Guapiaçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Guapiaçu
Praça das Bandeiras, localizada na cidade Guapiaçu

Praça das Bandeiras, localizada na cidade Guapiaçu
Bandeira De Guapiaçu
Brasão De Guapiaçu
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de novembro
Fundação 01 de dezembro de 1953 (65 anos)
Emancipação 30 de novembro de 1953
Gentílico guapiaçuense
Padroeiro(a) São Sebastião
CEP 15110-000
Prefeito(a) Carlos César Zaitune (PMDB)
(2017 – 2017 - 2020)
Localização
Localização De Guapiaçu
Localização De Guapiaçu em São Paulo
Guapiaçu está localizado em: Brasil
Guapiaçu
Localização De Guapiaçu no Brasil
20° 47' 42" S 49° 13' 12" O20° 47' 42" S 49° 13' 12" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Microrregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Região imediata

São José do Rio Preto

Municípios limítrofes Onda Verde, Altair, Olímpia, Uchoa, Cedral e São José do Rio Preto
Distância até a capital 450 km
Características geográficas
Área 326 km² [2]
População 21 115 hab. (263° no estado) –  Censo IBGE/2018[3]IBGE/2018
Densidade 55 00 hab,/km²
Altitude 505 m
Clima Tropical CfaClimatempo
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,725 (437° no estado) – alto PNUD/2010[4]IBGE/2010
Gini 0,4238 2010IBGE/2010
PIB R$ 389 873 mil (311° no estado) – IBGE/2016[5]IBGE/2018
PIB per capita R$ 24 986,51 IBGE/2016[5]
Página oficial
Prefeitura http://www.guapiacu.sp.gov.br/
Câmara http://www.camaraguapiacu.sp.gov.br/

Guapiaçu é um município brasileiro do estado de São Paulo. Conta com 21 115 habitantes (estimativa IBGE/2018) e uma área de 326 quilômetros quadrados.[3] Localiza-se no norte do estado, a 15 quilômetros de São José do Rio Preto. Tem bons índices de qualidade de vida e a economia é baseada principalmente na produção industrial.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Guapiaçu é decorre do tupi "guape-açú", que significa cabeceira ou nascente grande.[6] Antigamente se acreditava que a palavra Guapiaçu possuía o significado de Águas Claras, o que veio a ser desmentido em anos posteriores.

História[editar | editar código-fonte]

Consta que o povoamento iniciou-se no fim do século XIX, nas proximidades do Ribeirão Claro, motivo pelo qual ao erguerem as primeiras casas feitas em pau a pique em um pequeno descampado mais tarde denominado "largo da Igreja", um cruzeiro de madeira e mais tarde uma pequena capela, os moradores deram o nome à localidade de São Sebastião do Rio Claro, nome do rio que passava 500 metros abaixo do largo. Consta também na tradição local, que seu fundador foi o Cel. José Batista de Lima, proprietário das terras da região. Mas foi o agrimensor, residente na vizinha São José do Rio Preto, Álvaro Pereira Guedes, quem conseguiu carta de adjudicação de uma gleba encravada na Fazenda Ribeirão Claro, de propriedade de Venturosa Maria de Jesus, para fazer um loteamento, doando uma área correspondente ao largo da igreja para constituir o patrimônio de São Sebastião do Rio Claro. O título de doação constou de registro em 10 de outubro de 1919.

O antigo largo da igreja é a atual Praça São Sebastião, onde está localizada a Igreja Matriz da cidade e também o Marco Zero da cidade. O povoado teve várias denominações desde então: Vila São Sebastião, Nova Petrópolis, São Sebastião do Ribeiro Claro, Ribeirão Claro e Guapiaçu. As denominações oficiais foram somente Ribeirão Claro e Guapiaçu. No começo do século XX, Guapiaçu era uma vila com o nome de Ribeirão Claro. Em 28 de novembro de 1927 a vila é elevada à distrito. A Igreja Matriz foi inaugurada no final de 1938. O nome passa a ser Guapiaçu a partir de 1945. Guapiaçu se torna oficialmente município em 30 de novembro de 1953, com a emancipação de São José do Rio Preto. A câmara municipal foi instalada em 1 de janeiro de 1955.

Vale ressaltar que nenhum historiador ou estudioso conseguiu, até hoje, precisar quem foi o fundador do povoado. Se aceita a versão, não comprovada, de que o fundador teria sido o coronel José Batista de Lima, grande proprietário de terras na época. Em sua homenagem, moradores antigos ergueram uma estátua de seu busto, na atual Praça de São Sebastião. Antes de sua emancipação, Guapiaçu foi administrada por subprefeitos. O primeiro prefeito eleito em 1954 foi João Segura Lopes, que ficou no cargo até 1958.

“Guapiaçu é um município privilegiado. Tem o ar e a simpatia de cidade pequena do interior e possui equipamentos e patrimônios que pouco ficam a dever aos grandes centros. Se precisar, sua população de menos de 15 mil habitantes está próxima de São José do Rio Preto, o principal centro urbano da região. Faz divisa ainda com Onda Verde, Altair, Olímpia, Uchoa e Cedral. O município fica distante da capital 456 km. Seus 323 km² abrigam indústrias de grande porte, extensa rede de comércio e prestadores de serviços e rica atividade agropecuária. Na área de lazer, realiza uma das mais tradicionais festas do peão do interior paulista. Para coroar, até o clima tropical ajuda. A temperatura média é de 22 a 23 graus. Conheça Gupiaçu. Vale a pena.”[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 20º47'42" sul e a uma longitude 49º13'13" oeste, estando a uma altitude de 505 metros.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010[editar | editar código-fonte]

