Grupamento de Unidades-Escola/9.ª Brigada de Infantaria Motorizada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Image-00011h.jpg
Grupamento de Unidades Escolas - 9ª Brigada de Infantaria Motorizada
9bimtz-gue.png
Estado Rio de Janeiro
Subordinação Comando Militar do Leste
Sigla GUEs - 9ª Bda Inf Mtz
Criação 1945
Lema Nenhum de nós é tão forte quanto todos nós juntos!
Comando
Gen Bda Jorge Antonio Smicelato
Sede
Endereço Avenida Bernardo de Vasconcelos, 1090, Realengo - Rio de Janeiro

O Grupamento de Unidades-Escola-9ª Brigada de Infantaria Motorizada (GUEs-9ª Bda Inf Mtz) é uma das Brigadas do Exército Brasileiro. Localiza-se no Estado do Rio de Janeiro. Sua área de influência compreende a área do Comando Militar do Leste (estados do Espírito Santo, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro), prioritariamente, e todo o Território Nacional.

Tem, em sua história, marcante participação nas campanhas de expulsão de invasores estrangeiros, na Guerra da Tríplice Aliança, na Segunda Guerra Mundial, nas missões de paz sob a égide de organismos internacionais em Suez, na República Dominicana e no Haiti e, na última década, nas Operações de Pacificação de Comunidades no Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Em 21 de agosto de 1945, pelo Decreto-Lei Nr 7.888, após a extinção da Escola Militar do Realengo em virtude da criação da Escola Militar de Resende, foi criado o Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo, destinado ao aperfeiçoamento e especialização dos quadros e à formação de especialistas do Exército.

Esse Centro era organizado em Comando Geral, Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, Escola de Motomecanização, Escola de Transmissões, Escola de Sargentos das Armas, Escola de Instrução Especializada e, por fim, Grupamento das Unidades-Escola (GUEs), que tinha como finalidade apoiar as necessidades de instrução do Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo.

Comandante e Estado-Maior no Quartel General do GUEs-9º Bda Inf Mtz na sua antiga sede, o atual 57º BIMtz(Es).

A primeira sede do GUEs foi a extinta Escola das Armas, nas instalações do atual 57º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola), Regimento-Escola de Infantaria. A primeira estruturação do GUEs foi a seguinte:

         - Regimento-Escola de Infantaria;

         - Regimento-Escola de Cavalaria;

         - Regimento-Escola de Artilharia;

         - Companhia-Escola de Engenharia;

         - Companhia-Escola de Transmissões;

         - Companhia-Escola de Saúde; e

         - Companhia-Escola de Intendência.

Essa estrutura perdurou até 5 de julho de 1968 quando, por meio do Decreto Nr 62.949,  o Grupamento das Unidades-Escola foi transformado em 1ª Brigada de Infantaria, deixando de ostentar o título de GUEs e perdendo sua vertente escolar. Em 1971, pelo Decreto Nr 01-Res, de 11 de novembro, publicado no Bol Esp Res Nr 01, de 11 de janeiro de 1972, é criado novamente o Grupamento de Unidades-Escola com nova constituição, tendo como sede as atuais dependências do 57º Batalhão de Infantaria Motorizado, ocasionando a transferência da 1ª Brigada de Infantaria, que ocupava aquela instalação, para as instalações da antiga Escola Militar do Realengo.

A missão do GUEs a partir de então, que perdura até os dias atuais, passou a ser a de apoiar os estabelecimentos de ensino do Exército Brasileiro, por meio de demonstrações que imitam o combate real, contribuindo para a formação e o aperfeiçoamento de oficiais e praças.

Em 24 de abril de 1973, o Comando do Grupamento de Unidades-Escola foi transferido para o aquartelamento antes ocupado pela 1ª Companhia do 1º Batalhão de Saúde, na Rua Salustiano Silva, Nr 455, no bairro de Magalhães Bastos.  No mesmo ano, em 24 de outubro, por meio do Decreto Nr 72.997, o Grupamento de Unidades-Escola passou a denominar-se 9ª Brigada de Infantaria Motorizada (Escola).

Antiga sede do QG do GUEs-9ª Bda Inf Mtz em Magalhães Bastos. Este aquartelamento sediou até 2015 o 11º BPE, sendo demolido no mesmo ano para as obras da Via TransOlímpica.

