Gruta do Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gruta do Natal, Terceira: galeria central.
Gruta do Natal: túnel.
Gruta do Natal: missa de Natal.

A Gruta do Natal localiza-se na freguesia dos Altares, concelho de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, nos Açores.

É uma formação geológica bastante extensa, resultante da formação de um tubo lávico no interior da ilha, compreendido na Reserva Florestal Natural da Serra de Santa Bárbara e Mistérios Negros. Possui ramificações na forma de diferentes túneis, formados pelas escoadas de lavas em diferentes direcções.[1] Uma das suas curiosidades é o facto de se localizar em grande parte por baixo de uma lagoa, a Lagoa do Negro.

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história esta gruta foi conhecida por vários nomes, tais como "Galeria Negra", "Gruta do Cavalo", até ao atual nome, que se deve a uma tradição iniciada pela associação "Os Montanheiros", de celebração de uma missa na gruta, no dia de Natal:

"Assim, após 25 de Dezembro de 1969, com a celebração de uma missa pelo Patriarca das Índias, D. José Vieira Alvernaz, passou a chamar-se de Gruta do Natal, denominação pela qual a grande parte da população a conhece. Esta data marca ainda a abertura da gruta pela primeira vez à população em geral, para tal tendo sido construído um acesso simples e instalada uma iluminação rudimentar. Em altura das festividades natalícias têm sido realizadas, desde então, a Missa de Natal, presidida por Sua Eminência o Bispo de Angra e ilhas dos Açores, tendo sido também palco de um baptizado."[2]

A exploração espeleológica desta gruta só foi possível há relativamente poucos anos, graças à iniciativa da associação de espeleologia "Os Montanheiros", que procedeu a esse trabalho.

A associação inaugurou, no dia 1 de Dezembro de 1998, uma casa de apoio para a exploração turística desta gruta, que em 2006 foi sujeita a obras de ampliação. Esta estrutura de apoio foi construída de forma a se enquadrar completamente no ambiente natural circundante. Nela, além do acesso à gruta propriamente dita, o visitante pode observar uma exposição fotográfica que procurar representar a actividade histórico-social ocorrida nesta gruta, particularmente as missas, batizados e casamentos já aqui realizados.

A electrificação desta cavidade natural também foi tema de cuidado devido ao ambiente húmido do seu interior, e à necessidade imperiosa de não danificar o ambiente natural e obter-se a um correto enquadramento da projecção dos fachos luminosos.[3]

Pelas suas características geomorfológicas e biodiversidade envolvente esta gruta encontra-se registada como fazendo parte da Rede Natura 2000.[4]

Características[editar | editar código-fonte]

Trata-se de um tubo de lava com um total de 697 metros de extensão, uma altura máxima de 12 metros e uma largura máxima de 7 metros, localizado em planalto. Torna-se preferencial na escolha para uma exploração deste género por, na quase totalidade da gruta, o trânsito ser fácil, em chão com pouco desnível e tectos altos. O circuito interno é feito de forma a que não haja necessidade do visitante percorrer o mesmo trajecto na ida e na volta.

No seu interior podem ser observadas estruturas geológicas diversas tais como escorrências de diferentes tipos de lava, estalactites e balcões laterais.

Apresenta-se como um espaço didáctico a que recorrem professores, acompanhados por alunos, de forma a explicar e compreender as manifestações vulcânicas que se encontraram na génese das ilhas.

Fauna cavernícola[editar | editar código-fonte]

Tomocerus minor

Espécie: Tomocerus minor (Lubbock), Ordem: Collembola, Família: Tomoceridae.

Referências

  1. Folheto "Gruta do Natal – Entre no interior de um tubo lávico e observe a criação da natureza". "Os Montanheiros", p. 3.
  2. Diário Insular, 20 Mai 2001, p. 10.
  3. Folheto "Gruta do Natal – Entre no interior de um tubo lávico e observe a criação da natureza". "Os Montanheiros", p. 2 e 4.
  4. «Inventário do Património Espeleológico dos Açores». GESPEA - Grupo de Trabalho para o Estudo do Património Espeleológico dos Açores. Consultado em 3 de dezembro de 2009 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]