Guerra contra o Estado Islâmico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra atual
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em andamento.
A informação apresentada pode mudar rapidamente
Guerra contra o Estado Islâmico
Parte da(o) Guerra ao Terror
2014 military intervention against ISIS collage.png
Acima: Aviões estadunidenses sobrevoando o norte do Iraque. Esquerda: F-22 Raptor reabastecendo combustível antes de bombardear a Síria. Direita: Soldados peshmerga reunidos perto da Síria. Abaixo: Avião estadunidense a bordo de um porta-aviões antes de decolar para o Iraque.
Military Intervention against ISIL.svg
Mapa - Um mapa de todos os oponentes do Estado Islâmico:
     Coalizão liderada pelos Estados Unidos
     Aliança Rússia–Síria–Irã–Iraque
     Frente nigeriana
     Presença do Estado Islâmico
Data 13 de Junho de 2014 – presente
Local Iraque, Síria, Líbia, Nigéria, Afeganistão, principalmente
Desfecho
Status
  • Ataques aéreos contra posições do Estado Islâmico no Iraque, Síria, Líbia, Nigéria e Afeganistão.
  • Esforços humanitários multinacionais
  • Milhões de civis no Iraque e na Síria fogem de suas casas provocando uma crise de refugiados
  • Ataques terroristas em Paris e em Bruxelas
  • Milhares de civis executados pelas forças do Estado Islâmico
  • Estado Islâmico perde 40% de seu território no Iraque [1]
  • Estado Islâmico controla cerca de 50% da Síria no final de maio de 2015 [2][3]
  • Surgimento de regiões curdas independentemente governadas
Combatentes
Seal of Combined Joint Task Force – Operation Inherent Resolve.svg CJTF–OIR

Coalizão de países estrangeiros

Intervindo na Síria e no Iraque:

Estados Unidos Estados Unidos (intervindo também na Líbia e em Camarões)
 Reino Unido[4][5][6]
 Austrália[7][8]
 França[9][10]
 Países Baixos[11][12]
 Jordânia[13]
 Marrocos[14][15][16][17]
 Bélgica[18]
 Dinamarca[19][20]

Intervindo apenas na Síria:

 Bahrain
 Qatar
 Arábia Saudita
 Turquia[21][22]
 Emirados Árabes Unidos

Apoio:


Coalizão RSII:
Rússia Rússia[43][44][45][46][47]
 Síria
 Irã[48]
 Iraque

Hezbollah[49][50]


Forças locais:


Intervenção na Líbia:
 Egito
 Líbia


 Argélia[53]



Intervenção na Nigéria:
(Boko Haram juntou-se ao Estado Islâmico em 2015)
 Nigéria
 Camarões
 Chade
 Niger
 Burundi
 Estados Unidos

Estado Islâmico

[55][56][57]

Principais líderes
Donald Trump

Barack Obama
Lloyd Austin
Joseph Dunford
Theresa May
David Cameron
Michael Fallon
Nick Houghton
Andrew Pulford
Tony Abbott
Malcolm Turnbull
David L. Johnston
Charles Michel
Steven Vandeput
Bahrain Hamad bin Isa Al Khalifa
Justin Trudeau
Thomas J. Lawson
Jonathan Vance
Helle Thorning-Schmidt
Lars Løkke Rasmussen
Peter Bartram
França François Hollande[58]
França Pierre de Villiers
Angela Merkel
Ursula von der Leyen
Volker Wieker
Matteo Renzi
Claudio Graziano
Rei Abdullah II
Abdullah Ensour
Marrocos Rei Mohammed VI
Marrocos Abdelilah Benkirane
Marrocos Bouchaib Arroub
Noruega Erna Solberg
Países Baixos Mark Rutte
Países Baixos Tom Middendorp
Sander Schnitger
Marcelo Rebelo de Sousa
António Costa
José Azeredo Lopes
Catar Tamim Al Thani
Arábia Saudita Rei Abdullah
Arábia Saudita Rei Salman
Espanha Mariano Rajoy
Espanha Pedro Morenés
Recep Tayyip Erdoğan
Ahmet Davutoğlu
Hulusi Akar
Emirados Árabes Unidos Khalifa Al Nahyan


Síria Bashar al-Assad


Iraque Nouri al-Maliki
Iraque Fuad Masum
Iraque Haider al-Abadi


Masoud Barzani
Jaafar Sheikh Mustafa
Mustafa Said Qadir


Irão Ali Khamenei
Irão Hasan Rouhani
Irão Qasem Soleimani
Hassan Nasrallah


Líbano Tammam Salam
Líbano Jean Kahwaji
Líbano Samir Mouqbel
Líbano Walid Salman


Rússia Vladimir Putin
Rússia Dmitry Medvedev
Rússia Sergey Shoygu
Rússia Viktor Bondarev
Rússia Andrei Kartapolov


Paquistão Nawaz Sharif
Paquistão Raheel Sharif
Paquistão Rizwan Akhtar
Afeganistão Ashraf Ghani
Afeganistão Abdullah Abdullah


Qais al-Khazali
Hadi al-Amiri


Egito Abdel Fattah el-Sisi
Egito Sedki Sobhi
Egito Younes Hamed
Líbia Aguila Saleh Issa
Líbia Khalifa Haftar
Líbia Saqer al-Joroushi


Nigéria Muhammadu Buhari
Chade Idriss Déby
Camarões Paul Biya
Níger Mahamadou Issoufou
Burundi Pierre Nkurunziza

Abu Bakr al-Baghdadi (Líder)[59]

Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Alaa Afri 
[60][61]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Mohammad al-Adnani
Abu Ayman al-Iraqi [62][63]
Abu Suleiman al-Naser [63]
Abu Muslim al-Turkmani [64]
Abu Ali al-Anbari

Akram Qirbash 
[61]
Abu Omar al-Shishani [65][66][67][68]
Abu Muhammad al-Kadari
Abu Sayyaf [69]
Abu Nabil al-Anbari [70]
22px Muhammand Abdullah
22px Salah Benali [71]
Abu Faruq al-Libi [72]
Ali al-Qarqaa
Ahmed al-Rouissi [73]
Abubakar Shekau [54]

Guerra contra o Estado Islâmico[74][75][76] teve início em resposta às rápidas conquistas territoriais feitas pelos militantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Daesh) durante o primeiro semestre de 2014; a brutalidade e os abusos dos direitos humanos condenados internacionalmente, levaram muitos países a intervir contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.[77] Em 2015, o Estado Islâmico avançou e se estabeleceu em outros países – como no Afeganistão para rivalizar com o Talibã, mas a OTAN deteve o seu avanço. O grupo, entretanto, já estava agindo nesta data na Segunda Guerra Civil Líbia desde 2014. Depois disso, a guerra contra o Estado Islâmico se expandiu para incluir Egito, Nigéria e Rússia, além da Turquia e Líbano.

Coalizões internacionais contra o Estado Islâmico[editar | editar código-fonte]

Coalizões lideradas pelos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CJTF–OIR

5 de setembro de 2014[editar | editar código-fonte]

À margem da cimeira da OTAN de 4 a 5 de setembro de 2014 no País de Gales, o secretário de Estado dos Estados Unidos John Kerry em 5 de setembro convocou os ministros do Reino Unido, França, Alemanha, Canadá, Austrália, Turquia e Itália, para uma reunião separada [78][79] na qual ele pressionou-os para apoiar uma luta contra o Estado Islâmico militarmente e financeiramente.[80] Os nove países concordaram em fazê-lo, apoiando as forças antiEstado Islâmico no Iraque e na Síria com suprimentos e apoio aéreo, de acordo com uma declaração daquele dia por Kerry e do secretário de Defesa dos Estados Unidos Chuck Hagel.[80]

3 de dezembro de 2014[editar | editar código-fonte]

Em 3 de dezembro de 2014, na sede da OTAN em Bruxelas, diplomatas [81] / ministros (das Relações Exteriores) [82] de 59 países se reuniram para planejar um rumo a seguir contra a ameaça do Estado Islâmico.[81] O secretário de Estado John Kerry declarou no encontro que "derrotar a ideologia, o financiamento, o recrutamento" do Daesh deveria ser o foco principal da discussão, mais importante do que os ataques aéreos e outras ações militares.[81]

Os países presentes em 3 de dezembro foram: os 10 países supracitados da coalizão de 5 de setembro no País de Gales (ver acima); com o acréscimo de 18 países da coalizão liderada pelos França em 15 de setembro em Paris (ver abaixo), exceto a China e a Rússia; e outros 33 países: Albânia, Áustria, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, Chipre, Estônia, Finlândia, Geórgia, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Kosovo, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, República da Macedônia, Moldávia, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Portugal, Coreia do Sul, Romênia, Sérvia, Singapura, Eslováquia, Eslovênia, Somália, Suécia, Taiwan e Ucrânia.[83]

Eles designaram-se como a Coalizão Mundial para Combater o Estado Islâmico do Iraque e do Levante e concordaram com uma estratégia que incluiria:

