Guerra do Afeganistão (2001–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
Guerra atual
Este artigo ou seção é sobre uma conflito armado recente ou ainda em andamento.
A informação apresentada pode mudar rapidamente
Guerra do Afeganistão
Parte de Guerra ao Terrorismo e Guerra civil do Afeganistão
2001 War in Afghanistan collage 3.jpg
Data 7 de outubro de 2001 - presente
Local Afeganistão
Situação
Combatentes
Coalizão:

Invasão de 2001:

Grupos insurgentes:
Invasão de 2001:
Afeganistão Emirado Islâmico do Afeganistão
Flag of Jihad.svg al-Qaeda
No god but God.jpg Estado Islâmico do Iraque e do Levante[5]
  • Khorasan province logo.jpeg Wilayat Khorasan
  • Flag of Jihad.svg MIU
Comandantes
Estados Unidos Barack Obama

Estados Unidos George W. Bush
Estados Unidos Joseph Dunford[7]
Estados Unidos John P. Abizaid
Estados Unidos David D. McKiernan
Estados Unidos Stanley McChrystal
Estados Unidos Dan McNeill
Estados Unidos John F. Campbell
Reino Unido David Cameron
Reino Unido Gordon Brown
Reino Unido Richard Dannatt
Reino Unido David Richards
Reino Unido Jock Stirrup
Reino Unido Richard Kemp
Afeganistão Hamid Karzai

Afeganistão Bismillah Khan Mohammadi [8]
Afeganistão Ashraf Ghani
Afeganistão Mohammed Omar
Afeganistão Akhtar Mansoor
Afeganistão Sirajuddin Haqqani
Flag of Jihad.svg Ayman al-Zawahiri
Flag of Jihad.svg Jalaluddin Haqqani
Anteriormente:
Flag of Jihad.svg Osama bin Laden
Afeganistão Obaidullah Akhund
No god but God.jpg Abu Bakr al-Baghdadi
No god but God.jpg Hafiz Saeed Khan
No god but God.jpg Abdul Rauf Aliza
No god but God.jpg Abdul Rahim Muslim Dost
Flag of Jihad.svg Usman Ghazi
     
Forças
OTAN – ISAF: 102.554 (2010)[9]

Estados Unidos Exército dos Estados Unidos: 48.000[10] [11]

Afeganistão Exército do Afeganistão: 380.586 (2014)[12]
Flag of Taliban.svg Taliban: ~25.000[13]

al-Qaeda: 600 - 1.000[14] [15]
Hezbi Islami: 10.000[16]
IMU: 10.000[17]
Milícia de Haqqani: 4.000[16]

TTP: 40.000+[18]
Quetta Shura:10,000[19]
TNSM:6.000
Total: +120.000 (2010)
EIIL: + 300 combatentes[6]
Baixas
Exército Afegão: 10.000 mortos[20]
OTAN: 3.424 mortos[21] (Estados Unidos: 2.313, Reino Unido: 448 mortos; Outros países: 600 mortos)
Feridos: 23.500[22] [23]
Total: ~ 13.500 mortos
Mais de 40 mil mortos +115 mortos
Mortes Civis: 14.000-34.000 mortos

A atual fase da Guerra do Afeganistão (também chamada de Segunda Guerra do Afeganistão) é o nome dado a atual fase da guerra civil afegã que opôs, inicialmente, de outubro a novembro de 2001, os Estados Unidos, com a contribuição militar da organização armada muçulmana Aliança do Norte e de outros países ocidentais (Reino Unido, França, Canadá e outros), ao regime talibã. A invasão do Afeganistão, liderada pelos americanos, teve início em 7 de outubro de 2001, à revelia das Nações Unidas, que não autorizaram a invasão do país. O objetivo declarado da invasão era encontrar Osama bin Laden e outros líderes da Al-Qaeda, destruir toda a organização e remover do poder o regime talibã, que alegadamente lhe dera apoio.[24] [25]

A invasão marca o início da guerra contra o terrorismo, declarada pelo governo Bush, após os atentados de 11 de setembro. A Aliança do Norte - grupo armado adversário dos talibãs - forneceu a maior parte das forças terrestres, enquanto os Estados Unidos e a OTAN ofereceram, na fase inicial, o apoio tático, aéreo e logístico.

Na segunda fase, após a recaptura de Cabul, as tropas ocidentais aumentaram a sua presença a nível local. Nos EUA, a guerra é também conhecida pelo nome militar de "Operação Liberdade Duradoura". Segundo a "Doutrina Bush", não há distinção entre a Al-Qaeda e as nações que a abrigam.

Duas operações militares no Afeganistão procuraram estabelecer controle sobre o país. A primeira (Operação Enduring Freedom - OEF) foi a que envolve Estados Unidos e seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte lutando contra a Al-Qaeda e o Talibã que operavam principalmente no leste e sul do país, ao longo das fronteiras com o Paquistão. Cerca de 28.300 tropas da OEF eram dos EUA, no começo do conflito. A segunda operação começou com a formação da Força Internacional de Assistência para Segurança (ISAF), inicialmente criada pelo Conselho de Segurança da ONU no final de Dezembro de 2001 para garantir Cabul e seus arredores com o propósito de estabilizar o país e derrotar a insurgência. A OTAN assumiu o controle da ISAF em 2003. Até Dezembro de 2008, as forças internacionais possuíam cerca de 51.350 soldados de 41 países, com os membros da OTAN proporcionam o núcleo das tropas. No auge, os Estados Unidos tinham cerca de 68 000 soldados no Afeganistão. A segunda maior força era do Reino Unido, com 9 000 combatentes.[10] [11] [26]

O ataque inicial removeu o Talibã do poder, mas logo uma insurgência liderada pelos fundamentalistas recuperou sua força.[27] [28]

A guerra foi menos bem sucedida na consecução do objetivo de restringir o movimento al-Qaeda. Desde 2006, o Afeganistão tem visto as ameaças à sua estabilidade no aumento atividade insurgente do Talibã e nos altos níveis de produção de drogas ilegais,[29] [30] e um frágil governo com controle limitado fora de Cabul.[31]

Em 1º de agosto de 2010, os Países Baixos tornaram-se o primeiro país membro da OTAN a retirar suas tropas do Afeganistão. A retirada total das tropas multinacionais deve completar-se em 2014, isto é, treze anos depois de iniciada a ocupação militar do país. A guerra do Afeganistão já é o mais longo conflito da história dos Estados Unidos, e seu custo, desde 2001, é calculado em 345 bilhões de dólares, além de 1.600 militares americanos mortos. A esta altura, os analistas não acreditam em vitória militar num país sob o governo supostamente corrupto de Hamid Karzai (posto no cargo pelos EUA e reeleito em eleições supostamente fraudadas) e dividido entre diferentes etnias, tribos e áreas de influência de senhores da guerra.[32] Com o passar do tempo, viu-se um enfraquecimento da insurgência islâmica, que passou a preferir atentados a bomba do que confrontos diretos com as tropas de ocupação. Em uma vitória simbólica, em 2 de maio de 2011, forças especiais dos Estados Unidos conduziram uma operação na cidade paquistanesa de Abbottabad que culminou com a morte do terrorista Osama bin Laden.[33]

Em 22 de junho de 2011, o Presidente americano Barack Obama anunciou que os Estados Unidos dariam início a uma retirada sistemática de soldados e equipamentos do país ainda em 2011. É esperado que as últimas tropas da Otan deixem o Afeganistão em 2016.[34] Em dezembro de 2014, as potências ocidentais da OTAN oficialmente encerrarm suas missões de combate no Afeganistão, assumindo uma postura de apoio ao governo afegão para combater os rebeldes islamitas. Ainda assim, o país segue instável internamente.[35]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Territórios controlados pelas partes beligerantes em 1996.

Após a primeira guerra no Afeganistão que levou à retirada do Exército Vermelho em 1989 e da queda do regime comunista, em 1992, uma guerra civil entre as várias facções continuou. Em 1996, o Taliban, um movimento fundamentalista islâmico formado em 1994, conquistou a capital Cabul e, posteriormente, invadiu cerca de 90% do país.

Os guerrilheiros anti-Taliban e outros grupos de resistência tinham criado uma coligação conhecida como a Aliança do Norte, que controlava até 2001 a parte norte do país. Em 9 de Setembro de 2001, dois dias antes dos atentados nos Estados Unidos, o líder da Aliança, Ahmad Shah Massoud foi assassinado (presumivelmente por agentes da Al Qaeda).

Embora os membros da comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos, inicialmente viram o Talibã como uma potencial fonte de estabilidade para o país devastado pela guerra[36] , a tolerância para hospedagem de extremistas islâmicos combinada com a sua relutância em negociar com os seus inimigos rapidamente azedou a relação. Em Maio de 1996, Osama bin Laden e outros membros da al-Qaeda se estabeleceram no Afeganistão e têm estreitas alianças com o regime talibã no país, onde foram criados vários acampamentos para formação de terroristas. Sob o regime Talibã, a Al-Qaeda foi capaz de usar o Afeganistão como um lugar para treinar e doutrinar combatentes, armas de importação, em coordenação com outros jihadistas, e traçar ações terroristas.[37] Após os atentados às embaixadas dos Estados Unidos na África, em 1998, o presidente Bill Clinton ordenou ataques com mísseis em campos de treinamento de militantes no Afeganistão. Os efeitos de tais represálias foram limitados.

Em 1999 e 2000, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou duas resoluções que estabeleceu sanções econômicas e de armas ao Afeganistão para incentivar os talibãs para fechar acampamentos de formação de terroristas e entregar Bin Laden para as autoridades internacionais para responder aos ataques de 1998. O Taliban rejeitou repetidamente as exigências, no entanto.

Ataques de 11 de setembro de 2001[editar | editar código-fonte]

As Torres gêmeas do World Trade Center com o incêndio. O voo United Airlines Flight 175 atingiu à Torre Sul (direita), logo após o voo American Airlines Flight 11 atingir a Torre Norte (esquerda). Os ataques de 11 de setembro deram inicio a Guerra do Afeganistão.

