Guará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guará (ave))
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre uma ave. Para outros significados, veja Guará (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGuará
Oceanografic Scarlet Ibis 02.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes
Família: Threskiornithidae
Subfamília: Threskiornithinae
Género: Eudocimus
Espécie: E. ruber
Nome binomial
Eudocimus ruber
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
  Distribuição de E. albus   Distribuição do guará (E. ruber)   Sobreposição de ambos
  Distribuição de E. albus   Distribuição do guará (E. ruber)   Sobreposição de ambos

O guará (Eudocimus ruber) é uma ave pelecaniforme[2] da família Threskiornithidae.[3] Também é conhecida como íbis-escarlate, guará-vermelho, guará-rubro e guará-pitanga. É uma ave típica do litoral atlântico da América do Sul, reproduzindo-se sobretudo em regiões de mangue.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem do nome é controversa. Alguns autores afirmam que "guará" viria de um termo tupi (awa'rá) cujo significado seria "vermelho".

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Guará (Eudocimus ruber)

O guará é uma ave do litoral da América do Sul. Está presente desde Trinidad e Tobago (onde é a ave nacional), na Colômbia, Venezuela, Guianas e em grande parte do litoral do Brasil: ocorre em abundância no litoral do Amapá, nos estados do Piauí e Maranhão (por exemplo no Delta do Parnaíba), no Espírito Santo, em São Paulo (por exemplo nos municípios de Peruíbe, Cananeia, Iguape e Cubatão) e no Paraná, chegando até o litoral norte de Santa Catarina, na região de Joinville e na ilha de São Francisco do Sul.[4][5][6] Cidades como Guarapari (ES), Guaratuba (PR), Guaraqueçaba (PR) e Guaramirim (SC) devem seus nomes ao desta ave.[7][8]

O guará mede cerca de cinquenta a sessenta centímetros. Possui bico fino, longo e levemente curvado para baixo. A plumagem é de um colorido vermelho muito forte, por causa de sua alimentação à base de um caranguejo que possui uma grande quantidade de betacaroteno, sendo assim responsável pelo tingimento das plumas. Em cativeiro, se houver mudança da alimentação, as plumas podem perder a cor e ficar com um tom cor-de-rosa apagado.

A reprodução é feita em colônias. Os ninhos são feitos no alto das árvores de mangue.[3] A fêmea põe dois ou três ovos de cor bege, com manchas marrons. Os filhotes nascem de cor escura e peito branco, tornando-se completamente vermelhos após um ano e meio de vida.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi classificada pela primeira vez por Carl Linnaeus em 1758. Inicialmente recebera a nomenclatura binomial de Scolopax rubra[9] (o nome incorpora o adjetivo latino ruber, "vermelho"), mas a espécie foi posteriormente designada Guara rubra e, finalmente, Eudocimus ruber.[10]

Biologicamente, o guará está intimamente relacionado ao íbis-branco-americano (Eudocimus albus) e às vezes é considerado coespecífico com ele,[11][12] deixando a ciência moderna dividida sobre sua taxonomia. Cada um dos dois pássaros tem exatamente os mesmos ossos, garras, bicos, arranjos de penas e outras características - sua única diferença marcante está na pigmentação.[13] A taxonomia tradicional considera os dois como separados e distintos.[13]

As primeiras pesquisas de campo ornitológicas não revelaram nenhum cruzamento natural entre os guarás e os íbis-brancos, dando suporte ao ponto de vista das duas espécies.[14] Observações mais recentes, no entanto, documentaram cruzamentos e hibridações significativas na natureza. Os pesquisadores Cristina Ramo e Benjamin Busto encontraram evidências de cruzamento em uma população onde as áreas de abrangência das íbis vermelhas e brancas se sobrepõem ao longo da costa e nos Llanos, na Colômbia e na Venezuela. Eles observaram indivíduos das duas espécies acasalando e emparelhando, bem como íbis híbridos com plumagem laranja clara, ou plumagem branca com penas laranja ocasionais, e propuseram que essas aves fossem classificadas como uma única espécie.[15] A hibridação é conhecida por ocorrer com frequência em cativeiro. No entanto, as duas formas de cores persistem na natureza, apesar dos intervalos sobrepostos e da prole híbrida ter um tipo de cor distinto, portanto, de acordo com o conceito de espécie de coesão, elas seriam espécies funcionalmente diferentes.[16]