  • a exposição da verdadeira natureza do Estado Islâmico;
  • cortar o financiamento e fundos do Estado Islâmico;
  • apoio às operações militares.[83]

Coalizão liderada pela França[editar | editar código-fonte]

Em 15 de setembro de 2014 na "Conferência Internacional sobre a Paz e a Segurança no Iraque" oferecida pelo presidente francês François Hollande em Paris, 26 países estavam representados: os países da coalizão liderada pelos Estados Unidos, aquela de 5 de setembro no País de Gales (ver acima) que haviam concordado com uma coalizão contra o Estado Islâmico, exceto a Austrália e a Polônia, e, ainda: Barein, Egito, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Omã, Qatar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bélgica, China, República Checa, Japão, Países Baixos, Noruega, Rússia e Espanha.[84] Estes, comprometeram-se a apoiar o governo iraquiano com assistência militar em seu combate ao Estado Islâmico, e reafirmaram seu compromisso com a Resolução 2170 do Conselho de Segurança das Nações Unidas de 15 de agosto (condenando todo o comércio com o Estado Islâmico e exortando para evitar todas as doações financeiras e quaisquer pagamentos de resgates ao Estado Islâmico),[85] tal como relatou o governo francês.[84]

Em retaliação aos ataques de novembro de 2015 em Paris, a Força Aérea Francesa intensificou significativamente os ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria, atingindo dentre outras a cidade síria de Ar-Raqqah, a capital de facto do Estado Islâmico.

Coalizão liderada pela Rússia[editar | editar código-fonte]

No final de setembro de 2015, Rússia, Iraque, Irã e Síria criaram uma "central de informações conjunta" em Bagdá para "recolher, processar e analisar informações atuais sobre a situação no Oriente Médio - essencialmente para combater o Estado Islâmico".[86] Em 30 de setembro de 2015, a Rússia começou a sua campanha aérea em apoio ao governo sírio.

A Rússia também teria estabelecido acordos de coordenação de operações na Síria com a Jordânia e Israel.[87][88][89]

Em 14 de março de 2016, o presidente russo Vladimir Putin anunciou uma retirada parcial do território sírio, citando o sucesso do cessar-fogo permanente e uma maior segurança do governo sírio.[90]

Coalizão das nações islâmicas[editar | editar código-fonte]

Em 14 de dezembro de 2015, o príncipe herdeiro e ministro da Defesa saudita, Mohammad bin Salman Al Saud, anunciou que 34 países fariam parceria no combate contra o extremismo islâmico, o qual Salman chamou de "doença". Baseado fora de Riade, Arábia Saudita, a coalizão inclui: Barein, Bangladesh, Benin, Chade, Comores, Costa do Marfim, Djibuti, Egito, Gabão, Guiné, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Maldivas, Mali, Malásia, Marrocos, Mauritânia, Níger, Nigéria, Paquistão, Palestina, Catar, Arábia Saudita, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão, Turquia, Togo, Tunísia, Emirados Árabes Unidos e Iêmen.[91]

Iraque[editar | editar código-fonte]

Mapa da situação atual no Iraque, Síria e Líbano. Em cinza, os territórios controlados pelo Estado Islâmico.

Em dezembro de 2011, depois de oito anos de uma guerra que matou mais de 1 milhão de pessoas, os Estados Unidos retiraram suas tropas do Iraque.[92][93] Nos dois anos seguintes, a violência sectária e religiosa se intensificou no país. O conflito na vizinha Síria complicou ainda mais a situação, ao dar acesso fácil a armas e pessoal, por parte dos grupos jihadistas. Um destes grupos, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ou também conhecido pelas iniciais EIIL) se destacou por sua ferocidade, selvageria e eficiência em combate. Outrora conhecido como 'Al-Qaeda no Iraque', a organização se expandiu também para o território sírio, se aproveitando do caos que se instaurou na região. Em julho de 2014, lançou-se em uma grande ofensiva em solo iraquiano, conquistando facilmente uma enorme porção da região, forçando o recuo das forças de segurança do Iraque. Os combatentes do EIIL, liderados por Abu Bakr al-Baghdadi, proclamaram então a criação de um Califado islâmico, governado pela xaria, a lei do islã.[94]

Intervenção ocidental[editar | editar código-fonte]

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ordenou então o envio de 800 militares ao Iraque, em julho de 2014, para aconselhar o governo iraquiano, além de proteger a embaixada do país em Bagdá e o consulado Erbil, no norte.[95] No começo de agosto, mais 130 soldados foram enviados.[96] Enquanto isso, milhares de refugiados yazidis, membros de uma minoria religiosa curda, ficaram presos no monte Sinjar, cercado pelos extremistas do EIIL. Aviões americanos bombardearam então a base da montanha e eventualmente romperam o cerco, permitindo a fuga das pessoas no cume. Suprimentos e ajuda humanitária também foram enviadas.[97] Nas semanas seguintes, os Estados Unidos lançaram mais de 200 ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico no Iraque. Os bombardeios eventualmente se expandiram para a Síria. Em solo iraquiano, as incursões aéreas conseguiram conter boa parte dos avanços dos islamitas, enquanto as forças curdas e do exército iraquiano tentavam contra-atacar para recuperar o terreno perdido. Enquanto isso, a situação humanitária se agravava, gerando ondas de refugiados, enquanto centenas de pessoas morriam nas frentes de batalha.[98]

Depois de ter iniciado o sobrevoo de aeronaves tripuladas sobre o Iraque e enviado algumas tropas para o Iraque em junho, os Estados Unidos passaram em agosto de 2014 a abastecer os Peshmerga curdos iraquianos com armas, ajuda humanitária por alimentos para os refugiados que fugiam do Estado Islâmico, e ataques aéreos contra o grupo no Iraque.

Em 9 de agosto, discursando sobre os ataques aéreos no Iraque, o presidente Barack Obama declarou que "este será um projeto a longo prazo".[99] Desde então, nove países, aliados com os Estados Unidos, têm também efetuado ataques aéreos ao Estado Islâmico no Iraque e vários países tem contribuído com ajuda militar às forças terrestres iraquianas e curdas e ajuda humanitária.

Em 16-19 de agosto, de acordo com os Estados Unidos, as forças curdas iraquianas e com a ajuda de ataques aéreos dos Estados Unidos retomaram a represa de Mosul, a maior represa do Iraque. O presidente Obama anunciou, em 10 de setembro de 2014, que o número de ataques aéreos no Iraque aumentaria e que enviará mais 500 soldados para o Iraque.[100]

Ajuda militar para curdos e iraquianos[editar | editar código-fonte]

Em 5 de agosto de 2014, Zalmay Khalilzad, ex-embaixador dos Estados Unidos no Iraque e nas Nações Unidas, escreveu no Washington Post que os Estados Unidos estão envolvidos no "fornecimento direto de munições para os curdos e, com concordância de Bagdá, no envio de algumas armas do programa Foreign Military Sales para os curdos".[101][102] Os Estados Unidos passaram do fornecimento indireto ao Curdistão com armas de pequeno porte através da CIA para dar-lhes armas diretamente, tais como sistemas antitanques portáteis.[103]

Em um esforço coordenado liderado pelos Estados Unidos, muitos países aliados, incluindo os membros da OTAN e os parceiros do Oriente Médio, estariam fornecendo ou planejando abastecer as forças iraquianas e/ou curdas com equipamento militar pesado, armas de pequeno calibre, munição, equipamentos militares não letais e apoio de formação.

Esforços humanitários[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália, apoiados por parceiros internacionais, lançaram um grande esforço humanitário para apoiar os refugiados retidos no norte do Iraque. Isto incluiu dezenas de milhares de refeições e milhares de galões de água potável para os refugiados yazidis retidos nas Montanhas Sinjar e ameaçados pelo avanço das forças do Estado Islâmico, entre 7 e 14 de agosto de 2014, no que mais tarde seria descrito como "a primeira entrega aérea em massa de carga humanitária desde a eclosão da violência em Timor Leste em 1999".[104][105][106][107][108]

Ações militares e bombardeios[editar | editar código-fonte]

Um dos fatores que mudou a opinião pública no ocidente em favor de ataques contra os militantes do EIIL foi a decapitação de três cidadãos estrangeiros no deserto Sírio, os americanos James Foley e Steven Sotloff e o britânico David Haines. Em julho de 2014, homens da Força Delta (um grupo de operações especiais do exército americano) tentaram resgatar Foley, que estava cativo na região de Uqayrishah, perto de Ar-Raqqah, na Síria. A missão fracassou e terminou com um soldado ferido e pelo menos cinco extremistas mortos. Este foi o primeiro confronto travado em solo entre forças do Estado Islâmico e dos Estados Unidos.[109]

