Guerra Civil Russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guerra Civil Russa

Em sentido horário: soldados do Exército do Don, em 1919; uma divisão de infantaria branca, em março de 1920; soldados do I Exército de Cavalaria do Exército Vermelho; Leon Trotsky em 1918; enforcamento de bolcheviques pela Legião Checoslovaca, em abril de 1918.
Data 17 de maio de 191825 de outubro de 1922 (conflitos menores até 19 de junho de 1923)
(5 anos, 7 meses, 1 semanas e 2 dias)
Local Império Russo, Galícia, Mongólia, Tuva e Pérsia
Desfecho Vitória do Exército Vermelho na Rússia, Ucrânia, Bielorrússia, Geórgia, Cazaquistão, Azerbaijão, Tuva e Mongólia Exterior.

Vitória dos movimentos de independência na Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia.
Mudanças territoriais Consolidação da União Soviética;
Beligerantes
Rússia Soviética

Socialistas Revolucionários de Esquerda
Exército Verde


Exército Insurgente Makhnovista
Exército Negro Anarquista (ocasionalmente)
Rússia Movimento Branco[nota 1]

Novas repúblicas
Polônia
Ucrânia
Geórgia
 Armênia
 Estônia
 Letônia
 Lituânia
Azerbaijão
República Montanhosa do Norte do Cáucaso
República do Don
República Popular de Kuban
e outros movimentos separatistas

Intervenção externa
França França
Reino Unido Império Britânico
Japão Império Japonês
Estados Unidos Estados Unidos
Polónia Polônia
Roménia Romênia
 Australia
 Canada
British Raj Índia britânica
 Checoslováquia
 Finlândia
Reino da Grécia
Reino de Itália
Taiwan República da China
 Império Alemão
 Império Otomano
Comandantes
Vladimir Lênin
Leon Trotsky
Jukums Vācietis
Sergey Kamenev
Nestor Makhno
Rússia Aleksandr Kolchak
Rússia Lavr Kornilov
Rússia Nikolai Yudenich
Rússia Anton Denikin
Rússia Pyotr Wrangel
Forças
5 427 273[1] Rússia 2 400 000 soldados do Exército Branco
Baixas
950 000 mortos ou desaparecidos
548 857 feridos


+ 300 000 mortos pelo Terror Branco (civis ou combatentes)[1]
1 500 000 mortos, feridos, aprisionados ou desaparecidos


+ 100 000 mortos pelo Terror Vermelho (civis ou combatentes)
7 000 000 – 12 000 000 de mortos, feridos ou desaparecidos (entre civis e combatentes)

A Guerra Civil Russa foi um conflito armado múltiplo que eclodiu no território do já dissolvido Império Russo, envolvendo o novo governo bolchevique, alçado ao poder desde a Revolução de Outubro de 1917, e seus opositores, incluindo militares do antigo exército tsarista, conservadores e liberais favoráveis à monarquia, além de grupos ligados à Igreja Ortodoxa Russa e a correntes socialistas minoritárias (mencheviques). A data exata do início do conflito é controversa entre os historiadores: alguns defendem que teria ocorrido logo após a Revolução de Outubro (em 7 de novembro de 1917, segundo o calendário gregoriano), enquanto que, para outros, teria sido na primavera de 1918. A guerra civil perdurou até 1923, embora a maior parte dos combates já tivesse cessado em 1921, com a vitória dos bolcheviques.[2]

Durante este período, exércitos e militares de diversos matizes políticos se enfrentaram com o objetivo de implantar o seu próprio sistema. As partes em conflito incluíam: o Movimento Branco, formado por ex-generais czaristas; republicanos liberais (os "cadetes" [nota 2]); o Exército Vermelho (bolchevique); milícias anarquistas (o Exército Insurgente Makhnovista, conhecido como "Exército Negro";[3] durante a Revolução Ucraniana), o nacionalista Exército Verde;[3] exércitos separatistas, como o Exército Azul; e tropas de ocupação estrangeiras. Excetuando as perdas territoriais devidas a movimentos separatistas, o Exército Vermelho foi o único vencedor do conflito, após o qual foi criado o Estado Soviético, sob liderança dos bolcheviques.[4]

