Guerra do Uísque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerra do Whisky)
Guerra do Uísque
Pseudoconflito entre o Canadá e Dinamarca
Comandante Por Starklint do navio dinamarquês Triton F358 na Ilha Hans em agosto de 2003, posicionando sua bandeira
Outros nomes Conflito fronteiriço dinamarquês-canadense ou guerra do licor
Participantes  Canadá
 Dinamarca
Localização Ilha Hans
Tipo Conflito territorial
Data 1973–2022 (49 anos)
Resultado Resolução pacífica do conflito
  • Fronteiras delimitadas em reunião
  • Divisão da ilha entre Nunavut e Groenlândia
  • Não houveram mudanças geograficas significativas para os moradores da ilha

A Guerra do Uísque, também conhecida como Guerra do Licor,[1] foi uma pseudo-confrontação e disputa territorial entre a Dinamarca e o Canadá sobre a Ilha de Hans.

De 1978 a 2022, Ilha de Hans esteve no meio de um desentendimento entre as duas nações.[2] O jornal canadense The Globe and Mail informou em 10 de junho de 2022, que os governos canadense e dinamarquês se estabeleceram em uma fronteira através da ilha, dividindo-a entre o território canadense de Nunavut e o país constituinte dinamarquês da Groenlândia.[3]

Acontecimentos prévios[editar | editar código-fonte]

Ilha Hans visto do ar em agosto de 2012, com a Ilha Ellesmere ao fundo

A Ilha Hans fica no meio do Canal Kennedy entre a Groenlândia e a Ilha Ellesmere. Uma linha teórica no meio do estreito atravessa a ilha. O Canadá e a Dinamarca não conseguiram chegar a um acordo na Ilha Hans em 1973, quando um tratado de fronteira foi assinado, deixando uma lacuna na descrição da fronteira.[carece de fontes?]

Conflito e resolução pacífica[editar | editar código-fonte]

Em 1984, soldados canadenses "provocaram" a Dinamarca ao fincar sua bandeira na ilha e deixar uma garrafa de uísque canadense.[4] O próprio ministro dinamarquês dos Assuntos da Groenlândia veio à ilha no mesmo ano com a bandeira dinamarquesa, uma garrafa de conhaque e uma carta dizendo "Bem-vindo à ilha dinamarquesa" (Velkommen til den danske ø).[5][6][7] Os dois países passaram a se revezar plantando suas bandeiras na ilha e trocando bebidas alcoólicas. As bandeiras foram dobradas corretamente e respeitosamente. Também houve anúncios do Google usados para "promover suas reivindicações".[8] Apesar da seriedade, tudo foi feito de forma amigável.

No ano de 2005, ambos os países concordaram em realizar um processo para resolver a questão,[9] que foi finalmente resolvido em 2022.[10]

Essa pequena disputa de fronteira é frequentemente considerada engraçada entre as duas nações, com os moradores exibindo seu humor. Apesar da gravidade oficial do assunto, a forma como o conflito foi conduzido foi despreocupada, demonstrada pelo tempo necessário para resolver a disputa, se nada mais. Ambas as nações estão em termos amigáveis e também são membros fundadores da OTAN. Praticamente nenhuma mudança significativa além da área total das duas nações foi feita.[carece de fontes?]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