Em 11 de setembro cerca de 3.000 pessoas foram mortas em ataques coordenados contra o World Trade Center e o Pentágono por aviões civis seqüestrados. Os ataques foram rapidamente ligados a Osama bin Laden e a Al-Qaeda. Menos de uma semana após os acontecimentos de 11 de setembro de 2001, o presidente dos EUA George W. Bush, identificou Osama Bin Laden como o "principal suspeito" nos ataques.[38] Após os ataques de 11 de setembro de 2001, os investigadores logo encontraram indícios da participação de Osama bin Laden, que inicialmente negou qualquer envolvimento no caso. Mas, em 2004, pouco antes das eleições presidenciais, Bin Laden em uma mensagem de vídeo afirmou que a al-Qaeda esteve diretamente envolvida nos ataques. Em 21 de Maio de 2006, foi encontrada uma mensagem de áudio publicada em um site (o que o governo americano considera frequentemente usado pela Al-Qaeda), no qual Bin Laden admitiu que ele pessoalmente treinou os 19 terroristas do 11 de Setembro.

O então presidente dos Estados Unidos, George Bush, falando ao congresso americano sobre a guerra ao terror. No discurso, ele exigiu que as autoridades do talibã entregassem Osama bin Laden e destruissem a infraestrutura da Al-Qaeda no seu país, ou eles "sofreriam do mesmo destino que aguardava os terroristas".

Em 21 de Setembro de 2001, o presidente dos EUA, George W. Bush, fez um ultimato aos talibãs,[39] que formulou as seguintes exigências:

  • entregar todos os líderes da al-Qaeda no Afeganistão para os Estados Unidos;
  • libertar todos os prisioneiros de nações estrangeiras, incluindo cidadãos americanos;[40]
  • proteger jornalistas estrangeiros, diplomatas e de voluntários no Afeganistão;
  • fechar acampamentos de formação de terroristas no Afeganistão e entregar todos os terroristas às autoridades competentes;
  • garantir o livre acesso dos EUA aos acampamento, a fim de verificar o seu encerramento.

Os talibãs não responderam diretamente a Bush, considerando que o início de um diálogo com um dirigente político não-muçulmano era um insulto ao Islã. Assim, por mediação da sua embaixada no Paquistão, afirmou a rejeitar o ultimato dado, porque não há provas ligando Bin Laden aos atentados de 11 de Setembro. Eles também ressaltaram que Bin Laden era um convidado em seu país.[41]

Em 22 de setembro os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita decidiram não reconhecer o governo taliban no Afeganistão. Apenas Paquistão continuou a manter os contatos diplomáticos com o país.[carece de fontes?]

Ao que parece, em 4 de outubro, secretamente os talibãs propusseram ao Paquistão entregar Bin Laden, e pediram o julgamento de um tribunal internacional sob as leis da Sharia. Assume-se que o Paquistão rejeitou a oferta.[carece de fontes?] No meio de outubro, alguns membros moderados do regime talibã reuniram-se com o embaixador dos EUA do Paquistão para encontrar uma maneira de convencer Mullah Omar a entregar Bin Laden aos Estados Unidos. Em 7 de outubro, pouco antes da invasão, os talibãs estavam dispostos a a colocar Bin Laden em um tribunal islâmico no Afeganistão. Os EUA recusaram esta oferta por julga-la insuficiente,[42] e os bombardeamentos de alvos no Afeganistão por forças aglo-americanas começaram no mesmo dia.

Apenas em 14 de outubro, uma semana após a eclosão da guerra, o Taliban concorda em entregar bin Laden para um país neutro para o julgamento, mas apenas com a apresentação de provas do envolvimento de Bin Laden no 11 de Setembro. Esta oferta também foi rejeitada por Bush, que declarou "Não há necessidade de discutir a inocência ou culpa. Nós sabemos que ele é culpado".[43]

O Conselho de Segurança das Nações Unidas não tinha autorizado o uso da força contra o Afeganistão, em qualquer resolução subsequente para o 11 de Setembro. A administração Bush não declarou guerra, e rotulou tropas talibãs como partidários dos terroristas em vez de soldados, negando-lhes a proteção da Convenção de Genebra e o devido processo legal. Esta posição tem sido contestada no Suprema Corte dos Estados Unidos.[44]

Conflito[editar | editar código-fonte]

Invasão e derrubada do Taliban[editar | editar código-fonte]

Principais operações da campanha do Afeganistão, de outubro-dezembro 2001.

A invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos ocorreu após os ataques de 11 de setembro no final de 2001 [45] , apoiado por aliados próximos. Os seus objetivos públicos eram desmantelar a Al-Qaeda, e negar-lhes uma base segura de operações no Afeganistão removendo o Taliban do poder. [46] O Reino Unido foi um aliado fundamental dos Estados Unidos, oferecendo suporte para a ação militar desde o início dos preparativos para a invasão.

Militares americanos em patrulha no Afeganistão, em 2001.

O presidente dos Estados Unidos George W. Bush exigiu que o Taliban entregasse Osama bin Laden e expulsasse a al-Qaeda, bin Laden já estava sendo procurado pela ONU desde 1999. O Taliban se recusou a extraditá-lo, a menos que lhes fossem dado o que eles consideravam provas convincentes do seu envolvimento nos ataques de 11 de setembro [47] e ignoraram demandas para fechar bases terroristas e entregar outros suspeitos de terrorismo além de bin Laden. O pedido foi indeferido pelos Estados Unidos como uma manobra dilatória sem sentido e lançaram a Operação Enduring Freedom em 7 de outubro de 2001 com o Reino Unido. Os dois se juntaram posteriormente a outras forças, incluindo a Aliança do Norte. [48] [49] Os Estados Unidos e seus aliados expulsaram o Taliban do poder e construíram bases militares perto de grandes cidades em todo o país. A maioria dos membros da al-Qaeda e do Taliban não foram capturados, fugindo para o vizinho Paquistão ou se retirando para regiões montanhosas rurais ou remotas.

Em dezembro de 2001, o Conselho de Segurança das Nações Unidas criou a Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF), para supervisionar as operações militares no país e treinar a Força de Segurança Nacional Afegã. Na Conferência de Bonn, em dezembro de 2001, Hamid Karzai foi escolhido para chefiar a Autoridade Interina Afegã, que depois de uma loya jirga de 2002 em Cabul tornou-se a Administração Transitória do Afeganistão. Nas eleições populares de 2004, Karzai foi eleito presidente do país, agora nomeado República Islâmica do Afeganistão.[50]

Em agosto de 2003, a OTAN envolveu-se como uma aliança, que assumiu o comando da Força Internacional de Assistência à Segurança.[51] Uma parte das forças dos Estados Unidos no Afeganistão operavam sob o comando da OTAN; o restante permaneceu sob comando direto dos Estados Unidos. O líder talibã Mulá Omar reorganizou o movimento e, em 2003, lançou uma insurgência contra o governo e a ISAF. [52] [28]

2003-2005: a insurgência talibã ganha força[editar | editar código-fonte]

Mapa detalhando a propagação da insurgência talibã no Afeganistão, 2002-2006
Fuzileiros navais procurando por guerrilheiros do Taliban no verão de 2005.

Após fugir das forças da coalizão ao longo de meados de 2002, os talibãs remanescentes gradualmente recuperaram a confiança e se preparavam para lançar a insurgência talibã que Omar havia prometido. [53] Em setembro, as forças do Talibã começaram uma campanha de recrutamento para jihad nas áreas pashtuns no Afeganistão e no Paquistão. Panfletos distribuídos em segredo apareceram em muitos vilarejos no sudeste do Afeganistão chamando para o jihad. [54]

Pequenos campos de treinamento móveis foram estabelecidos ao longo da fronteira para treinar recrutas em guerra de guerrilha. [55] A maior parte foi retirada de madrassas da área tribal no Paquistão. As bases, algumas com cerca de 200 combatentes, surgiram nas áreas tribais, no verão de 2003. A determinação do Paquistão para evitar a infiltração era incerta, ao passo que as operações militares paquistanesas provaram de pouca utilidade. [56]

Tropas dos EUA embarcando em um helicóptero

O Taliban se reunia em grupos de cerca de 50 para lançar ataques contra postos avançados isolados, e, em seguida, se dividia em grupos de 5-10 para evadir dos contra-ataques. As forças da coalizão eram atacadas indiretamente, por meio de ataques com foguetes em bases e artefatos explosivos improvisados.

Para coordenar a estratégia, Omar nomeou um conselho de liderança de dez homens, tendo ele mesmo como seu líder. [56] Cinco zonas operacionais foram designadas para os comandantes talibãs, tais como Dadullah, que assumiu o comando na província de Zabul. [56] As forças da al-Qaeda no oriente dispunha de uma estratégia mais ousada de atacar os estadunidenses usando emboscadas elaboradas. O primeiro sinal da estratégia veio em 27 de janeiro de 2003, durante a Operação Mongoose, quando um grupo de combatentes foi atacado por forças norte-americanas no complexo de cavernas de Adi Ghar a 25 km (15 milhas) ao norte de Spin Boldak; [57] 18 rebeldes foram relatados mortos com nenhuma baixa norte-americana. O local era suspeito de ser uma base para o abastecimento e combatentes vindos de Paquistão. Os primeiros ataques isolados por bandos relativamente grandes do Taliban contra alvos afegãos também apareceram nessa época.

Um helicóptero Apache fornece proteção pelo ar, outubro de 2005.

À medida que o verão prosseguia, os ataques do Taliban aumentavam gradualmente em frequência. Dezenas de soldados do governo afegão, trabalhadores humanitários de ONGs, e vários soldados norte-americanos morreram em incursões, emboscadas e ataques com foguetes. Além de ataques de guerrilha, combatentes do Taliban começaram a construir forças no distrito de Dai Chopan na província de Zabul. O Taliban decidiu tomar uma posição nesse lugar e ao longo do verão, até 1.000 guerrilheiros se moveram para lá. Mais de 220 pessoas, incluindo várias dezenas de policiais afegãos, foram mortos em agosto de 2003. No final de agosto de 2005, as forças governamentais afegãs atacaram apoiados por tropas estadunidenses com apoio aéreo. Depois de uma semana de batalha, as forças do Talibã foram derrotados com até 124 combatentes mortos.

2006: OTAN no sul do Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Desde Janeiro de 2006, a Força Internacional de Assistência para Segurança (ISAF) da OTAN começou a substituir as tropas dos EUA no sul Afeganistão da Operação Liberdade Duradoura. A 16a Brigada de assalto aéreo britânico (mais tarde reforçado pela Royal Marines) formou o núcleo da força sul do Afeganistão, com tropas e helicópteros da Austrália, Canadá e Holanda. A força inicial consistia de cerca de 3.300 britânicos,[58] 2300 canadenses,[59] 1400 holandeses,[60] 280 dinamarqueses,[61] 300 australianos[62] e 150 estónios.[63] O apoio aéreo foi fornecido por aviões e helicópteros de combate americanos, britânico, holandeses, noruegueses e franceses.

