Guerreiro (folguedo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Grupo de dançadores e cantadores, semelhantes aos Reisados, mas com maior número de figurantes e episódios, maior riqueza nos trajes e enfeites e maior beleza nas músicas.

Folguedo natalino surgido em Alagoas entre os anos de 1927 e 1929, sendo o resultado da fusão de Reisados alagoanos, da Chegança, dos Pastoris e do Auto das Caboclinhas.

Rico em cores e enredo é o folguedo mais frequente nas festas populares, possuindo vários personagens como: Rei, Rainha, Mestre, Contra-Mestre, dois Embaixadores, General, Lira, Índio Peri e seus vassalos, dois Mateus, dois Palhaços, às vezes uma Catirina, a Seria, a Estrela de Ouro, a Estrela Brilhante, a Estrela Republicana, a Banda da Lua e as figuras ou "figural".

Os trajes são multicoloridos, imitação dos antigos trajes nobres, adaptados ao gosto e às possibilidades econômicas. Usam fitas, espelhos, contas de aljôfar, enfeites de árvore de natal nos chapéus que aparecem em forma de igrejas, palácios e catedrais, diademas, coroas, guarda-peitos, calções e mantos.

O Mestre é o responsável por todos os componentes do grupo, tem o dom do canto, do tropel e da grosa, ensina e coordena as partes. O Guerreiro possui ainda uma série de entremeios como o Doido, o Javali, o Morto Vivo, o Lobisomem, o Diabo e a Alma, o Capitão Piloto, o Mascote, a Mãe Velha, o Messias, o Mata-Mosquito e o Boi que aparece mais simplificado e modernizado que nos Reisados, não havendo nem morte, nem repartição e nem ressurreição do mesmo.

Consta de uma sequência de cantigas dançadas, denominadas de "peças", intercaladas de "marchas" e representações constituídas de entremeios e partes: Marcha da Rua, Cantos e Danças de Abrição de Portas, Entrada de Sala, Adoração ao Divino e Despedida.

Bibliografia Básica[editar | editar código-fonte]

ALAGOAS, Secretaria de Cultura do Estado de. Alagoas, seus folguedos & suas danças. 1ª edição, 2016.

BRANDÃO, Théo. Folguedos Natalinos. 3ª edição, 2003.

DANTAS, Cármen Lúcia, TENÓRIO, Douglas Apratto. Alagoas Popular: folguedos e danças da nossa gente. Instituto Arnon de Melo, 2013.

PEDROSA, Tania de Maya. Arte Popular em Alagoas. Maceió, 2004

ROCHA, José Maria Tenório. Folguedos e Danças de Alagoas. Maceió, 1984

Principais grupos de Guerreiro em Alagoas[editar | editar código-fonte]