Para atender aos objetivos de apoiar as unidades de ensino do Exército e, além disso, manter-se como um grande comando operacional, em 21 de junho de 1995 a 9ª Brigada de Infantaria Motorizada (Escola) é transformada em Grupamento de Unidade- Escola-9ª Brigada de Infantaria Motorizada. Sua missão, mais completa, passou a ser a de apoiar os estabelecimentos de ensino, por meio de demonstrações dos procedimentos táticos previstos na Doutrina Militar Brasileira, e, ainda, de integrar a Reserva Estratégica do Exército Brasileiro, ficando em condições de atuar em qualquer parte do Território Nacional ou estrangeiro.

Finalmente, em 31 de março de 2005, o Comando do GUEs-9ª Bda Inf Mtz retorna para a sua origem, o prédio da antiga Escola Militar de Realengo (onde fora inicialmente criado em 1945, sob subordinação do Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo), e onde permanece até a presente data. Seu estabelecimento nessa antiga instalação de formação de oficiais veio a resgatar as tradições de um glorioso e nobre passado, complementado com a imprescindível operacionalidade do presente, tudo reunido no espírito dos integrantes desse grande comando do Exército Brasileiro.

Quartel-General do Grupamento de Unidades-Escola - 9ª Brigada de Infantaria Motorizada

O Grupamento de Unidades-Escola-9ª Brigada de Infantaria é a maior Brigada do Exército Brasileiro em efetivo (aproximadamente 7.000 militares e 600 viaturas, incluindo as novas viaturas Guarani) e a segunda em número de organizações militares diretamente subordinadas (doze, conforme já apresentado acima).

Por sua história e sua estrutura atual, o GUEs-9ª Bda Inf Mtz tem se destacado na sua missão de cooperar com nossas escolas militares na formação e no aperfeiçoamento de oficiais e sargentos. Entre as escolas que se servem dessa capacidade, podemos destacar a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro (CPOR/RJ),  a Escola de Sargentos da Armas (EsSA), a Escola de Sargentos de Logística (EsSLog), a Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea (EsACosAAe), a Escola de Instrução Especializada (EsIE), a Escola de Saúde do Exército (EsAEx), o Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), o Centro de Avaliação de Adestramento do Exército (CAADEx),  entre outras.

Também, por ser integrada por organizações militares centenárias, com participação vitoriosa na História do Brasil desde o período colonial, passando por fatos históricos como a expulsão de invasores franceses e holandeses, a demarcação de nossas fronteiras, a consolidação da Independência, a consolidação de nossa soberania no sul do País - particularmente na Guerra da Tríplice Aliança, a proclamação e consolidação da República, as campanhas na Itália durante a Segunda Grande Guerra, as revoluções que garantiram a vocação democrática brasileira, as presenças em território estrangeiro em operações de paz em Suez, na República Dominicana e no Haiti, as operações de pacificação em território nacional e a garantia da segurança nos grandes eventos internacionais, os integrantes do GUEs-9ª Bda Inf Mtz orgulham-se do seu passado e adestram-se permanentemente para o seu futuro, garantindo o estado de prontidão necessário para a Defesa da Pátria e a Garantia dos Poderes Constitucionais, da Lei e da Ordem.

Histórico das instalações[editar | editar código-fonte]

A área atualmente ocupada pelo GUEs-9ª Brigada de Infantaria Motorizada foi doada por Carta Régia de 03 de setembro de 1805 à D. Ildefonso de Oliveira Caldeira. Em 1814, foi retomada pelo poder público e reservada para a criação de gado, até ser negociada entre a Câmara Municipal e o Ministério da Guerra, em 1857, para estabelecimento de uma escola militar.

Em 18 de maio de 1859, por meio do Decreto Nr 2.422, foi criada a Escola de Tiro de Campo Grande, com a finalidade de formar oficiais e praças, habilitando-os na teoria e prática de tiro e conhecimentos das armas em geral.

Em 1890, essa Escola passa a denominar-se Escola Prática do Exército, com a finalidade de formar sargentos nas mesmas habilidades.

Escola Prática do Exército

Em 1898, é extinta a Escola Prática e passa a funcionar nas suas instalações a Escola Preparatória e de Tática de Guerra, de nível secundário, visando preparar os oficiais para frequentarem a Escola Militar do Brasil, de nível superior, localizada na Praia Vermelha. Dentre seus ilustres alunos, destaca-se o Marechal José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, idealizador da Academia Militar das Agulhas Negras e das místicas do culto ao Duque de Caxias e do Cadete. O Marechal José Pessoa voltaria às instalações do Realengo, oportunamente, para comandar a Escola Militar do Realengo, de 1930 a 1934. 