  • 19801983 – A empresa canadense Dome Petroleum fez pesquisas na ilha e ao redor dela.[11][12]
  • 1984 – Tom Høyem, ministro dinamarquês para a Groenlândia, fretou um helicóptero para a ilha, colocando uma bandeira e uma garrafa lá.[13]
  • 1988 - O dinamarquês de patrulha do Oceano Ártico, abordo do HDMS Tulugaq chegou à ilha, construiu um marco e colocou um mastro e uma bandeira dinamarquesa na ilha.
  • 1995 – O oficial de ligação dinamarquês e os geodesistas voaram e colocaram outro mastro e bandeira.
  • Final de agosto de 1997 - O dinamarquês de patrulha Ártico/Oceano, HDMS Agpa tentou chegar à ilha, mas foi forçado a fazer uma curva a 241 km da Ilha, devido ao gelo extremo.
  • 2001 – Keith Dewing e Chris Harrison, geólogos do Serviço Geológico do Canadá que estavam mapeando o norte da Ilha Ellesmere, voaram de helicóptero para a ilha.[14]
  • 13 de agosto de 2002 – O navio de inspeção dinamarquês HDMS Vædderen chegou e ergueu um novo marco, mastro e bandeira, encontrando a bandeira de 1988 faltando e a bandeira de 1995 em pedaços.
  • 1º de agosto de 2003 – A tripulação da fragata dinamarquesa HDMS Triton desembarcou na ilha e substituiu a bandeira dinamarquesa novamente.
  • 13 de julho de 2005Soldados canadenses desembarcam na ilha, colocando um marcador de pedra tradicional Inuit (Inukshuk) com uma placa e uma bandeira canadense.[15]
  • 20 de julho de 2005 – Como um movimento simbólico, o Ministro da Defesa canadense, Bill Graham, pôs os pés na ilha.[16]
  • 25 de julho de 2005 – Um funcionário do governo dinamarquês anunciou que a Dinamarca emitiria uma carta de protesto ao Canadá.[2]
  • 25 de julho de 2005 – O vice-primeiro-ministro da Groenlândia, Josef Motzfeldt, afirmou que a ilha havia sido ocupada pelo Canadá, afirmando que os especialistas deveriam determinar a qual país a ilha pertence.[17]
  • 28 de julho de 2005 – O embaixador dinamarquês no Canadá publicou um artigo no jornal Ottawa Citizen sobre a visão dinamarquesa sobre a questão da Ilha Hans.[18]
  • 4 de agosto de 2005 - O dinamarquês de patrulha ártico/oceano, HDMS Tulugaq foi enviado da Estação Naval Grønnedal para a Ilha Hans para afirmar a soberania dinamarquesa. Esperava-se que o cortador chegasse em três semanas.
  • 8 de agosto de 2005 – Jornais dinamarqueses noticiaram que o Canadá desejava iniciar negociações sobre o futuro da Ilha de Hans. A notícia foi bem recebida pelo primeiro-ministro dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, que afirmou: "É hora de parar a guerra da bandeira. Ela não tem lugar em um mundo moderno e internacional. Países como a Dinamarca e o Canadá devem ser capazes de encontrar uma solução pacífica em um caso como este."[19]
  • 16 de agosto de 2005 – De acordo com o ministro das Relações Exteriores dinamarquês Per Stig Møller, a Dinamarca e o Canadá concordaram em reabrir as negociações sobre o futuro da Ilha Hans. A Dinamarca iniciaria imediatamente as pesquisas geológicas na área, e Per Stig Møller se encontraria com seu colega canadense Pierre Pettigrew em Nova York em meados de setembro. Caso não cheguem a um acordo, ambos os governos concordaram em submeter a disputa à Corte Internacional de Justiça em Haia. O governo da Groenlândia concordou com este curso de ação. Em relação ao helicóptero de patrulha dinamarquês HDMS Tulugaq, então a caminho da Ilha Hans, o ministro afirmou: "Eu instruí o navio a navegar até lá, mas eles não vão desembarcar derrubando a bandeira [canadense] e substituindo-a por uma nova. ser um pouco infantil [comportamento] entre dois aliados da OTAN."[20]