População total: 17. 869

  • Urbana: 15. 805
  • Rural: 2. 064
  • Homens: 9. 029
  • Mulheres: 8. 840

Densidade demográfica (hab./km²): 55,00

Taxa de alfabetização: 93,0%[8]

  • Alfabetizados: 15. 573
  • Analfabetos: 2. 296

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 8,28

Expectativa de vida (anos): 75,91

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,11

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,817

  • IDH-M Renda: 0,741
  • IDH-M Longevidade: 0,849
  • IDH-M Educação: 0,860

PIB per capita de 20.634,76 reais

Dados atualizados[editar | editar código-fonte]

População

  • População total: 21. 125 [2018]

Trabalho e rendimento

  • Salário médio mensal dos trabalhadores formais: 2,6 salários mínimos [2016]
  • População ocupada: 24,0% [2016]
  • Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: 30,5% [2010]

Educação

  • Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: 98% [2010]
  • IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: 5,8 [2015]
  • IDEB – Anos finais do ensino fundamental: 5,7 [2015]
  • Matrículas no ensino fundamental: 2. 360 matrículas [2017]
  • Matrículas no ensino médio: 533 matrículas [2017]
  • Docentes no ensino fundamental: 123 docentes [2015]
  • Docentes no ensino médio: 31 docentes [2017]
  • Número de estabelecimentos de ensino fundamental: 5 escolas [2017]

Economia

  • PIB per capita: 24.986,51 R$ [2016]
  • Percentual das receitas oriundas de fontes externas: 73,1% [2015]
  • Total de receitas realizadas: 77.411,00 R$ (×1000) [2017]
  • Total de despesas empenhadas: 61.873,00 R$ (×1000) [2017]

Saúde

  • Mortalidade Infantil: 17,24 óbitos por mil nascidos vivos [2014]
  • Internações por diarreia: 0,3 internações por mil habitantes [2016]

Território e ambiente

  • Área da unidade territorial: 325,126 km² [2017]
  • Esgotamento sanitário adequado: 89,2% [2010]
  • Arborização de vias públicas: 92%  [2010]
  • Urbanização de vias públicas: 18,5% [2010]

Religião

  • Católica apostólica romana: 11.994 pessoas [2010]
  • Evangélica: 3. 885 pessoas [2010]
  • Espírita: 439 pessoal [2010]

Economia[editar | editar código-fonte]

Guapiaçu é uma cidade com renda per capita elevada e baixos níveis de pobreza. A indústria é o setor mais relevante da economia, com 53,1 por cento do produto interno bruto. O setor terciário corresponde a 39,4 por cento do produto interno bruto, e a agropecuária, a 7,3%.[9]

Empresas

  • Número de empresas atuantes: 833 unidades [2016]
  • Unidades locais: 5 unidades [2016]

Pecuária

  • Bovinos: 17. 810 cabeças [2017]
  • Bubalinos: 83 cabeças [2017]
  • Caprinos: 60 cabeças [2017]
  • Codornas: 3. 000 cabeças [2017]
  • Equinos: 546 cabeças [2017]
  • Galináceos: 97. 000 [2017]
  • Ovinos: 690 cabeças [2017]
  • Suínos: 1. 520 cabeças [2017]
  • Mel de abelha: 3. 500 kg [2017]

Agricultura

  • Açaí: 675 toneladas [2017]
  • Banana: 912 toneladas [2017]
  • Borracha: 3. 200 toneladas [2017]
  • Goiaba: 35 toneladas [2017]
  • Laranja: 35 toneladas [2017]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Cia. Telefônica Rio Preto[10][11], empresa administrada pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB)[12], até que em 1973 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[13], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[14], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[15] para suas operações de telefonia fixa.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-425 - Rodovia Assis Chateaubriand (Trecho da BR-265)
  • Estrada Vicinal Cedral-Guapiaçu
  • Estrada Vicinal Uchoa-Guapiaçu

Administração[editar | editar código-fonte]

Gestão Atual (2017-2020)[editar | editar código-fonte]

Gestão Anterior (2013-2016)[editar | editar código-fonte]

  • No ano de 2013 o vice-prefeito à época, José Pulicci Sobrinho[16] assumiu o cargo de prefeito após a morte da prefeita eleita Maria Ivanete Hernandes Vetorasso em acidente automobilístico[17] .

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b «Censo Populacional 2010» (PDF). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 16 de julho de 2011 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 02 de julho de 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 27 de dezembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2016 
  6. SAMPAIO, Theodoro. Ö Tupi - Geografia Nacional. [S.l.: s.n.] 
  7. «Guapiaçu». Consultado em 6 de março de 2019 
  8. «Taxa de Alfabetização 2010» (zip). Censo 2010 IBGE: Indicadores Sociais Municipais. IBGE.gov.br. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  9. «Perfil Municipal da SEADE». SEADE.gov.br. Consultado em 16 Julho 2011. Arquivado do original em 23 de agosto de 2011 
  10. «Relação do patrimônio da Cia. Telefônica Rio Preto incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  11. «Telesp assume controle da Cia. Telefônica Rio Preto e da Empresa Telefônica Paulista». Acervo O Estado de São Paulo 
  12. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  13. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  14. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  15. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  16. «Vice-prefeito de Guapiaçu, SP, assume cargo após morte da prefeita». g1. 18 de março de 2013. Consultado em 7 de abril de 2013 
  17. «Prefeita de Guapiaçu, SP, morre em acidente na Assis Chateaubriand». g1. 17 de março de 2013. Consultado em 7 de abril de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.