Guilherme, Príncipe de Gales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guilherme
Príncipe de Gales (mais)
Príncipe Guilherme em 2021.
Nascimento 21 de junho de 1982 (40 anos)
  Hospital de St. Mary, Londres, Reino Unido
Nome completo  
  • pt: Guilherme Artur Filipe Luís
  • en: William Arthur Philip Louis
Esposa Catherine Middleton (c. 2011)
Descendência
Herdeiro Jorge de Gales[1]
Casa Windsor
Pai Carlos III do Reino Unido
Mãe Diana Frances Spencer
Irmão Henrique, Duque de Sussex
Religião Anglicanismo
Brasão

Guilherme, Príncipe de Gales[1] (Guilherme Artur Filipe Luís, em inglês William Arthur Philip Louis; Londres, 21 de junho de 1982) é o herdeiro do trono britânico, como filho do rei Carlos III do Reino Unido com a falecida Diana, Princesa de Gales. Sendo neto da rainha Isabel II, o príncipe Guilherme é um membro da Casa de Windsor.

Ele foi educado em quatro escolas no Reino Unido e obteve seu bacharelado em Geografia pela Universidade de Saint Andrews. Passou parte de seu ano sabático no Chile, Belize e em alguns países do continente africano, recebeu treinamento como tenente do regimento da cavalaria Blues and Royals da Household Cavalry - onde serviu ao lado de seu irmão Príncipe Henrique e obteve o título de piloto após completar seu treinamento na RAFC Cranwell Academy.[2] Em 2009, transferiu-se para a Royal Air Force (RAF), onde foi promovido ao posto de oficial da força aérea e completou seu treinamento como piloto de helicóptero de busca e salvamento.[3][4]

Em 16 de novembro de 2010, a Clarence House anunciou em um comunicado de imprensa que o príncipe Guilherme e sua namorada, Catharine Middleton, estavam noivos, e mais tarde foi confirmado que a cerimônia aconteceria em 29 de abril de 2011 na Abadia de Westminster, Londres.[5] Horas antes do casamento, o Príncipe Guilherme foi nomeado Duque de Cambridge, com os títulos subsidiários de Conde de Strathearn e Barão Carrickfergus. Em 22 de julho de 2013, nasceu o primeiro filho do casal, George de Gales, segundo na linha de sucessão britânica. Guilherme e Catarina tiveram mais dois filhos ao longo de seu casamento: Charlotte de Gales (nascida em 2 de maio de 2015)[6] e Louis de Gales (nascido em 23 de abril de 2018).

Infância e adolescência[editar | editar código-fonte]

Príncipe Guilherme em 1987

O príncipe Guiherme nasceu no Hospital de St. Mary, em Londres, em 21 de junho de 1982, como o primeiro filho de Carlos, Príncipe de Gales (herdeiro da Rainha Isabel II) e Diana, Princesa de Gales.[7][8] Seu nome completo, Guilherme Artur Filipe Luís (William Arthur Philip Louis), foi anunciado pelo Palácio de Buckingham em 28 de junho.[7] Ele foi batizado pelo Arcebispo de Canterbury, Robert Runcie, na Sala de Música do Palácio de Buckingham em 4 de agosto, no 82º aniversário de sua bisavó paterna, a Rainha Isabel, a Rainha Mãe. Guilherme teve seis padrinhos: o ex-rei Constantino II da Grécia (seu primo de segundo grau paterno uma vez removido); Princesa Alexandra, A Honorável Sra. Ogilvy (sua prima paterna foi removida duas vezes); a Duquesa de Westminster; Lady Susan Hussey; Lord Romsey (seu primo de segundo grau paterno uma vez removido); e Sir Laurens van der Post.[9] Ele foi o primeiro filho nascido de um príncipe e uma princesa de Gales desde o Príncipe João em 1905.[8] Guilherme acompanhou seus pais em sua turnê de 1983 pela Austrália e Nova Zelândia, quando ele tinha nove meses, como sua primeira viagem ao exterior.[10] Ele viajou com sua família para o Canadá em 1991 e 1998.[11][12]