Alguns biólogos desejam agora emparelhá-los com Eudocimus albus como duas subespécies do mesmo íbis americano.[17] Outros simplesmente definem os dois como uma e a mesma espécie, com ruber sendo uma variação de cor de albus.[18]

Um jovem mais velho com um toque de vermelho
Espécime de taxidermia
Crânio de guará

A plumagem adulta é praticamente toda escarlate. As penas podem apresentar vários matizes e tonalidades, mas apenas as pontas de suas asas se desviam de sua cor homônima. Uma marcação pequena, mas confiável, essas pontas das asas são de um preto intenso (ou ocasionalmente azul escuro) e são encontradas apenas nas penas de voo[19] - todas as outas penas são de um "laranja-vermelho vivo, quase luminosa em qualidade."[20] Os guarás têm bico e pés vermelhos, porém o bico às vezes é preto, especialmente no final.[21] Eles têm um bico longo, estreito e decurvo. Suas pernas e pescoço são longos e estendidos durante o voo.[22]

Um juvenil de guará é uma mistura de cinza, marrom e branco. À medida que cresce, uma dieta pesada de crustáceos vermelhos produz a coloração escarlate.[23] A mudança de cor começa com a segunda muda do juvenil, por volta da época em que ele começa a voar: a mudança começa nas costas e se espalha gradualmente pelo corpo enquanto aumenta de intensidade ao longo de um período de cerca de dois anos.[24] O guará é a única ave marinha com coloração vermelha no mundo.

Os adultos têm 55-63 cm de comprimento,[25] e os machos, ligeiramente maiores do que as fêmeas, pesam normalmente cerca de 1,4 kg.[26] Seus bicos também são, em média, cerca de 22% mais longos que os bicos das fêmeas.[27] A expectativa de vida dos guarás é de aproximadamente dezesseis anos na natureza e vinte anos em cativeiro.[28] Um guará adulto tem uma envergadura de cerca de 54 cm .[29] Embora passe a maior parte do tempo a pé ou vadeando na água, essa ave voa muito bem: [30] ela é altamente migratórioa e facilmente capaz de voar longas distâncias. Eles se movem como bandos em uma formação em V clássica.[29]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Eudocimus ruber no ninho com filhotes em Busch Gardens Tampa.

Os pares de acasalamento constroem ninhos em um estilo simples, tipicamente "plataformas soltas de gravetos"[30] de uma qualidade às vezes descrita como "sem arte".[31] Eles empoleiram-se em copas folhosas, preferindo principalmente o abrigo conveniente de árvores jovens de mangue à beira da água.[32] Os guarás gostam de áreas úmidas e lamacentas, como pântanos, mas por segurança constroem seus ninhos em árvores bem acima da água. Se puderem, eles nidificam em ilhas, onde seus ovos e filhotes são menos propensos a estarem em perigo de predadores.[33]

Para atrair uma fêmea, o macho realiza uma variedade de rituais de acasalamento, como alisar, sacudir, estalar o bico, esfregar a cabeça e voar alto. Como acontece com a maioria das aves, o acasalamento não envolve qualquer acoplamento ou inserção: em vez disso, uma transferência de fluidos seminais ocorre durante o contato externo entre as aberturas cloacais.[34] Após um período de gestação de cinco a seis dias,[29] a fêmea põe uma ninhada de três a cinco ovos lisos e foscos que normalmente incubam por 19-23 dias.[35][36] Depois de um namoro bem-sucedido, os pares permanecem fiéis e coabitantes, compartilhando as responsabilidades pelas crias.[29]

No sudeste do Brasil, os guarás se reúnem em colônias em meados de setembro e fazem ninhos no início de novembro. Em uma colônia observada, a postura de ovos foi sincronizada, com as fêmeas botando ovos em três ondas no início de novembro, final de dezembro e final de janeiro.[37]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Seus longos e finos bicos são usados para sondar alimentos na lama macia ou sob plantas.[38] Popularmente imaginado como comendo apenas camarão, um estudo recente nos Llanos descobriu que grande parte de sua dieta consiste em insetos, dos quais a maioria eram escaravelhos e besouros terrestres. Uma espécie em particular, o escaravelho Dyscinetus dubius, formava uma grande parte da dieta. Em contraste, a dieta dos íbis-brancos-americanos que ocorrem ali diferia, estes últimos consumindo mais insetos, peixes e crustáceos.[39]

