Guerra Civil Paraguaia (1922-1923)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outra guerra civil, veja Guerra Civil Paraguaia (1947).
Guerra Civil Paraguaia (1922-1923)
Paraguay-CIA WFB Map.png
Data 27 de maio de 1922 – 10 de julho de 1923[1]
Local Paraguai
Desfecho Vitória gondrista [1]
Beligerantes
Paraguai Gondristas Paraguai Schaereristas
Comandantes
Eusebio Ayala
Manuel Gondra[1]
Eduardo Schaerer
Adolfo Chirife
Pedro Mendoza[1]
Forças
600 tropas regulares
250 marinha
1.000 União dos Trabalhadores Marítimos
1.150 civis armados[2]
1.700 tropas regulares[2]

A guerra civil paraguaia, ocorreu entre 27 de maio de 1922 e 10 de julho de 1923, nas fronteiras do Paraguai. Começou quando os partidários do candidato Adolfo Chirife tentaram restaurar a força a implementação das eleições presidenciais canceladas pelo presidente Eusebio Ayala. Chirife representou o chamado lado constitucionalista ou schaererista que apoiava ideologicamente o político liberal Eduardo Schaerer, enquanto as tropas sob Ayala foram nomeadas lealistas ou gondristas ideologicamente fiéis ao ex-presidente Manuel Gondra. O conflito concluiu quando as forças gondristas derrotaram os remanescentes do exército schaererista em Assunção.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após a revolução de 1904, o movimento liberal paraguaio entrou em um período de instabilidade e luta fracional. Entre 1904 e 1922, 15 presidentes paraguaios assumiram o cargo. Os golpes de 1908 e 1910 cimentaram a divisão dos liberais paraguaios em facções radicais e civis. Uma nova divisão da facção dos radicais em duas subfacções lideradas por Manuel Gondra e Eduardo Schaerer respectivamente, gradualmente escalou para uma guerra civil em grande escala.[3]

Em 1920, Gondra saiu vitorioso na eleição presidencial. Schaerer imediatamente tentou minar Gondra, forçando a renúncia do Ministro do Interior José Guggiari, o maior defensor de Gondra. Após a recusa de Gondra em demitir Guggiari, o próprio Gondra renunciou, devido ao surgimento de uma divisão nas forças armadas do Paraguai. Após a recusa do vice-presidente Félix Paiva em assumir o cargo, o Congresso colocou o senador Eusebio Ayala, apoiador moderado de Gondra na presidência interina.[2]

Outra crise aconteceu quando Adolfo Chirife, um apoiador de Schaerer, se tornou um candidato presidencial. Reunindo o apoio do Partido Colorado junto com uma grande porcentagem de partidários do Partido Liberal, Chirife reuniu apoio suficiente para garantir a vitória nas próximas eleições. Quando Ayala reagiu bloqueando a implementação das eleições, os apoiadores de Schaerer tentaram restaurar o processo eleitoral pela força.[1]

Conflito[editar | editar código-fonte]

Tropas pertencentes à 1ª, 2ª e 4ª zonas militares num total de 1.700 homens, unidas sob o nome de Exército Constitucional, declarando lealdade a Schaerer. Opondo-se a eles, elementos leais da Marinha do Paraguai e das guarnições mais amplas da área de Assunção juraram lealdade a Gondra. Em 27 de maio de 1922, após o fracasso de duas semanas de negociações entre as duas partes, Adolfo Chirife ordenou a seus apoiadores militares e civis em Paraguarí que lançassem uma ofensiva na capital, dando início a uma guerra civil. Passando por Luque, os constitucionalistas chegaram a Assunção em 9 de junho. Nessa época, os gondristas haviam reunido 600 soldados regulares, bem como 1.000 membros do anarco-sindicalista Sindicato dos Trabalhadores da Marinha. Apesar do sucesso limitado, os Schaereristas foram forçados a abandonar o cerco aos subúrbios barricados e, em 14 de junho, as batalhas aconteceram em Pirayú e Yaguarón quando os Schaereristas se retiraram para Paraguarí.[2]