Em Janeiro de 2006, o objetivo da OTAN no sul do Afeganistão foi de formar a Equipe de Reconstrução Provincial lideradas pelos britânicos em Helmand, enquanto os Países Baixos e o Canadá iriam orientar esses projetos, respectivamente, em Oruzgan e Candaar. Os Talibãs locais manifestaram oposição à chegada da nova força no poder prometeu resistir.[64]

O sul do Afeganistão enfrentou, em 2006, a maior onda de violência no país desde a queda do regime talibã por forças dirigidas pelos EUA em 2001, com as recém-implantadas tropas da OTAN enfrentaram militantes rebeldes. Operações da OTAN têm sido lideradas por comandantes britânicos, canadenses e holandeses. A Operação Mountain Thrust foi lançada em 17 de Maio de 2006 com a intenção de erradicar as forças talibãs. Em julho, a Canadian Forces lançou a Operação Medusa, em uma tentativa de deixar as áreas livres dos talibãs, de uma vez por todas, apoiada por forças americanas, britânicas, holandesas e dinamarquesas. Os combates das forças da OTAN foram intensos no segundo semestre de 2006. A OTAN tem sido bem sucedida em conseguir vitórias táticas sobre o Talibã, mas os talibãs ainda não estão completamente derrotados e a OTAN teve de continuar operações em 2007.

2007: Ofensiva da Coligação[editar | editar código-fonte]

Forças Americanas e Britânicas na província Helmand em 2007.
Um soldado da 10ª Divisão de Montanha dos EUA, fazendo patrulhas em Aranas, Afeganistão.
Tanque do exército holandês atacando o Taliban em Chora, 16 de junho de 2007.
Militares alemães no Afeganistão.

Em 13 de Janeiro de 2007 uma força britânica, liderada pela Royal Marines, lançou uma operação para atacar um reduto talibã no sul da província de Helmand.

Em janeiro e fevereiro de 2007, o Royal Marines britânico apresentou a Operação Vulcão para limpar posições dos insurgentes de tiros na aldeia de Barikju, a norte de Kajaki. Em março foi lançado Operação Aquiles que além de envolver soldados americanos e britânicos, incluiu os holandeses e canadenses. O alvo do ataque é remover a província de Helmand das mãos dos talibãs. Outras operações, tais como a Operação Prata e Operação Silício, foram conduzidos para manter a pressão sobre os talibãs.

Em 4 de março de 2007, pelo menos 12 civis foram mortos e 33 ficaram feridos pelos ataques dos Marines dos EUA no distrito de Shinwar Nangrahar, província do Afeganistão. Os americanos reagiram a uma emboscada a bomba. O evento tornou-se conhecido como o Massacre Shinwar. Os 120 membros da unidade da Marine responsáveis pelo ataque foram convocados a sair do país porque o incidente danificou a unidade de relações com a população local afegã.

Em 13 de Maio, as forças da ISAF anunciaram a morte do mullah Dadullah, um dos mais importantes comandantes talibãs, durante um confronto entre os talibãs e tropas afegãs e da coligação.

A Operação Aquiles, que terminou em 30 de maio de 2007 e foi imediatamente seguida pela Operação Lastay kulang naquela noite. Durante o verão, as forças da OTAN alcançaram vitórias táticas sobre o Taliban na Batalha de Chora na província de Orūzgān, onde forças ISAF holandesas e australianas estão mobilizadas.

Em Dezembro de 2007, o Talibã deixou a cidade de Musa Qala, nas mãos dos aliados após alguns dias de sítio, que também provocam vítimas civis até então era a maior cidade controlada pelos talibãs.

2008-2009: Expansão da guerrilha[editar | editar código-fonte]

Soldados americanos em patrulha em Kunar.

Em agosto de 2008, a situação piora para a OTAN, já que suas baixas aumentam sendo que junho, julho e agosto houve mais mortes que no Iraque, somando estes 3 meses são quase 120 mortos comparando isso com os 190 que morreram nos primeiros 3 anos o conflito é um claro sinal do ressurgimento da guerra.[65] No dia 19, dez soldados franceses foram mortos em uma emboscada talibã perto de Cabul.[66]

Até outubro de 2008, o país continua em um clima de guerra constante, e segundo o Financial Times existe descontentamento crescente com o governo de Hamid Karzai. Segundo o jornal, a instabilidade poderia se espalhar para o norte, onde os líderes da Aliança do Norte, excluídos e pressionados por Karzai, estariam rearmando-se.

O ano de 2009 foi ainda mais violento desde a invasão em 2001. A insurgência Talibã intensificou os ataques em todo o território, causando grande número de mortes de civis e forças afegãs e estrangeiras.[67] A onda de violência no país exigiu uma revisão da estratégia da OTAN no Afeganistão incluindo o envio de mais tropas dos países membros, bem como promover e melhorar a formação das forças de segurança afegãs.[68]

Em maio de 2009, a Casa Branca declarou que não impediria os bombardeios ao país, recusando o pedido do presidente afegão, Hamid Karzai, depois que dois vilarejos foram bombardeados, matando mais de uma centena de civis.[69] [70] [10] [11] [21] [26]

Especialmente sangrento foi em outubro de 2009, que foi registrado o maior número de ataques de insurgentes durante a invasão. No dia 4, oito soldados norte-americanos foram mortos em um ataque talibã no leste do país.[71] No dia 17, um suicida se explodiu em frente à embaixada indiana em Cabul, matando 17 pessoas.[72] Em 28, o comando talibã ataca a casa de hospedes da ONU em Cabul, matando 13 pessoas, incluindo seis funcionários da ONU.[73]

No início de novembro de 2009, o líder da oposição, Abdullah Abdullah anunciou sua renúncia apresentada ao segundo turno das eleições, a realizar no dia 8, o que significava a reeleição automática do presidente Hamid Karzai.[74]

Em 1 de dezembro de 2009, o governo dos EUA pediu a OTAN o envio de 10.000 tropas adicionadas a mais 30.000 em que o país se compromete a implantar, em 2010. O Reino Unido se comprometeu em enviar mais 500 militares, enquanto outros países da coalizão estão estudando a proposta.[75]

2010: Ofensiva Anglo-Americana e conversas de paz[editar | editar código-fonte]

Fuzileiros americanos em Marja, em fevereiro de 2010.

Em janeiro de 2010, oficiais americanos disseram reservadamente que os paquistaneses estavam relutantes em ir atrás dos talibãs afegãos e contra os Haqqani porque eles os viam como possíveis aliados contra os interesses da Índia no Afeganistão pós-ocupação americana.[76] Contudo, nas aparições publicas, autoridades americanas elogiavam os militares paquistaneses e seu comprometimento com a luta contra os insurgentes na fronteira.[77] O presidente afegão Hamid Karzai também iniciou conversas de paz com os grupos Haqqanis em março de 2010.[78] O Presidente paquistanês Asif Ali Zardari disse que o Paquistão perdeu mais de 35 bilhões de dólares em oito anos de lutas.[79] De acordo com o governo afegão, cerca de 900 talibans em operações conduzidas em 2010.[80] Junto com o crescimento da insurgência, também houve um aumento significativo das baixas entre tropas da coalizão, em especial dos americanos.[81]

Marines em combate, 2010.

Em outubro de 2008, o Secretário de Defesa Gates anunciou que um acordo político com o Talibã seria a única forma de por fim ao conflito. "Tem de haver finalmente – e eu vou enfatizar esse 'finalmente' – reconciliação como parte o acerto politico para a paz," ele falou.[82]

As conversas de paz começaram de fato em 2010. Em janeiro, comandantes Talibãs se encontraram secretamente com enviados especiais das Nações Unidas.[83]

Ofensiva em Marja[editar | editar código-fonte]

Forças americanas em uma posição defensiva na província de Kabul.

Em fevereiro, forças da Coalizão e do Afeganistão iniciaram uma pesada ofensiva, codinome Operação Moshtarak, para destruir as fortalezas talibãs em Marja.[84] As operações começaram em 13 de fevereiro e, de acordo com oficiais americanos e afegãos, foi a primeira vez que uma ofensiva foi liderada por tropas do Afeganistão.[85] Os ataques contaram com o apoio de 15 000 soldados americanos, britânicos e afegãos. Era a maior ofensiva conjunta no país desde a invasão de 2001. As tropas lutaram em uma área de menos de 260 km², com uma população de 80 000 pessoas.[86]

Ainda em 2010, os Estados Unidos começaram a enviar mais soldados ao Afeganistão como parte dos planos do Presidente Barack Obama de aumentar a segurança naquele país. Cerca de 9 000 soldados dos 30 000 planejados para o fim de março foram enviados e mais 18 000 chegaram em junho, entre elas a 101ª Divisão Aerotransportada. O Pentágono disse que o número de soldados americanos no país já superava os que estavam no Iraque em 2003.[87]

Tensões entre Paquistão e Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Tensões entre o Paquistão e os Estados Unidos começaram em setembro quando vários soldados paquistaneses foram mortos ou feridos na fronteira. Os militares foram mortos por aviões americanos que perseguiam insurgentes talibãs na região da fronteira mas sem motivo aparente abriram fogo contra postos de controle paquistaneses. Em retaliação ao ataque, o Paquistão fechou a passagem de Torkham para comboios de suprimento da OTAN por tempo indeterminado. Esse incidente foi seguido por imagens e videos de soldados paquistaneses hostilizando e matando civis inocentes.[88] Com o fechamento da passagem de Torkham, talibãs baseados no Paquistão atacaram combois da OTAN, matando vários funcionários da organização e destruindo pelo menos 100 veículos.[89]

Ataques contra líderes Talibãs[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2010, forças especiais da OTAN iniciaram uma série de ataques e operações para capturar ou matar líderes talibãs. Em março de 2011, de acordo com os militares americanos, as operações mataram ou capturaram mais de 900 soldados e comandantes de baixo nível do talibã. A eficiência da operação foi dada como incerta.[90]

2011: Redução da presença militar dos EUA e da OTAN[editar | editar código-fonte]

A morte de Osama bin Laden[editar | editar código-fonte]

Em 1 de maio de 2011, autoridades americanas anunciaram que o líder da al Qaeda, Osama bin Laden, havia sido morto por tropas americanas em uma operação conduzida pela CIA e pelos Navy SEALs, sob ordens do Presidente Barack Obama, no Paquistão. Multidões se reuniram enfrente a Casa Branca em Washington, DC, gritando "USA, USA" depois que a notícia se espalhou e o Presidente Obama falou ao povo em rede nacional de televisão e descreveu a operação ressaltando a morte do líder terrorista.[91]

Obama com sua equipe durante a operação que resultou na morte de bin Laden.