Aproveitando-se do verdadeiro caos em que o país se encontrava, as nações aliadas da Primeira Guerra Mundial resolveram intervir a favor do Exército Branco (czaristas e liberais). Tropas britânicas, neerlandesas, norte-americanas e japonesas desembarcaram tanto nas regiões ocidentais (Crimeia e Geórgia) como nas orientais (ocupação de Vladivostok e da Sibéria Oriental). Seus objetivos declarados eram: derrubar o governo bolchevique (que era favorável à paz com o Império Alemão) e instaurar um regime favorável à permanência da Rússia na guerra. Todavia, o objetivo não declarado era evitar a propagação dos ideais comunistas pela Europa Ocidental mediante barreiras físicas — daí a expressão Cordon Sanitaire, utilizada em 1919 por Georges Clemenceau, primeiro-ministro da França -, além de promover o isolamento diplomático e comercial da Rússia, política adotada já nos primeiros anos da década de 1920, pelos países da Entente.[5][6]

No terreno económico, devido à situação de emergência e pelo próprio ímpeto revolucionário, o partido bolchevique instituiu o "comunismo de guerra".[4] O dinheiro e as leis do mercado foram abolidas, sendo substituídos por uma economia dirigida baseada na tributação em género sobre cereais produzidos pelos camponeses.[7] Uma das consequências negativas destas medidas foi desencorajarem o plantio, por levarem os camponeses a sentir que bastaria produzir para sustento de suas famílias,[7] o que resultou em os centros urbanos ficarem sem alimentos, provocando um êxodo das cidades para o campo — Petrogrado (atual São Petersburgo) e Moscou viram sua população reduzir-se pela metade.[8] Estes factores terão contribuído, na conjuntura da guerra civil e das intervenções estrangeiras, para a fome russa de 1921 — uma das maiores mortalidades na Rússia moderna, em que pereceram cerca de 6 milhões de pessoas.[8]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O primeiro momento é a dissolução da Assembleia Constituinte da Rússia, que aconteceu em janeiro de 1918. Nessa ocasião, os socialistas-revolucionários conseguiram derrotar os bolcheviques nas eleições, e, então, Lenin, líder do governo bolchevique, optou por dissolver essa assembleia. A maioria dos historiadores concorda que esse foi um dos fatores decisivos para o levante.[9][10]

O segundo momento foi a saída da Rússia da guerra. Os russos aceitaram condições duras dos alemães em Brest-Litovsk, e a rendição indignou forças reacionárias que desejavam a continuidade da guerra. Esses fatores podem ter motivado a mobilização contrarrevolucionária na Rússia.[9]

Precedentes do tipo já existiam na região, como um grupo de rebeldes liderados por Larv Kornilov, que, desde 1917, tentava tomar o poder no país. Kornilov, inclusive, formou uma das forças que lutou contra os bolcheviques durante a Guerra Civil Russa.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A guerra terminou com uma vitória Bolchevique no atual território da Rússia. Os governos da República Russa e do Estado Russo haviam colapsado e a criação União Soviética viria um ano depois, em 1924. A Família Imperial Russa havia sido executada e movimento pró-Monarquia se enfraqueceu consideravelmente, com muitos monarquistas fugindo (perto de dois milhões de pessoas) e alguns se envolveram com movimentos partisans anti-comunistas. Estados bolcheviques foram estabelecidos na Mongólia e em Tuva. Muitos dos proeminentes intelectuais e ativistas russos foram expulsos do país. Contudo, vários territórios do antigo Império Russo ou se tornaram completamente independentes ou foram anexados por outras nações. Entre os países que conseguiram firmar sua independência estavam Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia. Outros Estados, como Ucrânia, Bielorrússia, Geórgia, Armênia, Azerbaijão e Moldávia conquistaram independência parcial, tiveram partes dos seus territórios tomados por outros países ou acabaram voltando sob o controle bolchevique. Os ucranianos, por exemplo, mantiveram sua independência até o final de 1921, quando foram incorporados no que viria a ser a União Soviética.[11]

Em termos humanos, os resultados da guerra civil foram impactantes em todo o território russo. O demógrafo soviético Boris Urlanis estimou que 300 000 homens foram mortos em combate durante a guerra givil russa e a Guerra Polaco-Soviética (125 000 no Exército Vermelho, 175 500 exércitos brancos e poloneses) e o número total de militares de ambos os lados mortos por doenças em 450 000 pessoas.[12] Boris Sennikov estimou as perdas totais entre a população de região de Tambov em 1920 até 1922 resultantes da guerra, execuções e prisões em campos de concentração como aproximadamente 240 000 pessoas.[13]

Vítimas da fome soviética em 1922.

