Grupo Andrade Gutierrez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andrade Gutierrez
Andrade Gutierrez S.A.
Slogan “A gente constrói a nossa história e a história do Brasil”
Tipo Empresa de capital fechado
Indústria Conglomerado
Gênero Privada
Fundação 2 de setembro de 1948 (68 anos)
Fundador(es) Gabriel Donato de Andrade
Roberto Andrade
Flávio Gutierrez
Sede Belo Horizonte,  Brasil
Áreas servidas Todo o Mundo
Presidente Ricardo Sena
Pessoas-chave Ricardo Sena (CEO)
Empregados 223 000
Produtos Engenharia, Construção, Telecomunicações, Energia, Rodovias, Saneamento e Aeroportos
Subsidiárias Construtora Andrade Gutierrez
AG Brasil
AG Industrial
Logimed
Novo Metropolitano
AG Defesa e Segurança
AG Desenvolvimento Imobiliário
AG Energia
Faturamento Aumento R$ 16.829 bilhões (2012)[1]
Página oficial http://www.andradegutierrez.com/

Andrade Gutierrez é uma multinacional brasileira de negócios diversificados fundada em 02 de setembro de 1948 em Belo Horizonte, Minas Gerais, pelas famílias Andrade e Gutierrez. Atualmente o grupo Andrade Gutierrez é presidido por Ricardo Sena.[2][3][4]

A empresa posiciona-se como a segunda maior construtora do Brasil e uma das maiores da América Latina, com presença em mais de 44 países, com faturamento liquido de R$ 8 bilhões ao ano. [5]

História[editar | editar código-fonte]

A Andrade Gutierrez é um grupo empresarial brasileiro de infraestrutura, fundado em 02 de setembro de 1948 em Belo Horizonte, Minas Gerais, por três engenheiros, os irmãos Gabriel e Roberto Andrade e o amigo Flávio Gutierrez.[2]

Gabriel Andrade e Flávio Gutierrez eram amigos de faculdade e estudavam engenharia quando decidiram fundar a Andrade Gutierrez, o Roberto Andrade irmão de Gabriel entrou logo depois na sociedade. Os amigos Andrade e Gutierrez decidiram comprar algumas máquinas para construir estradas e abriram o primeiro escritório na garagem da família Gutierrez.[6][7]

Como naquela época no Brasil não tinha muitas indústrias, notaram que o ramo de construção se tornaria uma indústria após a aprovação do Plano Joppert, decreto n. 8.463, de dezembro de 1945 publicado no governo de Getúlio Vargas. O decreto criou o Fundo Rodoviário Nacional (FRN) e reestruturou o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). O país passava por grandes desenvolvimentos com a criação de usinas e da Petrobrás.[6][8][9]

Em 1948, a primeira obra da construtora foi a canalização da Rua Rio Grande do Norte, projeto da prefeitura de Belo Horizonte. Em 1949, iniciaram a obra do aeroporto de Bambuí, em Minas Gerais.[6][10]

A Andrade Gutierrez S.A. nasceu como uma pequena construtora mineira e deu origem ao Grupo. Na década de 1950, a companhia construiu a primeira obra interestadual, a rodovia Rio de Janeiro-Belo Horizonte. Participou também da construção da rodovia Castelo Branco, no estado de São Paulo, que se tornou referência de engenharia rodoviária.[11]

No fim da década de 1950 a construtora se beneficia dos planos de modernização do presidente Juscelino Kubitschek, ampliando sua atuação em diferentes estados do Brasil.[11] Nos anos 1960 o grupo constrói a estrada Manaus-Porto Velho, com 850 km.[12]Esse período também foi marcado pela construção da BR-116, que liga São Paulo a Curitiba. Ela foi inaugurada , com a denominação de BR-2, por Juscelino Kubitschek de Oliveira, no começo de 1961. No estado de São Paulo é denominada SP-230.