Batalha de Candaar[editar | editar código-fonte]

A Batalha de Candaar foi parte de uma ofensiva nomeada em homenagem a antiga "Batalha de Bad'r (ano 624)". Os confrontos se seguiram logo após um anúncio oficial feito em 30 de abril de 2011, depois que o Taliban lançou sua ofensiva de primavera com ataques simultâneos por todo o país.[92]

Em 7 de maio de 2011, o Taliban lançou um pesado ataque contra prédios do governo em Candaar. Às 12:30h, hora local, os Talibans atacaram os prédios centrais da cidade. Os insurgentes haviam falado que seu principal objetivo era tomar o controle da cidade de Candaar. Ao menos oito locais foram atacados: o complexo do governador, o escritório do prefeito, o quartel-general da NDS, três estações da polícia e duas escolas.[93]

A batalha prosseguiu por mais um dia, até 8 de maio de 2011. O reporter da BBC, Bilal Sarwary, disse:

"Este foi o pior ataque sobre Candaar desde a queda da cidade em 2001 e da expulsão dos Talibans de seu controle e foi realmente vergonhoso para o governo afegão."[94]

Retiradas antecipadas[editar | editar código-fonte]

Em 6 de junho de 2011, autoridades da Casa Branca afirmaram que o Presidente Obama tomaria uma decisão a respeito de uma retirada geral do país "em breve".[95] O plano seria começar a retirar as tropas e equipamentos ainda em junho e completar tudo até 2014. Em 7 de junho, o chefe do Comite do Senado para as Forças Armadas Carl Levin ressaltou que "pelo menos 15 000 homens seriam retirados ainda este ano".[96] Em 22 de junho, Barack Obama falou à nação ao vivo da Casa Branca e anunciou oficialmente que 10 000 soldados seriam retirados até o fim de 2011 e outros 23 000 também deixariam o país no verão de 2012.[34]

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, e Hamid Karzai, presidente da República Islâmica do Afeganistão, após assinarem novos acordos de parceria entre os dois países, em maio de 2012.

Após o anúncio, vários países da aliança transatlântica também declararam suas intenções de deixar o país.[97] [98] Em 1 de agosto de 2010, os Países Baixos tornaram-se de fato o primeiro país membro da OTAN a retirar suas tropas do Afeganistão. O próximo país a se retirar foi o Canadá, em 2011. Mais do que a falta que os dois mil soldados à ISAF, a retirada teve um impacto simbólico. Os Países Baixos "quebraram a solidariedade entre os membros da OTAN", destacou Hans de Vreij, influente repórter da Rádio Nederland. Nenhum dos aliados europeus se mostrou disposto a preencher a lacuna deixada pelos neerlandeses. Ao contrário, a maioria estudou também uma retirada antecipada, o que deixa os governos da França e da Alemanha, países onde a guerra nunca foi popular, sob pressão.[99] Os Estados Unidos planejaram sua retirada do território afegão em 2011 e a iniciaram em 2014, mas "numa primeira fase a retirada será limitada", informou Robert Gates, secretário da Defesa dos Estados Unidos. A Polônia anunciou que se retiraria em 2012 e o Reino Unido, em 2014 ou 2015, antes das próximas eleições britânicas. Na conferência de doadores em Cabul, em julho, ficou estabelecido a retirada para o final de 2014 a polícia e o Exército Afegão assumiu o controle de todas as províncias do país.[100]

2012: Acordos estratégicos[editar | editar código-fonte]

Em 2012 os ataques feitos por insurgentes continuaram no mesmo nível que em 2011, totalizando 28 000 atentados e outras ações feitas pelo talibã naquele ano.[101]

Soldados americanos enfrentando insurgentes islâmicos em Kunar.
Reformulação da Frente Unida (Aliança do Norte)[editar | editar código-fonte]

Ao fim de 2011, a Frente Nacional do Afeganistão (FNA) foi criada por Ahmad Zia Massoud, Abdul Rashid Dostum e Haji Mohammad Mohaqiq, que foi descrito como uma reformulação da ala militar da Frente Unida (Aliança do Norte) para se opor a um retorno do talibã ao poder.[102] Enquanto isso, enquanto isso a ala política do movimento formou a Coalizão Nacional do Afeganistão, liderada por Abdullah Abdullah, se tornando o principal movimento de oposição no parlamento afegão.[103] [104]Amrullah Saleh, ex chefe da inteligência, criou um novo movimento ("Tendência Verde Afegã) que chegou a mobilizar 10 000 manifestantes anti-talibã em Kabul, em maio de 2011.[105] [106]

Em janeiro de 2012, a Frente Nacional do Afeganistão ficou preocupada com a possibilidade de um acordo secreto entre os Estados Unidos, o Paquistão e o Talibã durante uma reunião em Berlim.[107] Depois do encontro com um representante do congresso americano, um representante da Frente Nacional Afegã afirmou que a única forma de se chegar a um acordo seria se todas as partes concordassem com os termos, afirmando que um entendimento sem envolver os guerrilheiros anti-talibã seria ignorar os sacrifícios feitos por estes.[108]

Acordo de parceria[editar | editar código-fonte]
Soldados afegãos em combate na província de Helmand.

Em 2 de maio de 2012, os presidentes Karzai e Obama assinaram um acordo estratégico entre os países[109] O acordo de parceria entre os Estados Unidos e o governo do Afeganistão,[110] providenciava um plano de estratégia para a relação entre essas nações após a retirada das forças americanas do país.[111] O acordo entrou em vigor em 4 de julho.[112] No dia 7, como parte do acordo, os Estados Unidos designaram o Afeganistão como um "aliado extra-OTAN", após uma reunião entre Karzai e a secretária de Estado Hillary Clinton em Kabul.[113] Em novembro, os dois países começaram as negociações para um acordo bilateral de segurança, que envolveria uma data para retirada dos soldados americanos do território afegão.[carece de fontes?]

Encontro da OTAN em Chicago: Retirada das tropas e presença ao longo prazo[editar | editar código-fonte]

Em 21 de maio de 2012, os líderes dos países membros da OTAN endossaram um acordo de retirada das suas tropas do Afeganistão. As forças da ISAF iriam transferir o comando das missões de combate aos militares afegãos em meados de 2013,[114] mudando sua função de combatente para conselheiro, auxiliando no treinamento e assistindo as forças de segurança afegã.[115] [116] A maioria dos 130 000 soldados estrangeiros no Afeganistão já estariam de volta aos seus respectivos países em dezembro de 2014.[114] Um pequeno contingente militar da OTAN ficaria para atrás e teria a missão de dar suporte ao governo afegão.[115] [117]

2013: Retirada das tropas americanas[editar | editar código-fonte]

Encontro entre Karzai e Obama[editar | editar código-fonte]

Soldados afegãos e americanos lutando no Afeganistão.

Karzai visitou os Estados Unidos em janeiro de 2012. Naquela altura, os americanos já estavam abertamente falando em retirar todas as suas tropas do Afeganistão ao fim de 2014.[118] Em 11 de janeiro, Karzai e Obama concordaram em transferir as operações de combate da OTAN para as forças afegãs na primavera de 2013.[119] [120] O presidente Obama disse na entrevista: "O que vai acontecer nesta primavera é que os afegãos estarão na liderança do país. [...] Eles (as forças da ISAF) continuará lutando ao lado dos afegãos. [...] Nós os assistiremos com ajuda, treinamento e aconselhamento".[120] "Nós temos que atingir nosso objetivo principal. [...] de incapacitar e desmantelar a al-Qaeda, para termos certeza de que eles não nos atacaram de novo", Obama completou.[121]

Um soldado americano da 10ª divisão de montanha na província de Nuristan.

O presidente Obama afirmou que o ritmo da retirada dos soldados americanos seria determinado pelos lideres militares do Pentágono.[122] Ele afirmou que a função dos Estados Unidos na região após 2014 seria focada em operações de contra-terrorismo e treinamento.[121] [122] Barack também salientou que a presença militar americana no país precisaria incluir imunidade para os soldados estadunidenses com relação a lei afegã, mas Karzai relutava.[123]

Um dos primeiros passos para a transição seria a transferência de prisioneiros, dos cuidados dos americanos para as autoridades afegãs,[120] [124] além da completa retirada dos soldados dos Estados Unidos dos vilarejos pelo país ainda em 2013.[124] [125]

Transferência da responsabilidade de segurança[editar | editar código-fonte]

Em 18 de junho de 2013, a transferência de responsabilidade da segurança do país foi completada.[126] [127] [128] A última etapa seria a retirada da presença militar estrangeira de 95 distritos remanescentes. Karzai afirmou que "quando os afegãos veem a responsabilidade da segurança sendo transferido, eles apoiaram o exército e a polícia ainda mais". O secretário-geral da OTAN, Fogh Rasmussen, disse que os cinco estágios estabelecidos para a transferência de responsabilidade começaria em março de 2011.[126] A ISAF permaneceria no país até 2014.[128] [129]

Acordos de segurança bilaterais entre Estados Unidos e Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Como parte do acordo firmado entre autoridades americanas e afegãs em 2012, os dois países firmaram um novo acordo de segurança,[130] em 20 de novembro de 2013.[131] Neste entendimento foi acertado que os conselheiros militares americanos permaneceriam no país, junto com as tropas especiais, para auxiliar as forças afegãs, em ações anti-terrorismo contra a Al Qaeda e outros grupos insurgentes. Presidente Obama afirmou que a quantidade de soldados seria pequena.[132] [133]

Militares do Exército Nacional do Afeganistão durante um exercício de treinamento.

