Grupo Oficcina Multimédia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grupo Oficcina Multimédia (GOM)
Cenário do espetáculo "A casa de Bernarda Alba" retratado na capa do livro "Grupo Oficcina Multimédia - 30 anos"
Tipo
Artes Cênicas, Linguagem Multimeios
Origem
Belo Horizonte,
 Minas Gerais,
 Brasil
Diretora
Ione de Medeiros
Fundador
Rufo Herrera
Período em atividade
1977 - presente
Filiação
Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte
Elenco Regular
Jonnatha Horta Fortes, Henrique Torres Mourão
Website
http://www.oficcinamultimedia.com.br
Diretora Teatral do Grupo Oficcina Multimédia
A diretora Ione de Medeiros em 2018

O Grupo Oficcina Multimédia, popularmente conhecido como GOM, é um grupo de teatro de Belo Horizonte ligado, desde sua criação, em 1977, à Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O Grupo Oficcina Multimédia foi fundado pelo compositor Rufo Herrera em 1977,[2] por ocasião do Curso de Arte Integrada do XI Festival de Inverno da UFMG.[3]

Desde sua criação, o GOM pertence à Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte[4], instituição com a qual mantém uma forte ligação até os dias atuais.[5]

Em 1978, o espetáculo “Sinfonia em Ré-fazer” inaugurou a linguagem multimeios e levou ao palco pela primeira vez os instrumentos inventados e construídos por Marco Antônio Guimarães[1] (fundador do grupo Uakti) integrados ao texto, ao movimento e ao material cênico.

Desde 1983 o grupo está sob a direção de Ione de Medeiros,[6][7] mantendo um trabalho permanente de corpo,[8] voz, Rítmica Corporal[9][10][11][12] e pesquisa de material cênico,[13] no processo de elaboração de seus espetáculos.

"... o vínculo espiritual e afetivo subsiste, assim como a consciência de que o Multimédia - foco de formação, invenção, pesquisa, arte - é uma singular dimensão cênica da FEA."

Desde 1977, a partir da fundação do Grupo, Ione atuava e ainda fazia assistência de direção do diretor na época Rufo Herrera. Em 1983 Rufo, decidiu se afastar do grupo para se dedicar exclusivamente à sua carreira musical. Surgiu então a oportunidade do Grupo montar “Biografia”. A pedido das integrantes, que eram todas mulheres, Ione foi solicitada a assumir a direção do espetáculo e do GOM. “Acho que a direção é isso. Não é o que o diretor quer, mas é a pessoa que viu a melhor maneira de resolver uma cena, o que é mais adequado, e isso quase gera um acordo entre todo mundo”, conta a diretora.

"Biografia", de 1983, foi o primeiro espetáculo dirigido por Ione à frente do Grupo Oficcina Multimédia. Ela também atuava no espetáculo. Na foto Manoela Rebouças (Nola), Conceição Nicolau (Ção), Ione de Medeiros e Myriam Tavares.

Até 1985, ela ainda se dividia entre atuação e direção, até que, em cena, durante uma apresentação do espetáculo Domingo de Sol, sentada em uma cadeira torta como se imitasse um quadro mal colocado, preocupada com o que se passava na coxia, na cabine, Ione deixou de atuar. “Eu estava em cena e ficava pensando que inferno era atuar e ficar tensa, pensando em todo o resto que estava acontecendo. A partir disso vi que não queria trabalhar com teatro daquele jeito e comecei a fazer apenas direção”.[15]

Domingo de Sol (1985) - Último espetáculo em que Ione, se dividiu entre as funções de atriz e diretora.
Domingo de Sol (1985) - Último espetáculo em que Ione, se dividiu entre as funções de atriz e diretora. No canto direito da foto, ela está sentada na segunda cadeira, da direita para esquerda, em cima do palco, com um vestido cinza, segurando um guarda-chuvas preto.