"Enquanto derramava dignidade e cor sobre o guará, a natureza parece ter relutado em conceder armas. O bico da ave era rombudo, as unhas dos pés não afiadas e os olhos tinham uma qualidade suave e macia de Bambi. "

Dr. Paul A. Zahl, Coro-Coro[40]

No entanto, comem muito camarão e outras iguarias semelhantes, como pequenos caranguejos, moluscos e outros crustáceos.[30] A grande quantidade de camarão e outros moluscos vermelhos produz um excesso de astaxantina, um carotenoide que é o principal componente da pigmentação vermelha das aves.[30][41] Quando mantidos em zoológicos, a dieta das aves geralmente contém suplemento de beterraba e cenoura para manter a vibração da cor em sua plumagem.[30]

Os Llanos são notáveis porque essas planícies alagadas abrigam sete espécies de íbis em uma região. Aqui, os guarás são os mais agressivos e atacam outras espécies para roubar sua comida. Eles também foram observados seguindo irerês (Dendrocygna viduata) e gado doméstico, e pegando insetos perturbados por eles.[42]

Comportamento social[editar | editar código-fonte]

O guará é uma ave sociável e gregária e muito solidária no que diz respeito à busca de alimento e à proteção dos jovens. Eles vivem em bandos de trinta ou mais. Os membros ficam próximos, e os pares de acasalamento organizam seus ninhos em estreita proximidade com outros pares na mesma árvore.[43]

Para proteção, os bandos geralmente se reúnem em grandes colônias de vários milhares de indivíduos.[44] Também participam regularmente de bandos mistos, ganhando segurança adicional por meio de números: cegonhas, colhereiros, garças e patos são companheiros comuns durante a alimentação e voos.[29]

Status[editar | editar código-fonte]

A espécie tem status de protegida em todo o mundo,[30] e a União Internacional para Conservação da Natureza classificou o guará como uma espécie pouco preocupante na Lista Vermelha. Embora várias populações locais pareçam estar em declínio, os números totais globais permanecem relativamente grandes e a taxa atual de perdas não é considerada uma ameaça à sobrevivência da espécie. No entanto, perdas recentes de populações estabelecidas na Guiana Francesa se tornaram uma preocupação para conservacionistas, e no Brasil a ave foi incluída em uma lista nacional de espécies ameaçadas de extinção.[45]

Relacionamento com humanos[editar | editar código-fonte]

O guará e o cocrico são as aves nacionais de Trinidad e Tobago.[46] Ambas as aves são apresentadas no brasão de Trinidad e Tobago .[46][47] O cocrico é encontrado em Tobago, Venezuela e Colômbia.[46] O guará está associado a Trinidad; não há registros documentados de guará em Tobago nos últimos quinze anos.[48]

Um importante habitat local para os guarás é o santuário da vida selvagem do Pântano Caroni de Trinidad, uma área de 199 hectares designada pela primeira vez em 1953 especificamente para fornecer um habitat para o guará.[49]

