Guerra dos Dois Irmãos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a guerra portuguesa do mesmo nome, veja Guerra Civil Portuguesa.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A chamada Guerra dos Dois Irmãos é o capítulo da história do Império Inca que precede o seu epílogo com a conquista espanhola por Francisco Pizarro. Tratou-se de uma guerra de sucessão travada entre os dois filhos do inca Huayna Capac, iniciada cerca de cinco anos após a sua morte.

Premissas da guerra[editar | editar código-fonte]

A versão mais corrente das razões primordiais dessa guerra é a de que Huayna Capac teria dividido o Império Inca entre seus dois filhos, em duas porções, a saber : uma maior, com sede em Cusco, abrangendo os territórios ao sul, que foi atribuída a Huascar junto com o título de Imperador (Supa Inca); e outra, menor, com sede em Quito, abrangendo os territórios do norte, que coube a Atahualpa por serem terras de sua mãe, uma princesa de Quito.

Nessa primeira tese, raciocina-se que, afora a cupidez pelo poder, Huascar não tinha como conquistar terras mais ao sul, enquanto que Atahualpa tinha futuro promissor em relação ao norte, decorrendo daí a pretensão de Huascar, que herdara o título de Supa Inca, em submeter Atahualpa, única forma de majorar seus domínios.

Entretanto, historiadores de renome refutam essa versão como lenda romântica, afirmando que, ao contrário de ser filho de uma princesa do norte (Quito), Atahualpa procedia também de Cusco e era filho de Huayna com uma ilustre concubina e que, em função disso, o pai o havia feito viver em Quito desde os doze anos de idade, outorgando-lhe lá importante função administrativa e o comando de um exército de cerca de 12.000 homens.

Ambas as correntes aceitam entretanto que, de fato, o título de imperador coube a Huascar e aceitam também como fato histórico verdadeiro a interpelação que Huascar teria feito a Atahualpa para que este viesse a Cusco prestar-lhe obediência e vassalagem.

A primeira e tradicional corrente narra que, diante da interpelação, Atahualpa dissimulou obediência e, vindo até próximo a Cusco, e descobertos seus planos, iniciou a agressão.

A segunda corrente afirma que Atahualpa de fato submeteu-se, mas que, tendo se demorado e enviando uma comitiva a preceder-lhe, soube que esta foi brutalmente trucidada porque Huascar teria cedido aos rumores de rebelião, e prevendo igual fim, não teve alternativa senão de fato rebelar-se e partir para a ofensiva.

De qualquer forma, a guerra foi movida pelos herdeiros diretos do império e visava à obtenção de todo o poder sobre o Tawantinsuyu.

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.