Os ataques aéreos continuaram durante o fim de setembro. Aviões franceses e americanos conduziam missões diárias para atacar alvos do Estado Islâmico na região norte do Iraque. Dezenas de militantes do grupo foram mortos, mas os avanços feitos pelos aliados iraquianos e curdos no solo foi considerado pequeno. Mesmo assim, a primeira fase da expansão da campanha de bombardeios foi chamada pelo Pentágono de um 'sucesso'.[110] No dia 27, o Reino Unido se juntou a coalizão, expandindo a campanha de bombardeios. Outros países europeus, como Holanda, Bélgica e Dinamarca também enviaram equipamentos e aviões para combater o EIIL no Iraque.[111] Enquanto as incursões aéreas na região se intensificavam, o parlamento da Turquia aprovou uma resolução que autorizava os militares do país a combater o Estado Islâmico, tanto na Síria, quanto no Iraque. Também foi aprovado o uso de bases aéreas do país por aeronaves da OTAN.[112]

Após meses de ataques aéreos contínuos, a eficiência da campanha começou a ser avaliada e dividiu opiniões. Em abril de 2015, o Estado Islâmico havia perdido pelo menos 25–30% do território que havia conquistado no Iraque com suas ofensivas até dezembro de 2014.[113] No começo de 2015, apesar dos aviões aliados terem detido a ofensiva do EIIL contra Bagdá e ter auxiliado o exército iraquiano na retomada de Tikrit, apenas algumas semanas depois, os fundamentalistas fizeram progressos na província de Al-Anbar, tomando a cidade de Ramadi (a capital regional).[114] Até meados de 2015, pelo menos 10 mil islamitas morreram nos bombardeios aéreos da Coalizão (incluindo baixas na Síria).[115]

Ao fim de outubro de 2015, os Estados Unidos enviaram a Força Delta para apoiar uma incursão curda na região de Hawija, com o objetivo de libertar pelo menos 70 reféns que, segundo informações de inteligência, estavam para ser executados pelo Estado Islâmico. A missão foi um sucesso, mas um militar americano (o sargento Joshua Wheeler) acabou sendo morto, sendo esta a primeira fatalidade sofrida em combate pelas tropas estadunidenses no Iraque desde 2011. Incursões de forças especiais dos Estados Unidos no Iraque eram raras antes desta missão, com o objetivo dos seus oficiais por lá sendo de majoritariamente apenas de fornecer apoio para os iraquianos e curdos na sua luta contra o terrorismo.[116] Em dezembro, aviões aliados (a maioria pertencentes a força aérea americana) forneceram vital apoio para as tropas iraquianas no solo enquanto estes reconquistavam a importante cidade de Ramadi.[117] Segundo a liderança da coalizão americana que bombardeia o Iraque, o EIIL perdeu cerca de 40% do seu território em solo iraquiano entre maio de 2015 e janeiro de 2016.[118] Já em maio de 2016, o Pentágono reportou que o Estado Islâmico perdeu quase a metade da área sob seu domínio no Iraque.[119]

Intervenção iraniana[editar | editar código-fonte]

Em meados de junho de 2014, de acordo com fontes estadunidenses e britânicas, o Irã enviou Qasem Soleimani, major-general do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica, ao Iraque ajudá-lo a se organizar contra o Estado Islâmico.[120] O Irã passou a conduzir drones sobre o Iraque,[121] e, de acordo com fontes como a Reuters, soldados iranianos estavam no Iraque combatendo o Estado Islâmico.[122]

Um correspondente de guerra sugeriu que o Irã em 21 de junho "se juntou à guerra aérea" do Iraque o Estado Islâmico.[123]

Em julho, de acordo com o International Institute for Strategic Studies, o Irã enviou diversas aeronaves Su-25 ao Iraque [124] apoiado pelas equipes de terra iranianos-iraquianos treinados no Irã.[125] No início de agosto, os Su-25 começaram a combater o Estado Islâmico, de acordo com a Business Insider.[125]

Em setembro, de acordo com a Business Insider, o pessoal iraniano da Força Quds foram mobilizadas para Samarra, Bagdá, Karbala, e o posto militar estadunidense abandonado anteriormente conhecido como Camp Speicher.[125] No final de novembro de 2014, um site israelense afirmou ter visto caças iranianos F-4 Phantom II bombardeando o Estado Islâmico no nordeste do Iraque;[126] o exército estadunidense vagamente confirmou isso.[127]

Entre março e maio de 2015, comentaristas estadunidenses indicaram o general iraniano Qasem Soleimani como "liderança estratégia militar do Iraque contra o Estado Islâmico".[128][129]

Envolvimento do Hezbollah[editar | editar código-fonte]

Já "durante muito tempo" antes de junho de 2014, o Hezbollah possuía alguma presença no Iraque por assessores oferecendo orientação aos combatentes xiitas, de acordo com um comandante do Hezbollah entrevistado pelo jornal The National.[130]

Em junho de 2014, o Hezbollah teria criado um centro de comando específico no Líbano para monitorar a situação no Iraque.[131] O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, em 17 de junho, afirmou que o partido estava "pronto para sacrificar os mártires no Iraque cinco vezes mais do que aqueles que sacrificaram na Síria a fim de proteger santuários".[132]

Em julho de 2014, o Hezbollah enviou mais formadores técnicos e consultores para o Iraque, para monitorar os movimentos do Estado Islâmico de acordo com um comandante do Hezbollah entrevistado pelo jornal The National nos Emirados Árabes Unidos.[130] Pouco tempo depois, foi relatado que o comandante do Hezbollah Ibrahim al-Hajj foi morto em ação perto de Mosul.[130]

Numa matéria de agosto a Reuters relatou que havia "dezenas" de "veteranos aguerridos" do Hezbollah no Iraque, enquanto o Christian Science Monitor informou que o partido havia implantado uma unidade de 250 homens "encarregados de assessorar, treinar e coordenar as milícias xiitas iraquianas."[133][134]

Em fevereiro de 2015, Nasrallah admitiu que havia enviado tropas para combater no Iraque.[135]

Síria[editar | editar código-fonte]

Intervenção árabe-ocidental[editar | editar código-fonte]

Tentativa de resgate de reféns[editar | editar código-fonte]

Em 4 de julho de 2014, os Estados Unidos bombardearam a base militar "Osama bin Laden" do Estado Islâmico na aldeia de Uqayrishah, Síria. Duas dezenas de comandos estadunidenses da Delta Force, em seguida, aterrissaram em um esforço para resgatar os reféns, incluindo James Foley.[136][137][138][139] Em uma série de vídeos, Foley, Steven Sotloff, e vários outros reféns foram assassinados.[140][141]

Vigilância aérea[editar | editar código-fonte]

Em 26 de agosto de 2014, os Estados Unidos começaram a enviar voos de vigilância, incluindo drones, para a Síria para recolher informações. Não foi requisitada permissão a República Árabe Síria.[142][143]

Em 28 de agosto, falando sobre o combate ao Estado Islâmico na Síria, o presidente Obama disse que "não temos uma estratégia ainda." [144]

A Royal Air Force britânica vinha operando sobre a Síria em uma função de vigilância desde 21 de outubro de 2014, fazendo com que o Reino Unido fosse o primeiro país ocidental, a exceção dos Estados Unidos, a operar no Iraque e na Síria simultaneamente.[145]

Armando e treinando os rebeldes[editar | editar código-fonte]

Sob a direção do presidente Obama, a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos desempenhou um papel ativo desde os primeiros estágios da Guerra Civil Síria.[146][147] Os Estados Unidos inicialmente forneceram aos rebeldes moderados do Exército Sírio Livre ajuda não-letal, mas logo aumentaram ao fornecer treinamento, dinheiro e inteligência para comandantes rebeldes selecionados.[148][149][150] Em 17 de setembro de 2014, a Câmara dos Representantes votou em autorizar as despesas para treinar e armar os rebeldes sírios moderados.[151][152]

O Reino Unido anunciou em março de 2015, que iria enviar 75 militares para ajudar a treinar as forças sírias moderadas no uso de armas de pequeno porte, táticas de infantaria e habilidades médicas básicas. A formação teria lugar na Turquia como parte do esforço liderado pelos Estados Unidos. .[153]

De acordo com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, a Arábia Saudita propôs que forneceriam treinamento para os rebeldes sírios para que pudessem voltar para a Síria e combater o Estado Islâmico.[154]

A partir de setembro de 2015, os resultados eram limitados, com apenas num pequeno número treinados e muitos capturados, mortos ou não combatendo.[155][156][157]

Ações militares e bombardeios[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Intervenção militar na Síria

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama anunciou, em 10 de setembro de 2014, que pretendia iniciar os ataques aéreos na Síria, com ou sem a aprovação do Congresso.[100] A partir de 22 de setembro de 2014, Estados Unidos, Barein, Jordânia, Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos iniciaram os bombardeios contra posições do Estado Islâmico na Síria [158] com caças, bombardeiros e mísseis de cruzeiro Tomahawk baseados no mar. [159] Os bombardeios continuariam acontecendo na Síria diariamente. Além disso, na primeira noite, as forças estadunidenses lançaram oito ataques de mísseis de cruzeiro contra o Khorasan, afiliados al-Qaeda. [160] Do início de novembro ao início de dezembro de 2014, os Estados Unidos lançaram ataques aéreos adicionais contra o mesmo grupo. Em novembro de 2014, o Marrocos enviou 3 F-16 para serem implantados nos Emirados Árabes Unidos para combater o Estado Islâmico no Iraque e na Síria no âmbito das operações lideradas pelos estadunidenses.[14][15][16][17]

Em 2 de dezembro, o Parlamento do Reino Unido votou a favor (397 a 223) autorizando os ataques aéreos na Síria. [161] Em poucas horas, os jatos Tornado da RAF realizaram os seus primeiros ataques aéreos, tendo como alvo os campos de petróleo Omar no leste da Síria, que estavam sob controle do Estado Islâmico. [162] Em 4 de dezembro de 2015, a Alemanha interveio em reação aos ataques de novembro de 2015 em Paris através do envio de uma fragata e aviões de reconhecimento Panavia Tornado para a região. [163] Em 29 de janeiro de 2016, os Países Baixos anunciaram sua intenção em expandir suas operações de ataque aéreo à Síria. [164]

Intervenção russa[editar | editar código-fonte]

Representantes russos e estadunidenses se reúnem para discutir a situação na Síria em 29 de Setembro de 2015.