  • 20 de agosto de 2005 – O ministro das Relações Exteriores do Canadá, Pierre Pettigrew, afirmou que a reivindicação do Canadá à ilha tinha uma base sólida no direito internacional e provavelmente não acabaria perante um tribunal mundial. "A nossa soberania sobre a ilha tem uma base muito forte", disse o ministro em entrevista telefónica a um jornalista da Canadian Press.[21]
  • 19 de setembro de 2005 – De acordo com o Ministro de Relações Exteriores do Canadá, Pierre Pettigrew, Canadá e Dinamarca concordaram em um processo para resolver a disputa sobre a ilha. Pettigrew e seu colega dinamarquês, Per Stig Møller, se encontraram em Nova York neste dia. Pettigrew disse que os dois países trabalharão juntos "para deixar essa questão para trás". No entanto Pettigrew reiterou que o Canadá tem soberania sobre a ilha.[5]
  • 16 de agosto de 2006 – Um geólogo de Vancouver recebe uma licença de prospecção para Hans Island do governo canadense.[22]
  • 17 de março de 2007 – Cientistas da Universidade de Toronto e da Universidade Técnica da Dinamarca anunciaram planos para instalar uma estação meteorológica automatizada na ilha, em algum momento do verão de 2007.[23]
  • Julho de 2007 – Canadá atualiza fotos de satélite e reconhece que sua linha construída para o acordo marítimo anterior teria passado aproximadamente pelo meio da ilha; as negociações continuam com a Dinamarca sobre o estabelecimento de uma fronteira terrestre internacional ou soberania insular.[24]
  • 4 de maio de 2008 – Um grupo internacional de cientistas da Austrália, Canadá, Dinamarca e Reino Unido instalou uma estação meteorológica automatizada na Ilha Hans.[25]
  • 11 de abril de 2012 – Proposta para o Canadá e a Dinamarca dividirem a Ilha Hans.[26]
  • 29 de novembro de 2012 – Canadá e Dinamarca fecham um acordo sobre a fronteira exata entre eles, mas sem definir a fronteira perto da Ilha de Hans.[27]
  • 23 de maio de 2018 – Canadá e Dinamarca anunciam uma força-tarefa conjunta para resolver a disputa sobre a Ilha Hans.[28]
  • Fevereiro de 2019 – O geólogo canadense John Robins recebe uma reivindicação de exploração de minerais para Hans Island pelo governo canadense como parte dos esforços para ajudar a causa da reivindicação de soberania do Canadá.[29]
  • 12 de setembro de 2019 – O Governo da Groenlândia decidiu aprovar o fechamento temporário da Ilha Hans para o pedido de licenças de exploração mineral. Esta aprovação foi baseada em um acordo entre o Canadá e a Dinamarca. O geólogo canadense John Robins, portanto, também teve sua reivindicação de exploração mineral para a Ilha Hans suspensa pelo governo canadense. O dinamarquês Andreas G. Jensen também teve seu pedido de licença de exploração mineral indeferido pelo Reino da Dinamarca, em razão deste acordo de fechamento.[30]
  • 10 de junho de 2022 – Canadá e Dinamarca estabeleceram uma fronteira na ilha, dividindo-a entre o território canadense de Nunavut e o país constituinte dinamarquês semi-autônomo da Groenlândia.[3]
  • 14 de junho de 2022 – O plano para dividir a ilha entre as duas nações foi revelado oficialmente.[31]