"Eu era atriz. Erámos 4 pessoas e fomos arriscar fazer alguma coisa. E foi fazendo as coisas que eu fui vendo que as minhas ideias eram mais aceitas, não por mim, mas eram sugestões que eu dava e depois, ao final, disseram: “Ione, você dirigiu, você tem que assinar a direção”. Aí eu comecei a assinar a direção. Não foi assim, “eu vou ser a diretora do grupo”. Comecei a assinar a direção muito insegura, porque tem horas que é bem melhor ser atriz, adoraria ter uma diretora. E fui até 1985, aí um dia eu estava em cena e preocupadíssima com o que estava acontecendo em volta. Foi em Domingo de Sol, que era totalmente abstrato, era um espetáculo rígido, com muita marcação, transição do figurativo para a abstração, saia de um quadro do Georges Seurat e ia para um do Kazimir Malevich – que era o branco sobre branco, eram os anos 70/80 com todas aquelas coisas que aconteciam. Nesse momento eu vi que estava exausta ali, porque eu estava ali e não estava, estava dividida, e percebi que eu deveria ficar de fora, que eu estaria ajudando mais e cumprindo uma função. E assim eu comecei a ficar do lado de fora e realmente acho que faz-se um lugar, eu não “escolhi” ser diretora, foi uma espécie desses “acertos”, lembra.[16]


Atuação Cultural[editar | editar código-fonte]

Ione de Medeiros em cena com sua Mini-Nau Santa Maria, uma réplica performática ao evento "Expedição Zum Zum Zum lá no meio do Mar", que ela coordenou à frente do Movimento Teatro de Grupo (MTG), em comemoração aos 100 anos de Belo Horizonte, em 1997.

"... Não é a estabilidade da realização ou do sucesso que o move, mas sim a verdade de uma arte que expressa um conteúdo humano digno de ser revelado."

Paralelamente ao trabalho cênico, o grupo idealiza, promove e participa de diversos eventos culturais referentes a várias áreas da criação artística, como é o caso do Verão Arte Contemporânea[17][18], que acontece desde 2007[19][20], sempre no verão, promovendo atividades em diversas as áreas artísticas como o teatro, música, artes visuais e literatura[21]. Outros eventos promovidos pelo grupo são o Bloomsday,[22] homenagem a James Joyce que ocorre desde 1990, sempre no dia 16 de junho[23]; a Bienal dos Piores Poemas,[24][25][26][27] evento e concurso literário criado em 1998; o Kafé K Cultural,[28] evento multidisciplinar, iniciado em 2006; e o MARP (Movimento de Arte e Reflexão Política), que teve quatro edições no ano de 2006 e outras três edições dentro do Verão Arte Contemporânea, nos anos de 2018,[29] 2019 e 2020.[30][31]

Em 2007, Ione de Medeiros,[32] lançou o livro Grupo Oficcina Multimédia - 30 anos de Integração das Artes no Teatro.[14][33]

Em 2012, o GOM completou 35 anos de atuação cultural[34] e, em 2017, chegou aos 40 anos de atividade ininterrupta,[35] tendo recebido homenagem do Festival de Inverno da UFMG, que na ocasião comemorava 50 anos[36].

Considerado um dos grupos de vanguarda da capital mineira[16], o GOM é um dos grupos de teatro mais longevos de Belo Horizonte.[37]

Atualmente, a companhia tem em seu núcleo, a diretora Ione de Medeiros e os atores Jonnatha Horta Fortes e Henrique Torres Mourão[38][39]. Durante a crise da pandemia do Covid-19, as apresentações dos espetáculos[40] do grupo foram suspensas[41]. Apesar de terem sido obrigados a entregar o galpão que sediava o coletivo[42], o grupo vem mantendo o trabalho artístico virtualmente.[43]

Espetáculos dirigidos por Ione de Medeiros[editar | editar código-fonte]

Esses são os espetáculos dirigidos pela diretora Ione de Medeiros a partir de 1983:[32]

