO DO ESTADO DO MARANHÃO: UMA NOVA PROPOSTA DE. CLASSIFICAÇÃO TOPOMORFOLÓGICA. FEITOSA, A. C»]. [S.l.: s.n.] [S.l.: s.n.] 
  11. [www.labogef.iesa.ufg.br/links/sinageo/articles/476.pdf «RELEVO DO ESTADO DO MARANHÃO: UMA NOVA PROPOSTA DE. CLASSIFICAÇÃO TOPOMORFOLÓGICA. FEITOSA, A. C»]. [S.l.: s.n.] [S.l.: s.n.] 
  12. Redação. «Portos e Navios - Porto Itaqui é o 11º no ranking geral em movimentação de cargas» 
  13. «Procon fiscaliza conclusão das obras do aeroporto de São Luís». Maranhão. 20 de janeiro de 2017 
  14. Maximize. «Movimentação de Carga - Porto do Itaqui». Movimentação de Carga - Porto do Itaqui (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018. 
  15. Rural, Canal. «Terminal portuário do Maranhão prevê aumento de embarque de grãos e farelo». Canalrural 
  16. Redação. «Portos e Navios - Itaqui movimenta 16,3 milhões de toneladas de janeiro a outubro» 
  17. Fluxos logísticos de produção, transporte e armazenagem de gasolina A e de óleo diesel A no Brasil: mapeamento, diagnóstico dos fatores de risco e ações de mitigação / Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Superintendência de Abastecimento. - Rio de Janeiro: ANP, 2013. 101 p. : il. color. [S.l.: s.n.] l. [S.l.: s.n.] Ir para cima ↑. [S.l.: s.n.]  line feed character character in |título= at position 342 (ajuda)
  18. «EFC gera economia de combustível e mais segurança para população do Maranhão». www.vale.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2018. 
  19. Maximize. «Porto Itaqui é o 11º no ranking geral em movimentação de cargas». Porto Itaqui é o 11º no ranking geral em movimentação de cargas (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2018. 
  20. Redação. «Portos e Navios - Porto Itaqui é o 11º no ranking geral em movimentação de cargas» 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.