Guaianases

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guaianazes)
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: se procura pela tribo de índios cujo nome deu origem ao nome do bairro, consulte Guaianás.
Distrito paulistano de
Guaianases
Avenida Salvador Gianetti próximo ao centro de Guaianases.JPG
Área 8,60 km²
População (38°) 164.512 hab. (2010)
Densidade 17 882 hab/Km² hab/ha
Renda média R$ 1 058,87
IDH 0,756 - médio (76°)
Subprefeitura Guaianases
Região Administrativa Leste 2
Área Geográfica 4
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

Guaianases[1] [2] é um distrito localizado no extremo leste do município de São Paulo, no estado de São Paulo, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Igreja fundada em 1879 que se encontra hoje no distrito de Guaianases - esta é a segunda igreja de Santa Cruz que ainda permanece. A primeira, fundada em 1861 nas dependências da hoje Paróquia de Santa Quitéria, foi derrubada.
Olaria no parque chácara das flores

A formação do distrito de Guaianases é a mesma de Itaquera: ambos nasceram de aldeamentos indígenas e do esforço dos jesuítas, com destaque para o padre Manuel da Nóbrega e José de Anchieta, que fundaram o colégio Jesuíta para a catequese dos guaianás. O aldeamento prosseguiu mas "por volta de 1820 os índios já estavam extintos e a terra encontrava-se em mãos de particulares."

Nessa época, o distrito era parada e pousada de viajantes, um ponto de passagem na Estrada do Imperador, que, depois, seguia para as minas de ouro. Existem registros de que a chácara do major Aníbal serviu de estadia para o próprio dom Pedro por mais de uma vez. Como de costume, ergueu-se uma igreja. Dessa vez, em homenagem a Santa Cruz do Lajeado Velho. Onde hoje está instalada a paróquia de Santa Quitéria, foi fundado, a 3 de maio de 1861, o bairro e uma capela chamada Santa Cruz. O bairro era chamado de Lajeado Velho. O local cresceu lentamente com a instalação de diversas olarias nas imediações e com a chegada dos trilhos da Estrada de Ferro do Norte mais tarde foi conhecida como Estrada de Ferro Central do Brasil. Em 1879, foi fundada a nova Capela de Santa Cruz e a antiga teve seu nome alterado para Santa Quitéria, porém viria a ser derrubada em meados do século XX para a construção de um novo templo.

A partir dos anos 1920, o bairro se tornou mais populoso, as olarias e a Estrada de Ferro Norte deram um impulso na economia local. Pela estrada de ferro também vieram os imigrantes italianos e posteriormente os espanhóis a partir de 1912, para dedicar-se à extração de pedras através das Pedreiras Lajeado e São Mateus. Mais tarde, começou o domínio da família Matheus que construiu um grande império no bairro. Em 7 de setembro de 1950, Isidoro Mateus fundou o E.C. Santa Cruz de Guaianases, nome que homenageava a Igreja de Santa Cruz. Até hoje, o time é considerado histórico dentro do futebol amador do estado de São Paulo e tinha a maior torcida da várzea paulistana. Time esse que ficou conhecido como "Galo da Central".[3]

Em 1957, o bairro recebeu oficialmente o nome de Guaianases, que era a tribo que o habitava.

A grande população e a falta de indústrias no local deram fama a Guaianases como "bairro dormitório"[4].

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Biblioteca Cora Coralina
Hospital Geral Jesus Teixeira Costa
Colégio Palmarino Calabrês

Guaianases, no extremo leste de São Paulo, já foi apontado como um dos bairros mais precários da cidade, ao lado de Jardim Ângela, Grajaú, Pedreira, Jardim São Luís e Jardim Helena.[5]

Esses dados são alavancados, pois, nesse período, o distrito de Cidade Tiradentes ainda fazia parte da subprefeitura de Guaianases. Então, o distrito agrupava toda essa região também, conhecida como uma das mais carentes da cidade. Uma região que, por muitos anos, fora esquecida pelas autoridades, com muitas favelas e bairros periféricos.

Segundo dados da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Fundação Seade), no ano 2010, 60,2% dos chefes de família do distrito recebiam, no máximo, três salários-mínimos. Mais de 15% dos 400 mil moradores viviam em regiões invadidas (favelas), número mais alto que o município como um todo: 11%. A taxa de analfabetismo é de 7,7% quando a média da cidade é de 4,88% e as taxas de defasagem escolar também são altas, muito embora não faltem vagas nas escolas municipais da região, segundo a subprefeitura.

As favelas representam um caso mais complexo. A maioria das ocupações irregulares data de décadas atrás e boa parte das moradias já é de alvenaria. A solução seria, de acordo com a subprefeitura local, regularizar os espaços, especialmente no extremo do Jardim São Paulo, Fazenda Santa Etelvina e Passagem Funda.

Educação[editar | editar código-fonte]

Escola Técnica Estadual de Guaianases
Instituto de Educação Amilton Oliveira Telles

O distrito conta com o Centro Educacional Unificado (CEU) Jambeiro, que possui três quadras poliesportivas, dois campos de futebol e três piscinas, além de telecentro e biblioteca, o CEU se transforma em um clube nos finais de semana, e reúne até mil pessoas nos finais de semana mais quentes. O centro oferece, ainda, uma extensa programação cultural, com filmes, shows de música, teatro e campanhas de saúde voltadas à comunidade.

No CEU, estudam mais de dois mil alunos, do ensino infantil até a 8ª série do ensino fundamental. Deste total, 260 estudam em período integral. No tempo extra em que ficam no colégio, os estudantes têm aulas de informática, xadrez e dança, entre outros.

O Distrito de Guaianases ainda conta com várias escolas das redes pública e privada, como, por exemplo, a escola técnica estadual Guaianases.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Plataforma da estação Guaianases da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

É servido pela linha 11 da CPTM, que dá acesso ao Centro da Capital e aos municípios de Ferraz de Vasconcelos, Poá, Suzano e Mogi das Cruzes. Além disso, é servido por linhas municipais e intermunicipais de ônibus. As principais vias que ligam o bairro ao centro da cidade são o Corredor Guaianases-Marginal e a Avenida Radial Leste.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Guaianases

Referências

  1. Prefeitura regional Guaianases. Disponível em http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/guaianases/noticias/?p=32303. Acesso em 6 de janeiro de 2017.
  2. A grafia Guaianazes, embora freqüente e usada por vezes até mesmo pelos governos municipal e estadual, é incorreta segundo as normas ortográficas em vigor. O nome da região origina-se no dos índios guaianás, do ramo caingangue, que habitava a região. (MACHADO, José Pedro - Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa).
  3. http://www.paroquiamatrizsaobenedito.com.br
  4. «Aniversário de Guaianases é marcado por homenagens». Jornal do Município. Consultado em 30 de maio de 2009 
  5. Mapeamento das regiões mais vulneráveis da capital, CEM (Centro de Estudos da Metrópole) da USP. 2003


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.