Nos anos 70 a Andrade Gutierrez construiu a Usina Hidrelétrica de Itaipu[13], uma das maiores usinas hidrelétricas do mundo.[14]

Em 1975, a Andrade Gutierrez entrou no ramo de construção de ferrovias de aço e iniciou seu primeiro projeto ligando Belo Horizonte a São Paulo e Barra Mansa, no Rio de Janeiro.[6]

No final dos anos 70, a Andrade e Gutierrez era responsável pelo abastecimento de minério de ferro para as usinas hidrelétricas Companhia Siderúrgica Paulista, Cosipa, em Cubatão, no litoral de São Paulo e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, no Rio de Janeiro.[6]; nesse período houve a construção da Usina Hidrelétrica de Salto Osório, o projeto de irrigação Itiúba, na Bahia, o complexo industrial Porto de Trombetas, a Rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo e a Usina Hidrelétrica de Emborcação.[6][15]

Nos anos 80, em meio à “década perdida” , a Andrade Gutierrez expande sua atuação no Brasil e no mercado internacional, sobretudo na América Latina, África e Europa.[2]

Na África a AG entregou a sua primeira estrada internacional, em 1987 , constituída com 120 quilômetros ligando Epena-Impfondo-Dongou, no Congo. Na região, o Grupo AG mantém como principais focos Moçambique, Angola, Nigéria, Gana, Guiné Equatorial, Congo e Argélia.[16]

Na América Latina, sua primeira obra foi o trecho de 150 quilômetros da estrada Chimoré-Yapacani, na Bolívia, para o Servicio Nacional de Camiños. Na sequência, foram realizadas obras na América Central, como o Aeroporto Internacional de Nassau, nas Bahamas. Hoje, a AG tem como prioridade na América Latina Colômbia, Peru e Venezuela.

Em 1987 a AG compra a companhia portuguesa, a Zagope. Por meio da Zagope e de consórcios com empresas francesas, espanholas e inglesas, a AG construiu estradas, túneis, pontes e viadutos em Portugal e na Mauritânia. A construtora também foi responsável pela ampliação do Metrô de Lisboa, uma obra iniciada em 1992. Hoje, a Zagope é uma das mais importantes empresas de Portugal.[17]

No Brasil, ainda nos anos 80, foram realizadas obras significativas, como o Aeroporto Internacional de Confins, em Minas Gerais, o túnel da Lagoinha, em Belo Horizonte – Minas Gerais, a canalização do ribeirão Arrudas e a construção da Estrada de Ferro Carajás, que percorre ao todo 892 km, ligando os estados do Maranhão e do Pará.[18][19][20]

Nos anos 90, a empresa iniciou a diversificação dos negócios e entrou nas áreas de Concessões Públicas e Telecomunicações. A AG iniciou a sua atuação na área de telecomunicações através da criação da AG Telecom, em 1993. Em 1998, a empresa venceu o leilão de privatização do Sistema Telebrás e integrou a operação da Telemar. Posteriormente, veio a Contax, uma das três maiores empresas de contact center do mundo.[21]

Na área de construção, a AG ampliou seu escopo de atuação e hoje realiza projetos nas seguintes áreas de atuação: hidrelétricas, termoelétricas, usinas nucleares, petroquímicas, mineração, siderúrgicas, refinarias, portos, metrôs, saneamento e urbanização, aeroportos, ferrovias, construção civil. No Brasil, a unidade de negócios Industrial conquistou a primeira obra, a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e iniciou uma parceria com a Petrobras.[22]

A primeira experiência da AG Concessões foi com a CCR (Companhia de Concessões Rodoviárias), que hoje é a maior controladora de rodovias sob concessão da América Latina.[23]

O grupo brasileiro instalou-se na Argentina em 1996, onde mantém empreendimentos de infraestrutura.[24]

Hoje, projetos de mineração, de portos, terminais logísticos, rodovias e plantas industriais (como siderúrgicas e de petroquímica) são o foco da divisão global da empresa.