Em 11 de setembro de 2015, uma fonte militar síria fez menção de tropas russas presentes na Síria para ajudar o governo sírio em sua luta contra o Estado Islâmico (Daesh), como parte da Operação Resgate.[165][166] Em 17 de setembro, aviões de guerra sírios efetuaram uma onda de bombardeios na cidade de Ar-Raqqah, mantida pelo Estado Islâmico, com armas russas fornecidas pelas Forças Armadas Russas.[167] Em 20 de novembro, a Rússia afirmou ter matado mais de 600 pessoas usando mísseis de cruzeiro em uma missão.[168]

Em dezembro de 2015 a Rússia entra oficialmente a Guerra Civil Síria e contra o Estado Islâmico; já em 14 de março de 2016, o presidente russo anunciou oficialmente o início da retirada das tropas russas da Síria.[169]

Líbia[editar | editar código-fonte]

Ataques aéreos egípcios[editar | editar código-fonte]

Após o Estado Islâmico assassinar 21 cristãos coptas egípcios na Líbia,[170] o Egito realizou ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Líbia em 16 de fevereiro de 2015, matando um total de 64 militantes (50 em Derna).[171] Os bombardeiros agindo sob ordens do governo "oficial" da Líbia também atacaram alvos em Derna, supostamente em coordenação com os ataques aéreos do Egito.[172] Um oficial líbio afirmou que mais ataques aéreos conjuntos seguiriam.[172]

Voos de vigilância dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A preocupação com as atividades do Estado Islâmico em Distrito de Derna na Líbia em dezembro de 2014 levou a drones e aviões de vigilância eletrônica estadunidenses a fazerem "voos constantes" de bases italianas sobre o Distrito de Derna.[173]

Ataques aéreos estadunidenses[editar | editar código-fonte]

Em 13 de novembro de 2015, os Estados Unidos lançaram um ataque aéreo em Derna, Líbia. Dois caças F-15E alvejaram o alto dirigente do Estado Islâmico Abu Nabil al-Anbari no ataque aéreo, que era o principal comandante do Estado Islâmico na Líbia.[174][175] Em janeiro de 2016, a facção líbio do Estado Islâmico confirmou a morte de Abu Nabil num elogio a ele.[176]

Oficiais do governo estão considerando um novo plano de campanha para a Líbia que aprofundaria o envolvimento militar e diplomático dos Estados Unidos em mais uma frente contra o Estado Islâmico. Os Estados Unidos e seus aliados estão a aumentar voos de reconhecimento e de recolha de informações - e até mesmo preparar-se para possíveis ataques aéreos e incursões de acordo com altos oficiais estadunidenses. As forças de Operações Especiais reuniram-se com vários grupos líbios durante os últimos meses para os examinar para uma possível ação contra o Estado Islâmico.[177]

Em 19 de fevereiro de 2016, aeronaves estadunidenses realizaram um ataque aéreo em alvos múltiplos na Líbia, atingindo um campo de treinamento do Estado Islâmico e um importante líder extremista. O objetivo era desmantelar um grupo de radicais tunisianos que estavam supostamente relacionados com os dois ataques do ano anterior na Tunísia; o campo de treinamento estava situado próximo a Sabrata e 60 pessoas estavam presentes no campo no momento do ataque, mais de 40 pessoas foram mortas além de feridos, alguns gravemente.[178][179]

Outras ações[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2016, o jornal francês Le Monde afirmou que forças especiais francesas estavam estabelecidas em território líbio para missões especiais de combate tal como o Reino Unido que também implantou suas forças especiais no território líbio. Ainda de acordo com o jornal, a França conduz operações militares clandestinas na Líbia, ou seja, ações de comandos, sabotagem e assassinatos seletivos contra militantes ou dirigentes do Daesh, como parte de uma estratégia ocidental contra o terrorismo islâmico em todo o Magrebe. A aviação francesa também contribui para operações de informação e espionagem, em estreita colaboração com a força aérea dos Estados Unidos, como resultado de uma concertação do mais alto nível.[180]

Os militares dos Estados Unidos acompanham de perto os movimentos do Estado Islâmico na Líbia, e pequenas equipes de militares estadunidenses se deslocaram dentro e fora do país durante um período de meses. As forças especiais britânicas, francesas e italianas, bem como a Força Aérea Real britânica, também foram a Líbia ajudar com vigilância aérea, mapeamento e coleta de informações em várias cidades, incluindo Bengazi, no leste e Zintan, no oeste, de acordo com dois oficiais militares líbios.[181][182]

Em 27 de fevereiro de 2016, The Telegraph relatou que forças especiais britânicas haviam sido implantadas juntamente com os seus homólogos estadunidenses na cidade de Misrata para impedir que militantes islamitas avançassem, sua principal função era dar treinamento tático para milícias locais e construir um exército para combater o Estado Islâmico. Em um plano divulgado no final de 2015, os britânicos iriam oferecer ao governo líbio 1.000 soldados como parte dos 5000 combinados com a Itália, para treinar e equipar as forças líbias ao invés de participar de um combate na linha de frente.[183] Além disso, o ministro da defesa britânico Michael Fallon anunciou que a Grã-Bretanha estaria enviando 20 soldados da 4ª Brigada de Infantaria para a Tunísia para ajudar a prevenir que combatentes do Estado Islâmico de se deslocarem para o país a partir da Líbia.[184]

Turquia[editar | editar código-fonte]

O Estado Islâmico é suspeito de envolvimento ou possui responsabilidade pelos ataques terroristas na Turquia de maio de 2013 em Reyhanlı e de março de 2014 contra a polícia turca, pelo sequestro de 49 diplomatas turcos em junho de 2014, pelo ataques bombistas de junho de 2015 em uma manifestação em Diyarbakır e pelo atentado de Suruç de 20 de julho de 2015 que matou 32 jovens ativistas.

O governo turco até julho de 2015, atacaria militarmente uma vez o Estado Islâmico, em janeiro de 2014. Em setembro 2014 a Turquia se juntou a uma coalizão liderada pelos Estados Unidos "para combater o Estado Islâmico".

Em 23 de julho de 2015, a Turquia permitiu que os Estados Unidos utilizassem as bases aéreas de Incirlik e Diyarbakır no sul da Turquia para ataques aéreos ao Estado Islâmico. Também em 23 de julho, após um suposto ataque do Estado Islâmico em um posto de fronteira turco na província de Kilis mata um soldado turco, o exército turco ataca com tanques militantes do Estado Islâmico na Síria matando um militante e destruindo vários veículos.

Em 24 de julho de 2015, uma denúncia anônima apareceu em um jornal / website turco afirmando que os Estados Unidos tinham acordado com a Turquia uma "zona de exclusão aérea parcial" no norte da Síria. Embora nenhuma declaração oficial sobre a zona fosse divulgada, os analistas ainda especulam sobre os reais motivos e objetivos da Turquia e dos Estados Unidos com a suposta "zona tampão" ou "zona livre".

Apesar da aparente ambiguidade na postura da Turquia com relação ao Estado Islâmico[185][186][187][188], em 24 e 25 de julho (em uma operação militar intitulada "Operação Martyr Yalçın") a força aérea do país iniciou uma vasta ofensiva contra o Estado Islâmico e o Partido dos Trabalhadores do Curdistão[189] implantando pelo menos 70 aviões de combate F-16; a Turquia teria bombardeado pelo menos oito posições do Estado Islâmico no norte da Síria, matando 35 militantes.