Ano Título Nota(s)
1983 Biografia ou Joguinho de Poder Primeira direção de Ione de Medeiros. O Grupo era composto por 4 mulheres. O texto era inspirado no livro "Notícia da Morte de Alberto da Silva" de Ferreira Gullar. Ione de Medeiros, além de dirigir, também atuava no espetáculo.[44]
1984 K Primeiro espetáculo do GOM, inspirado na obra de Franz Kafka. Um dos pontos de partida da peça foi o conto Um Relatório para a Academia, do escritor tcheco. A diretora também atuava, além de dirigir o espetáculo. Foi introduzida a presença de músicos tocando instrumentos em cena. [45]
1985 Domingo de Sol Último espetáculo em que Ione se dividiu nas funções de atuar e dirigir. Com 15 anos de idade, Mônica Ribeiro, filha de Ione de Medeiros entra para o elenco do Grupo, e faz a substituição de uma das atrizes. Espetáculo inspirado no quadro Uma Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte, de Georges Seurat[44]
1986 Decifra-me que eu te devoro O título do espetáculo fazia alusão ao enigma do mito da esfinge de Tebas, Decifra-me ou te devoro. A diretora fez uma participação na peça, tocando piano. Primeira vez que mãe (Ione) e filha (Mônica), contracenaram em um espetáculo do GOM. [44] Um espetáculo inspirado no movimento Kitsch
1987 Quantum Inspirado nas formas do jogo Tangram. Comemorou os 10 anos de criação do GOM. [44]
1988 Sétima Lua Esse espetáculo fez somente 2 apresentações. Era baseado em um poema de Matsuo Bashō[44]
1989 Navio - Noiva e Gaivota Esse espetáculo iniciou a "Trilogia Joyce", sequência de espetáculos do GOM inspirados na obra do escritor James Joyce. Fragmentos do livro Finnegans Wake do escritor irlandês foram bastante utilizados na montagem. [46]
1990 Epifanias Segundo espetáculo da "Trilogia Joyce". [47] A utilização de dois projetores de slides para projetar uma imagem única no ciclorama inaugurou o uso da linguagem de projeção de imagens em cena pelo GOM.
1991 Alicinações O título do espetáculo é uma palavra-valise que contém dois sentidos em uma única palavra. Recurso criado por Lewis Carrol e, mais tarde explorado por James Joyce. É uma união do nome Alice, personagem do livro Alice no País das Maravilhas e da palavra alucinações, presente em Ulysses, de Joyce. Esse espetáculo encerra a "Trilogia Joyce" e também marca a primeira apresentação internacional do GOM, no Festival de Teatro de Oriente y Paises Ibero-Americanos em Barcelona, Venezuela, no ano de 1992. [47]
1993 Bom Dia Missislifi Ainda manteve-se a influência da escrita de James Joyce[48] no título do espetáculo. O nome da personagem-título "Missislifi", foi retirado do livro Ulysses, de Joyce, que é uma "palavra-valise" contendo os nomes dos rios Mississippi, nos Estados Unidos e Liffey na Irlanda[47]. A diretora Ione de Medeiros fez uma participação tocando acordeon em cena. Esse espetáculo foi apresentado em um festival internacional de teatro no Equador, em 1993.
1994 Happy Birthday to You... Primeiro espetáculo do GOM voltado ao público infantil, com texto original de Ione de Medeiros (uma homenagem às crianças, alunos da diretora, na época em que ela lecionava música no Centro Pedagógico da UFMG). O título fazia referência ao dia do aniversário, data tão importante na vida das crianças. O cenário era composto de apenas quatro balanços. A atriz Mônica Ribeiro encerra sua participação, como integrante do elenco e assistente de direção do Grupo. [49]
1995 BaBACHdalghara É inaugurado o uso da música Pop nas trilhas sonoras dos espetáculos do GOM, a partir de um disco deSinéad O'Connor, levado para os ensaios, por um dos integrantes do elenco. O título da peça era uma junção da "palavra-trovão"[50][51] de James Joyce e o nome do compositor alemão Johann Sebastian Bach. [52][53][54][55]
1997 A rose is a rose is a rose Instalação cênica comemorativa dos 20 anos do GOM no Teatro Francisco Nunes e em um lago do Parque Municipal Américo Renné Giannetti. O título era inspirado na frase Rose is a rose is a rose is a rose , que significa "Uma rosa é uma rosa é uma rosa é uma rosa" em português e faz parte do poema Sacred Emily, da escritora estadunidense Gertrude Stein. [32]