Estrutura societária[editar | editar código-fonte]

A empresa é composta por um Conselho de Administração formado pelos principais executivos da companhia. Abaixo, estão 5 comitês de mercado que auxiliam o Grupo na tomada de decisões estratégicas.[25] Acima da governança está o Conselho de Acionistas que é formado pelas famílias Andrade e Gutierrez.[26]

O capital social da companhia é dividido em três partes iguais pelas famílias Andrade e Gutierrez e cada família tem uma empresa ligada ao grupo.[6][27]

Segmentos de atuação[editar | editar código-fonte]

Engenharia e construção[editar | editar código-fonte]

No segmento da engenharia a AG atua na construção de hidrelétricas, termoelétricas, usinas nucleares, petroquímicas, mineração, siderúrgicas, refinarias, portos, metrôs, saneamento e urbanização, aeroportos, ferrovias, construção civil.[18]

Atualmente, no Brasil, a Andrade Gutierrez participa do maior projeto da história da Vale, a construção da Mina da Serra do Sul, no Pará.[28]

A Vale firmou com a AG três contratos no total de R$ 2,3 bilhão, para o megaprojeto S11D, em Carajás, no Pará. Os três contratos envolvem a construção de dois ramais ferroviários de 50 quilômetros e uma usina de beneficiamento capaz de processar 90 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

O S11D é o maior projeto da história da Vale.[29]

Na América Latina, o foco da Construtora Andrade Gutierrez são Colômbia, Peru e Venezuela.

Na Venezuela, a AG conta com três projetos. O primeiro é a construção da Siderúrgica Nacional Jose Inácio Abreu e Lima, em Ciudad Piar, Estado Bolívar. O contrato com o Ministério de Indústrias foi assinado em 2008. A capacidade produtiva da planta Siderúrgica será de 1,5 milhões de toneladas de aço líquido por ano. O segundo projeto também foi assinado em 2008, trata-se da construção do Estaleiro AstiAlba, na península de Araya, Estado Sucre, empreendimento este que visa a prover a PDVSA (Petróleos de Venezuela S.A.) autonomia na fabricação e manutenção de navios petroleiros. O terceiro projeto é a Termoelétrica de Cumaná fase II, também localizada no Estado Sucre, contrato que foi assinado em 2012. A planta terá a capacidade instalada de 760 MW, a qual irá contribuir na geração de energia elétrica para a região oriental do país.[19]

Em 1988 o Grupo Andrade Gutierrez adquiriu a Zagope, construtora portuguesa especializada em obras públicas.

Com sede em Lisboa e responsável pelas atividades da AG na Europa, Ásia, África e Oriente Médio, o volume de negócios da Zagope passou dos €160 milhões em 2004 para €506 milhões em 2011.[30]

Com cerca de 5000 colaboradores, no final de 2014, a Zagope passou a se chamar Andrade Gutierrez Europa, África, Ásia. A mudança teve como objetivo reforçar o posicionamento de grupo global e unificado também nos mercados europeu, africano e asiático.[31][17][32][33]

A empresa que tem presença em mais de 12 países foi responsável pela obra de ampliação da pista do Aeroporto do Funchal, na ilha da Madeira.[34]

Na Argélia, a AG Europa, África, Ásia é responsável pelo Viaduto Transrhumel, na cidade de Constantine, considerada uma das maiores obras de transporte do país.[6][35][36] Em Angola, AG EAA atua com obras de infra estrutura nas províncias de Huíla, Cubango 9 e Luanda.[6][37]

AG Concessões[editar | editar código-fonte]

A AG Concessões é uma subholding do Grupo Andrade Gutierrez, criada em 1999, resultado da experiência do Grupo que já atuava em concessões de serviços públicos desde o início da década de 90. Focada no mercado de concessões de serviços públicos de infraestrutura, com atuação no Brasil e no exterior, suas atividades envolvem a gestão dos negócios existentes e o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios.[38][39]

Hoje, a divisão opera nos segmentos de transportes e logística, via CCR; energia, com Cemig e Santo Antônio Energia; saneamento, por meio de Sanepar; telecomunicações, via Oi e Contax; saúde, com Logimed e Novo Metropolitano (Hospital Metropolitano do Barreiro), em Belo Horizonte, Minas Gerais ; e arenas, por meio da Brio (responsável pela modernização do estádio Beira-Rio). Em 2012, a AG Investimentos teve receita operacional bruta de R$ 5,146 bilhões através da AG Concessões e R$ 7.268 bilhões através da AG Telecomunicações.

A AG Concessões participa da administração de importantes vias brasileiras, como Rodovia Presidente Dutra, Rodovia Anhanguera, Rodovia Castello Branco e outras.