Em 1904, é extinta a Escola Militar do Brasil, na Praia Vermelha, motivada pela adesão de seus alunos à Revolta da Vacina no mesmo ano. Consequentemente, em 1905 cria-se em Porto Alegre a Escola de Guerra; em Rio Pardo a Escola de Aplicações de Infantaria e Cavalaria; e no Realengo a Escola de Artilharia e Engenharia e a Escola de Aplicações de Artilharia e Engenharia.

No ano de 1911, a Escola de Guerra é transferida de Porto Alegre para o Realengo, e é extinta a Escola de Aplicações de Infantaria e Cavalaria de Rio Pardo.

Escola Militar do Realengo
Escola Militar do Realengo - Vista Aérea (1934)

Em 1913, com o novo regulamento que orientava a formação profissional do militar, ocorre a fusão das três escolas: Escola de Guerra, Escola de Aplicações de Artilharia e Engenharia e a Escola Preparatória e de Tática de Guerra, surgindo a Escola Militar do Realengo.  Inicia-se a gloriosa “Era do Realengo”, de onde surgiram importantes figuras e heróis nacionais que viriam a se destacar no cenário político e militar brasileiro. Nessa era, podemos destacar alguns nomes que passaram pela Escola Militar do Realengo e tiveram participação ativa na nossa História:

Marechal Castelo Branco

Presidentes do Brasil[editar | editar código-fonte]

         (1) Hermes Rodrigues da Fonseca (1910-1914)

         (2) Eurico Gaspar Dutra (1946-1951)

         (3) Humberto de Alencar Castelo Branco (1964-1967)

         (4) Artur da Costa e Silva (1967-1969)

         (5) Emílio Garrastazu Médici (1969-1974)

         (6) Ernesto Beckmann Geisel (1974-1979)

         (7) João Batista de Oliveira Figueiredo (1979-1985)

Outras Personalidades da História[editar | editar código-fonte]

         (1) Luis Carlos Prestes

Marechal Mascarenhas de Moraes

         (2) Juarez do Nascimento Távora

         (3) Antônio de Siqueira Campos

         (4) Eduardo Gomes

         (5) João Batista Mascarenhas de Moraes

         (6) Euclides de Oliveira Figueiredo

Marechal José Pessoa

         (7) Filinto Strubing Muller

         (8) Olímpio Mourão Filho

         (9) Euclides Zenóbio da Costa

         (10) Aurélio de Lyra Tavares

         (11) Márcio de Souza e Melo

         (12) Mario Travassos

         (13) José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque

         (14) Henrique Batista Teixeira Lott

         (15) Carlos de Meira Mattos                          

         16) Plínio Pitaluga

         (17) Bento Manuel Ribeiro

         (18) Waldemar Levy Cardoso

         (19) Adalberto Pereira dos Santos

Escola Militar do Realengo - Vista Aérea (1934)

Essa fase duraria até 1944 com a extinção da Escola Militar do Realengo e com a criação da Escola Militar de Resende, atualmente Academia Militar das Agulhas Negras, quando ocorre a transferência das atividades escolares para Resende.

Em 21 de agosto de 1945, pelo Decreto-Lei Nr 7.888, após a extinção da Escola Militar do Realengo em virtude da criação da Escola Militar de Resende, foi criado o Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo, destinado ao aperfeiçoamento e especialização dos quadros e à formação de especialistas do Exército, instalado a partir de 1º de setembro de 1945 no edifício e nas demais dependências da extinta Escola Militar do Realengo. Esse Centro pode ser considerado o embrião do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx) e das diretorias de ensino do Exército.

Por meio do mesmo Decreto, é criada, também, a Escola de Sargento das Armas, subordinada diretamente ao Centro de Aperfeiçoamento e ocupando, também, as instalações da extinta Escola Militar do Realengo, onde passa a funcionar até o ano de 1949, quando é transferida para a cidade de Três Corações (MG).

No ano de 1950, ocupa as dependências do aquartelamento o 3º Batalhão de Carros de Combate, que reestruturado em 1971, passa a ter a denominação de 3º Regimento de Carros de Combate.

Em 1960, é extinto o Centro de Aperfeiçoamento e Especialização do Realengo.