2014 - presente: Início da retirada das forças internacionais e reincidência da violência[editar | editar código-fonte]

O começo do ano de 2014 foi complicado para o governo afegão, com os combates contra os guerrilheiros mujahidins e os atentados se intensificando. Ainda assim, o presidente afegão Hamid Karzai começou a negociar um plano com os britânicos se retirarem do país, junto com os americanos.[134]

Em 27 de maio de 2014, o presidente americano, Barack Obama, afirmou que as missões de combate das forças dos Estados Unidos no Afeganistão terminariam oficialmente em dezembro de 2014. Uma força residual de 9 800 soldados ficaria para atrás, para ajudar a treinar e dar suporte às tropas afegãs, além de realizar missões pontuais de contraterrorismo contra a al-Qaeda.[135] Esta força continuaria a ser gradualmente reduzida em tamanho entre 2015 e 2016, quando apenas uma pequena tropa ficaria para atrás para defender as embaixadas estrangeiras. Outras nações da OTAN também já estavam em processo de retirar seus militares do Afeganistão.[136]

A 28 de dezembro de 2014 os Estados Unidos e a OTAN oficialmente encerraram suas operações militares no Afeganistão, depois de treze anos.[137] De mais de 100 mil soldados no auge das operações, uma força de apenas 13 500 militares da OTAN ficaram para atrás em 2015 para ajudar e treinar o exército afegão, mas não participariam dos combates diretamente.[138] Enquanto isso, a violência pelo país se intensificava, especialmente na região de fronteira com o Paquistão, com o taliban e a al-qaeda aumentando suas atividades.[139]

2015: "guerra secreta"[editar | editar código-fonte]

Embora tenha havido um fim formal das operações de combate, em parte devido à melhoria das relações entre os Estados Unidos e a presidência de Ghani, as forças estadunidenses aumentaram os ataques contra os "militantes islâmicos", justificados por uma interpretação ampla de proteger as forças americanas. [140] Uma incursão conjunta por forças americanas e afegãs prendeu seis talibãs ligados ao ataque à escola do exército em Peshawar em 2014. [141]

O Secretário de Defesa dos Estados Unidos Ash Carter viajou para o Afeganistão em fevereiro de 2015; [142] durante um período em que foi discutido que os Estados Unidos iriam desacelerar a sua retirada do Afeganistão. [143] Em fevereiro de 2015, os componentes do quartel-general da 7ª Divisão de Infantaria dos Estados Unidos começaram a ser implantados no Afeganistão. [144] Estará acompanhado pela 2ª Brigada Equipe de Combate da 10ª Divisão de Montanha e a 101ª Brigada de Combate da Aviação. [145] Em março de 2015, foi anunciado que os Estados Unidos irão manter quase dez mil militares no Afeganistão até pelo menos o final de 2015, uma mudança da redução programada. [146] Ainda no final de maio de 2015, as forças dos Estados Unidos continuaram a realizar ataques aéreos e incursões de operações especiais, enquanto as forças afegãs estavam perdendo terreno para as forças talibãs em algumas regiões.[147]

Reações internacionais[editar | editar código-fonte]

Militares italianos no Afeganistão.
Uma manifestação na cidade de Quebec contra a presença de tropas canadenses no Afeganistão.

Apoio internacional[editar | editar código-fonte]

A primeira onda de ataques foi realizada apenas por forças americanas e britânicas. Desde o primeiro período de invasão, essas forças foram aumentadas por tropas e aviões de Austrália, Canadá, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Nova Zelândia e Noruega, entre outros. Em 2006 havia cerca de 33.000 soldados.

Protestos, manifestações e eventos[editar | editar código-fonte]

A guerra tem sido objeto de grandes protestos ao redor do mundo começando com as grandes manifestações nos dias que antecederam a invasão e todos os anos desde então. Muitos manifestantes consideram o bombardeio e invasão do Afeganistão como sendo uma agressão injustificada. [148] [149] As mortes de civis afegãos causadas direta ou indiretamente pelas campanhas de bombardeamento dos EUA e da OTAN é um grande foco central dos protestos. [150] Em janeiro 2009, a Brave New Foundation lançou a Rethink Afghanistan, uma campanha nacional de soluções não violentas no Afeganistão construídas em torno de um documentário do diretor e ativista político Robert Greenwald. [151] Dezenas de organizações tem planejados (e, eventualmente, mantido) uma marcha nacional pela paz em Washington, D.C., em 20 de março de 2010. [152]

Impacto na sociedade afegã[editar | editar código-fonte]

Mortes de civis[editar | editar código-fonte]

Estimativas de baixas da guerra variam. De acordo com um relatório das Nações Unidas, os talibãs foram responsáveis por 76% das mortes de civis no Afeganistão em 2009. [153] Um relatório das Nações Unidas em junho de 2011 declarou que 2.777 civis foram conhecidos por terem sido mortos em 2010 (insurgentes responsáveis por 75%). [154] Um relatório de julho de 2011 da ONU afirmou que "1462 não combatentes morreram" nos primeiros seis meses de 2011 (insurgentes 80%). [155] Em 2011, um recorde de 3.021 civis foram mortos, o quinto aumento anual consecutivo. [156] De acordo com um relatório das Nações Unidas, em 2013 houve 2.959 mortes de civis com 74% sendo atribuídas às forças antigovernamentais, 8% as forças de segurança afegãs, 3% as forças da ISAF, 10% a combates terrestres entre as forças antigovernamentais e forças pró-governamentais e 5% das mortes sem atribuição. [157] 60% dos afegãos têm experiência pessoal direta e a maioria dos outros relatam sofrerem uma série de dificuldades. 96% foram afetados pessoalmente ou pelas consequências mais amplas.[158]

Um relatório intitulado Body Count elaborado por Physicians for Social Responsibility, Physicians for Global Survival e pelo Prêmio Nobel da Paz Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear concluiu que 106.000-170.000 civis foram mortos como resultado dos combates no Afeganistão nas mãos de todas as partes no conflito. [159]

De acordo com Watson Institute for International and Public Affairs, 21.000 civis foram mortos como resultado da guerra. [160]

Refugiados[editar | editar código-fonte]

Desde 2001, mais de 5,7 milhões de antigos refugiados retornaram ao Afeganistão, [1] [161] [162] mas outros 2,2 milhões permaneceram refugiados em 2013. [163] Em janeiro de 2013, a ONU estima que 547.550 fossem deslocados internos, um aumento de 25 % em relação aos 447.547 deslocados internos estimados para janeiro de 2012. [162] [163] [164]

Narcotráfico[editar | editar código-fonte]

Hectares de cultivo de papoula entre 1994-2007 (tabela com base em dados da ONU). Em janeiro de 2008, foi estimado que o Afeganistão produziu 93% da produção mundial de papoula do ópio.

Em 2000, o Talibã, tinha imposto a proibição da produção de ópio, o que levou a reduções de 90%. No entanto, logo após a invasão do Afeganistão em 2001, a produção aumentou consideravelmente.[165] Em 2005, o Afeganistão tinha recuperado a sua posição como o maior produtor mundial de ópio, com 90% da produção mundial, a maior parte sendo transformada em heroína e vendida na Europa e na Rússia.[166] Em 2009, a BBC informou que "constatações da ONU dizem que um valor de mercado do ópio de $65bn (£39bn) financia o terrorismo global, atende a 15 milhões de viciados, e mata 100 mil pessoas todos os anos”. [167]

Os esforços dos Estados Unidos e aliados para barrar o comércio de drogas não têm obtido êxito sobretudo porque muitos indivíduos suspeitos são altos funcionários do governo Karzai.[166] De fato, as recentes estimativas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime mostram que 52% do PIB do Afeganistão, que é de 23 bilhões de dólares[168] , é gerado pelo comércio da droga. O aumento da produção tem sido associado à deterioração da situação de segurança, uma vez que a produção é significativamente menor em áreas com segurança estável.[169] Parar alguns, o extermínio dos cultivos de papoula não é visto como uma opção viável porque a venda de papoulas constitui o modo de subsistência dos produtores rurais do Afeganistão. Cerca de 3,3 milhões de afegãos estão envolvidos na produção de ópio. [170] O ópio é mais rentável do que o trigo e a destruição de campos de ópio poderia levar ao descontentamento ou agitação entre a população indigente. [171]

Custos[editar | editar código-fonte]

O custo da guerra supostamente foi um fator importante para que os oficiais norte-americanos considerassem retirar tropas em 2011. [172] Um relatório de março de 2011 da Congressional Research Service observou que, (i) após o anúncio de escalada no Afeganistão em 2009, os gastos do Departamento de Defesa para o Afeganistão aumentaram em 50 %, passando de $4.4 bilhões para $6.7 bilhões por mês. Durante esse tempo, as tropas aumentaram de 44.000 para 84.000, e era esperado que estivesse em 102.000 para o ano fiscal de 2011; (ii) o custo total desde o início até o ano fiscal de 2011 era esperado para ser $468 bilhões. [173] A estimativa para o custo de implantação de um soldado dos Estados Unidos no Afeganistão é mais de US$1 milhão por ano. [174]

Problemas de estabilidade[editar | editar código-fonte]

Um soldado coloca sapatos para crianças afegãs na província de Zabul
Um mercado afegão repleto com vendedores e compradores em 4 de fevereiro de 2009
Soldados do exército dos Estados Unidos descarregam ajuda humanitária para distribuição à cidade de Rajan Kala, 5 de dezembro de 2009

Em uma entrevista de 2008, o então chefe do Comando Central dos Estados Unidos general David H. Petraeus, insistiu em que os talibãs estavam ganhando força. Ele citou um recente aumento dos ataques no Afeganistão e no vizinho Paquistão. Petraeus insistiu que os problemas no Afeganistão eram mais complicados do que as que ele havia enfrentado no Iraque durante sua visita e exigiu a remoção de santuários e fortalezas difundidas.[175]

Os observadores têm argumentado que a missão no Afeganistão é dificultada pela falta de acordo sobre os objetivos, falta de recursos, falta de coordenação, muito foco sobre o governo central em detrimento dos governos locais e provinciais, e muito foco sobre o país ao invés da região.[176]

Em 2009, o Afeganistão moveu três lugares no índice anual de corrupção da Transparência Internacional, tornando-se o segundo país mais corrupto do mundo à frente da Somália. [177] No mesmo mês, Malalai Joya, uma ex- membro do Parlamento afegão, e autora de "Raising My Voice", expressou oposição a uma expansão da presença militar dos Estados Unidos e suas preocupações sobre o futuro. "Há oito anos, os EUA e a OTAN - sob a bandeira dos direitos das mulheres, direitos humanos e democracia - ocuparam meu país e nos empurraram da frigideira para o fogo. Oito anos são o bastante para saber melhor sobre o sistema corrupto e mafioso do presidente Hamid Karzai. Meu povo está esmagado entre dois inimigos poderosos. A partir do céu, as forças de ocupação bombardeiam e matam civis... e no chão, o Talibã e os senhores da guerra continuam seus crimes. É melhor que eles saiam do meu país; meu povo está tão farto. Ocupação nunca vai trazer libertação, e é impossível trazer a democracia pela guerra."[178]

O Paquistão desempenha um papel central no conflito. Um relatório de 2010 publicado pela London School of Economics afirma que o ISI do Paquistão tem uma "política oficial" de apoio ao Talibã. [179] "O Paquistão parece estar a desempenhar um jogo duplo de magnitude surpreendente", afirma o relatório. [179] Amrullah Saleh, ex-diretor do serviço de inteligência do Afeganistão, declarou: "Nós falamos sobre todas esses proxies [talibãs, Haqqani], mas não do mestre de proxies, que é o exército do Paquistão. A questão é o que o exército do Paquistão deseja alcançar ...? eles querem ganhar influência na região" [180] Sobre a presença de tropas estrangeiras no Afeganistão, afirmou: "[eles] lutam pelo interesse nacional dos EUA, mas ... sem eles nós enfrentaremos massacre e desastres e Deus sabe que tipo de futuro o Afeganistão terá."[180]


Violações dos direitos humanos[editar | editar código-fonte]

O Afeganistão tem sido palco de extensas violações dos direitos humanos ao longo dos últimos vinte anos. A subsequente guerra civil aumentou os casos de abusos por parte das facções armadas em luta pelo poder. Os Talibã, que subiram ao poder em 1998 e governaram o Afeganistão por cinco anos, até os ataques dos EUA em 2001, foram notórios por abusos contra os direitos humanos das mulheres. Antigos chefes militares e políticos afegãos foram responsáveis por inúmeras violações dos direitos humanos em 2003, incluindo sequestros, estupros, roubo e extorsão.