AG Private[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o grupo Andrade Gutierrez se reestruturou internamente e criou a AG Private E&C, uma divisão específica para cuidar do contrato de prestação de serviços para a iniciativa privada. No mesmo ano, os contratos renderam um faturamento de R$ 300 milhões. Em 2013 a AG Private E&C alcançou R$ 2,3 bi ao fechar com a Vale o contrato da S11D, em Carajás.[29]

O presidente da divisão é o executivo Ricardo Sá.[29]

A AG Private foca principalmente em multinacionais, mas também reserva interesses em projetos de mineração, de portos, terminais logísticos, rodovias e plantas industriais.

Com cerca de 5.ooo colaboradores, no final de 2014, a Zagope passou a se chamar Andrade Gutierrez Europa, África, Ásia. A mudança teve como objetivo reforçar o posicionamento de grupo global e unificado também nos mercados europeu, africano e asiático.[31][17][32][33]

A empresa que tem presença em mais de 12 países foi responsável pela obra de ampliação da pista do Aeroporto do Funchal, na ilha da Madeira.[34]

Na Argélia, a AG Europa, África, Ásia é responsável pelo Viaduto Transrhumel, na cidade de Constantine, considerada uma das maiores obras de transporte do país.[6][40][41] Em Angola, AG EAA atua com obras de infra estrutura nas províncias de Huíla, Cubango 9 e Luanda.[6][42]

Geração de Energia[editar | editar código-fonte]

O consórcio Santo Antônio Energia representa a entrada do Grupo Andrade Gutierrez no setor de geração e fornecimento de energia. O consórcio é responsável pela construção e futura operação da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no Rio Madeira, em Rondônia. Responde, ainda, pela comercialização da energia que será gerada. A Hidrelétrica de Santo Antônio é uma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal e é formada por 50 turbinas geradoras, com capa­cidade total de 3.568 MW de geração de energia. [43]

Em 2014, a Cemig GT aumentou em 10% sua participação na Santo Antônio Energia após adquirir 83% do capital total e 49% das ações da SAAG Investimentos, administrada pela Andrade Gutierrez Participações. A estrutura da operação se deu por meio de fundos de investimentos em participações, como o FIP Melbourne, do qual a Cemig GT, em conjunto com fundos de pensão, é investidora. O valor da aquisição foi de R$ 835,3 milhões. A participação da Cemig no Santo Antônio Energia passou a ser de 18,05% (direta e indireta, somadas). [44][45][46]

Em 2010 a Andrade Gutierrez passou a ser dona de 33% do capital votante da Cemig, estatal mineira presidida por Djalma Bastos de Morais.[47] A AGC Energia, subsidiária da AG, assumiu dívida da Southern Electric Brasil (SEB), proprietária dos papéis, junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), no valor de R$ 2,1 bilhões. Deste total, R$ 500 milhões serão pagos à vista. O acordo foi homologado na Justiça Federal do Rio de Janeiro e encerrou um litígio judicial iniciado há seis anos.[48]

Telecomunicações[editar | editar código-fonte]

Em 1993 a AG cria a AG Telecom e em Julho de 1998, a empresa adquiriu, por meio do consórcio Telemar, do qual era líder, a Tele Norte Leste, concessão de telefonia fixa em 16 estados brasileiros, reconhecida nacionalmente pela marca Oi.[49]

Em 2008, a Oi adquiriu a Brasil Telecom. Nessa ocasião, o Grupo AG ampliou a sua participação societária no capital de controle da Telemar Participações e na Contax Participações. O portfolio de negócios abrange a Oi, a Oi Internet, a Way Brasil (operadora regional de TV por assinatura) e a Contax.

A Oi e a Portugal Telecom, uma das principais acionistas da operadora brasileira, firmaram acordo preliminar para uma fusão de suas operações que prevê um aumento de capital de pelo menos R$ 7 bilhões na Oi. A operação criará a CorpCo, uma multinacional com mais de 100 milhões de clientes e permitirá sinergias de cerca de R$ 5,5 bilhões.

A CorpCo terá ações listadas no segmento Novo Mercado da BM&FBovespa, na bolsa de Nova York e na NYSE Euronext Lisbon.[50]

Saneamento básico[editar | editar código-fonte]

A AG Concessões iniciou no ramo de sanemaneto básico por intermédio da Dominó Holdings. Ingressou como acionista da Companhia de Saneamento do Paraná, (Sanepar), e posteriormente na Water Port, que atua no sistema de água e esgoto no Porto de Santos.[6][51][52]

Em abril de 2014, a AG encerrou o contrato da Water Port com a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

Atuação internacional[editar | editar código-fonte]

O Grupo Andrade Gutierrez inicia a sua atuação internacional nos anos 80, sobretudo na América Latina, África e Europa.