Em 28 de novembro de 2015, o exercito sírio denunciou um ataque turco contra uma de suas posições no norte da província de Lataquia (noroeste da Síria). Os bombardeios ocorreram na localidade de Harcele, perto da fronteira turca, em uma operação realizada por dois caças F-16.[190] Os bombardeios foram uma retaliação por um atentado terrorista atribuído ao Estado Islâmico no centro de Ancara, onde foram mortos uma centena de cidadãos turcos.[190]

Depois destes acontecimentos, as publicações do Estado Islâmico teriam aumentado a retórica contra o governo turco, condenando-o como um dos muitos "regimes apóstatas" que se aliaram com os "cruzados".[191] Em uma artigo em língua turca, a revista eletrônica mensal do Estado Islâmico Konstantiniyye, prometeu a "conquista de Istambul".[192]

Entretanto, as autoridades turcas detiveram cerca de 1.200 pessoas no interior da Turquia ao longo do último ano por ligações suspeitas com o Estado Islâmico.[193] Isto significa que a Turquia está ativa na guerra contra o grupo.[192]

Em 12 de janeiro de 2016, um homem-bomba do Estado Islâmico perpetrou um ataque terrorista em Istambul na histórica Praça Sultanahmet, matando 12 pessoas. Em resposta ao atentado, o exército turco iniciou ataques de tanques e de artilharia contra posições do Estado Islâmico na Síria e no Iraque matando cerca de 200 combatentes.[194] Em 19 de março, um segundo atentado suicida do Estado Islâmico aconteceu no distrito de Beyoglu, em Istambul. O ataque matou quatro [195] e feriu 36 pessoas.[196][197]

Líbano[editar | editar código-fonte]

Em 2 de agosto de 2014, os militantes do Estado Islâmico combateram nas colinas libanesas de Arsal contra tropas libanesas, resultando em 14 suboficiais e dois oficiais mortos e dezenas de jihadistas sunitas mortos nos combates. Por outro lado, 22 soldados e 20 policiais desapareceram, e 85 soldados ficaram feridos, segundo o exército e uma fonte de segurança. Os jihadistas sequestrariam então 19 soldados e 15 policiais libaneses.[198] Além disso, em 28 de agosto foram liberados cinco militares libaneses. Não seria a primeira vez que isso acontece, já que sete foram sequestrados anteriormente.

Qaa e Nahle[editar | editar código-fonte]

Em 28 de março de 2015, as unidades de elite do exército libanês avançaram no nordeste do Líbano, tomando o controle de duas posições estratégicas, as operações foram rápidas e conseguiram recuperar posições nas localidades de Qaa e Nahle, na região de Arsal, fronteiriça com a Síria. Estas áreas, tal como outra colina recuperada no mês anterior, que foram ocupadas por grupos armados extremistas, são estratégicas porque a partir delas fazem divisa com a Síria.[199]

Hezbollah[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2015, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, afirmou que o Estado Islâmico e a Al Nusra haviam tomado uma posição no Líbano e que batalhas ferozes eram travadas entre ambos e o Hezbollah, bem como entre si.[200]

Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2015, o subcomandante do Estado Islâmico Mulá Abdul Rauf Khadim foi morto em um ataque por drone estadunidense, juntamente com outros cinco; seu sucessor, teria o mesmo destino um mês mais tarde, e desde então, o Estado Islâmico estaria ausente a partir do sul do Afeganistão.[201][202]

Um relatório afirma que, de acordo com um porta-voz do Tehrik-i-Taliban Pakistan em julho de 2015, um ataque por drone estadunidense matou Shahidullah Shahid, um importante líder do grupo Estado Islâmico para a região de Khorasan (partes do Irã, Turcomenistão e Afeganistão), e outros 24 militantes, na província de Nangarhar no Afeganistão.[203]

Em janeiro de 2016, o presidente Obama enviou uma diretiva para o Pentágono para tornar mais fácil para as forças armadas obterem a aprovação para ataques no Afeganistão, tendo como alvo as milícias que prestaram juramento de fidelidade ao Estado Islâmico.[204] Por três semanas no mesmo mês, as forças armadas dos Estados Unidos realizaram pelo menos uma dezena de operações, incluindo incursões de comandos e ataques aéreos, com muitas destas incursões e ataques ocorrendo na região de Tora Bora, província de Nangarhar. Os comandantes estadunidenses no Afeganistão afirmaram que acreditavam que entre 90 e 100 militantes do Estado Islâmico haviam sido mortos nestas operações recentes.[205] Em 1 de fevereiro de 2016, os ataques aéreos dos Estados Unidos na província de Nangarhar, a leste do Afeganistão, mataram 29 combatentes do Estado Islâmico e atingiram uma estação de rádio FM do grupo terrorista.[206] Em 21 de fevereiro, foi relatado que pouco mais de uma semana antes, as forças afegãs apoiadas por ataques aéreos estadunidenses expulsaram os militantes do Estado Islâmico do seu reduto na província de Nangarhar em uma operação militar em curso e mataram um total de 43 militantes do Estado Islâmico até 22 de fevereiro.[207][208][209] Em 6 de março de 2016, o presidente do Afeganistão anunciou que o Estado Islâmico havia sido derrotado nas partes orientais do país; as forças afegãs reivindicaram a vitória na sequência de uma operação de 21 dias em dois distritos na província de Nangarhar, alegando que pelo menos 200 militantes foram mortos.[210] Na sequência desta operação, um oficial confirmou que militantes do Estado Islâmico haviam se deslocado para a província de Kunduz e a província de Kunar.[211][212]

África Central[editar | editar código-fonte]

Camarões[editar | editar código-fonte]

Em 19 de janeiro de 2015, várias pessoas foram mortas e 60 foram sequestradas em um ataque pelo grupo terrorista Boko Haram no norte dos Camarões,[213] coincidindo com a chegada das tropas do Chade ao país para deter o avanço dos jihadistas nigerianos.

Em outubro de 2015, com a aprovação do governo camaronês, os militares estadunidenses implantaram 300 oficiais nos Camarões, suas missões primordiais visam fornecer suporte de inteligência para as forças locais, bem como a realização de voos de reconhecimento.[214][215]

Chade[editar | editar código-fonte]

O Boko Haram chegou ao Chade em 2015. Ademais, as tropas dos Camarões e do Chade entraram em confronto em 4 de fevereiro do mesmo ano com o Boko Haram na cidade de Fotokol, na fronteira entre Camarões e Nigéria.[216]

Envolvimento por país[editar | editar código-fonte]

A tabela abaixo resume o nível de envolvimento de cada país na guerra global contra o Estado Islâmico.

Legenda:
  •  Militar 
  •  Ajuda militar 
  •  Ajuda humanitária 
  •  Ajuda de inteligência 
Country No Iraque Na Síria Na Líbia Na Nigéria[217] No Afeganistão
 Afeganistão
 Albânia
 Australia
 Austria
 Bahrain
 Bélgica
 Bósnia e Herzegovina
 Bulgária
 Camarões
 Canadá
 Chade
 Croácia
 República Checa
 Dinamarca
 Egito
 Estônia
 França
 Alemanha
 Grécia
 Hungria
 Indonésia
 Irã
 Iraque
 Irlanda
 Israel
 Itália
 Japão
 Jordânia
 Kuwait
 Líbano
 Líbia
 Luxemburgo
 Marrocos
 Países Baixos
 Nova Zelândia
 Niger
 Nigéria
 Noruega
 Polônia
 Qatar
 Rússia
 Arábia Saudita
 Singapura
 Eslováquia
 Eslovênia
 Coreia do Sul
 Espanha
 Sudão
 Suécia
 Síria
 Turquia
 Emirados Árabes Unidos
 Reino Unido [218] [219] [220]
 Estados Unidos