As consequências da invasão liderada pelos Estados Unidos, o ressurgimento das forças talibãs, o recorde na produção de drogas e o rearmamento dos senhores da guerra afetaram o bem-estar e os direitos de centenas de milhares de cidadãos inocentes afegãos, segundo a Human Rights Watch. A situação dos direitos humanos é difícil nas prisões e sobretudo para as mulheres. O aumento do poder dos Taliban levou a um aumento das violações dos direitos humanos contra as mulheres, de acordo com o Departamento de Estado americano. A Anistia Internacional afirmou que até 756 civis foram mortos por bombas em 2006, principalmente em estradas por atacantes suicidas pertencentes ao Taliban.Mas as ações da coligação de forças lideradas pelos EUA, em luta contra os talibãs, também são criticadas em razão do grande número de vítimas civis. Houve várias denúncias de violações.[181]

Casos de abusos cometidos[editar | editar código-fonte]

A Aliança do Norte, aliada dos Estados Unidos, tem sido acusada de crimes cometidos em novembro de 2001, contra os prisioneiros talibãs e da Al Qaeda. O governo norte-americano é acusado de querer encobrir o caso, de modo a não perturbar os seus aliados afegãos e para preservar alguns dos seus membros suspeitos de terem sido testemunhas oculares dos acontecimentos. O caso foi revelado pelo periódico Newsweek após a publicação de um memorando confidencial para a ONU. Segundo a nota, os itens encontrados "suficientes para justificar uma investigação criminal formal." Este infelizmente não é o único caso detectado durante o decorrer desta guerra, desde 1978. Em 1997 e 1998, tais cenas tinham sido cometidos pelos talibãs e os seus opositores. As cidades de Meymana, Faryab, Herat, entre outros também foram palco execuções em massa cometidas pelos talibãs durante este período, enquanto em 1998 a cidade de Shebarghan viu os seus adversários usar o mesmo método.

O massacre de Dasht-i-Leili provavelmente aconteceu em dezembro de 2001, quando um número (discutido entre 250 e 3.000) de prisioneiros talibãs foram abatidos a tiro ou sufocados até a morte dentro de contentores de metal, em carros transportados por soldados americanos e da Aliança do Norte, que iam de Kunduz para a prisão de Sheberghan, no norte. Estas alegações são contestadas pelo jornalista Robert Young Pelton, que estava presente no evento. Há boatos de que a Coalizão tem torturado prisioneiros durante os interrogatórios.[carece de fontes?] Muitas queixas se referem à prisão ao Camp X-Ray em Guantánamo em Cuba.

Em 2004, a organização Human Rights Watch publicou um relatório intitulado "Liberdade Duradoura - Abusos das forças dos EUA no Afeganistão", que contém várias alegações de abusos por parte forças americanas.

Em Fevereiro de 2005, o "American Civil Liberies União” liberou documentos obtidos dos EUA, mostrou que, após o escândalo da Prisão de Abu Ghraib, o exército tinha destruído fotografias que documentavam abusos contra prisioneiros sob sua custódia no Afeganistão. As fotografias foram feitas no campo de fogo Tycze e em torno das aldeias de Gujay e Sukhagen.

Um jovem garoto afegão assassinado por militares americanos em Kandahar. Cinco soldados dos Estados Unidos foram processados após uma série de execuções de civis afegãos, entre janeiro e maio de 2010.

Em 22 de agosto de 2008, a aldeia de Azizabad, na província de Herat, sofreu um ataque aéreo das forças da OTAN. 78 a 92 civis, em sua maioria crianças, foram mortos.[182] O ataque também destruiu casas e a infraestrutura da aldeia. O alvo teria sido um comandante Taliban, que afinal não foi atingido. Posteriormente um aldeão foi responsabilizado pela tragédia e condenado à morte, sob a acusação de ter dado uma informação falsa às forças da coalizão.[183]

Em julho de 2010, o site Wikileaks divulgou 92 mil documentos secretos do exército dos Estados Unidos, reportando a morte de milhares de civis no Afeganistão, por militares norte-americanos. O vazamento teve enorme repercussão mundial.[184] Wikileaks repassou as informações para The New York Times, The Guardian e Der Spiegel, e depois publicou-os na Internet.[185] [186] Os relatórios abrangem o período de janeiro de 2004 a dezembro de 2009.[187] [188] [189] O porta-voz da Wikileaks, Julian Assange defendeu a confiabilidade do material vazado sobre o conflito e disse que os documentos contêm evidências de que crimes de guerra foram cometidos por tropas de diversas nacionalidades, em especial pelas forças estadunidenses, durante a ocupação militar do Afeganistão.[190]

Em 19 de setembro de 2010, um novo escândalo implicou soldados americanos. O Washington Post divulgou que cinco soldados da brigada Stryker da 2ª Divisão de Infantaria são acusados de cometerem assassinatos gratuitos e dois outros, por fatos correlatos, que teriam ocorrido a partir de 15 de janeiro de 2010, na região de Candaar. As acusações do jornal envolvem também o esquartejamento de cadáveres. Os soldados teriam também fotografado os corpos mutilados, e alguns teriam guardado ossos e crânios das vítimas. Um dos soldados da mesma unidade que tentou alertar a hierarquia foi violentamente espancado. O pai de um dos soldados também teria relatado o ocorrido ao exército americano, sem ter resposta. Os cinco soldados negam todas a acusações.[191]