Cerca de 10 milhões de vidas foram perdidas como resultado da Guerra Civil Russa, sendo que a esmagadora maioria delas foram vítimas civis.[14] Não há consenso entre os historiadores ocidentais sobre o número de mortes causadas pelo Terror Vermelho. Uma fonte fornece estimativas de 28 mil execuções por ano, de dezembro de 1917 a fevereiro de 1922.[15] As estimativas do número de pessoas baleadas durante o período inicial do Terror Vermelho são de pelo menos 10 000.[16] As estimativas de execuções para todo o período chegam a um mínimo de 50 000[17] a até 140 000[17][18] ou 200 000 executados.[19] A maioria das estimativas para o número total de execuções gira em torno de 100 000 pessoas mortas.[20] De acordo com a investigação de Vadim Erlikhman, o número de vítimas do Terror Vermelho é de pelo menos 1 200 000 pessoas.[21]

Ao final da guerra civil, a Rússia Soviética estava exausta e perto da ruína. Secas e problemas de distribuição de comida e requisição de alimentos, entre 1920 e 1921, causou enorme fome, matando milhões de pessoas. Doenças atingiram proporções pandêmicas, com pelo menos três milhões de pessoas morrendo de tifo durante a guerra. Outros milhões também morreram de fome generalizada, massacres em massa cometidos por ambos os lados e pogroms contra judeus na Ucrânia e no sul da Rússia. Até 1922, havia pelo menos sete milhões crianças de rua na Rússia como resultado de quase dez anos de devastação da Primeira Guerra Mundial e da guerra civil.[22]

O comunismo de guerra salvou o governo soviético durante a guerra civil, mas grande parte da economia russa ficou paralisada. Alguns camponeses responderam às requisições de alimentos (Prodrazverstka) pelos soviéticos recusando-se a cultivar a terra. Em 1921, as terras cultivadas tinham diminuído para 62% da área anterior à guerra e o rendimento da colheita era apenas cerca de 37% do normal. O número de cavalos diminuiu de 35 milhões em 1916 para 24 milhões em 1920 e de gado de 58 para 37 milhões. A taxa de câmbio com o dólar americano caiu de dois rublos em 1914 para 1.200 Rbls em 1920.[23] Entre 1921 e 1922, uma fome devastou os territórios russos, especialmente afetando áreas controladas pelos soviéticos. Perto de cinco milhões de pessoas morreram neste período.[24]

