Guerra Uganda-Tanzânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guerra Uganda-Tanzânia
Battles of the Uganda–Tanzania War.svg
Batalhas da Guerra Uganda-Tanzânia
Data 9 de outubro de 1978 a 3 de junho de 1979
Local Tanzânia e Uganda
Desfecho Vitória tanzaniana
Mudanças territoriais Status quo ante bellum
Beligerantes
 Uganda
 Líbia
 OLP
 Tanzânia
Frente Nacional de Libertação de Uganda  Moçambique
Apoio
 Zâmbia
 Angola
 Etiópia
 Argélia
Comandantes
Idi Amin
Yusuf Gowon
Isaac Maliyamungu
Ali Fadhul
Muammar Gaddafi
Mutlaq Hamdan
Mahmoud Da'as
Julius Nyerere
Abdallah Twalipo
Tumainiel Kiwelu
David Musuguri
Silas Mayunga
Tito Okello
David Oyite-Ojok
Yoweri Museveni
Forças
c. 20 mil
c. 4,5 mil
400+
c. 150 mil
c. 2 mil
c. 800
Baixas
Uganda
  • ~1 000 mortos
  • 3 000 capturados

Líbia

  • 600+ mortos
  • 59 capturados

OLP

  • 12–200 mortos
Tanzânia
  • 373 mortos

Frente Nacional

  • ~150 mortos

A Guerra Uganda-Tanzânia foi travada entre o Uganda e a Tanzânia, de 11 de outubro de 1978 até abril de 1979, e levou à derrubada do regime de Idi Amin. Às forças de Idi Amin juntaram-se milhares de soldados enviados por Muammar al-Gaddafi, líder da Líbia. A guerra foi singular porque destoou dos dois tipos mais comuns de guerras africanas: as de libertação nacional dos poderes coloniais ou contra o sistema de apartheid, como na Argélia e na África do Sul, e as guerras civis, como em Ruanda ou no Congo. Na guerra, as tropas da Líbia também participaram ao lado de Uganda e rebeldes ugandeses lutaram do lado da Tanzânia. A maioria dos estados africanos forneceu apoio à Tanzânia, mas não tomou parte na guerra.

A guerra começou na invasão de Uganda, em maio de 1978, e terminou com a queda de Campala, em abril seguinte. Embora a guerra tenha posto fim ao regime de Idi Amin, Uganda permaneceu dividida pela guerra civil e por crimes contra a humanidade cometidos pelos governos e pelas forças rebeldes.

Referências