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ISIS Lost 40 Percent of Territory in Iraq, 20 Percent in Syria: Coalition Spokesman
  2. «Bustle» 
  3. «Isis controls over 50% of Syria after taking Palmyra». Newsweek. 21 de maio de 2015 
  4. «RAF jets sent on Iraqi combat mission». BBC News. 27 de setembro de 2014 
  5. «Syria air strikes conducted by UK military pilots». BBC News. 17 de julho de 2015 
  6. «UK troops to train moderate Syrian opposition». Ministry of Defence. 26 de março de 2015 
  7. «Australia says it is deploying warplanes to join Iraq campaign». The Daily Telegraph. Yahoo. 22 de setembro de 2014 
  8. Om, Jason (9 de setembro de 2015). «Federal Cabinet gives go ahead to RAAF air strikes on Islamic State in Syria». ABC News 
  9. «Islamic State: France ready to launch Iraq air strikes». BBC. 18 de setembro de 2014 
  10. «France bombs Isis depot in Iraq». The Guardian. 21 de setembro de 2014 
  11. «Dutch send fighter jets to strike Iraq». Yahoo 
  12. Young (15 de agosto de 2014). «Britain ready to supply Kurds with arms». Reutersfirst=Sarah 
  13. «Jordan carries out air strikes in Iraq, killing 55 IS militants». i24 News. i24 News. 4 de fevereiro de 2015 
  14. a b Morocco is the latest Arab nation to respond to an American appeal for more firepower, sending several F-16s to the fight [1]
  15. a b Morocco is to send F-16s to attack the militants under the US-led operation [2]
  16. a b Officials said the North African kingdom has agreed to join the U.S.-led coalition air strikes against ISIL positions in Iraq and Syria.[3]
  17. a b «Moroccan F-16 Carry Out Airstrikes Against ISIS». Morocco World News 
  18. «Battling Dutch, Belgium prepare to send forces». MSN. Arquivado do original em 29 de setembro de 2014 
  19. «Denmark, Isis». The Huffington Post. 9 de setembro de 2014 
  20. a b «Sweden rejects calls for military support to Iraq». The Local. SE. 18 de agosto de 2014 
  21. «Turkey trains Kurdish peshmerga forces in fight against ISIL». world bulletin.net 
  22. «Turkey bombs Islamic State targets in Syria». BBC News. 24 de julho de 2015 
  23. Likmeta, Besar (27 de agosto de 2014). «Albania Starts Shifting Weapons to Iraqi Kurds». Balkan Insight 
  24. Klix.ba. «BiH će Iraku donirati više od 15 miliona metaka za borbu protiv IDIL-a». klix.ba(In Bosnian). Bosnia and Herzegovina 
  25. «До 2020 година 1.8 млрд. лв. ще бъдат вложени в армията» [1.8 bln. lv will be invested in the military by 2020] (em búlgaro). BG: Dir. 20 de setembro de 2014. Shalamanov does not consider the conflict in Ukraine to be the only short-term threat for Bulgarian national security, which is why our country is sending armaments to the opponents of Islamic State... According to him, the events in northern Iraq and Syria represent a growing risk that threatens our national interests. 
  26. «Hrvatska u borbi protiv islamista: Na zahtjev SAD-a šaljemo oružje za iračku vojsku». Jutarnji list (em croata). HR. 21 de agosto de 2014 
  27. «Cyprus says facilities at France's disposal to fight Islamic State». Cyprus. 19 de novembro de 2015 
  28. a b c d e f g h i j Payne, Sebastian (22 de setembro de 2014). «What the 60-plus members of the anti-Islamic State coalition are doing». Washington Post. US 
  29. «Syria conflict: German MPs vote for anti-IS military mission». BBC News. 4 de dezembro de 2015 
  30. «Germany joins anti-Isis military campaign». theguardian. 4 de dezembro de 2015 
  31. «German parliament approves anti-IS Bundeswehr mission in Syria». Deutsche Welle. 4 de dezembro de 2015 
  32. «Greece Brings War Against the Islamic State». Greek Reporter. 25 de setembro de 2014 
  33. «L'Italia pronta a bombardare Isis in Iraq. La Difesa: ipotesi da valutare». Corriere della Sera. Consultado em 10 de outubro de 2015 
  34. «Isis, Corriere della Sera: "Italia bombarderà lo Stato islamico in Iraq". Difesa: "Solo ipotesi"». L'Huffington Post 
  35. «UAE 'pulls out' of coalition air strikes against ISIL». Al Jazeera English. Al Jazeera. 4 de fevereiro de 2015 
  36. «Singapore will join coalition against Islamic State». Channel NewsAsia. SG. 3 de novembro de 2014 
  37. a b Nissenbaum, Dion (14 de agosto de 2014). «US Military Shifts to Helping Kurds Fight Back». The Wall Street Journal 
  38. Weaver, Matthew (14 de agosto de 2014). «Iraq crisis: EU backs plans by member states to arm Kurd fighters». The Guardian 
  39. «Polish Aid For Refugees from Nineveh in Iraq». PL: MSZ 
  40. Rousek, Leos (14 de agosto de 2014). «Slovakia Launches Aid for Displaced Civilians in Northern Iraq». The Wall Street Journal (blog) 
  41. «Joint Statement Issued by Partners at the Counter-ISIL Coalition Ministerial Meeting». U.S. Department of State. 3 de dezembro de 2014. Consultado em 30 de setembro de 2015 
  42. «Confirmed: Israel Providing Intel Against ISIS – Defense/Security – News – Arutz Sheva». Arutz Sheva 
  43. «Russia conducts first airstrike in Syria». CNN. 30 de setembro de 2015 
  44. «В Ирак прибыла партия российских истребителей "Сухой"» 
  45. Sputnik (20 de fevereiro de 2015). «US-Russia Exchange of Intelligence to Fight ISIL Possible– Security Service» 
  46. «Россия направила в Сирию 15 тонн гуманитарной помощи». Российская газета 
  47. «Россия отправила в Ирак 40 тонн гуманитарной помощи». Рамблер-Новости 
  48. «Tehran's Boots on the Ground». Foreign Policy. 9 de setembro de 2014 
  49. Blanford, Nicholas (16 de julho de 2014). «Why Hezbollah is playing a smaller role in this Iraqi conflict». Christian Science Monitor 
  50. Hezbollah chief admits his militia is fighting in Iraq - Al Arabiya
  51. Schmitt, Eric; Rubin, Alissa J. (12 de julho de 2014). «US and Iraqis Try to Fragment Extremist Group». The New York Times 
  52. Duell, Mark (14 de outubro de 2014). «Now ISIS is under attack from guerrillas itself: Ultra-secret White Shroud group strike fear into terrorists by picking off fighters one by one». Daily Mail. London 
  53. «Algerian army claims killing 22 Isis-inspired Islamists». International Business Times. 20 de maio de 2015 
  54. a b «Boko Haram swears formal allegiance to ISIS». Fox News. 8 de março de 2015 
  55. Los Angeles Times (28 de novembro de 2014). «Islamic State, rival Al Nusra Front each strengthen grip on Syria». latimes.com 
  56. Master. «Negotiations failed between the IS, Jabhat al-Nusra and Islamic battalions». Syrian Observatory For Human Rights 
  57. «War of Words Between al Qaeda and ISIS Continues With Scholar's Smackdown». NBC News 
  58. «France strikes Islamic State group's depot in Iraq». ABC News 
  59. Abdelhak Mamoun. «ISIS leader al-Baghdadi is incapacitated, says the Guardian». Iraq news, the latest Iraq news 
  60. «Report: A former physics teacher is now leading ISIS - Business Insider». Business Insider. 23 de abril de 2015 
  61. a b «ISIS' Abu Alaa al-Afri killed alongside dozens of followers in air strike - Daily Mail Online». Mail Online. London. 13 de maio de 2015 
  62. Hubbard, Ben; Schmitt, Eric (27 de agosto de 2014). «Military Skill and Terrorist Technique Fuel Success of ISIS». New York Times 
  63. a b Alessandria Masi (11 de novembro de 2014). «If ISIS Leader Abu Bakr al-Baghdadi Is Killed, Who Is Caliph Of The Islamic State Group?». International Business Times 
  64. Matt Bradley and Ghassan Adnan in Baghdad, and Felicia Schwartz in Washington (10 de novembro de 2014). «Coalition Airstrikes Targeted Islamic State Leaders Near Mosul». WSJ 
  65. «Kadyrov Claims Red-Bearded Chechen Militant al-Shishani Dead». ElBalad. 14 de novembro de 2014 
  66. «Kadyrov Says Islamic State's Leader From Georgia Killed». Radio Free Europe/Radio Liberty. 14 de novembro de 2014 
  67. «U.S. confirms death of ISIS operative Omar al-Shishani». CNN. 14 de março de 2016 
  68. Top ISIS Commander 'Omar the Chechen' Believed Dead After Airstrike
  69. «Defense.gov News Article: Carter: Special Operations Troops Conduct Raid in Syria» 
  70. «Statement from Pentagon Press Secretary Peter Cook on Nov. 13 airstrike in Libya > U.S. DEPARTMENT OF DEFENSE > News Release View». Defense.gov 
  71. «Derna Islamist leader killed in Benghazi». Libya Herald. 17 de setembro de 2014 
  72. «Daesh butcher captured Benghazi solider but lose a commander». Libya Herald. 1 de agosto de 2015 
  73. «Senior ISIS commander killed in Libya» 
  74. «A guerra contra o Estado Islâmico». ÉPOCA 
  75. «Obama propõe autorização de guerra contra o Estado Islâmico». Folha de S.Paulo 
  76. «Seis gráficos explicam guerra contra 'Estado Islâmico'». BBC 
  77. Lister, Charles (7 August 2014). «Not Just Iraq: The Islamic State Is Also on the March in Syria». The Huffington Post  Verifique data em: |data= (ajuda)
  78. ‘NAVO veroordeelt unaniem ‘barbaarse daad’ van Islamitische Staat’ [NATO unanimously condemns ‘barbaric act’]. nrc.nl, 5 September 2014.
  79. ‘Verenigde Staten passeren Nederland voor alliantie tegen IS’ [US pass over the Netherlands for alliance against ISIL]. nrc.nl, 9 September 2014.
  80. a b ‘U.S. Forms Anti-ISIS Coalition at NATO Summit’. Time, 5 September 2014.
  81. a b c ‘US-led coalition to battle IS group for ‘as long as it takes’. France 24, 4 December 2014.
  82. ‘High Representative/Vice President attends Global Coalition to Counter the Islamic State of Iraq and the Levant (ISIL)’. EEAS (European External Action Service), 5 December 2014.
  83. a b ‘Joint Statement Issued by Partners at the Counter-ISIL Coalition Ministerial Meeting’. United States Department of State, 3 December 2014.
  84. a b ‘International Conference on Peace and Security in Iraq (Paris, September 15, 2014)’. France Diplomatie (undated).