A guerra civil teve um impacto devastador na economia russa. Um mercado negro surgiu na Rússia, apesar da ameaça da lei marcial contra a especulação. O rublo entrou em colapso, com o escambo substituindo cada vez mais o dinheiro como meio de troca[25] e, em 1921, a produção da indústria pesada caiu para 20% dos níveis de 1913. Em torno de 90% dos salários foram pagos com bens e não com dinheiro.[26] Cerca de 70% das locomotivas necessitavam de reparação e a requisição de alimentos, combinada com os efeitos de sete anos de guerra e uma seca severa, contribuíram para uma fome que causou entre 3 e 10 milhões de mortes.[27] A produção de carvão diminuiu de 27,5 milhões de toneladas (1913) para 7 milhões de toneladas (1920), enquanto a produção industrial geral também diminuiu de 10 bilhões de rublos para 1 bilhão de rublos. Segundo o historiador David Christian, a colheita de grãos também foi reduzida de 80,1 milhões de toneladas (1913) para 46,5 milhões de toneladas (1920).[28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b G.F. Krivosheev, Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century, pp. 7-38
  2. «Guerra Civil Russa: motivo e acontecimentos» 
  3. a b Betz, Frederick. Societal Dynamics: Understanding Social Knowledge and Wisdom. Springer Science & Business Media, 2011, p. 43, (em inglês) ISBN 9780435327194
  4. a b «Guerra Civil Russa». Infopédia. Consultado em 31 de julho de 2012 
  5. O Mundo pós-Guerra Fria. História por Voltaire Schilling.
  6. Cordon Sanitaire. GlobalSecurity.org
  7. a b Nove, A, 1982, An Economic History of the USSR, p. 62, citada no Flewers, Paul. «"War Communism in Retrospect"». Consultado em 20 de setembro de 2012 
  8. a b Rabinowitch, Alexander (2007). The Bolsheviks in Power: The First Year of Bolshevik Rule in Petrograd. [S.l.]: Indiana University Press. 494 páginas. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  9. a b Jiménez Redondo, Juan Carlos (1 de dezembro de 2013). «RESEÑA de: María José Tíscar Santiago. Diplomacia peninsular e operações secretas na guerra colonial. Lisboa: Edições Colibrí, 2013.». Espacio Tiempo y Forma. Serie V, Historia Contemporánea. 0 (25). 397 páginas. ISSN 1130-0124. doi:10.5944/etfv.25.2013.12203 
  10. «Guerra Civil Russa: causas, combatentes, consequências - Brasil Escola» 
  11. Brovkin, Vladimir N. (1994). Behind the Front Lines of the Civil War: Political Parties and Social Movements in Russia, 1918–1922. Princeton UP. excerpt Arquivado em 2020-07-28 no Wayback Machine
  12. Urlanis B. Wars and Population. Moscow, Progress publishers, 1971.
  13. Sennikov, B.V. (2004). Tambov rebellion and liquidation of peasants in Russia Arquivado em 2019-03-30 no Wayback Machine. Moscow: Posev. Em russo. ISBN 5-85824-152-2
  14. «Russian Civil War – Foreign intervention». Britannica (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2023 
  15. Ryan 2012, p. 2.
  16. Ryan 2012, p. 114.
  17. a b Stone, Bailey (2013). The Anatomy of Revolution Revisited: A Comparative Analysis of England, France, and Russia. Cambridge University Press. p. 335.
  18. Pipes, Richard (2011). The Russian Revolution. Knopf Doubleday Publishing Group. p. 838.
  19. Lowe 2002, p. 151.
  20. Lincoln, W. Bruce (1989). Red Victory: A History of the Russian Civil War. [S.l.]: Simon & Schuster. p. 384. ISBN 0671631667 
  21. Erlikhman, Vadim Viktorovich (2004). Poteri narodonaseleniya v XX veke. [Perdas populacionais no século XX] (PDF) (em russo). Moscow: Russkaya panorama. ISBN 5-93165-107-1 
  22. And Now My Soul Is Hardened: Abandoned Children in Soviet Russia, 1918–1930, Thomas J. Hegarty, Canadian Slavonic Papers.
  23. Himmer, Robert (1994). «The Transition from War Communism to the New Economic Policy: An Analysis of Stalin's Views». The Russian Review. 53 (4): 515–529. JSTOR 130963. doi:10.2307/130963 – via JSTOR 
  24. «Famine of 1921–1922». Seventeen Moments in Soviet History (em inglês). 17 de junho de 2015. Consultado em 20 de julho de 2018 
  25. R. W. Davies; Mark Harrison; S. G. Wheatcroft (9 de dezembro de 1993). The Economic Transformation of the Soviet Union, 1913–1945. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 6. ISBN 978-0-521-45770-5 
  26. «Bread and Authority in Russia, 1914-1921». Publishing.cdlib.org. Consultado em 27 de outubro de 2021 
  27. «Twentieth Century Atlas – Death Tolls». necrometrics.com. Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  28. Christian, David (1997). Imperial and Soviet Russia. London: Macmillan Press Ltd. p. 236. ISBN 0-333-66294-6 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O termo branco não tem conotações étnicas ou culturais, neste caso. Foi usado pelo movimento contrarrevolucionário em oposição a vermelho, referente aos partidários da revolução socialista.
  2. Os membros do Partido Constitucional Democrata eram chamados de Kadets, da abreviatura K-D do nome do partido em em russo: Конституционная Демократическая партия.