Em 1997, o 3º Regimento de Carros de Combate é transferido para junto das instalações do Campo de Instrução do Gericinó (CIG), passando a ocupar as instalações históricas da antiga Escola Militar do Realengo o Comando da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada.

Em 2005, com a transferência da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada para o Estado do Paraná, passa a ocupar as instalações desse aquartelamento até os dias atuais o Comando do Grupamento de Unidades-Escola-9º Brigada de Infantaria Motorizada, juntamente com a sua Companhia de Comando e o 9º Pelotão de Polícia do Exército.

Missão[editar | editar código-fonte]

Cmdo GUEs-9ªBda Inf Mtz desdobrado na R Angra dos Reis, Op Atlântico
  • - Atuar, enquadrada pela 1ª Divisão de Exército ou por outro grande comando, em Operações de Defesa Externa, particularmente nas operações ofensivas e nas ações dinâmicas da defesa.
  • - Atuar, enquadrada ou isoladamente, em Operações de Garantia da Lei e da Ordem.
  • - Cooperar com a formação de oficiais e sargentos, sendo referência no emprego da doutrina militar terrestre.
  • - Cooperar com a defesa civil em situação de calamidade pública.
  • - Cooperar com a manutenção e melhoria da imagem da Força.

Visão de futuro[editar | editar código-fonte]

  • - O GUEs-9ª Bda Inf Mtz deverá continuar sendo o grande comando de referência no Comando Militar do Leste (CML) para o emprego em Operações de Defesa Externa e em Operações de Garantia da Lei e da Ordem.
  • - Deverá buscar consolidar-se como o grande comando de confiança dos escalões superiores para a atribuição de missões de complexos planejamento e execução.
  • - Os militares integrantes do GUEs-9ª Bda Inf Mtz deverão orgulhar-se de servir nas suas unidades.

Subordinação[editar | editar código-fonte]

  • - Comando Militar do Leste (CML)
  • - Comando da 1ª Divisão de Exército – Divisão Mascarenhas de Moraes (1ª DE)

Organizações militares subordinadas e seus fatos relevantes[editar | editar código-fonte]

1 BI.jpg

- 1º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola) – Regimento Sampaio[editar | editar código-fonte]

Metralhadora 7.62mm Mag em posição no terreno.
Batalha do Riachuelo
  • - Campanha de Expulsão dos Franceses do Rio de Janeiro – 1567
  • - Campanha da Reconquista de Angola contra os Holandeses – 1648
  • - Demarcação do Tratado de Madri – 1751
  • - Campanha na Guerra Guaranítica – 1751
  • - Campanha da Reconquista da Cidade de Rio Grande contra os Espanhóis – 1774
  • - Primeiro Comandante: Coronel Francisco de Lima e Silva – 1793
  • - Alferes e Porta-Estandarte do Regimento: Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias – 1808
  • - Campanha da Guerra da Tríplice Aliança – 1864 a 1870
  • - Batalha de Riachuelo, no Navio Jequitinhonha – 1865
  • - Batalha de Tuiuti, maior da história da América do Sul, integrando a Divisão Encouraçada, sob o comando do Brigadeiro Sampaio, evento que deu a denominação histórica ao Batalhão – 1866
  • - Batalha de Ita-Ibaté – 1868
  • - Batalha do Pequiciri – 1868
  • - Batalha de Itororó – 1868
    Peça de metralhadora ,30 em posição na Batalha de Monte Castelo, Campanha da FEB.
  • - Batalha de Peribebuy – 1869
  • - Batalha de Campo Grande – 1869
  • - Participação na Proclamação da República – 1889
  • - Campanha da Revolução de 1924, em São Paulo – 1924
  • - Campanha da Revolução de 1930 – 1930
  • - Campanha da Revolução Constitucionalista – 1932
  • - Campanha contra a Intentona Comunista – 1935
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial – 1944 e 1945
  • - Batalha de Monte Castello – 1944
  • - Batalha de Fornovo di Taro – 1945
  • - Missão da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), no Oriente Médio, reforçando o 2º RI, Regimento Avaí, integrando o Batalhão Suez – 1957 a 1967
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março – 1964
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995
  • - Missão das Nações Unidas em Angola (UNAVEM III) – 1995
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
2º BI.jpg

- 2º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola) – Regimento Avaí, o Dois de Ouro[editar | editar código-fonte]

Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
Batalha de Avaí
  • - Campanha de Expulsão dos Franceses do Rio de Janeiro – 1567
  • - Campanha da Guerra da Tríplice Aliança – 1864 a 1870
  • - Batalha do Passo da Pátria – 1866
  • - Batalha de Tuiuti, maior da história da América do Sul – 1866
  • - Batalha de Itororó – 1868
  • - Batalha de Avaí, evento que deu a denominação histórica ao Batalhão – 1868
  • - Incorporação do 38º BI, que participou da Campanha de Canudos em 1896 – 1908
  • - Campanha contra a Intentona Comunista – 1935
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial, reforçando o 1º RI, Regimento Sampaio – 1944 e 1945
  • - Missão da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), no Oriente Médio, compondo a base do Batalhão Suez – 1957 a 1967
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março – 1964
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995  
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
    Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Dist 56bi NÃO USAR.gif

- 56º Batalhão de Infantaria – Batalhão Capitão Manoel Theodoro[editar | editar código-fonte]

Tropa de infantaria em posição de assalto
Batalha de Monte Castelo, Campanha da Força Expedicionária Brasileira
  • - Alistamento do Capitão Manoel Theodoro de Almeida, primeiro Campista a alistar-se como Voluntário da Pátria para lutar na Guerra da Tríplice Aliança, ferido mortalmente na Batalha de Tuiuti, evento que deu a denominação histórica ao Batalhão – 1864
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial, ainda como 3º RI, no Rio de Janeiro, reforçando o 1º RI, Regimento Sampaio – 1944 e 1945
  • - Operação de Vigilância e Defesa do Litoral na 2ª Guerra Mundial, ainda como 3º RI, no Rio de Janeiro – 1944 e 1945
  • - Missão da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), no Oriente Médio, ainda como 3º RI, reforçando o 2º RI, Regimento Avaí, integrando o Batalhão Suez – 1957 a 1967
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março, ainda como 3º RI – 1964
  • - Missão da Força Interamericana de Paz (FIP/OEA), na República Dominicana, ainda como 3º RI, reforçando o 57º BI, Regimento Escola de Infantaria, integrando a Força Armada Interamericana do Brasil (FAIBRAS) – 1965 e 1966
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
57 BIMtz.jpg

- 57º Batalhão de Infantaria Motorizado (Escola) – Regimento-Escola de Infantaria (REI)[editar | editar código-fonte]

Metralhadora 7.62mm MAG em posição no terreno.
Entrada do Campo Brasil CCS - Batalhão Suez
  • - Campanha contra a Intentona Comunista – 1935
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial, reforçando o 1º RI, Regimento Sampaio – 1944 e 1945
  • - Missão da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), no Oriente Médio, reforçando o 2º RI, Regimento Avaí, integrando o Batalhão Suez – 1957 a 1967
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março – 1964
  • - Missão da Força Interamericana de Paz (FIP/OEA), na República Dominicana, compondo a base da Força Armada Interamericana do Brasil (FAIBRAS) – 1965 e 1966
  • - Operação de Segurança da Usina Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, no Rio de Janeiro – 1988
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995  
  • - Operação de Segurança do Papa durante a sua visita ao Rio de Janeiro – 1997
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
    Militares da FEB em Montese, Itália.
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
15 RCMec.jpg

- 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado (Escola) – Regimento General Pitaluga[editar | editar código-fonte]

Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
Blindado em Monte Castelo, Campanha da FEB - 1945
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março – 1964
  • - Comando do então Cel Plínio Pitaluga, herói da FEB, evento que deu a denominação histórica ao Regimento – 1964
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003  
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude - 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Blindado em transposição de um curso d´água.
31 GAC.jpg

- 31º Grupo de Artilharia de Campanha (Escola) – GEsA[editar | editar código-fonte]

Peça de Artilharia de Campanha
Cidade de Montese alvo da Artilharia da Força Expedicionária Brasileira
  • - Campanha da Revolução Constitucionalista – 1932
  • - Campanha contra a Intentona Comunista – 1935
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial, integrando o IV Grupo 155 mm do I/1º Regimento de Artilharia Pesada Curta – 1944 e 1945
  • - Batalha de Monte Castello – 1944
  • - Batalha de Castelnuovo – 1945
  • - Batalha de La Serra – 1945
  • - Batalha de Montese – 1945
  • - Missão da Força de Emergência das Nações Unidas (UNEF), no Oriente Médio, reforçando o 2º RI, Regimento Avaí, integrando o Batalhão Suez – 1957 a 1967
  • - Campanha do Movimento de 31 de Março – 1964
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995
  • - Operação de Segurança para a Substituição de Moeda no Plano Real, no Rio de Janeiro – 1994
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares - 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio + 20 – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude - 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
B ES E.jpg