No exterior, a AG atuou em projetos como o Novo Aeroporto Internacional de Quito, no Equador, as rodovias Interoceánicas Sur e Norte, no Peru, e a barragem Baluarte Presídio, no México. Na Europa, a Travessia do Tejo e o túnel de Burata-Ourense, na Espanha. Já na África, destacaram-se a barragem de Boussiaba, a Via Expressa Luanda-Viana e o aeroporto de Mongomeyen, na Guiné Equatorial.[20]

Países em que a AG atua hoje[editar | editar código-fonte]

Alemanha, Angola, Antígua, Argélia, Argentina, Brasil, Camarões, Colômbia, Congo, Emirados Árabes, Estados Unidos, Gana, Guiné-Conacri, Guiné Equatorial, Índia, Líbano, Líbia, Mali, México, Moçambique, Nigéria, Panamá, Peru, Portugal, República Dominicana, e Venezuela.

Países em que a AG já atuou[editar | editar código-fonte]

Arábia Saudita, Azerbaijão, Bahamas, Bolívia, Catar, Chile, China, Costa Rica, Equador, Espanha, Grécia, Haiti, Irã, Iraque, Mauritânia, Paraguai, Rússia, Santa Lúcia e Ucrânia.

Principais obras[editar | editar código-fonte]

  • Interoceanica Sur – Peru
  • Siderúrgica Nacional de Venezuela – Venezuela
  • Rio Colocaro Potash Project – Argentina

Principais obras no Brasil[editar | editar código-fonte]

Quantitativos Gerais[editar | editar código-fonte]

Casos de corrupção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Lava Jato

A construtora Andrade Gutierrez teve seu nome envolvido no cartel de empreiteiras que desviavam recursos da Petrobras, liderados pela UTC, de Ricardo Pessoa e Odebrecht, de Marcelo Odebrecht. Em junho de 2015, os executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez foram presos na 14ª fase da Operação Lava Jato, batizada de "Erga Omnes" (Vale para todos), uma expressão usada no meio jurídico para indicar que os efeitos de algum ato ou lei atingem todos os indivíduos.[53]

Em julho de 2015, o ex-presidente da Gutierrez (na época atual), Otávio Marques de Azevedo, foi denunciado pela força tarefa do Ministério Público Federal e virou réu do processo. O juiz Sérgio Moro disse que o grupo Andrade Gutierrez se valeu de métodos variados para lavar o dinheiro desviado da Petrobras.[54]

No dia 22 de Julho de 2015, o advogado de Azevedo entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) alegando não haver fundamentos nem de autoria, nem de materialidade para a prisão de Azevedo. [55]