O príncipe Guilherme e seu irmão mais novo, Henrique, foram criados no Palácio de Kensington, em Londres, e na Highgrove House, em Gloucestershire.[13] Conhecido informalmente como "Wills" dentro da família, Guilherme foi apelidado de "Wombat" por sua mãe,[14] que desejava que ele e seu irmão obtivessem experiências de vida mais amplas do que aquelas normalmente disponíveis para crianças reais. Ela os levou para o Walt Disney World e McDonald's, clínicas de AIDS, abrigos para sem-teto e comprou itens tipicamente de propriedade de adolescentes, como videogames.[15] Seus pais se divorciaram em 1996. Diana morreu após sofrer um acidente de carro na madrugada de 31 de agosto de 1997 em Paris. Guilherme, então com 15 anos, junto com seu irmão de 12 anos e seu pai, estavam hospedados no Castelo de Balmoral na época. O pai esperou até que seus filhos acordassem na manhã seguinte para lhes contar sobre a morte de sua mãe.[16] Guilherme acompanhou seu pai, irmão, avô paterno Príncipe Filipe, Duque de Edimburgo, e seu tio materno Charles Spencer, 9.º Conde Spencer, no funeral de sua mãe. Guilherme e Henrique caminharam atrás do cortejo fúnebre do Palácio de Kensington até a Abadia de Westminster.[17]

Educação[editar | editar código-fonte]

O príncipe Guilherme foi educado em escolas privadas no sul da Inglaterra. Em seus primeiros anos, foi um aluno do jardim de infância Mrs Jane Mynors e da escola Wetherby School,[18] ambas no oeste de Londres. Em 1987, juntou-se a Fun With Music, uma aula de apreciação de música conduzida por Ann Rachlin. Então, foi matriculado em Ludgrove School em Berkshire,[18] uma escola preparatória. Depois de passar no exame de admissão, foi para Eton College, também em Berkshire. Enquanto estava lá, estudou geografia, biologia e história da arte, em Advanced Level.[18]

A decisão de colocar Guilherme em Eton foi contra a tradição familiar de enviar filhos reais para Gordonstoun, que seu avô, pai, dois tios e dois primos compareceram. O pai e o irmão de Diana participaram de Eton.[15] A família real e a imprensa tablóide concordaram que Guilherme poderia estudar livre de intrusões em troca de atualizações regulares sobre sua vida. John Wakeham, presidente da Press Complaints Commission, disse sobre o acordo: "O príncipe Guilherme não é uma instituição, nem uma estrela de novela, nem um herói do futebol. Ele é um menino: nos próximos anos, talvez o mais importante e às vezes dolorosa de sua vida, ele crescerá e se tornará um homem".[15]

Depois de terminar o Eton College e, como um crescente número de adolescentes britânicos, o príncipe decidiu fazer o ano sabático (gap year, em inglês) antes do ingresso na universidade. Tomou parte de um treinamento do Exército Britânico em Belize.[19] Passou o estágio final de seu gap year no sul do Chile como um voluntário da Raleigh International. Fotos do príncipe limpando um toalete foram transmitidas em todo mundo. Trabalhou numa fazenda britânica e posteriormente, visitou países na África.[20] Em 2001, o príncipe foi aceito na Universidade de St. Andrews em Fife, Escócia, graduando-se em 2005.[21][22]

O príncipe jogando polo em 2007

Enquanto estava na universidade, ele representou a equipe de polo das universidades nacionais escocesas no torneio Celtic Nations em 2004. Ele era conhecido como "Steve" por outros estudantes para evitar que os jornalistas ouvissem e percebessem sua identidade. Começou a estudar história da arte, mas resolveu depois mudar, como matéria principal, para Geografia. Guilherme recebeu o grau escocês de "Mestre das Artes" com honras acima da segunda classe, a façanha academicamente mais alta que mais nenhum outro herdeiro ao trono britânico jamais recebeu. Em St. Andrew, era referido como William Wales. Em janeiro de 2006, o príncipe Guilherme começou seu curso de cadete na prestigiada Real Academia Militar de Sandhurst para treinar como um oficial militar. Guilherme juntou-se ao seu irmão, que estava lá desde maio de 2005.[23]