1998 Zaac & Zenoel Uma linguagem inventada foi utilizada como texto cênico. Os atores que interpretavam os cientistas, Zaac e Zenoel, protagonistas da peça, utilizavam máscaras de látex. O espetáculo inaugurou o uso de materiais alternativos em cena. Foram coletados nas ruas, em ferros-velhos, em caçambas de lixo urbano e depósitos de materiais de construção civil.[56] Elementos como fogo, água, serragem e fumaça também eram utilizados em cena. A luz de palco da peça, criada pela iluminadora Telma Fernandes, utilizava formas não convencionais de iluminação cênica. Esse espetáculo se apresentou em 4 Festivais Internacionais na Venezuela, em 1999 e inaugurou a parceria com a artista gráfica Adriana Peliano.
2000 IN-Digestão Manifesto Cênico-Sonoro com texto original de Ione de Medeiros. Deu continuidade à pesquisa de materiais alternativos utilizados em Zaac & Zenoel (1998), além de utilizar instrumentos de percussão, baixos e guitarras em cena. Água, fogo, serragem e fumaça também eram utilizados na peça. Parte dos figurinos e do cenário eram feitos a partir de peças de automóveis.[57]
2001 A Casa de Bernarda Alba Primeiro espetáculo do GOM montado a partir de um texto dramatúrgico. O autor escolhido foi o espanhol Federico García Lorca. O cenário era composto de elementos reais de uma casa, como janelas, portas e ornamentos de madeira de lei, adquiridos em lojas de materiais de demolição.[15]
2005 A Acusação Segundo espetáculo do Grupo Oficcina Multimédia inspirado na literatura de Franz Kafka. O texto da peça foi inspirado no romance O Processo[58]. Esse espetáculo circulou em 7 festivais internacionais na Argentina no programa “El Teatro del mundo en Argentina” – INT Presenta, em 2007. Inaugurou a manipulação de bonecos em cena.
2007 Bê-a-bá BRASIL - Memória, Sonho e Fantasia Comemorou os 30 anos do GOM [59][60]. O cenário era composto dos mais diversos objetos provenientes dos espetáculos anteriores do GOM. Coreografias, cantos e movimentações cênicas de outros espetáculos também foram utilizadas na peça. A trilha sonora foi criada pelo músico Paulo Beto, a partir de sons extraídos dos próprios objetos da peça.
2010 As últimas flores do Jardim das Cerejeiras Inspirado na peça O Jardim das Cerejeiras de Anton Tchekhov, e no mito do Minotauro [61]. O cenário era interativo. O público entrava em um Labirinto e, para poder assistir às cenas que aconteciam em volta do cenário, caminhavam pelo labirinto. Não havia diálogos na peça[62]. 5 projetores de vídeo projetavam imagens nas paredes do labirinto que eram feitas de tule e pano americano. [38] Em 2009 o espetáculo estreou como "No labirinto: um dia com Teseu, o outro com Ariadne".[63]
2012 Play it Again Espetáculo que comemorou os 35 anos do GOM. Criado a partir da pesquisa da Rítmica Corporal[9], desenvolvida pela diretora Ione de Medeiros como treinamento do ator multimeios para a cena. Utilizava jogos rítmicos, movimentação cênica, música ao vivo, vídeo e texto[64]. Tinha como ponto de partida a famosa frase "Play it, Sam"[65], do filme Casablanca (filme); as relações amorosas e os jogos de palavras. Foi criado em parceria com o Grupo de Percussão da UFMG[66], à época coordenado pelo percussionista Fernando Rocha.[67]
2013 Aldebaran Primeiro espetáculo da Trilogia da Crueldade com texto original de Ione de Medeiros. O cenário era em grande parte composto de papelão e plástico bolha. Utilizava bonecos e vídeo.[68] O espetáculo marcou a primeira apresentação do Grupo na Europa. Foi apresentado no dia 11 de junho de 2015, no teatro Palais du Littoral, em Grande-Synthe, na França[69], no festival Le Manifeste.[70]
2016 Macquinária 21 Segundo espetáculo da Trilogia da Crueldade. Inspirado na tragédia Macbeth, de William Shakespeare. Comemorou os 40 anos do GOM[71]. O título é uma junção do nome Macbeth com a palavra maquinaria, que remetia aos pensamentos e maquinações do protagonista da tragédia, Macbeth. O número 21 referia-se à contemporaneidade da peça no século 21.
