Grande felino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
As espécies do gênero Panthera, o tigre, o leão, o leopardo, a onça-pintada, e o leopardo das neves.

O termo grandes gatos ou grandes felino é usado tipicamente para se referer aos 7 membros do gênero Panthera e Neofelis, tigre, leão, onça-pintada, leopardo, leopardo das neves, leopardo-nebuloso, leopardo-nebuloso-de-bornéu, assim como outros gatos de outros gêneros: guepardo, puma, caracal, serval, e todas espécies de lince, apesar de que essas espécies adicionadas junto com o leopardo das neves e os Neofelis não sejam capazes de rugir.[1][2]. Outros animais que também podem ser considerados grandes gatos apesar de não serem felinos são as hienas sendo elas parte da subordem Feliformia.

Apesar das enormes diferenças de tamanho, várias espécies de gatos são bastante semelhantes em estrutura e comportamento, com exceção do guepardo, que se destaca significativamente dos outros gatos grandes e pequenos. Todos os gatos são carnívoros e alguns são predadores eficientes do ápice. [3] Suas áreas nativas incluem as Américas, África e Ásia.

Rugido[editar | editar código-fonte]

A capacidade de rugir vem de uma laringe alongada e especialmente adaptada e de um aparelho hióide. [4] A laringe está presa ao osso hióide que está pendurado em uma sequência de ossos. Essa seqüência de ossos dos quais o hióide se pendura são timpanóides, estilóides, epiíais e cerato-hais; estes estão localizados na mandíbula e no crânio. [5] Na laringe, existem pregas vocais que produzem a estrutura necessária para esticar o ligamento a um comprimento que crie o efeito rugido. Este tecido é feito de colágeno espesso e fibra elástica que se torna mais densa à medida que se aproxima do revestimento da mucosa epitelial. [6] Quando essa grande almofada se dobra, ela cria uma frequência natural baixa, fazendo com que as paredes da cartilagem da laringe vibrem. Quando começa a vibrar, o som passa de uma resistência do ar alta para baixa, o que faz o rugido.

A laringe do leão é mais longa, dando-lhe o rugido mais robusto. O rugido em boas condições pode ser ouvido a 8 ou até 10 km de distância. [7] Todos os cinco membros existentes do gênero Panthera contêm este hióide alongado, mas devido às diferenças na laringe, o leopardo da neve não pode rugir. Ao contrário dos gatos que rugem em sua família, o leopardo das neves se distingue pela falta de uma grande almofada de tecido fibroelástico que permite uma grande prega vocal.

Ameaças[editar | editar código-fonte]

As principais ameaças aos grandes felinos variam conforme a localização geográfica, mas principalmente são a destruição do habitat e a caça furtiva. Na África, muitos felinos grandes são caçados por pastores ou oficiais do governo de 'controle de animais problemáticos'. Existem certas áreas protegidas que abrigam populações grandes e excepcionalmente visíveis de leopardos, leões e chitas africanos, como Chobe do Botswana, Masai Mara do Quênia e Serengeti da Tanzânia. Em vez disso, é fora dessas áreas de conservação onde a caça representa a ameaça dominante para grandes carnívoros. [8]

Nos Estados Unidos, 19 estados proibiram a posse de grandes felinos e outros animais exóticos perigosos como animais de estimação, e o Captive Wildlife Safety Act proíbe a venda interestadual e o transporte desses animais. A Lei de Segurança da Vida Selvagem em Cativeiro (CWSA) inicial foi sancionada em 19 de dezembro de 2003. Para resolver os problemas associados ao aumento do comércio de certas espécies de felinos, os regulamentos da CWSA foram fortalecidos por uma lei aprovada em 17 de setembro de 2007. As espécies de felinos abrangidas por esses regulamentos são o leão, o tigre, o leopardo, o leopardo das neves, o leopardo-nebuloso, o guepardo, o jaguar, a puma e qualquer híbrido dessas espécies (ligre, tigreão, etc.) A propriedade privada não é proibida, mas a lei torna ilegal o transporte, venda ou compra de tais animais no comércio interestadual ou estrangeiro. Embora essas regulamentações pareçam fornecer uma estrutura legal forte para controlar o comércio de grandes felinos, organizações internacionais como o World Wildlife Fund (WWF) encorajaram os EUA a fortalecer ainda mais essas leis. O WWF está preocupado com o fato de que as deficiências nas regulamentações existentes nos Estados Unidos possam estar ajudando involuntariamente a alimentar o mercado negro de peças de tigre.