  85. UNSC Resolution 2170 (15 August 2014). UN.
  86. «Russia, Iran, Iraq & Syria setting up 'joint information center' to coordinate anti-ISIS operations». RT English. 26 September 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  87. «Russia, Jordan agree on military coordination on Syria». Reuters 
  88. «Is Jordan Switching Sides? Putin Signs Military Cooperation Agreement with King Abdullah». Global Research. 25 October 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  89. «Israel, Russia to coordinate military action on Syria: Netanyahu». Reuters 
  90. «Vladimir Putin orders Russian military pullout from Syria». NBCNews.com. 14 March 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  91. Ed Payne and Salma Abdelaziz, CNN (15 December 2015). «34 Islamic nations form coalition to fight terrorism - CNN.com». CNN  Verifique data em: |data= (ajuda)
  92. "Iraq conflict has killed a million Iraqis". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  93. "War is over: Last U.S. combat troops leave Iraq; 50,000 remain as advisers". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  94. "Avanço jihadista fez Estados Unidos voltarem a intervir no Iraque". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  95. Youssef, Nancy A. «WASHINGTON: 480 U.S. troops now in Baghdad as officials move to secure access to airport | Iraq». McClatchy DC. Consultado em 13 de agosto de 201  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  96. "In Increase, U.S. to Send 130 Advisers to Aid Iraqis". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  97. "Obama diz que cerco a monte Sinjar foi rompido; parte dos militares deixará Iraque". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  98. "Barack Obama on ISIS combat: ‘This is not America’s fight alone’". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  99. Shear, Michael D. (10 August 2014). «US airstrikes on militants in Iraq». The New York Times  Verifique data em: |data= (ajuda)
  100. a b «Obama outlines plan to target IS fighters». Al Jazeera English. 11 September 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  101. «Iraq crisis: EU condemns 'atrocities' by IS militants». BBC. 15 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  102. Khalilzad, Zalmay (5 August 2014). «To fight the Islamic State, Kurdish and Iraqi forces need expedited aid». The Washington Post  Verifique data em: |data= (ajuda)
  103. Cloud, David; Bennet, Brian (11 August 2014). «U.S., allies rush heavy weapons to Kurds to fight militants in Iraq». Los Angeles Times  Verifique data em: |data= (ajuda)
  104. «JTF633 supports Herc mercy dash» (Nota de imprensa). Department of Defence. 22 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  105. «Australia steps up assistance to Iraqi people» (Nota de imprensa). Department of Defence. 31 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  106. «Obama Authorizes Air Strikes in Iraq». ABC News. 7 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  107. «News Article: U.S. Conducts Another Humanitarian Airdrop in Iraq». U.S. Department of Defense. 8 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  108. «Airstrikes kill ISIS fighters in Iraq, officials say». CNN 
  109. «The failed US mission to try and rescue James Foley from Islamic State terrorists». Telegraph. 21 de agosto de 2014. Consultado em 19 de setembro de 2014 
  110. "New airstrikes, new tactic to beat ISIS". Página acessada em 25 de setembro de 2014.
  111. "Iraq air strikes: RAF Tornado jets begin first combat mission against Isis". Página de 27 de setembro de 2014.
  112. "Turkey Approves Military Operations in Iraq, Syria". Página acessada em 2 de outubro de 2014.
  113. "ISIL Loses Control of Once-dominated Iraq Territory". U.S. Department of Defense, 13 de abril de 2015. Página acessada em 24 de julho de 2015.
  114. "Isis seizes Ramadi: Massacres reported as Iraq 'sends Iran-backed Shia militias' into Anbar". Página acessada em 24 de julho de 2015.
  115. "US Official: Airstrikes Killed 10,000 Islamic State Fighters". Página acessada em 24 de julho de 2015.
  116. "US forces rescue Iraqi hostages facing 'imminent execution' by Isis". Página acessada em 23 de outubro de 2015.
  117. "Iraq forces in 'full control' of central Ramadi". Página acessada em 28 de dezembro de 2015.
  118. "ISIS Lost 40 Percent of Territory in Iraq, 20 Percent in Syria". Página acessada em 5 de janeiro de 2016.
  119. "EI perdeu quase metade do território que tinha no Iraque, diz Pentágono". Página acessada em 9 de junho de 2016.
  120. Black, Ian (16 June 2014). «Qassim Suleimani: commander of Quds force, puppeteer of the Middle East». The Guardian  Verifique data em: |data= (ajuda)
  121. Gordon, Michael R.; Schmitt, Eric (25 June 2014). «Iran Secretly Sending Drones and Supplies into Iraq, U.S. Officials Say». The New York Times  Verifique data em: |data= (ajuda)
  122. «Insight - Iran's elite Guards fighting in Iraq to push back Islamic State». reuters.com. 3 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  123. War is Boring. «The Syrian and Iranian Air Forces Are Now Bombing Iraq». Medium 
  124. «'Iranian attack jets deployed' to help Iraq fight Isis». BBC. 2 July 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  125. a b c Nadimi, Farzim (10 September 2014). «Iran Is Expanding Its Military Role in Iraq in a Bunch of Ways». Business Insider  Verifique data em: |data= (ajuda)
  126. «First footage surfaces: Iranian jet seen attacking ISIS targets in Iraq». Haaretz.com. 1 December 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  127. «BBC News - Iran jets bomb Islamic State targets in Iraq - Pentagon». BBC News. 3 December 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  128. Beauchamp, Zack (28 May 2015). «Iran is fighting on the Iraqi government's side». Vox  Verifique data em: |data= (ajuda)
  129. ‘Iran’s Qasem Soleimani Is Guiding Iraqi Forces in Fight Against ISIS’. NBC news, 13 March 2015.
  130. a b c «Hezbollah man dies on 'jihad duty' in Iraq». Al Jazeera English. 31 July 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  131. Al-Ali, Misbah (16 June 2014). «Hezbollah sets up operations room to cope with Iraq fallout». The Daily Star (Lebanon). Beirut  Verifique data em: |data= (ajuda)
  132. Levitt, Matthew (25 June 2014). «Iran Has A Secret Weapon To Fight Sunnis In Iraq»  Verifique data em: |data= (ajuda)
  133. Blanford, Nicholas (16 July 2014). «Why Hezbollah is playing a smaller role in this Iraqi conflict». Christian Science Monitor  Verifique data em: |data= (ajuda)
  134. Dehghanpisheh, Babak (3 August 2014). «Iran's elite Guards fighting in Iraq to push back Islamic State». Reuters  Verifique data em: |data= (ajuda)
  135. «Hizbollah is fighting ISIL in Iraq, Nasrallah reveals» 
  136. Sherlock, Ruth (21 August 2014). «The failed US mission to try and rescue James Foley from Islamic State terrorists». Telegraph. London  Verifique data em: |data= (ajuda)
  137. «James Foley: US Military Launched Secret Rescue Operation in Syria for Journalist, Other Americans». ABC News. 20 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  138. Julie Pace (20 August 2014). «U.S. Attempted And Failed To Rescue American Hostages in Syria». The Huffington Post. Associated Press  Verifique data em: |data= (ajuda)
  139. Goldman, Adam (20 August 2014). «U.S. staged secret operation into Syria in failed bid to rescue Americans». The Washington Post  Verifique data em: |data= (ajuda)
  140. «ISIS beheading U.S. journalist James Foley, posts video». CNN. 19 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  141. Tim Walker (19 March 2014). «James Foley 'beheaded': Isis video shows militant with British accent 'execute US journalist' – as hunt begins for killer – Middle East – World». London: The Independent  Verifique data em: |data= (ajuda)
  142. Entous, Adam; Barnes, Julian E.; Nissenbaum, Dion (26 August 2014). «U.S. Lays Groundwork for Syria Strike». Wall Street Journal  Verifique data em: |data= (ajuda)
  143. Julie Pace. «Politics». Yahoo! News. Associated Press 
  144. Miller, Zeke J (28 August 2014). «Obama Says 'We Don't Have a Strategy Yet' for Fighting ISIS». Time  Verifique data em: |data= (ajuda)
  145. «Surveillance missions over Syria confirmed». Ministry of Defence. 21 October 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  146. «U.S. has secretly provided arms training to Syria rebels since 2012». Los Angeles Times. 21 June 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  147. «Secret CIA effort in Syria faces large funding cut». The Washington Post. 12 June 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  148. Bowman, Tom; Fordham, Alice (23 April 2014). «CIA Is Quietly Ramping Up Aid To Syrian Rebels, Sources Say». BBC News. Consultado em 20 September 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  149. Spencer, Richard (17 February 2014). «US-backed head of Free Syria Army voted out». The Daily Telegraph. London  Verifique data em: |data= (ajuda)
  150. Youssef, Nancy A. (26 May 2014). «Syrian Rebels Describe U.S.-Backed Training in Qatar». Frontline. PBS. Cópia arquivada em 20 September 2014  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  151. «House Grudgingly Approves Arms for Syrian Rebels». ABC News 
  152. «U.S. Starts New Training for Syrian Rebels». Wall Street Journal. 7 May 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  153. «UK to send 75 military trainers to help moderate Syrian rebels». The Guardian. 26 March 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  154. Marshall Jr., Tyrone C. «Spokesman: Airstrikes Only Part of the Strategy Against ISIL». Department of Defense 