Notas

Referências

  1. http://www.agsa.com.br/arquivos/relatorio-anual/RA_AG_2012_Site.pdf
  2. a b c «ANDRADE GUTIERREZ». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  3. «As principais empresas brasileiras com negócios na Venezuela». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  4. . AG http://www.andradegutierrez.com.br/QuemSomos.aspx#pessoas. Consultado em 15 de Outubro 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  5. http://oglobo.globo.com/economia/quatro-empreiteiras-concentram-138-bilhoes-em-obras-no-pais-2773130. Consultado em 30 Março 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  6. a b c d e f g h i j k l «História de sucesso no Brasil e no mundo». Grandes Construções. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  7. «CÂMARA HOMENAGEIA OS 60 ANOS DO GRUPO ANDRADE GUTIERREZ». Camara Municipal. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  8. «Casa Civil». Presidência da República. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  9. «Muito além do cimento». Exame. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  10. «Sempre presente». Viver Brasil. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  11. a b «Patrimônio da engenharia, Andrade Gutierrez é homenageada na ALMG». JusBrasil. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  12. «Em seis décadas, um portfólio de inovação tecnológica». OE. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  13. «Exame». Consultado em 27 Novembro 2013. 
  14. «A Itaipu da selva». Istoé Dinheiro. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  15. «Empresas fariam investimento em transporte». Portal ORM. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  16. «Rumo à África». Editorial Magazine. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  17. a b c «Zagope». The Urban Gateway. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  18. a b «ANDRADE GUTIERREZ». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  19. a b «As Melhores da Dinheiro: Grupo Andrade Gutierrez vence na categoria Construção Pesada». Istoé Dinheiro. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  20. a b «Andrade Gutierrez». Bloomberg Businessweek. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  21. «ANDRADE MUDA DE CASA». Istoé Dinheiro. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  22. «Para permitir entrada da PT, Telemar muda acordoFolha de S.Paulo». Consultado em 27 Novembro 2013. 
  23. «CCR compra 80% da Barcas, no Rio, por R$72 milhões». Reuters Brasil. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  24. «Andrade Gutierrez declara que não sairá da Argentina». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  25. . Gestão em Movimento http://www.gestaoemmovimento.com.br/?p=116. Consultado em 15 de Outubro 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  26. (PDF). AG http://www.andradegutierrez.com.br/images/web/comofazemos/Organizational_Chart_port.pdf. Consultado em 15 de Outubro 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  27. «Vice da Andrade Gutierrez morre em BH». O Tempo. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  28. «Vale inicia construção do seu maior projeto». Brasil Econômico. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  29. a b c «Andrade Gutierrez eleva presença no Projeto Carajás, da Vale». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  30. «Zagope». Bloomberg Businessweek. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  31. a b «Andrade Gutierrez». The Talent City. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  32. a b «Construtora Zagope com nova identidade corporativa». Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  33. a b . Economico http://economico.sapo.pt/noticias/zagope-acelera-internacionalizacao-do-grupo-brasileiro-a-partir-de-portugal_95246. Consultado em 15 de Outubro 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  34. a b «PRÉMIO SECIL DE ENGENHARIA CIVIL 2001». Secil. Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  35. «Logimed vai abrir centro de distribuição em Minas Gerais». O Tempo. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  36. «África é canteiro de obras para empreiteira luso-brasileira». UOL. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  37. «Angola deve US$ 2 bi a empreiteiras». Valor. Consultado em 11 de fevereiro de 2014}. 
  38. «Andrade Gutierrez Concessoes». EMIS. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  39. «Lucro da AG Concessões sobe 71,7% em 2012». Valor. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  40. «Logimed vai abrir centro de distribuição em Minas Gerais». O Tempo. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  41. «África é canteiro de obras para empreiteira luso-brasileira». UOL. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  42. «Angola deve US$ 2 bi a empreiteiras». Valor. Consultado em 11 de fevereiro de 2014}. 
  43. «Hidrelétrica de Santo Antônio já está com 32 turbinas em operação no rio Madeira, em Rondônia». PAC. Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  44. «Cemig compra 83% de empresa da AG e aumenta fatia na Santo Antonio Energia». Reuters Brasil. Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  45. «Cemig aumenta fatia na Santo Antonio Energia». Brasil Economico. Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  46. «Cemig aumenta participação na Santo Antônio Energia». Fusões e Aquisições. Consultado em 15 de Outubro 2015. 
  47. «Um sócio de 15 bilhões de reais para a Cemig». Exame. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  48. «Caçador de negócios». Istoé Dinheiro. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  49. «Delta vai abandonar obras da Petrobras». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  50. «Portugal Telecom e Oi assinam acordo para fusão». O Globo. Consultado em 27 Novembro 2013. 
  51. «Sanepar fecha 2012 com lucro líquido de R$ 336 milhões, alta de 18%». Valor. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  52. «28 Sergio Andrade». Ultimo Segundo. Consultado em 11 de fevereiro de 2014. 
  53. IG. «Propina em mochilas: Andrade Gutierrez e Odebrecht são denunciadas na Lava Jato». Ultimo Segundo. Consultado em 5 de setembro de 2015. 
  54. G1 (29 de julho de 2015). «Presidente da Andrade Gutierrez vira réu na Operação Lava Jato». Jornal Nacional. Consultado em 5 de setembro de 2015. 
  55. «Presidente da Andrade Gutierrez pede liberdade no TRF». FSP. Consultado em 15 de Outubro 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]