2018 Boca de Ouro Espetáculo que encerrou a Trilogia da Crueldade[72] e comemorou os 35 anos de direção de Ione de Medeiros[73]. Primeiro texto de Nelson Rodrigues montado pelo GOM. Na trilha sonora havia um samba-enredo, com letra e música de autoria da diretora Ione de Medeiros. Esse espetáculo não utilizou a linguagem do vídeo na encenação.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «O Grupo Oficcina Multimédia : Grupo Oficcina Multimédia». oficcinamultimedia.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  2. «Camarim :: Dezembro 2002 ::». www.palcobh.com.br. Consultado em 28 de abril de 2021 
  3. Kaminski, Leon Frederico; Kaminski, Leon Frederico (2016). «Teatro, liberdade e repressão nos Festivais de Inverno de Ouro Preto, 1967-1979». Varia Historia (59): 327–355. ISSN 0104-8775. doi:10.1590/0104-87752016000200004. Consultado em 28 de abril de 2021 
  4. Reis, Sérgio Rodrigo (30 de junho de 2012). «Uma história dedicada às artes em BH». Estado de Minas. Consultado em 28 de abril de 2021 
  5. «Programa Música Minas viabiliza residências musicais em seis municípios». static.agenciaminas.mg.gov.br. Consultado em 9 de maio de 2021 
  6. Prates, Fotos Lucas. «Ione Medeiros: 35 anos à frente do Grupo Officina Multimédia». HOME. Consultado em 28 de abril de 2021 
  7. «Teatro e Cultura com Ione Medeiros». SP Escola de Teatro. 14 de fevereiro de 2012. Consultado em 28 de abril de 2021 
  8. Ribeiro, Mônica Medeiros. «O corpo em Play it Again - Ressonâncias Corporificadas (The Body in Play it Again: Embodied Resonances.)». Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Revista Eletrônica MAPA D2 - Mapa e Programa de Artes em Dança (e Performance) Digital - V.3 - N.1 (2016): 52-66. Consultado em 27 de abril de 2021 
  9. a b Ribeiro, Monica Medeiros (25 de junho de 2012). «Corpo, afeto e cognição na rítmica corporal de Ione de Medeiros: entrelaçamento entre ensino de arte e ciências cognitivas». Consultado em 27 de abril de 2021 
  10. Ribeiro, Mônica (2010). «Ambiente cultural da Rítmica Corporal de Ione de Medeiros Belo Horizonte na década de setenta». Anais ABRACE (1). Consultado em 27 de abril de 2021 
  11. Karpa, Revista y Editorial. «Ribeiro, Mônica. "Aspectos afetivos da Prática de Rítmica Corporal do Grupo Oficcina Multimédia/Brasil"». Revista Karpa (em inglês). Consultado em 27 de abril de 2021 
  12. Ribeiro, Mônica Medeiros; Lima, Isabela; Malloy-Diniz, Leandro; Lage, Guilherme; Pimentel, Lucia Gouvêa; Teixeira, Antônio Lúcio (1 de junho de 2014). «Corporal Artistic Training Influences Attention: A Pilot Study». Perceptual and Motor Skills (em inglês) (3): 818–832. ISSN 0031-5125. doi:10.2466/24.22.PMS.118k21w2. Consultado em 27 de abril de 2021 
  13. Nogueira, Patrícia Pimentel. «Cenografia teatral : uma análise dos aspectos cênicos da peça "Bê-A-Bá Brasil - Memória, Sonho e Fantasia"». periodicos.ufba.br/. Monografia (Trabalho Final de Graduação) — Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Universidade Estadual Paulista.: 1-80. Consultado em 27 de abril de 2021 
  14. a b c «Grupo Oficcina Multimédia: 30 anos de Integração das Artes no Teatro by Oficcina Multimédia - Issuu». issuu.com (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2022 
  15. a b TEMPO, O. (27 de janeiro de 2018). «Ione de Medeiros segue na busca pelo experimento e comemora trajetória». Magazine. Consultado em 5 de maio de 2021 
  16. a b Cordeiro, Felipe; Medeiros, Ione de; Fortes, Jonnatha Horta (14 de novembro de 2019). «Vanguarda nas alterosas: 42 anos do grupo Oficcina Multimédia». Em Tese (3): 250–282. ISSN 1982-0739. doi:10.17851/1982-0739.24.3.250-282. Consultado em 6 de maio de 2021 
  17. «VAC 2020». Consultado em 4 de maio de 2021 
  18. «Verão Arte Contemporânea». seLecT. 15 de janeiro de 2013. Consultado em 28 de abril de 2021 
  19. «Experimentação abre o Verão Arte Contemporânea – Olho-de-Corvo »». Consultado em 28 de abril de 2021 