Após a formatura da universidade, o príncipe estagiou em administração de terras na Chatsworth House e em operações bancárias no HSBC.[15] Para se preparar para sua eventual gestão do Ducado da Cornualha, em 2014, ele se matriculou em um curso vocacional de gestão agrícola em Cambridge, que foi organizado pelo Cambridge Program for Sustainability Leadership (CPSL), do qual seu pai é patrono.[24] De acordo com um relatório da CNN em 2014, o ducado é "uma entidade de £ 760 milhões estabelecida em 1337 para fornecer uma renda privada para uso do filho mais velho do monarca reinante". Em 8 de setembro de 2022 a avó de Guilherme, a Rainha Elizabeth II faleceu. Com isso ele se tornou automaticamente o 1° na linha do trono e herdou o ducado da Cornualha.[24]

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Treinamento militar[editar | editar código-fonte]

Tendo decidido seguir a carreira militar, ele foi admitido na Real Academia Militar de Sandhurst em janeiro de 2006.[25] Guilherme recebeu oficialmente sua comissão como tenente à meia-noite. Como "Tenente de Gales" - um nome baseado no título de seu pai Príncipe de Gales - ele seguiu seu irmão mais novo[26] no Blues and Royals como comandante de tropa em uma unidade de reconhecimento blindada, após o qual passou cinco meses treinando para o cargo em Bovington Camp, Dorset.[27] A posição de Guilherme como segundo na linha de sucessão ao trono e a convenção de ministros que desaconselham colocar essa pessoa em situações perigosas lançam dúvidas sobre suas chances de entrar em combate, que aumentaram depois que o destacamento do príncipe Henrique foi cancelado em 2007 devido a "ameaças específicas". Guilherme, em vez disso, passou a treinar na Marinha Real e na Força Aérea Real, obtendo sua comissão como subtenente no primeiro e oficial voador no segundo – ambos amplamente equivalentes ao posto de tenente do exército.

Depois de completar seu treinamento, Guilherme assumiu um vínculo com a Royal Air Force na RAF Cranwell.[28] Ao completar o curso, ele foi presenteado com suas medalhas de asas da RAF por seu pai, que recebeu suas próprias asas após o treinamento em Cranwell.[29] Durante este destacamento, Guilherme voou para o Afeganistão em um C-17 Globemaster que repatriou o corpo do soldado Robert Pearson.[30] Guilherme foi então destacado para treinar com a Marinha Real.[31] Ele completou um curso acelerado de treinamento de oficial naval no Britannia Royal Naval College.[32] Enquanto servia no HMS Iron Duke em junho de 2008, Guilherme participou de uma apreensão de drogas de £ 40 milhões no Atlântico, nordeste de Barbados. Ele fazia parte da tripulação do helicóptero Lynx que ajudou a apreender 900 kg de cocaína de uma lancha.[33]

Serviço na Força Aérea Real[editar | editar código-fonte]

Guilherme em uniforme da Royal Air Force no Trooping the Color de 2010.

Em janeiro de 2009, Guilherme transferiu sua comissão para a RAF e foi promovido a tenente de voo. Ele treinou para se tornar um piloto de helicóptero com a Força de Busca e Resgate da RAF. Em janeiro de 2010, ele se formou na Defense Helicopter Flying School na RAF Shawbury.[34] Em 26 de janeiro de 2010, ele foi transferido para a Unidade de Treinamento de Busca e Salvamento em RAF Valley, Anglesey, para receber treinamento no helicóptero de busca e salvamento Sea King; ele se formou em setembro de 2010.[35] Isso fez dele o primeiro membro da família real britânica desde Henrique VII a viver no País de Gales.[36]