Usando o pássaro como símbolo literário, o autor americano James Hurst compôs um conto popular, " The Scarlet Ibis " (1960).[50] Um conto mais recente, "Scarlet Ibis", de Margaret Atwood, está incluído em Bluebeard's Egg (1983).[51] O nome também pertence a um livro de versos da poeta americana Susan Hahn .[52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BirdLife International (2016). Eudocimus ruber (em inglês). IUCN 2016. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2016 . Página visitada em 30 de outubro de 2017..
  2. «Storks, ibis & herons». IOC World Bird List v 6.4 (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  3. a b Emmet Reid Blake (1977). Manual of Neotropical Birds, volume 1. [S.l.]: University of Chicago Press. 724 páginas. isbn 9780226056418 
  4. «Leitora flagra ave rara na Baía da Babitonga, litoral Norte do Estado». www.nsctotal.com.br. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  5. «Guará é símbolo de iniciativas de preservação no litoral do Paraná». G1. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  6. «AVESCATARINENSES :: ANIMAIS». www.avescatarinenses.com.br. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  7. «O GUARÁ». Portal Guaraqueçaba. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  8. Conheça dez dos animais mais famosos da fauna paranaense - guará Portal Gazeta do Povo - acessado em 6 de outubro de 2011
  9. Ramo, Cristina; Busto, Benjamin (1987). «Hybridization Between the Scarlet Ibis (Eudocimus ruber) and the White Ibis (Eudocimus albus) in Venezuela». Colonial Waterbirds. 10: 111–14. JSTOR 1521240. doi:10.2307/1521240 
  10. Denis Lepage (2003). «Scarlet Ibis (Eudocimus ruber) (Linnaeus, 1758)». Avibase.bsc-eoc.org. BirdLife International. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  11. Ramo, Cristina; Busto, Benjamin (1987). «Hybridization Between the Scarlet Ibis (Eudocimus ruber) and the White Ibis (Eudocimus albus) in Venezuela». Colonial Waterbirds. 10: 111–14. JSTOR 1521240. doi:10.2307/1521240 
  12. Kushlan, James A.; Bildstein, Keith L. (10 de fevereiro de 2009). «White Ibis». Birds of North America Online. Cornell University. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  13. a b Zahl, Paul A. (1954). Coro-Coro: The World of the Scarlet Ibis. Indianapolis/New York: Bobbs-Merrill Co. pp. 192–193. OCLC 799120 
  14. Zahl, Paul A. (1954). Coro-Coro: The World of the Scarlet Ibis. Indianapolis/New York: Bobbs-Merrill Co. pp. 192–193. OCLC 799120 
  15. Ramo, Cristina; Busto, Benjamin (1987). «Hybridization Between the Scarlet Ibis (Eudocimus ruber) and the White Ibis (Eudocimus albus) in Venezuela». Colonial Waterbirds. 10: 111–14. JSTOR 1521240. doi:10.2307/1521240 
  16. K. Hill (2001). «Species Name: Eudocimus albus». Sms.si.edu. Smithsonian Institution: Marine Station at Fort Pierce. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  17. Ramo, Cristina; Busto, Benjamin (1987). «Hybridization Between the Scarlet Ibis (Eudocimus ruber) and the White Ibis (Eudocimus albus) in Venezuela». Colonial Waterbirds. 10: 111–14. JSTOR 1521240. doi:10.2307/1521240 
  18. Nellis, David W. (março de 2001). Common Coastal Birds of Florida & the Caribbean. [S.l.]: Pineapple Press Inc. 151 páginas. ISBN 978-1-56164-191-8. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  19. Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  20. Moss, Steven; Birdlife International (2008). Remarkable Birds: 100 of the World's Most Notable Birds. [S.l.]: HarperCollins. ISBN 978-0-06-162664-7. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  21. Ridgway, Robert.
  22. McWilliams, Gerald M, and Daniel W. Brauning.
  23. Binghamton Zoo at Ross Park (2011). «Scarlet Ibis (Eudocimus ruber. Rossparkzoo.com. Binghamton Zoo. Consultado em 12 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 24 de março de 2012 
  24. Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  25. Peterson, Roger Tory; Peterson, Virginia Marie (2002). A Field Guide to the Birds of Eastern and Central North America. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt. ISBN 978-0-395-74047-7. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  26. Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  27. Babbitt, Gregory A.; Frederick, Peter C. (2007). «Selection for sexual bill dimorphism in ibises: An evaluation of hypotheses» (PDF). Waterbirds. 30: 199–206. doi:10.1675/1524-4695(2007)30[199:SFSBDI]2.0.CO;2 