  20. «Verão Arte Contemporânea VAC 2016 completa 10 anos». www.revistamuseu.com.br. Consultado em 28 de abril de 2021 
  21. «RFI Convida - Diretora de teatro de Belo Horizonte divulga festival artístico interdisciplinar em Paris». RFI. 30 de outubro de 2018. Consultado em 28 de abril de 2021 
  22. ATHIÊ, JOYCE (15 de junho de 2016). «Um encontro com Joyce». otempo.com.br. Consultado em 28 de abril de 2021 
  23. «A Bahia e o Bloomsday». A Bahia e o Bloomsday. Consultado em 5 de maio de 2021 
  24. «O infame Patolino». revista piauí. Consultado em 28 de abril de 2021 
  25. Feres, Leticia (27 de maio de 2019). «Um poema de dona Gertrude Stein». Medium (em inglês). Consultado em 28 de abril de 2021 
  26. Gerais, Universidade Federal de Minas. «Bienal dos Piores Poemas é o destaque do Noite Ilustrada». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 28 de abril de 2021 
  27. TEMPO, O. (25 de abril de 2013). «A hora e a vez da pior poesia mineira». Magazine. Consultado em 8 de maio de 2021 
  28. Fonseca, Duda (25 de abril de 2013). «Um mês dedicado a Franz Kafka». otempo.com.br. Consultado em 28 de abril de 2021 
  29. Gerais, Universidade Federal de Minas. «Evento promove reflexão sobre inquietações relacionadas à arte e à cultura na atualidade». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 28 de abril de 2021 
  30. «VAC 2020». Consultado em 28 de abril de 2021 
  31. ATHIÊ, JOYCE (14 de fevereiro de 2017). «Espaços urgentes para reflexões contemporâneas». Magazine. Consultado em 8 de maio de 2021 
  32. a b c «O Grupo Oficcina Multimédia : Grupo Oficcina Multimédia». oficcinamultimedia.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  33. BELUSI, SORAYA (25 de abril de 2013). «Livro retrata os 30 anos do Multimédia». otempo.com.br. Consultado em 27 de abril de 2021 
  34. Peça teatral "Aldebaran" trata dos descaminhos da modernidade
  35. «40 Anos do Grupo Oficcina Multimédia». Rádio UFMG Educativa. Consultado em 30 de abril de 2021 
  36. Festival de Inverno começa nesta sexta, portal UFMG 90 anos
  37. «Vanguarda nas alterosas: 42 anos do Grupo Oficcina Multimédia | Primeiro Sinal». Consultado em 5 de maio de 2021 
  38. a b Braga, Carolina (3 de maio de 2012). «Oficcina Multimédia completa 35 anos de trajetória e estreia montagem As últimas flores do jardim das cerejeiras». www.uai.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  39. «MG: Petrobras apresenta Grupo Oficcina Multimédia no Galpão Cine Horto | Agência Petrobras». www.agenciapetrobras.com.br. Consultado em 8 de maio de 2021 
  40. «Espetáculos : Grupo Oficcina Multimédia». oficcinamultimedia.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  41. Minas, Estado de; Minas, Estado de (4 de agosto de 2020). «Grupo Oficcina Multimédia é mais uma vítima da pandemia». em.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  42. Facebook/Divulgação. «Grupo Oficcina Multimédia deixa galpão onde ensaiava e guardava cenários e figurinos». hojeemdia.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  43. «Evento: Teatro na Pandemia: projeto cultural do Barreiro realiza festival na internet». bheventos.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  44. a b c d e «Ione de Medeiros: a arte como exercício de liberdade». BOM DIA. 20 de outubro de 2019. Consultado em 4 de maio de 2021 
  45. «Companhia destaca humor trágico em Kafka». Folha de S Paulo. 7 de fevereiro de 2008. Consultado em 5 de maio de 2021 
  46. BH, Portal Sou (12 de agosto de 2014). «Mais uma edição do Bloomsday em Belo Horizonte | Notícias Sou BH». Portal Sou BH. Consultado em 5 de maio de 2021 
  47. a b c Peliano, Adriana (1 de setembro de 2009). «Alicenagens: Alice no teatro pelo Grupo Oficcina Multimédia». Alicenagens. Consultado em 5 de maio de 2021 
  48. Albéris Eron Flávio de; Joanna Angélica Borges da, OLIVEIRA; SILVA (outubro de 2015). «WORDS, WORLDS, WARLDS» (PDF). Revista dEsEnrEdoS -. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  49. de Sousa Nunes, Roberson (2015). Do Texto Literário ao Texto Espetacular - A linguagem cênica do Grupo Oficcina Multimédia. [S.l.]: Novas Edições Acadêmicas. 204 páginas. ISBN 978-3639741391 