  155. «Only '4 Or 5' U.S.-Trained Rebels In Syria? Not Exactly.». The Huffington Post. 16 September 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  156. «US-trained Syrian rebels refuse to fight al-Qaida group after kidnappings». The Guardian. 6 August 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  157. «US-trained Syrian rebels killed and leaders captured by al-Qaida affiliate». The Guardian. 31 July 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  158. «US, Arab allies launch first wave of strikes in Syria». Fox News. 22 September 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  159. «US airstrikes hit ISIS inside Syria for first time». CNN. 22 September 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  160. «US, Arab allies launch first strikes on fighters in Syria». The Daily Star 
  161. «Syria air strikes: MPs authorise UK action against Islamic State». BBC News. 3 December 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  162. «Syria air strikes: RAF Tornado jets carry out bombing». BBC News5 
  163. Kabinettsvorlage: Bundeswehreinsatz gegen IS soll 134 Millionen Euro kosten, Der Spiegel, in German
  164. «Dutch to Join US-Led Airstrikes Against IS in Syria». ABC News. 29 January 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  165. News Desk. «Video Footage of Russian Marines Conducting Drills in Tartous». Al-Masdar News 
  166. 'Russian Marines Begin Large Scale Military Exercises Inside Syria'. Al-Masdar Al-'Arabi (The Arab Source), 11 September 2015.
  167. Syria carries out rare attacks on ISIS capital. NYP .
  168. «TASS: Military & Defense - Over 600 IS terrorists killed by cruise missiles in Deir ez-Zor — Russian defense minister». TASS 
  169. «Putin se retira de Siria». El Confidencial 
  170. «ISIL video shows Christian Egyptians beheaded in Libya». Al Jazeera. 16 February 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  171. «Egyptian air strikes in Libya kill dozens of Isis militants». The Guardian 
  172. a b «Libyan air force loyal to official government bombed targets in eastern city of Derna». Ynetnews. 16 February 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  173. Chris Stephen. «US expresses fears as Isis takes control of northern Libyan town». the Guardian 
  174. «Exclusive: U.S. Targets ISIS in Libya Airstrike». The Daily Beast. 14 November 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  175. Martin Pengelly (14 November 2015). «Islamic State leader in Libya 'killed in US airstrike'». The Guardian  Verifique data em: |data= (ajuda)
  176. «Eulogy to Abu Nabil al-Anbari: Islamic State leader in Libya». Middle East Forum 
  177. «U.S. Broadens Fight Against ISIS With Attacks in Afghanistan». The New York Times. January 31, 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  178. Ataques aéreos dos EUA deixam dezenas de mortos em cidade na Líbia - G1
  179. «Aviones estadounidenses bombardean un campamento del Estado Islámico en Libia», artículo del 19 de febrero de 2016 en el diario El Mundo (Madrid).
  180. «Fuerzas especiales francesas libran una guerra secreta en Libia contra el yihadismo», artículo del 24 de febrero de 2016 en el diario ABC (Madrid).
  181. «Officials: US Warplanes Strike IS Facility in Libya». ABC News. 19 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  182. «RAF flying Libyan missions in preparation for helping unity government». The Guardian. February 9, 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  183. «British 'advisers' deployed to Libya to build anti-Isil cells». The Telegraph. 27 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  184. «UK to send troops to Tunisia to help stop ISIS crossing Libyan border». Reuters. 1 March 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  185. «German deputy speaker: NATO must stop Turkey support for ISIS» (em inglês). Rudaw. 12 de octubre de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  186. «'ISIS Sees Turkey as Its Ally': Former Islamic State Member Reveals Turkish Army Cooperation» (em inglês). Newswqeek. 7 de noviembre de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  187. «The latest sign Turkey may still be playing a double game with ISIS» (em inglês). Business Insider. 5 de mayo de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  188. «Pro-kurdish party in Turkey: Kobani massacre shows how Turkey supports ISIS» (em inglês). Business Insider. Reuters. 25 de junio de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  189. Intensos bombardeos de Turquía contra el PKK en el norte de Irak 29 de julio de 2015 - EFE, AFP, REUTERS
  190. a b «El Ejército de Turquía bombardeó a los terroristas de Estado Islámico en Siria», artículo del 31 de octubre de 2015 en el diario Infobae (Buenos Aires).
  191. «Islamic State ups rhetoric against Ankara - Al-Monitor: the Pulse of the Middle East». Al-Monitor (em inglês) 
  192. a b «Turkey is not in bed with ISIL». www.aljazeera.com 
  193. Yeginsu, Ceylan (30 de dezembro de 2015). «Turkey Detains 2 ISIS Militants Planning New Year's Eve Attack». The New York Times. ISSN 0362-4331 
  194. "Turkish army shells ISIL in response to Istanbul blast"
  195. «Istanbul explosion: At least five dead as tourist shopping area Istiklal Street hit by suicide bombing in Turkey». The Independent 
  196. «SON DAKİKA: İstanbul İstiklal Caddesi'nde patlama meydana geldi». Hürriyet 
  197. «İstiklal Caddesi'nde canlı bomba saldırısı; 5 kişi öldü, 3'ü ağır 36 yaralı var!». T24 
  198. «Tropas del Líbano combaten con Estado Islámico en la frontera», artículo del 28 de agosto de 2014 en el diario Infobae (Buenos Aires).
  199. «Ejército libanés toma el control de nuevas posiciones cerca de frontera siria». EFE. 28 de marzo de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  200. Josh Wood. «Hizbollah declares war on ISIL» 
  201. «Afghanistan drone strike 'kills IS commander Abdul Rauf'». BBC News. 9 February 2015. A drone strike in Afghanistan has killed a militant commander who recently swore allegiance to Islamic State (IS), officials say. The police chief of Helmand said that former Taliban commander Mullah Abdul Rauf had died in the strike.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  202. «Islamic State struggles to grow in Afghanistan». stars and stripes. 21 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  203. «Former TTP leader Shahidullah Shahid killed in US drone strike». The Express Tribune. 9 July 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  204. «Obama Relaxes Rules for Striking ISIS in Afghanistan». The New York Times. January 20, 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  205. «U.S. Broadens Fight Against ISIS With Attacks in Afghanistan». the new York times. January 31, 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  206. «Afghan official: U.S. airstrikes hit ISIS radio station, kill 29 militants». CNN. February 2, 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  207. «Afghan Forces Dislodge Islamic State From Eastern Stronghold». The Wall Street Journal. 21 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  208. «Officials: Forces kill 43 Islamic State militants in eastern Afghanistan». Stars and Stripes. 23 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  209. «ISIS In Afghanistan: US Airstrikes, Afghan Forces Target Islamic State Group In Eastern Nangarhar». international business times. 23 February 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  210. «Afghan President: IS Being Wiped out in Afghanistan». ABC news. 6 March 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  211. «Afghan president: ISIS is 'on the run' in Afghanistan». military times. 15 March 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  212. «Islamic State fighters in Afghanistan flee to Kunar province». reuters. 24 March 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  213. «Nuevo ataque destructivo de Boko Haram en Camerún», artículo del 19 de enero de 2015 en el diario Infobae (Buenos Aires).
  214. «Obama to deploy 300 US troops to Cameroon to fight Boko Haram | World news». The Guardian 
  215. «US troops deployed to Cameroon for Boko Haram fight». Al Jazeera English. 14 de outubro de 2015 
  216. «En ofensiva contra Boko Haram el ejercito de Chad mató a 200 islamistas», artículo del 4 de febrero de 2015 en el diario Infobae (Buenos Aires).
  217. Incluindo Camarões, Chade e Níger
  218. «Britain rules out sending combat troops to Libya». Reuters. 2 February 2016. Consultado em 2 February 2016. Britain does not plan to deploy combat troops in Libya but will instead seek to give strategic and intelligence support to its new government, Foreign Secretary Philip Hammond said on Tuesday.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  219. «UK to ramp up support to Nigeria in battle against Boko Haram». Financial Times. 16 June 2015  Verifique data em: |data= (ajuda); «UK military chief visits British training team in Nigeria». Ministry of Defence. 12 October 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  220. «Better Canals, bigger harvests and more electricity in Bamyan». Department for International Development. 1 February 2016. The UK is a key donor to the Afghanistan Reconstruction Trust Fund (ARTF), which supports reconstruction needs and the delivery of basic services across Afghanistan.  Verifique data em: |data= (ajuda)