Conservação[editar | editar código-fonte]

Um santuário animal oferece um refúgio para os animais viverem suas vidas naturais em um ambiente protegido. Normalmente, esses santuários de animais são as organizações que fornecem um lar para grandes felinos cujos donos particulares não podem ou não querem mais cuidar de seus felinos. No entanto, o uso da palavra santuário no nome de uma organização por si só não garante que ela seja um verdadeiro santuário animal no sentido de um refúgio. Para ser aceito pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos (FWS) como um santuário de animais genuíno e ser elegível para uma isenção da proibição de movimento interestadual de grandes felinos sob a Lei de Segurança da Vida Selvagem em Cativeiro (CWSA), as organizações devem atender aos seguintes critérios:[9]

  • Deve ser uma entidade sem fins lucrativos isenta de impostos de acordo com a seção 501 (a) do Código da Receita Federal
  • Não pode se envolver no comércio comercial de espécies de felinos, incluindo seus filhotes, peças e produtos feitos a partir deles
  • Não pode criar gatos grandes
  • Não é permitido o contato direto entre grandes felinos e o público em suas instalações
  • Deve manter registros de transações envolvendo gatos cobertos
  • Deve permitir que o serviço inspecione suas instalações, registros e animais em horários razoáveis

Espécies[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Híbridos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Davis, B.W., Li, G. and Murphy, W.J. (2010). «Supermatrix and species tree methods resolve phylogenetic relationships within the big cats, Panthera (Carnivora: Felidae)». Molecular Phylogenetics and Evolution. 56 (1): 64−76. PMID 20138224. doi:10.1016/j.ympev.2010.01.036 
  2. Turner, Alan; Anton, Mauricio (1997). The Big Cats and Their Fossil Relatives Illustrated ed. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 79–81. ISBN 9780231102285. OCLC 34283113 
  3. Balme, G. (2005). Counting Cats Arquivado em 2015-09-13 no Wayback Machine.. Africa Geographic 13: 36−43.
  4. Weissengruber, GE; G Forstenpointner; G Peters; A Kübber-Heiss; WT Fitch (September 2002). «Hyoid apparatus and pharynx in the lion (Panthera leo), jaguar (Panthera onca), tiger (Panthera tigris), cheetah (Acinonyx jubatus), liger (Panthera leo × Panthera tigris), Tigon (Panthera tigris x Panthera leo) and the domestic cat. (Felis silvestris f. catus)». Journal of Anatomy. 201 (3): 195–209. PMC 1570911Acessível livremente. PMID 12363272. doi:10.1046/j.1469-7580.2002.00088.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Hast, M H (April 1989). «The larynx of roaring and non-roaring cats.». Journal of Anatomy. 163: 117–121. ISSN 0021-8782. PMC 1256521Acessível livremente. PMID 2606766  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Erickson-DiRenzo, Elizabeth; Sivasankar, M. Preeti; Thibeault, Susan L. (15 de dezembro de 2014). «Utility of cell viability assays for use with ex vivo vocal fold epithelial tissue». The Laryngoscope. 125 (5): E180–E185. ISSN 0023-852X. doi:10.1002/lary.25100 
  7. Kathy Darling (1 January 2000). Lions. [S.l.]: Lerner Publications. ISBN 978-1-57505-404-9  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. Hunter, Luke (June 2004). «Carnivores in Crisis: The Big Cats» (PDF). Africa Geographic: 28–41. Cópia arquivada (PDF) em April 15, 2010  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  9. Captive Wildlife Safety Act - What Big Cat Owners Need to Know, U.S. Fish and Wildlife Service, Office of Law Enforcement.
Ícone de esboço Este artigo sobre Felídeos, integrado ao WikiProjeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.