Grande conjunção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A grande conjunção como pôde ser observada ao sul, no céu de Jerusalém, em 12 de novembro do ano 7 a.C.

A Grande Conjunção é a aproximação máxima aparente dos planetas Júpiter e Saturno na abóbada celeste. Esse fenômeno astronômico ocorre aproximadamente a cada 20 anos.

A grande conjunção é um fenômeno notável que os antigos observadores do céu estudaram cedo o suficiente. Uma interpretação astrológica frequentemente catastrófica ligada à sua periodicidade espalhada por toda a Europa durante a Alta Idade Média e alusões são encontradas em um grande número de textos não apenas acadêmicos mas também literários ou populares.

Johannes Kepler foi um dos primeiros astrônomos que defendeu que a Estrela de Belém era uma grande conjunção[1].

Dados astronômicos[editar | editar código-fonte]

Periodicidade[editar | editar código-fonte]

Uma série de grandes conjunções no livro "De Stella nova" de Kepler

Partindo dos dados aproximados, pode se notar que o período orbital de Saturno é próximo de 30 anos, enquanto que o de Júpiter é de 12 anos, portanto, estima-se que levem cerca de 20 anos para capturar Saturno em sua corrida ao redor do sol. Na faixa do Zodíaco, o local onde a nova conjunção ocorre muda a cada ocorrência em cerca de um terço de uma volta. Após 60 anos sua configuração inicial será repetida no céu do ponto de vista heliocêntrico, um tendo completado dois turnos e os outros cinco. Levando em conta os períodos exatos, obtemos um intervalo médio de 19,86 anos entre duas conjunções sucessivas e uma mudança de 117° da posição inicial que corresponde a aproximadamente 4 signos do Zodíaco. No entanto, o trígono no qual ocorrem três conjunções sucessivas muda cerca de 9° na direção direta a cada 59,6 anos.

Do ponto de vista geocêntrico, essa periodicidade sofre variações devido ao paralaxe induzido pela mudança de posição do observador terrestre, estando a própria Terra em movimento. Assim, o alongamento angular mínimo pode ser observado algumas semanas antes ou depois do alinhamento Sol-Júpiter-Saturno. Além disso, para ser bem preciso, é preciso levar em consideração todos os parâmetros das órbitas dos planetas[2], em particular sua excentricidade.

Conjunções triplas[editar | editar código-fonte]

A tripla grande conjunção de 1981. Por causa de sua retrogradação, Júpiter e Saturno estiveram três vezes em conjunção no espaço de poucos meses.

Se o alinhamento Sol-Júpiter-Saturno ocorre enquanto esses planetas estão próximos de sua oposição ao Sol, seus movimentos estão sujeitos ao fenômeno anual de rebaixamento dos planetas: em sua corrida na abobada celeste, cada um deles parece parar e começa a se mover na direção retrógrada antes de parar novamente para recomeçar na direção direta. Essa redução é mais importante para Júpiter se movendo mais rápido que Saturno. Podemos observar três reconciliações dentro de alguns meses. Esse fenômeno é chamado de conjunção tripla[3]. Ocorreu duas vezes no século XX, em 1940-41 e em 1981. Mas, por outro lado, é bastante raro e não possui periodicidade simples. Assim, a próxima grande tripla conjunção é esperada para 2238-2239.

Grandes conjunções passadas e futuras[editar | editar código-fonte]

Como existem vários sistemas de coordenadas celestes, pode se definir as grandes conjunções de duas maneiras diferentes, dependendo de se levar em conta a igualdade das ascensões retas dos dois planetas (conjunção equatorial) ou a igualdade de suas longitudes eclípticas (conjunção eclíptica). Os planetas superiores Júpiter e Saturno se movem lentamente na faixa do zodíaco enquanto estão próximos à linha eclíptica e a direção de seus movimentos permanece quase paralela a esta linha. Assim, sua distância angular é mínima durante as conjunções eclípticas[3]. A primeira tabela abaixo fornece as datas das conjunções eclípticas.