Referências

  1. Blazeski, Goran (18 de setembro de 2016). «The Hans Island 'liquor wars' between Canada and Denmark may be the cutest dispute in history». The Vintage News 
  2. a b Bender, Jeremy (10 de janeiro de 2016). «2 countries have been fighting over an uninhabited island by leaving each other bottles of alcohol for over 3 decades». Business Insider 
  3. a b Chase, Steven. «Canada and Denmark reach settlement over disputed Arctic island, sources say». The Globe and Mail. Consultado em 11 de junho de 2022 
  4. Healy, Amber (14 de outubro de 2018). «Why Canada Keeps Leaving Bottles of Whiskey on a Remote Island». Insh 
  5. a b «Canada, Denmark agree to resolve dispute over Arctic island». CBC News. 19 de setembro de 2005. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2007 
  6. Levin, Dan (7 de novembro de 2016). «Canada and Denmark Fight Over Island With Whisky and Schnapps». The New York Times 
  7. Møller, Peter (14 de junho de 2022). «Verdens fredeligste grænsestrid blev indledt med en flaske cognac – nu er der sluttet fred». TV2 News 
  8. «Canada and Denmark end decades-long dispute over barren rock in Arctic». The Guardian. 14 de junho de 2022 
  9. Frizzell, Sara (28 de maio de 2018). «Truce? Canada, Greenland, Denmark inch closer to settling decades-old spat over Hans Island». CBC News 
  10. Beaumont, Peter (14 de junho de 2022). «Canada and Denmark end decades-long dispute over barren rock in Arctic». The Guardian 
  11. Malcolm, Andrew H. (11 de fevereiro de 1979). «Dome Petroleum Is Gambling on an Ice-Bound Bonanza». The New York Times. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  12. Tan, ed. (18 de outubro de 2010). The Politics of Maritime Power: A Survey. [S.l.]: Routledge Taylor & Francis Group. ISBN 978-1-13683-343-4. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  13. «Taissumani: August 29, 1871 – Hall Names Hans Island». Nunatsiaq News. 26 de agosto de 2005. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  14. George, Jane (9 de abril de 2004). «Greenland, Canada squabbling over pet rock». Nunatsiaq News. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  15. «Hans Island». The Canadian Encyclopedia. Consultado em 16 de junho de 2022 
  16. «Hans Island». The Canadian Encyclopedia. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  17. Lynge, Mads (25 de julho de 2005). «Josef Motzfeldt: Uforskammet af Canada». Kalaallit Nunaata Radioa (em dinamarquês). Consultado em 12 de janeiro de 2016 
  18. Kristensen, Poul E. D. «Hans Island». Embassy of Denmark, Canada. Consultado em 20 de novembro de 2009. Arquivado do original em 22 de junho de 2008 
  19. «Canada vil forhandle om Hans Ø» [Canada will negotiate on Hans Island]. Jyllands-Posten (em dinamarquês). 8 de agosto de 2005. Arquivado do original em 18 de setembro de 2005 
  20. Avnskjold, Rasmus (16 de agosto de 2005). «Ø-farcen er slut» [The island farce is over]. BT.dk (em dinamarquês) 
  21. «Canada has claim to Hans Island: Pettigrew». CTV.ca. 20 de agosto de 2005. Consultado em 20 de novembro de 2009. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2005 
  22. «Geologist to prospect on disputed Hans Island in Arctic». CBC News. 16 de agosto de 2006. Consultado em 20 de novembro de 2009. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2012 
  23. Weber, Bob (15 de março de 2007). «Canadian, Danish scientists join Hans». The Globe and Mail. Consultado em 20 de novembro de 2009. Arquivado do original em 19 de março de 2007 
  24. «Satellite imagery moves Hans Island boundary: report». CBC News. The Canadian Press. 26 de julho de 2007. Consultado em 20 de novembro de 2009 
  25. «Arctic Weather Station : Hans Island». Scottish Association for Marine Science. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2014 
  26. «April 11, 2012 audio report on Hans Island». Canadian Broadcasting Corporation. Consultado em 24 de abril de 2012 
  27. Mackrael, Kim (29 de novembro de 2012). «Canada, Denmark closer to settling border dispute». The Globe and Mail. Consultado em 2 de novembro de 2013 
  28. «Canada and the Kingdom of Denmark (with Greenland) announce the establishment of a Joint Task Force on Boundary Issues» (Nota de imprensa). Ottawa: Government of Canada. Global Affairs Canada. 23 de maio de 2018. Consultado em 23 de maio de 2018 
  29. Weber, Bob (4 de abril de 2019). «Canadian miner files exploratory claim on disputed Arctic island of Hans». CTV News. Consultado em 6 de abril de 2019 
  30. «Indstilling til Naalakkersuisut om midlertidig lukning af Tartupaluk (Hans Ø) for ansøgning om mineraltilladelser» [Recommendation to the Naalakkersuisut on temporary closure of Tartupaluk (Hans Island) for application for mineral permits]. Naalakkersuisut (em dinamarquês). 12 de setembro de 2019. Consultado em 12 de setembro de 2019. Arquivado do original em 4 de setembro de 2021 
  31. Austen, Ian (14 de junho de 2022). «Canada and Denmark End Their Arctic Whisky War». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 14 de junho de 2022