- 1º Batalhão de Engenharia de Combate (Escola) – Batalhão Villagran Cabrita[editar | editar código-fonte]

Transposição de um blindado por uma portada.
Batalha de Itapiru - 1866
  • - Pioneiro: Cel Villagran Cabrita, evento que deu a denominação histórica ao Batalhão – 1855
  • - Campanha da Guerra da Tríplice Aliança – 1864
  • - Batalha em Itapiru, primeiro combate em solo paraguaio, quando falece em combate o seu comandante, Cel Villagran Cabrita – 1866
  • - Batalha de Tuiuti – 1866
  • - Batalha de Cururu – 1866
  • - Batalha de Curupaiti – 1866
  • - Batalha de Humaitá – 1868
  • - Batalha de Itororó – 1868
  • - Batalha de Avaí – 1868
  • - Batalha de Peribebuí – 1868
  • - Batalha de Pequiciri – 1868
  • - Campanha da Revolta da Armada – 1891
  • - Campanha de Canudos – 1896
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial – 1944 e 1945
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995  
  • - Missão das Nações Unidas em Angola (UNAVEM III) – 1995
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Portada em ação conduzindo um blindado por um curso d´água.
B Es Com.jpg

- Batalhão Escola de Comunicações – Batalhão Barão de Capanema[editar | editar código-fonte]

Udo do meio fio em uma toca
  • - Criação do Telégrafo Nacional por Guilherme Schüch, Barão de Capanema, evento que deu a denominação histórica ao Batalhão – 1852
  • - Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na 2ª Guerra Mundial – 1944 e 1945
  • - Batalha de Monte Castello – 1944
  • - Batalha de Montéquio – 1945
  • - Batalha de La Serra – 1945
  • - Batalha de Castelnuovo – 1945
  • - Batalha de Vignola – 1945
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003  
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Equipamento de comunicações usado em campanha.
B LOG ES.jpg

- 25º Batalhão Logístico (Escola)[editar | editar código-fonte]

Transporte de uma blindado via prancha.
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995  
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013  
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
Comboio logístico em deslocamento
Insigna cia cmdo.jpg

- Companhia de Comando do GUEs-9ª Brigada de Infantaria Motorizada[editar | editar código-fonte]

Marcha de 12 km.
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável (ECO 92), no Rio de Janeiro – 1992
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995  
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio + 20 – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014
9ª BIA.jpg

- 9ª Bateria de Artilharia Antiaérea (Escola) – Forte Marechal Hermes[editar | editar código-fonte]

Bateria antiaérea em ação.
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
9 pel pe.jpg

- 9º Pelotão de Polícia do Exército[editar | editar código-fonte]

Polícia do Exército em ação de patrulha.
  • - Operação de Combate à Criminalidade no Rio de Janeiro (Operação Rio) – 1994 e 1995
  • - Operação de Segurança do Carnaval no Rio de Janeiro (Operação Guanabara I) – 2003
  • - Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) – 2005, 2010 e 2015
  • - Operação de Segurança dos Jogos Pan-Americanos – 2007
  • - Operação de Segurança do Pleito Eleitoral no Rio de Janeiro (Operação Guanabara II) – 2008
  • - Operação de Segurança dos 5º Jogos Mundiais Militares – 2011
  • - Operação Arcanjo para a Pacificação dos Complexos do Alemão e da Penha – 2011 e 2012
  • - Operação de Segurança da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20) – 2012
  • - Operação de Segurança na Jornada Mundial da Juventude - 2013
  • - Operação de Leilão dos Campos Petrolíferos de Libra – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa das Confederações – 2013
  • - Operação de Segurança da Copa FIFA – 2014
  • - Operação São Francisco para a Pacificação do Complexo da Maré – 2014

Comandantes da Brigada[editar | editar código-fonte]

N°1 - Cel Nilo Horácio de Oliveira Sucupira (29 JAN 45 a 09 JUL 45)