Grandes conjunções na longitude eclíptica de 1800 a 2100
Data Hora
UTC
Distância angular
de Júpiter por Saturno
Alongamento
de Saturno pelo Sol
Signo do Zodíaco
17 de julho de 1802 22:57:00 39' Sul 40.6° Leste Virgem
19 de junho de 1821 04:56:57 1°10' Norte 63,3° Oeste Áries
26 de janeiro de 1842 06:16:53 32' Sul 27,1° Oeste Capricórnio
21 de outubro de 1861 00:27:02 48' Sul 39.7° Oeste Virgem
18 de abril de 1881 01:35:59 1°13' Norte 3.1° Leste Touro
28 de novembro de 1901 04:37:33 26' Sul 38.2° Leste Capricórnio
10 de setembro de 1921 04:13:03 57' Sul 9.7° Leste Virgem
8 de agosto de 1940 01:13:20 1°11' Norte 90.9° Oeste Touro
20 de outubro de 1940 04:42:14 1°14' Norte 164,0° Oeste Touro
15 de fevereiro de 1941 06:36:25 1°17' Norte 72.9° Leste Touro
19 de fevereiro de 1961 00:07:18 14' Sul 34.9° Oeste Capricórnio
31 de dezembro de 1980 09:17:24 1°03' Sul 90.9° Oeste Libra
4 de março de 1981 07:14:36 1°03' Sul 155.9° Oeste Libra
24 de julho de 1981 04:13:35 1°06' Sul 63,8° Leste Libra
28 de maio de 2000 03:56:27 1°09' Norte 14.9° Oeste Touro
21 de dezembro de 2020 06:37:31 6' Sul 30.1° Leste Aquário
31 de outubro de 2040 00:02:47 1°08' Sul 20.8° Oeste Libra
7 de abril de 2060 10:36:24 1°07' Norte 41.9° Leste Gêmeos
15 de março de 2080 01:49:55 6' Norte 43.5° Oeste Capricórnio
18 de setembro de 2100 10:50:40 1°13' Sul 29.4° Leste Libra

Atualmente, é mais provável que os astrônomos usem coordenadas equatoriais[3]. As datas das conjunções em ascensão reta são sensivelmente diferentes.

Grandes conjunções em ascensão reta de 1960 a 2100
Data Hora (UTC) Planeta Distância angular Alongamento solar
18 de fevereiro de 1961 14 h 42 min 37s UTC Júpiter 14' Sul de Saturno 34.6° Oeste
14 de janeiro de 1981 7 h 58 min 37s UTC Júpiter 1°09' Sul de Saturno 103.9° Oeste
19 de fevereiro de 1981 7 h 12 min 10s UTC Júpiter 1°09' Sul de Saturno 141.2° Oeste
30 de julho de 1981 21 h 32 min 22s UTC Júpiter 1°12' Sul de Saturno 57.9° Leste
31 de maio de 2000 10 h 13 min 27s UTC Júpiter 1°11' Norte de Saturno 16.9° Oeste
21 de dezembro de 2020 13 h 48 min 52s UTC Júpiter 6' Sul de Saturno 30.3° Leste
5 de novembro de 2040 13 h 19 min 46s UTC Júpiter 1°14' Sul de Saturno 24.8° Oeste
10 de abril de 2060 9 h 1 min 25s UTC Júpiter 1° 09' Norte de Saturno 39.8° Leste
15 de março de 2080 8 h 29 min 24s UTC Júpiter 6' Norte de Saturno 43.8° Oeste
24 de setembro de 2100 1 h 40 min 38s UTC Júpiter 1°18' Sul de Saturno 25.1° Leste

As Grandes conjunções e a História[editar | editar código-fonte]

É através dos trabalhos do estudioso árabe Albumasar que a Europa aprendeu a dupla periodicidade das grandes conjunções e sua interpretação. A ideia era tão popular que trabalhos contra a astrologia conjuntiva foram escritos[4].

Para as doze divisões do zodíaco, os astrólogos designaram sucessivamente os quatro elementos: ar, fogo, terra e água. Assim, para cada um dos quatro corresponde no céu três signos, formando um trígono ou um triângulo equilátero. Como cada aparência da grande conjunção no mesmo signo é deslocada em cerca de 9°[3], após alguns retornos, isso é feito no signo vizinho que pertence a outro trígono. A conclusão de um ciclo completo de trígonos foi considerada um marco para eventos de grande importância, como a criação de impérios ou a vinda de um messias.

Tabela retirada de "De Stella nova .." de Johannes Kepler, p.29. Partilha da história da humanidade em ciclos de 800 anos.

Com a perfeição da astronomia, percebemos que o ciclo completo de conjunções é mais curto do que o que os autores antigos afirmaram[2]. Kepler calculou que dura 805 anos, e não 960 anos (Albumasar), e que o ano de 1603 marca o início de um novo trígono de fogo[1].

Há referências e alusões às Grandes Conjunções e aos trígonos, não apenas nas obras de Tycho Brahe ou Kepler, mas também nas de Dante [5] ou Shakespeare[6].

Referências

  1. a b ver Kepler J., De Stella nova in pede Serpentarii (1606).
  2. a b Etz 2000.
  3. a b c d Meeus 1980.
  4. Heinrich von Langenstein, Tractatus contra astrologos conjunctionistas de eventibus futurorum (1373), Studien zu den astrologischen Schriften des Heinrich von Langenstein, Leipzig-Berlin, 1933 pp. 139-206.
  5. (em inglês) Woody K., Dante and the Doctrine of the Great Conjunctions, Dante Studies, with the Annual Report of the Dante Society, No. 95 (1977), pp. 119–134.
  6. (em inglês) Aston M., The Fiery Trigon Conjunction: An Elizabethan Astrological Prediction, Isis, Vol. 61, No. 2 (Summer, 1970), pp. 158–187.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]