  50. Grupo Oficcina Multimédia, Bloomsday BH (31 de maio de 2010). «James Joyce, Finnegans Wake e a palavra-valise». Blog do Bloomsday BH. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  51. Grupo Oficcina Multimédia - Palavra-Trovão - Bloomsday 2004, consultado em 1 de dezembro de 2021 
  52. circon. «O que dizer do teatro hoje? Intertextualidade em algumas experiências do teatro brasileiro dos anos 90. O caso de Circo Bizarro, Babachdalgara e o Nervo da Flor de Aço – Circonteudo». Consultado em 5 de maio de 2021 
  53. Rocha, Daniela (31 de agosto de 1996). «"Babachdalghara" traz James Joyce aos nossos dias». Folha de S Paulo. Consultado em 5 de maio de 2021 
  54. Alves, Laura (14 de julho de 2017). «A potência do texto teatral em livro». otempo.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  55. Laura, Maria (16 de julho de 2017). «Percurso do teatro mineiro dividido em cinco textos». otempo.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  56. «Untitled Document». www.pbh.gov.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  57. «Casa da Ópera 250 anos - Palco do pioneirismo da MultiCultural Produções Artísticas». Diário de Ouro Preto. 6 de junho de 2020. Consultado em 5 de maio de 2021 
  58. BELUSI, SORAYA (25 de abril de 2013). «Oficcina Multimédia apresenta a kafkiana montagem». otempo.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  59. «Vila Velha dá desconto para servidores neste fim de semana». bahia.ba.gov.br. 20 de junho de 2008. Consultado em 5 de maio de 2021 
  60. Oliveira, Luciano Flávio (30 de dezembro de 2013). «Hibridismo, mestiçagem e polifonia em Bê-a-bá Brasil e em As Últimas Flores do Jardim das Cerejeiras − Grupo Oficcina Multimédia». Revista-Valise (6): 83–97. ISSN 2236-1375. Consultado em 6 de maio de 2021 
  61. «Teatro - Oficcina Multimédia, de BH, faz curta temporada em São Paulo». canalaberto.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  62. «As últimas Flores do Jardim das Cerejeiras – Grupo Oficcina Multimédia». Estudos sobre Teatro & outras "cositas más". 6 de maio de 2012. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  63. TEMPO, O. (19 de abril de 2013). «Pelos corredores do não-saber». Almanaque. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  64. Siquara, Carlos Andrei (20 de março de 2012). «Um diálogo entre bailarinos e músicos». Jornal O Tempo. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  65. «Casablanca - Play It Again, Sam!». Você Viu? Eu Também!. 5 de abril de 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  66. «Grupo de Percussão da UFMG se apresenta hoje e amanhã em Belo Horizonte - Notícias da UFMG». UFMG. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  67. Peixoto, Mariana (6 de agosto de 2020). «Mostra Faroffa no sofá oferece 130 peças on-line». em.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  68. MS, Do G1 (11 de setembro de 2014). «Grupo de Minas Gerais abre festival de teatro na cidade de Dourados, MS». g1.globo.com. Consultado em 5 de maio de 2021 
  69. Le Manifeste, Festival (11 de junho de 2015). «Dossier de Presse du Festival Le Manifeste» (PDF). Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  70. Eventos, Bh. «Notícia: "Aldebaran" Na França no Festival Le Manifeste». BH Eventos. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  71. Divulgação, Jonnatha Horta Fortes /. «Shakespeare – Livre adaptação da tragédia "Macbeth"». hojeemdia.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  72. Santos, Joseane (20 de novembro de 2018). «Grupo Officina Multimédia volta em cartaz com "Boca de Ouro", no CCBB-BH». culturalizabh.com.br. Consultado em 5 de maio de 2021 
  73. «Grupo Officina Multimédia Volta Em Cartaz Com "Boca De Ouro", No CCBB-BH». culturalizabh.com.br. Consultado em 4 de maio de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]