N°2 - Cel Alcino Nunes Pereira (09 JUL 45 a 28 NOV 49)

N°3 - Cel Emílio Rodrigues Ribas Junior (13 JUN 49 a 21 SET 49)     

N°4 - Cel Djalma Dias Ribeiro (31 OUT 49 a 14 MAIO 52)

N°5 - Gen Bda Illydio Romulo Colônia (02 FEV 53 a 15 JAN 55)

N°6 - Gen Bda José Theóphilo de Arruda (11 MAR 55 a 10 MAR 59)

N°7 - Gen Bda Ladário Pereira Telles (10 MAR 59 a 30 AGO 62)  

N°8 - Gen Bda Raphael de Souza Aguiar (30 AGO 61 a 19 SET 61)

N°9 - Gen Bda José Publio Ribeiro (30 AGO 62 a 02 JUL 63)

N°10 - Gen Bda Anfrisio da Rocha Lima (02 JUL 63 a 02 ABR 64)

N°11 - Gen Augusto Cesar de C. Muniz de Aragão (02 ABR 64 a 27 MAIO 64)

N°12 - Gen Manoel Rodrigues de C. Lisboa (27 MAIO 64 a 01 DEZ 65)   

N°13 - Gen Newton Fontoura de Oliveira Reis (02 DEZ 65 a 21 DEZ 66)     

N°14 - Gen Ednardo D’avila Melo (01 JAN a 18 SET 67)

N°15 - Gen Arnaldo José Luiz Calderari (19 SET 67 a 10 FEV 69) e (12 JAN 72 a 05 ABR 73)  

N°16 - Gen Rosalvo Eduardo Jansen (24 ABR 73 a 20 AGO 74)

N°17 - Gen José Luiz Coelho Netto (21 AGO 74 a 18 MAIO 77)

N°18 - Gen Geraldo de Eduardo Ferreira Braga (22 JUN 77 a 08 MAR 79)

N°19 - Gen Adhemar de Costa Machado (08 MAR 79 a 31 AGO 79)     

N°20 - Gen Waldyr Alves Costa Muniz (31 AGO 79 a 08 NOV 79)

N°21 - Gen Francisco Batista Torres de Melo (22 JAN 80 a 25 JAN 82)

N°22 - Gen Eduardo Cesar Lucena Barbosa (25 JAN 82 a 25 JAN 83)

N°23 - Gen Alberto dos Santos Lima Fajardo (31 JAN 83 a 10 JAN 85)

N°24 - Gen Angelo Baratta Filho (10 JAN 85 a 23 AGO 85)

N°25 - Gen José Carlos Leite Filho (23 AGO 85 a 22 ABR 87)

N°26 - Gen Nilton de Alburqueque Cerqueira (22 ABR 87 a 23 MAR 90)

N°27 - Gen José Oscar Bellas Galvão (26 ABR 90 a 23 ABR 93)

N°28 - Gen Licínio Nunes de Miranda Filho (23 ABR 93 a 13 FEV 95)

N°29 - Gen Carlos Eduardo Jansen (12 MAIO 95 a 05 OUT 97)

N°30 - Gen Eron Carlos Marques (24 OUT 97 a 19 FEV 99)

N°31 - Gen Gilson Gonçalves Lopes (19 FEV 99 a 23 NOV 00)

N°32 - Gen Bda Enio Fett de Magalhães (20 DEZ 00 a 02 DEZ 02)        

N°33 - Gen Bda Jorge Armando de A. Ribeiro (19 DEZ 02 a 02 SET 04)

N°34 - Gen Bda João Henrique C. de Freitas (02 SET 04 a 23 FEV 06) 

N°35 - Gen Bda Williams José Soares (27 ABR 06 a 30 ABR 08)

Nº 36 ­­- Gen Bda Mauro Cesar Lourena Cid (30 ABR 08 A 07 AGO 09)

Nº 37 - Gen Bda Cesar Leme Justo (07 AGO 09 a 24 JAN 12)

Nº 38 - Gen Bda Carlos Mauricio Barroso Sarmento (24 JAN 12 a 27 MAR 13)

Nº 39 - Gen Bda Henrique Martins Nolasco Sobrinho (03 MAIO 13 a 22 ABR 15)

Nº 40 - Gen Bda Jorge Antonio Smicelato (22 ABR 15 aos dias atuais)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  • Decreto-Lei n° 7.888, de 21 de agosto de 1945 [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]