Campanha de Pompeu contra os piratas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerra dos Piratas)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Janeiro de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Guerra dos Piratas foi a fase final das campanhas conduzidas pela República Romana contra os piratas que infestaram as costas do leste do Mediterrâneo e danificaram as províncias romanas orientais.

Investido de poderes pró-consulares, por três anos, sobre todo o Mediterrâneo e costas adjacentes (Lex Gabinia), em 67 a.C., Pompeu limpou a zona ocidental em 40 dias[1][2] e em 49 dias venceu os piratas cilícios.

Surgiu assim a Lex Gabina, que outorgava a um magistrado, durante três anos, o comando supremo das costas até 50 milhas, com o direito de recrutar ele mesmo 25 legados, armar 500 barcos e de mandá-los zarpar conforme lhe aprouvesse.

O primeiro destes magistrados foi Pompeu que, para começar, dispôs de 270 embarcações e de 120 000 homens. A sua acção reverteu num êxito total, em três meses capturou 846 embarcações, destruiu 120 bases, matou 10 000 piratas e aprisionou 20 000. Pompeu, conhecido pelo epíteto de "Pacificador dos Mares", foi aclamado pelo povo de Roma.[carece de fontes?]

Referências

  1. Floro, Compendio di Tito Livio, I, 41, 7.
  2. Livio, Periochae ab Urbe condita libri, 99.2.
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.