A primeira missão de resgate de Guilherme como co-piloto de um Sea King da RAF foi uma resposta a uma chamada de emergência da Guarda Costeira de Liverpool em 2 de outubro de 2010.[37] Em novembro de 2011, participou de uma missão de busca e resgate envolvendo um cargueiro que estava afundando no mar da Irlanda; Guilherme, como co-piloto, ajudou a resgatar dois marinheiros. Guilherme foi enviado para as Ilhas Malvinas para uma turnê de seis semanas com o voo n.º 1564 de fevereiro a março de 2012.[38] O governo argentino condenou a implantação do duque nas ilhas perto do 30.º aniversário do início da Guerra das Malvinas como um "ato provocativo".[39][40] Em junho de 2012, o príncipe Guilherme obteve uma qualificação para ser capitão ou piloto no comando de um Sea King em vez de co-piloto.[41] Seu serviço ativo como piloto de busca e resgate da RAF terminou em setembro de 2013.[42] Mais tarde, ele se tornou patrono da Battle of Britain Memorial Flight.[43]

Piloto de ambulância aérea[editar | editar código-fonte]

Cinco aviadores do 423º SFS com o príncipe Guilherme em 2012

Em 2014, foi anunciado que Guilherme aceitaria um papel em tempo integral como piloto da East Anglian Air Ambulance (EAAA) com sede no aeroporto de Cambridge. Apesar de suas qualificações como piloto de helicóptero militar, Guilherme precisava de uma licença de piloto civil e treinamento adicional antes de poder assumir o comando da ambulância aérea. Embora sua posição tenha sido paga, o Palácio de Kensington anunciou que Guilherme doaria seu salário integral para a caridade da EAAA.[44] Ele passou por parte de seu treinamento como piloto da EAAA no aeroporto de Norwich.[45] Em 13 de julho de 2015, Guilherme começou seu novo trabalho, que ele sentiu ser uma progressão natural de seu papel anterior como piloto de busca e resgate da RAF. O duque descreveu trabalhar em turnos irregulares e lidar principalmente com casos de cuidados intensivos.[46] Ele também discutiu publicamente as consequências, testemunhando trauma intenso e luto como trabalhador de emergência, afirmando que isso afetou sua saúde mental e vida pessoal.[47] A BBC escreveu que o duque foi "exposto ao Serviço Nacional de Saúde de uma maneira que nenhum outro membro da realeza sênior foi ou possivelmente será".[48]

Guilherme deixou seu cargo na EAAA em julho de 2017 para assumir funções reais em tempo integral em nome de sua avó.[49] Depois de apoiar uma campanha de aniversário da Air Ambulance Charity de Londres em 2019, o duque se tornou o patrono oficial da instituição em março de 2020.[50] Em maio de 2020, ele concedeu permissão à instituição de caridade para usar o gramado particular do Palácio de Kensington para reabastecer durante a pandemia de COVID-19.[51] Para marcar a Semana da Ambulância Aérea 2020, ele escreveu uma carta agradecendo aos trabalhadores das ambulâncias aéreas, afirmando seu “profundo respeito” pela comunidade, particularmente durante o surto “imensuravelmente difícil”, e afirmou que “o país deve a vocês uma enorme dívida de gratidão”.[52][53]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Relação amorosa[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Guilherme conheceu Catherine Middleton enquanto eram estudantes residentes no St Salvator's Hall na Universidade de St. Andrews.[54] Ela supostamente chamou a atenção de Guilherme em um desfile de moda beneficente no campus.[55] O casal começou a namorar em 2003. Durante seu segundo ano, Guilherme dividiu um apartamento com Middleton e outros dois amigos.[56] De 2003 a 2005, ambos residiram em Balgove House na propriedade Strathtyrum com dois companheiros de quarto.[57]

Seu relacionamento foi seguido tão de perto pela imprensa tablóide que as casas de apostas fizeram apostas na possibilidade de casamento, e a cadeia de varejo Woolworths produziu mobília com suas semelhanças.[58] A atenção da mídia tornou-se tão intensa que Guilherme pediu formalmente à imprensa que mantivesse distância de Middleton.[58] Em 15 de dezembro de 2006, Middleton participou do Desfile do Príncipe Guilherme na Royal Military Academy Sandhurst.[59][60]

