Green New Deal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros significados, veja Green New Deal (desambiguação).
Alexandria Ocasio-Cortez e Ed Markey, redatores da resolução para o Green New Deal.

O Green New Deal (em português, novo acordo verde ou novo trato verde) é o nome dado à série de propostas económicas para ajudar a combater as alterações climáticas e a desigualdade económica.[1][2][3][4] O seu nome refere-se ao New Deal, conjunto de programas económicos aplicados pelo Presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt para combater a Grande Depressão.[5] O Green New Deal combina a abordagem económica de Roosevelt com ideias modernas, como a energia renovável e eficiência de recursos.[6][7]

No 116º Congresso dos Estados Unidos, o conjunto de propostas foi transposto para a Resolução 109 da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos[8] e a Resolução 59 do Senado, patrocinado pela Representante Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) e pelo Senador Ed Markey (D-MA). A 25 de março de 2019, a resolução de Markey não avançou no Senado dos Estados Unidos por uma margem de 0-57, com a maioria dos democratas do Senado votando "presentes" em protesto à votação, devido ao facto dos republicanos terem pedido uma votação antecipada da resolução sem permitir a discussão ou o testemunho de especialistas.[9]

Resolução 109 da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Primeira página da Resolução 109 da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.
Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Green New Deal

A Resolução 109 da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos começa por se basear no relatório especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas publicado em 2018 para estudar os impactos de um aquecimento global de 1,5 ºC, o Aquecimento global de 1,5 ºC e no Quarto Relatório de Avaliação, para reconhecer a ação do Homem sobre as alterações climáticas, fazendo uma série de referências às consequências das mesmas nos próximos anos, como o declínio contemporâneo da biodiversidade mundial, a elevação do nível dos mares, o estresse ambiental e as migrações em massa, como também referir algumas das soluções preconizadas nesses relatórios, como a redução de emissões de gases com efeito de estufa provenientes de fontes humanas de 40 a 60%, a partir dos níveis de 2010, até 2030, reconhecendo também a contribuição dos Estados Unidos para a emissão de gases de efeito estufa. A Resolução também refere as consequências da Crise económica de 2007–2008.

Propostas[editar | editar código-fonte]

Algumas das propostas preconizadas incluem:

Referências

  1. Whyte, Chelsea (February 12, 2019). «Green New Deal proposal includes free higher education and fair pay». NewScientist. Consultado em March 4, 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. Meyer, Robinson. «The Green New Deal Hits Its First Major Snag». The Atlantic. Consultado em January 31, 2019. There’s not a single, official Green New Deal. Much like “Medicare for All,” “Green New Deal” refers more to a few shared goals than to a completed legislative package. (The original New Deal basically worked the same way.) Now a number of environmental groups are trying to make those goals more specific. But they’re running into a snag: The bogeymen that haunted old progressive climate policies are suddenly back again. And the fights aren’t just about nuclear power.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. Harder, Amy (December 13, 2019). «Why Al Gore is on board with the Green New Deal». Axios. Consultado em December 13, 2018. Cópia arquivada em December 14, 2018  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  4. STEWART, ANDREW (Nov 11, 2018). «Sorry Democrats, the Green Party Came Up With the Green New Deal!». Counterpunch. Consultado em May 8, 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. https://www.reuters.com/article/us-climate-deal/climate-report-calls-for-green-new-deal-idUSL204610020080721
  6. A Green New Deal: Discursive Review and Appraisal. Macroeconomics: Aggregative Models eJournal. Social Science Research Network (SSRN). Accessed March 14, 2019.
  7. Hilary French, Michael Renner and Gary Gardner: Toward a Transatlantic Green New Deal Arquivado em março 29, 2014[Erro data trocada], no Wayback Machine. The authors state: "Support is growing around the world for an integrated response to the current economic and environmental crises, increasingly referred to as the "Green New Deal". The term is a modern-day variation of the U.S. New Deal, an ambitious effort launched by President Franklin Roosevelt to lift the United States out of the Great Depression. The New Deal of that era entailed a strong government role in economic planning and a series of stimulus packages launched between 1933 and 1938 that created jobs through ambitious governmental programs, including the construction of roads, trails, dams, and schools. Today's Green New Deal proposals are also premised on the importance of decisive governmental action, but incorporate policies to respond to pressing environmental challenges through a new paradigm of sustainable economic progress."
  8. Ocasio-Cortez, Alexandria (February 12, 2019), H.Res.109 - 116th Congress (2019-2020): Recognizing the duty of the Federal Government to create a Green New Deal (PDF), consultado em May 19, 2019, cópia arquivada (PDF) em May 19, 2019  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  9. Rebecca Shabad; Dartunorro Clark (26 March 2019). «Senate fails to advance Green New Deal as Democrats protest McConnell 'sham vote'». NBC News. Consultado em 4 April 2019. The measure, which needed 60 votes to clear a procedural hurdle, failed in a 0-57 vote, with 43 Democrats voting present.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  10. a b c d e f g h i j k l m n o p q r https://ocasio-cortez.house.gov/sites/ocasio-cortez.house.gov/files/Resolution%20on%20a%20Green%20New%20Deal.pdf