Entre 28 e 29 de junho de 1922, um Armstrong Whitworth F.K.8 conduziu duas incursões em Paraguarí, primeiro jogando panfletos e depois bombardeando a cidade. Em 3 de julho, o mesmo FK8 bombardeou por engano vagões de trem que albergavam soldados presos que se recusaram a ingressar no Exército Constitucionalista. Numerosos prisioneiros foram mortos ou feridos na ação. Em 8 de julho de 1922, o FK8 foi abatido sobre Pirayú, e o piloto britânico Sydney Stewart foi morto.[1][2]

Após a perda de Pirayú e Yaguarón em 14 de julho, os schaereristas começaram a evacuar suas tropas de Paraguarí para Vilarrica. Entre 23 e 24 de julho, os legalistas invadiram posições constitucionalistas em Ybitimí e Sapucaí. Os Gondristas continuaram seu avanço, tomando Itapé e Salitre Cué, e finalmente entrando em Villarrica sem disparar um único tiro em 31 de julho. A cidade de San Estanislao mudou de mãos várias vezes enquanto as cavalarias opostas lutavam na área no início de agosto. A Força Aérea Gondrista mudou-se para Villarrica. Reforçado por vários veteranos italianos da Primeira Guerra Mundial, incluindo o ás Cosimo Damiano Rizzotto, intensificou suas missões de reconhecimento e bombardeio. Em 5 de setembro, o constitucionalista Ansaldo SVA .5 bombardeou Salitre Cué. Em seguida, decolou uma aeronave Gondrista do mesmo modelo, pilotada pelo aviador britânico Patrick Hassett, que atirou no bombardeiro e o obrigou a recuar para Cangó, combate que é considerado o primeiro dogfight registrado na América do Sul. No dia seguinte, outro SVA.5 constitucionalista atacou Salitre Cué, apenas para ser forçado a descer perto de Cangó por Hassett após uma intenso dogfight, tornando-o o primeiro aviador a abater outra aeronave na América do Sul. O piloto italiano Nicolá Bo também danificaria outro avião rebelde no dia 25 de setembro, mas foi forçado a retornar a Isla Alta depois de ficar sem munição.[4]

A luta continuou no final de outubro e início de novembro, quando Isla Alta e Cangó caíram sob o controle Gondrista. Os schaereristas se entrincheiraram na área de Caí Puente Coronel Bogado, 30 quilômetros a noroeste de Encarnación. Em 13 de novembro, um destacamento legalista marchou sobre Caí Puente, enquanto uma segunda coluna perpetrou um ataque surpresa à retaguarda constitucionalista, capturando Carmen del Paraná. Três dias depois, os gondristas tomaram o reduto Schaererirsta de Caí Puente, mas muitos constitucionalistas conseguiram escapar da detenção, reorganizando-se e avançando para o norte em direção à capital desprotegida. Utilizando o transporte ferroviário, os gondristas frearam o avanço Schaererista e, após violentos combates em Paraguarí, Piribebuy e Yhú, os Gondristas foram derrotados e recuaram para além de Carayaó.[2]

Em 18 de março de 1923, os Schaereristas montaram seu primeiro ataque em três meses, apreendendo a sob proteção de Villarrica. Os constitucionalistas então emboscaram um comboio de suprimentos de 20 vagões em Pañetey, matando quase 500 soldados. Em 18 de maio, depois que o comandante em chefe schaererista Adolfo Chirife morreu de pneumonia, o comandante recém-eleito Pedro Mendoza iniciou uma ofensiva contra Assunção. Passando pelas áreas densamente florestadas de Carapeguá, Itá e San Lorenzo, Mendoza entrou na capital em 9 de julho de 1923 sem encontrar resistência significativa. Um dia depois, os legalistas contra-atacaram a capital pelo norte, derrotando os schaereristas e efetivamente encerrando a guerra.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Святослав Всеволодович Голубинцев. «В ПАРАГВАЙСКОЙ КАВАЛЕРИИ» [The Paraguayan Cavalry]. Родимый Край, issues № 121 —123 
  2. a b c d e f g Adrian English. «La Guerra Civil Parguaya 1922–1923» 
  3. «Paraguay - Liberal Decades». countrystudies.us. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  4. Adrian English. "La Guerra Civil Parguaya 1922–1923". Retrieved 20 October 2014.