  28. Phelps, Katherine (2008). «Eudocimus ruber: Scarlet Ibis». Animaldiversity.ummz.umich.edu. University of Michigan Museum of Zoology. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  29. a b c d e Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  30. a b c d e f Binghamton Zoo at Ross Park (2011). «Scarlet Ibis (Eudocimus ruber. Rossparkzoo.com. Binghamton Zoo. Consultado em 12 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 24 de março de 2012  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "RossZoo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "RossZoo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "RossZoo" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  31. Bent, Arthur Cleveland (1926). «Life Histories of North American Marsh Birds». Smithsonian Institution. United States National Museum Bulletin: 36. Consultado em 12 de dezembro de 2011. The scarlet ibis builds its artless nest of brush in inaccessible places on low trees. 
  32. Jan Hein Ribot (2010). «Scarlet Ibis». Nhlstenden.com. NHL Stenden Hogeschool. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  33. Herons and Relatives.
  34. Zahl (1954), p. 194.
  35. Phelps, Katherine (2008). «Eudocimus ruber: Scarlet Ibis». Animaldiversity.ummz.umich.edu. University of Michigan Museum of Zoology. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  36. Zahl (1954), p. 195.
  37. Olmos, Fábio; Silva E Silva, Robson (2001). «Breeding Biology and Nest Site Characteristics of the Scarlet Ibis in Southeastern Brazil». Waterbirds. 24: 58–67. JSTOR 1522244. doi:10.2307/1522244 
  38. Moss, Steven; Birdlife International (2008). Remarkable Birds: 100 of the World's Most Notable Birds. [S.l.]: HarperCollins. ISBN 978-0-06-162664-7. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  39. Aguilera, Eduardo; Ramo, Cristina; Busto, Benjamin (1993). «Food Habits of the Scarlet and White Ibis in the Orinoco Plains». The Condor. 95: 739–41. JSTOR 1369623. doi:10.2307/1369623 
  40. Zahl, p. 188.
  41. Krinsky, Norman I.; Mathews-Roth, Micheline M.; Taylor, Richard F. (1989). Carotenoids: chemistry and biology. New York: Plenum Press. ISBN 978-0-306-43607-9. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  42. Frederick, Peter C.; Bildstein, Keith L. «Foraging Ecology of Seven Species of Neotropical Ibises (Threskiornithidae) during the Dry Season in the Llanos of Venezuela». The Wilson Bulletin. 104: 1–21 
  43. Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  44. Moolchan, Esther (2011). «The Online Guide to the Animals of Trinidad and Tobago: Eudocimus ruber (Scarlet Ibis)» (PDF). Sta.uwi.edu. University of the West Indies. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  45. James Hancock; James A. Kushlan (2010). Storks, Ibises and Spoonbills of the World. [S.l.]: A&C Black. 359 páginas. ISBN 978-1-4081-3500-6. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  46. a b c National Bird, Trinidad and Tobago Ministry of Foreign Affairs].
  47. Government of the Republic of Trinidad; Tobago (2008). «National Emblems». Trinidad and Tobago Government Online. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  48. Martyn Kenefick, Robin Restall & Floyd Hayes, Helm Field Guides: Birds of Trinidad and Tobago (2007), p. 58.
  49. Salm, Rodney V.; Clark, John R.; Siirila, Erkki (2000). Marine and Coastal Protected Areas: A guide for planners and managers. [S.l.]: IUCN. pp. 334–337. ISBN 978-2-8317-0540-8. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  50. Moss, Steven; Birdlife International (2008). Remarkable Birds: 100 of the World's Most Notable Birds. [S.l.]: HarperCollins. ISBN 978-0-06-162664-7. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  51. Lutwack, Leonard (fevereiro de 1994). Birds in Literature. [S.l.]: University Press of Florida. ISBN 978-0-8130-1254-4. Consultado em 17 de dezembro de 2011 
  52. Hahn, Susan (2007). The Scarlet Ibis: Poems. Evanston, IL: Northwestern University Press. ISBN 978-0-8101-5183-3. Consultado em 12 de dezembro de 2011 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • «PhotoAves» 
  • Cid Destefani (4 de julho de 2010). «Guará... tuba». Jornal Gazeta do Povo. Consultado em 4 de julho de 2010 [ligação inativa]
  • Assessoria de Imprensa. «Guará». Site da Prefeitura Municipal de Guaratuba. Consultado em 4 de julho de 2010. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2012 
  • GROSE, A. V. ; CREMER, M. J ; MOREIRA, N. 2013 Reprodução do Guará Eudocimus Ruber no estuário da Baía Babitonga, litoral Norte de Santa Catarina. 2013 (XX Congresso Brasileiro de Ornitologia).


Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Guará