A controvérsia sobre a tortura em Guantánamo[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2002, altos funcionários da CIA autorizaram duras técnicas de interrogatório. A administração Bush disse, dias após os atentados de 11 de setembro, que membros da Al-Qaeda capturados no campo de batalha não eram sujeitas à Convenção de Genebra, uma vez que não se tratava de uma guerra convencional. Portanto eles não teriam direito ao tratamento de prisioneiros de guerra, regido pela Terceira Convenção de Genebra, que contempla certos direitos básicos, que estariam sendo negados aos presos. Como Guantánamo, apesar de ser uma base norte-americana instalada em território de Cuba contra a vontade desse país, tecnicamente não é território dos Estados Unidos, arrasta-se na Corte Suprema dos Estados Unidos a discussão se os presos têm direito a advogado, a ver familiares e a serem submetidos a um julgamento justo, ou se podem ser sentenciados à morte por uma corte militar sem que a evidência utilizada seja submetida a um debate contraditório.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b 2012 UNHCR country operations profile – Afghanistan unhcr.org
  2. Knefel, John (7 January 2015). Drone Rules in Afghanistan Go Unchanged, And Other Reasons the War Isn't Really Over.
    Tomei, Lizzy. "It's 2015. Time for some new U.S. operations in Iraq and Afghanistan.", 22 January 2015.
    Ackerman, Spencer. "New Afghanistan pact means America's longest war will last until at least 2024", 30 September 2014.
    Munoz, Carlos. "Expect more US casualties in Afghanistan, top NATO commander says", 8 January 2015. Página visitada em 14 de agosto de 2015.
  3. News - Resolute Support Mission. Visitado em 17 July 2015.
  4. Roggi, Bill (31 August 2009). Pakistan's most-wanted: look at who isn't listed The Long War Journal Public Multimedia Inc..
  5. "Officials confirm ISIL present in Afghanistan". Página acessada em 13 de agosto de 2015.
  6. "Is U.S. coalition winning war vs. ISIS?". Página acessada em 13 de agosto de 2015.
  7. "Obama indica general Dunford para ser comandante no Afeganistão", Estado de S.Paulo, 10 de outubro 2012. Página visitada em 10 de outubro de 2012.
  8. "Homem-bomba disfarçado de enviado da paz fere chefe de inteligência afegão", Estado de S.Paulo, 6 de dezembro de 2012. Página visitada em 6 de dezembro de 2012.
  9. International Security Assistance Force (ISAF): Key Facts and Figures (PDF) ISAF (2010-03-05). Visitado em 2010-04-06.
  10. a b c Congressional Research Services Report for Congress - U.S. Forces in Afghanistan - Updated (15 de julho de 2008).
  11. a b c RS22633 – U.S. Forces in Afghanistan – July 15, 2008
  12. Afghan National Security Forces (ANSF): Training and Development
  13. Staying Power: The U.S. Mission in Afghanistan Beyond 2011
  14. Partlow, Joshua. "In Afghanistan, Taliban leaving al-Qaeda behind", washingtonpost.com, November 11, 2009. Página visitada em 2010-02-09.
  15. 500 Al-Queda members in Pakistan. http://www.cnn.com/2009/CRIME/07/30/robertson.al.qaeda.training/index.html
  16. a b "A Sober Assessment of Afghanistan - washingtonpost.com", Washingtonpost.com. Página visitada em October 2, 2008.
  17. Uzbek Fighters in Pakistan Reportedly Return to Afghanistan Jamestown.org. Visitado em October 2, 2008.
  18. Bajoria, Jayshree. "Pakistan's New Generation of Terrorists", Council on Foreign relations, 2009-10-26. Página visitada em 2010-04-06.
  19. Pakistan Observer – Newspaper online edition – Article Pakobserver.net (2009-07-30). Visitado em 2010-02-09.
  20. http://icasualties.org/OEF/Index.aspx
  21. a b OEF: Afghanistan: Fatalities By Year icasualties.org. Visitado em 14 de setembro de 2013.
  22. http://www.dol.gov/owcp/dlhwc/dbaallnation.htm
  23. http://www.mcclatchydc.com/2009/10/14/77193/while-us-debates-afghanistan-policy.html
  24. The War In Afghanistan: That Nagging Evidentiary Question (em inglês). Visitado em 16 de maio de 2014.
  25. It's time for war, Bush and Blair tell Taliban - We're ready to go in - PM (em inglês). Visitado em 16 de maio de 2014.
  26. a b - International Security Assistance Force Factsheet.
  27. The Taliban Resurgence in Afghanistan.
  28. a b Afghanistan: and the troubled future of unconventional warfare By Hy S. Rothstein. [S.l.: s.n.].
  29. Opium Harvest at Record Level in Afghanistan.
  30. Afghanistan opium at record high.
  31. Afghanistan could return to being a ‘failed State,’ warns Security Council mission chief.
  32. Pesadelos no Afeganistão. O Globo, 28 de julho de 2010.
  33. Cooper, Helene. "Obama Announces Killing of Osama bin Laden", The New York Times. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  34. a b EUA anunciam plano de retirada do Afeganistão.
  35. Sune Engel Rasmussen. "Nato ends combat operations in Afghanistan", The Guardian, 28 de dezembro de 2014. Página visitada em 31 de janeiro de 2015.
  36. Nafeez Mosaddeq Ahmed (outubro 2009). Our Terrorists New Internationalist. Visitado em 2009-12-07.
  37. 9/11 Commission Report P. 66.
  38. CNN.com - Bush: bin Laden 'prime suspect' - Archives.cnn.com (17 de setembro de 2001). Visitado em 2 de outubro de 2008.
  39. CNN.com: Transcript of President Bush's address.
  40. Freed aid workers describe Taliban jail rescue Guardian Unlimited (16 de novembro de 2001). Visitado em 8 de março de 2007.
  41. Why Bombing and Warnings Are Not Working Commondreams.org. Visitado em 2 de outubro de 2008.
  42. Nic Robertson and Kelly Wallace (21 de outubro de 2001). U.S. rejects Taliban offer to try bin Laden CNN.com. Visitado em 8 de março de 2007.
  43. Bush rejects Taliban offer to hand Bin Laden over Guardian Unlimited (14 de outubro de 2001). Visitado em 8 de março de 2007.
  44. BBC NEWS | World | Americas | Court rules on Guantanamo inmate BBC (24 de junho de 2008). Visitado em 2 de outubro de 2008.
  45. Peter Dahl Thruelsen, From Soldier to Civilian: DISARMAMENT DEMOBILISATION REINTEGRATION IN AFGHANISTAN, DIIS REPORT 2006:7, 12, supported by Uppsala Conflict Database Project, Uppsala University.
  46. "Updated: Obama speech balances Afghanistan troop buildup with exit pledge", cleveland.com. and "Why Al Qaeda Wants a Safe Haven", Foreign Policy, 23 de outubro de 2009.
  47. "Bush rejects Taliban offer to hand Bin Laden over", The Guardian.
  48. "After the September Eleventh Terrorist attacks on America, "It's time for war, Bush and Blair tell Taliban – We're ready to go in – PM|Planes shot at over Kabul"", The Guardian, 7 de outubro de 2001.
  49. "Canada in Afghanistan: 2001", National Post.
  50. Felbab-Brown, V. 2012. "Slip-Sliding on a Yellow Brick Road: Stabilization Efforts in Afghanistan." Stability: International Journal of Security and Development 1(1):4–19, DOI: http://dx.doi.org/10.5334/sta.af
  51. Rubin, Alyssa J.. "NATO Chief Promises to Stand by Afghanistan", 22 de dezembro de 2009.
  52. The Taliban Resurgence in Afghanistan.
  53. Gall, Carlotta. "Asia: Afghanistan: Taliban Leader Vows Return", The New York Times, 13 November 2004.
  54. "Leaflet War Rages in Afghan Countryside", Associated Press, 14 February 2003.
  55. Tohid, Owias (27 June 2003). Taliban regroups – on the road Christian Science Monitor.
  56. a b c Tohid, Owias and Baldauf, Scott. "Taliban appears to be regrouped and well-funded", Christian Science Monitor, 8 May 2003.
  57. globalsecurity.org.
  58. news.bbc.co.uk. Visitado em 7 de September de 2007.
  59. news.bbc.co.uk. Visitado em 7 de September de 2007.
  60. news.bbc.co.uk. Visitado em 7 de September de 2007.
  61. centcom.mil. Visitado em 7 de September de 2007.
  62. news.bbc.co.uk. Visitado em 7 de September de 2007.
  63. defensenews.com. Visitado em 7 de September de 2007.
  64. news.bbc.co.uk. Visitado em 7 de September de 2007.
  65. Operation Enduring Freedom (icasualties.org).
  66. Diez soldados franceses de la OTAN mueren en un combate contra talibanes en Afganistán.
  67. Aumenta la violencia en Afganistán.
  68. Los países de la OTAN aprueban una nueva estrategia para Afganistán.
  69. EEUU no detendrá ataques aéreos sobre Afganistán: Casa Blanca. Reuters, 10 de mayo de 2009.
  70. Bombardeos en Afganistán: EEUU reconoce la muerte de civiles. AFP, 10 de mayo de 2009.
  71. Mueren 13 soldados de EEUU en 48 horas tras ser atacados en Afganistán.
  72. 17 muertos en un atentado contra la embajada india en Kabul.
  73. Los talibanes asaltan un hotel de la ONU en el centro de Kabul.
  74. Karzai, reelegido presidente sin segunda vuelta tras la retirada de su adversario.
  75. Reino Unido enviará 500 soldados más a Afghanistán.
  76. Gay, Sheryl. "Obama Adds Troops, but Maps Exit Plan", NYTimes.com, 1 de dezembro de 2009. Página visitada em 3 de agosto de 2011.
  77. "U.S. praises Pakistani military efforts", UPI.com, United Press International, 18 de novembro de 2009. Página visitada em 6 de abril de 2010.
  78. "Karzai holds peace talks with insurgents", 22 de março de 2010. Página visitada em 6 de abril de 2010.
  79. "U.S. Security Advisor, Pakistani president discuss fight against militancy", People's Daily Online, 12 de fevereiro de 2010. Página visitada em 6 de abril de 2010.
  80. Gall, Carlotta, "Losses In Pakistani Haven Strain Afghan Taliban", New York Times, 1 de abril de 2011, p.1.
  81. Perry, Tom, "U.S. Troops In Afghanistan Suffer More Critical Injuries", Los Angeles Times, 7 de abril de 2011, p. 4.
  82. Shah, Saeed. "Suicide bombers target Afghan ministry", CNN.com, 30 de outubro de 2008. Página visitada em 30 de outubro de 2008.
  83. Borger, Julian. "UN in secret peace talks with Taliban", Guardian, 28 de janeiro de 2010. Página visitada em 9 de fevereiro de 2010.
  84. Nordland, Rod. "Military Officials Say Afghan Fight Is Coming", NYTimes.com, 3 de fevereiro de 2010. Página visitada em 9 de fevereiro de 2010.
  85. Chivers, C. J.. "Military Analysis – Marines Do Heavy Lifting as Afghan Army Lags in Battle", 20 de fevereiro de 2010. Página visitada em 6 de abril de 2010.
  86. "Hidden enemy delays advance in Marjah", 16 de fevereiro de 2010. Página visitada em 6 de abril de 2010.
  87. Afghan troop numbers to eclipse Iraq soon UPI.com United Press International (25 de março de 2010). Visitado em 6 de abril de 2010.
  88. "Signaling Tensions, Pakistan Shuts NATO Route", The New York Times, 30 de setembro de 2010.
  89. Talibã lança ataque contra OTAN
  90. Vanden Brook, Tom, "U.S.: Raids Have Taken Out 900 Taliban Leaders", USA Today, 8 de março de 2011, p. 6.
  91. "Al-Qaeda leader Osama Bin Laden dead - Obama", BBC News, BBC. Página visitada em 2 de maio de 2011.
  92. Rubin, Alissa J.. "Taliban Say Offensive Will Begin Sunday", NYTimes, NYTimes, 1 May. Página visitada em 7 May 2011.
  93. "Taliban Attack Afghan Government Offices in South", NYTimes, 7 de maio. Página visitada em 7 de maio de 2011.
  94. "Afghanistan: Taliban's Kandahar raid into second day", BBC, BBC, 8 de maio. Página visitada em 8 de maio de 2011.
  95. By NBC's Kristen Welker. Obama decision on Afghanistan troop withdrawal to come soon Firstread.msnbc.msn.com. Visitado em 9 de agosto de 2011.
  96. Leist, Libby. First Read - Sen. Armed Services chair wants 15,000 troops out of Afghanistan Firstread.msnbc.msn.com. Visitado em 2011-08-02.
