Grito dos Excluídos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Integrantes de movimentos sociais caminham na 21º marcha Grito dos Excluídos, após o desfile cívico-militar do 7 de setembro, na Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)

O Grito dos Excluídos é um conjunto de manifestações populares que ocorrem no Brasil, desde 1995, ao longo da Semana da Pátria, que culminam com o Dia da Independência do Brasil, em 7 de setembro. Estas manifestações têm como objetivo de abrir caminhos aos excluídos da sociedade, denunciar os mecanismos sociais de exclusão e propor caminhos alternativos para uma sociedade mais inclusiva[1][2].

Sua origem remonta à Segunda Semana Social Brasileira, promovida pela Pastoral Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada entre 1993 e 1994, quando estava à frente da Pastoral Social o bispo Dom Luiz Demétrio Valentini. Embora a iniciativa esteja diretamente ligada à CNBB, desde o início diversos organismos participam do movimento: as igrejas do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, movimentos sociais, organizações e entidades envolvidas com a justiça social[3][4].

As manifestações são variadas: celebrações, atos públicos, romarias, caminhadas, seminários e debates, teatro, música, dança e feiras de economia solidária.

Lemas[editar | editar código-fonte]

  • 1995 – A Vida em primeiro lugar
  • 1996 – Trabalho e Terra para viver
  • 1997 – Queremos justiça e dignidade
  • 1998 – Aqui é o meu país
  • 1999 – Brasil: um filho teu não foge à luta
  • 2000 – Progresso e Vida Pátria sem Dívida$
  • 2001 – Por amor a essa Pátria Brasil
  • 2002 – Soberania não se negocia
  • 2003 – Tirem as mãos… o Brasil é nosso chão
  • 2004 – BRASIL: Mudança pra valer, o povo faz acontecer
  • 2005 – Brasil em nossas mãos a mudança
  • 2006 – Brasil: na força da indignação, sementes de transformação
  • 2007 – Isto não Vale: Queremos Participação no Destino da Nação
  • 2008 – Vida em primeiro lugar Direitos e Participação Popular
  • 2009 – Vida em primeiro lugar: A força da transformação está na organização popular
  • 2010 – Vida em primeiro lugar: Onde estão nossos Direitos? Vamos às ruas para construir o projeto popular
  • 2011 – Pela vida grita a TERRA… Por direitos, todos nós!
  • 2012 – Queremos um Estado a Serviço da Nação, que garanta direitos a toda população
  • 2013 – Juventude que ousa lutar constrói projeto popular
  • 2014 – Ocupar ruas e praças por liberdade e direitos
  • 2015 - Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?
  • 2016 - Este sistema é insuportável. Exclui, degrada, mata![5]
  • 2017 - Por direito e Democracia, a luta é todo dia!
  • 2018 - Desigualdade gera violência: Basta de Privilégios
  • 2019 - Este sistema não Vale!
  • 2020 - Basta de miséria, preconceito e repressão! Queremos trabalho, terra, teto e participação!
  • 2021 - Na luta por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda, já![6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Grito dos Excluídos completa 20 anos e vai às ruas neste 7 de setembro. EBC, 4 de setembro de 2015
  2. Em SP, Grito dos Excluídos diz que é contra 'golpe' e critica ajuste fiscal. G1, 7 de setembro de 2015
  3. Grito dos Excluídos: uma mobilização nacional pelos direitos do povo. União Nacional dos Estudantes
  4. Grito dos Excluídos: A Vida em primeiro lugar - 1995. Scretaria de Educação do Governo do Paraná
  5. História. Grito dos Excluídos
  6. Santos, José Matheus (7 de setembro de 2021). «Grito dos Excluídos faz ato contra Bolsonaro no Centro do Recife; veja imagens». JC. Consultado em 7 de setembro de 2021 
  7. «Grito dos Excluídos no DF ataca Bolsonaro e pede proteção a trabalhadores». noticias.uol.com.br. Consultado em 7 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o Brasil é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.