  97. French troops Afghanistan: France to gradually withdraw troops from Afghanistan - Los Angeles Times Articles.latimes.com (24 de junho de 2011). Visitado em 9 de agosto de 2011.
  98. Nick Hopkins. Afghanistan withdrawal: UK to 'make up' its own mind | Politics The Guardian. Visitado em 9 de agosto de 2011.
  99. Holanda foi o primeiro dos aliados a bater com a porta. Por Ana Fonseca Pereira. [[Público (jornal)|]], 2 de agosto de 2010.
  100. Holanda inaugura retirada da NATO do Afeganistão. Diário de Notícias, 2 de agosto de 2010.
  101. Robert Burns. "APNEWSBREAK: Taliban Attacks Not Down After All", Associated Press. Página visitada em 4 de março de 2013.
    "Nato admits 'error' in claim of fall in Taliban attacks". Página visitada em 4 de março de 2013.
    Jennifer Griffin. "US military acknowledges reported drop in Taliban attacks was incorrect". Página visitada em 4 de março de 2013.
    Phil Stewart. "Afghan insurgent attacks misreported, did not fall in 2012: NATO". Página visitada em 4 de março de 2013.
    'Data-Entry Error' Led Military to Falsely Claim Taliban Attacks Are Down Wired Condé Nast. Visitado em 4 de março de 2013.
  102. There is more to peace than Taliban Asia Times (12 de janeiro de 2012). Visitado em 10 de março de 2014.
  103. "Afghan opposition says new parliament can check Karzai", Reuters, 24 de novembro de 2010.
  104. "2010 Afghan Parliamentary Election: Checks and Balances of Power", Khaama Press, 9 de dezembro de 2010.
  105. Rubin, Alissa J.. "Thousands of Afghans Rally in Kabul", 5 de maio de 2011.
  106. "Anti-Taliban rally", BBC Persian, 5 de maio de 2011.
  107. Afghan Northern Alliance Allies Betrayed by Obama Administration; Meet with U.S. Congressmen in Berlin (9 de janeiro de 2012). Visitado em 10 de março de 2014.
  108. Rep. Rohrabacher Leads Bipartisan Delegation's Afghanistan Strategy Session With National Front Leaders in Berlin. Visitado em 9 de janeiro de 2012.
  109. Landler, Mark. "Obama Signs Pact in Kabul, Turning Page in Afghan War". Página visitada em 4 de maio de 2012.
  110. Enduring Strategic Partnership Agreement between the Islamic Republic of Afghanistan and the United States of America Scribd. Visitado em 4 de maio de 2012.
  111. Sweet, Lynn. "U.S.-Afgan strategic agreement: Roadmap to Chicago NATO Summit. Briefing transcript", Chicago Sun-Times. Página visitada em 4 de maio de 2012.
  112. NewsRoomAmerica.com. Press Releases: Intervention at the Tokyo Conference on Afghanistan. Press release. Página visitada em 8 de julho de 2012.
  113. CNN Wire Staff. "U.S. designates Afghanistan a major ally, creates defense ties", CNN. Página visitada em 8 de julho de 2012.
  114. a b "NATO sets "irreversible" but risky course to end Afghan war", Reuters, Reuters. Página visitada em 22 de maio de 2012.
  115. a b Chicago NATO Summit 2012 Declaration NATO Defence Talk - Global Defense, Aerospace & Military Portal. Visitado em 20 de junho de 2012.
  116. Scott Wilson and Karen DeYoung. "NATO leaders agree on framework to wind down Afghan mission", 21 de maio de 2012. Página visitada em 22 May 2012.
  117. Elise Labott and Mike Mount. "NATO accepts Obama timetable to end war in Afghanistan by 2014", CNN. Página visitada em 22 de maio de 2012.
  118. Mark Landler and Michael S. Gordon. "U.S. Is Open to Withdraw Afghan Force After 2014", 8 Januaryde janeiro de 2012. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  119. "The Afghan War's Last Chapter?". Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  120. a b c "Obama, Karzai agree to accelerate military transition". Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  121. a b Scott Wilson and David Nakamur. "Obama announces reduced U.S. role in Afghanistan starting this spring", 11 de janeiro de 2013. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  122. a b Christi Parsons and Kathleen Hennessey. "Obama moves up deadline for Afghans to take lead security role". Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  123. "US to speed up Afghan troop transition", Al Jazeera English. Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  124. a b "US troops will end 'most' Afghanistan combat this spring", BBC News US & Canada. Página visitada em 11 de março de 2014.
  125. Mark Landler and Michael S. Gordon. "Obama Accelerates Transition of Security to Afghans". Página visitada em 12 de janeiro de 2013.
  126. a b "Bomb blast hits Afghanistan on security handover day", Deutsche Welle, Deutsche Welle. Página visitada em 23 de junho de 2013.
  127. "Karzai announces Afghan security handover", Agence France-Presse, Global Post. Página visitada em 23 de junho de 2013.
  128. a b Hodge, Nathan. "Blast Mars Day of Security Handover in Kabul", 18 de junho de 2013.
  129. "Deadly blast marks Afghan security handover", Al Jazeera English, Al Jazeera English. Página visitada em 23 de junho de 2013.
  130. Security and Defense Cooperation Agreement between the United States of America and the Islamic Republic of Afghanistan – Pre-Decisional Document as of November 2013 The United States of America and the Islamic Republic of Afghanistan Afghan Foreign Ministry (11 de novembro de 2013). Visitado em 11 de março de 2014.
  131. Karen DeYoung and Tim Craig. "U.S., Afghanistan agree on language of security accord, Kerry says". Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  132. Zucchino, David. "Afghan council defies Karzai on U.S. security deal", 24 de novembro de 2013.
  133. "Afghanistan elders seek US security pact signing in 2013", BBC News Asia. Página visitada em 24 de novembro de 2013.
  134. "One in four Afghans has lost someone to violence in past year". Página acessada em 11 de março de 2014.
  135. Obama confirma retirada total de tropas no Afeganistão até 2016 G1. Visitado em 28 de maio de 2014.
  136. Landler, Mark. "U.S. Will Complete Afghan Pullout by End of 2016, Obama Says", 27 de maio de 2014.
  137. "Obama heralds formal end of war in Afghanistan after 13 years". Página acessada em 14 de agosto de 2015.
  138. "Explainer: Key Points In U.S.-Afghan Bilateral Security Agreement", Radio Free Europe and Radio Liberty, Radio Free Europe and Radio Liberty, 30 de setembro de 2014. Página visitada em 13 de agosto de 2015.
  139. "U.S. formally ends the war in Afghanistan". Página acessada em 28 de dezembro de 2014.
  140. Rosenberg, Matthew. "U.S. Is Escalating a Secretive War in Afghanistan", New York Times, 12 de fevereiro de 2015.
  141. Craig, Tim. "U.S. forces, Afghan troops arrest Taliban militants wanted for school massacre", Washington Post, 12 de fevereiro de 2015.
  142. Stewart, Phil. "New Defense Secretary Ash Carter goes to Afghanistan to ensure 'lasting success' as US troops withdraw", Business Insider, 20 de fevereiro de 2015.
  143. Adam Ashton. "Army to send headquarters group to Kandahar in first sign of revision to Afghan withdrawal plan", McClatchy, 24 de fevereiro de 2015.
  144. Lederman, Josh. "White House: US to slow troop withdrawal from Afghanistan", Associated Press, 24 de março de 2015.
  145. Adams, Harold J. Protesters oppose sending more troops to Afghanistan. Louisville Courier-Journal. 6 December 2009.
  146. "Anti-war protesters arrested outside West Point", Wcax.com.
  147. "Anti-war protesters arrested outside West Point", Poughkeepsie Journal, 2 December 2009.
  148. Stelter, Brian. "Released on Web, a Film Stays Fresh", The New York Times, 23 March 2009.
  149. Janie Lorber. "Saturday Word: Health Care (and Finance)", The New York Times, 20 March 2010.
  150. "UN: Taliban Responsible for 76% of Deaths in Afghanistan", The Weekly Standard, 10 August 2010.
  151. "Afghanistan: Attack on Logar hospital kills dozens", BBC News, 25 June 2011.
  152. "Afghan civilian deaths rise, insurgents responsible for most casualties – UN", U.N. News Centre, 14 July 2011.
  153. Damien Pearse and agencies. "Afghan civilian death toll reaches record high", Guardian, 4 February 2012.
  154. Civilian casualties in Afghanistan up 14 per cent last year, says new UN report UN.org.
  155. Afghanistan, Opinion survey 2009, by ICRC and Ipsos
  156. Afghan Civilians, Costs of War, Brown University Watson Institute for International Studies.
  157. Afghan Refugees, Costs of War, 2012
  158. a b Numbers taken from UNHCR, "2011 UNHCR Country Operations Profile—Afghanistan"
  159. a b 2013 UNHCR country operations profile – Afghanistan
  160. Afghans fleeing war find misery in urban slums Feb. 2012, Amnesty International
    "Afghan refugees abandoned by their own government, report finds: About half a million Afghans who fled homes because of violence are living in desperate conditions, says Amnesty", The Guardian, 23 February 2012
  161. "Is Afghanistan's Drug Trade Paying Al Qaeda?", ABC News.
  162. a b "Afghanistan riddled with drug ties", Christian Science Monitor. Página visitada em 27 September 2007.
  163. "Afghan opium fuels 'global chaos'", BBC News, 21 October 2009.
  164. Economia do Afeganistão. CIA - The World Factbook.
  165. unodc.org. Cópia arquivada em 18 Maio 2007.
  166. Declan Walsh. "UN horrified by surge in opium trade in Helmand", Guardian, August 30, 2007.
  167. Afghanistan: The Forgotten War Now on PBS.
  168. Cooper, Helene. "Cost of Wars a Rising Issue as Obama Weighs Troop Levels", The New York Times, 21 June 2011.
  169. Cost of Iraq, Afghanistan and Anti-Terrorism Operations Journalist's Resource.org.
  170. Analysis of the FY2011 Defense Budget (PDF).
  171. Carlotta Gall. "Insurgents in Afghanistan Are Gaining, Petraeus Says", 1 October 2008.
  172. Afghanistan: Changing the Frame, Changing the Game. Harvard Kennedy School's Belfer Center Belfercenter.ksg.harvard.edu.
  173. Research – CPI – Overview Transparency.org.
  174. Lupick, Travis (12 November 2009). Suspended Afghan MP Malalai Joya wants NATO's mission to end Straight.com.
  175. a b "Discussion Papers".
  176. a b "Jamestown Foundation Terrorism Conference 2010, Amrullah Saleh speech".
  177. Quedan al descubierto muertes de civiles en Afganistán, la debilidad de la OTAN y el doble juego de Pakistán El País, 26 de julho de 2010.
  178. Videos show dead Afghan children after US raid in Azizabad. The Associated Press, 8 de setembro de 2008.
  179. Afghan villager sentenced to death for 'wrong information' which caused bombing tragedy. Telegraph, 28 de fevereiro de 2009
  180. Arquivos disponíveis para download
  181. Kabul War Diary./
  182. Afghanistan war logs: the unvarnished picture. The Guardian, 25 de julho de 2010.
  183. Afghan War Diary, 2004-2010. 25 de julho de 2010
  184. Vazamento eleva pressão sobre estratégia de Obama no Afeganistão. Estadão, 26 de julho de 2010.
  185. Quedan al descubierto muertes de civiles en Afganistán, la debilidad de la OTAN y el doble juego de Pakistán. El País, 26 de julho de 2010.
  186. Wikileaks diz que documentos denunciam crimes de guerra no Afeganistão. Estadão, 26 de julho de 2010.
  187. Afghanistan : un scandale implique des soldats américains (Washington Post) France Info, 19 de setembro de 2010.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Guerra do Afeganistão (2001–presente)