Em abril de 2007, Guilherme e Middleton terminaram seu relacionamento.[61] Middleton e sua família compareceram ao Concerto para Diana em julho de 2007 no Estádio de Wembley, onde ela e o príncipe se sentaram a duas fileiras de distância. O casal foi posteriormente visto juntos em público em várias ocasiões e fontes de notícias afirmaram que eles "reacenderam seu relacionamento".[62] Middleton esteve presente durante a cerimônia da procissão da Ordem da Jarreteira no Castelo de Windsor em junho de 2008, onde o Príncipe Guilherme foi feito Cavaleiro Real da Jarreteira. Em junho de 2010, o casal mudou-se para uma casa de campo no Bodorgan Estate em Anglesey, País de Gales, onde Guilherme residiu durante seu treinamento de busca e resgate da RAF e sua carreira subsequente.[63][64]

Noivado e casamento[editar | editar código-fonte]

O Duque e a Duquesa de Cambridge na sacada do Palácio de Buckingham em 2013.

Em 16 de novembro de 2010, a Clarence House anunciou oficialmente o noivado entre o príncipe Guilherme e Catherine Middleton, noivado este acontecido um mês antes, em uma viagem ao Quênia. O casal deu uma entrevista oficial após o anúncio, onde Catherine afirmou que "não estava à espera. O pedido foi um verdadeiro choque e emocionou-se muito". Quando questionada sobre a princesa Diana Catherine respondeu "Obviamente, eu teria gostado muito dela se tivesse conhecido-a e claro que era uma mulher inspiradora, digna de admiração".[65] Em 23 de novembro, o Palácio de Buckingham anunciou que a data escolhida fora o dia 29 de abril, o dia de Santa Catarina,[66] e o local a Abadia de Westminster. O casamento injetou milhares de libras no Reino Unido e o dia foi um feriado nacional. Catherine recebeu de Guilherme um anel de noivado que pertencera à sua falecida mãe, a princesa Diana. Carlos, Príncipe de Gales mostrou-se "surpreso", enquanto a família Middleton e a rainha Isabel II declararam-se "encantados". O noivado também foi comemorado pelo primeiro-ministro David Cameron.[67]

O casamento realizou-se no dia 29 de abril de 2011 na Abadia de Westminster (local escolhido pelos noivos) com grande repercussão da mídia mundial. A entrada da noiva foi às 11:00 da manhã (horário de Londres). Na lista de convidados da tão esperada cerimónia, estavam 1900 nomes (que incluía celebridades, representantes das famílias reais europeias, familiares e amigos). No jantar de comemoração, participaram apenas 100 convidados (parentes bem próximos e amigos íntimos de Guilherme e Kate). Na ocasião, tornou-se Duque de Cambridge. Seu tratamento passou a ser "Sua Alteza Real o Duque de Cambridge".

O duque e a duquesa de Cambridge passaram um final de semana privado em sua residência na ilha de Anglesey, no País de Gales, e acabaram por adiar a lua de mel, que ocorreu algumas semanas depois. O casal viajou para Seicheles, passando dez dias em uma ilha privada.[68] Ele e a esposa moram também em uma propriedade rural no País de Gales na cidade de Anglesey.[69]

Filhos[editar | editar código-fonte]

O duque e duquesa de Cambridge com seu primogênito, o príncipe Jorge de Cambridge, em 2014.

Na manhã do dia 22 de julho de 2013 foi anunciado que Kate Middleton havia entrado em trabalho de parto, no mesmo hospital em que a mãe de Guilherme, princesa Diana, deu à luz Guilherme e seu irmão Príncipe Henrique. Centenas de jornalistas aguardam a primeira aparição do casal de duque e o futuro Príncipe de Cambridge. O comunicado foi dado no site oficial da monarquia: “Sua Alteza Real a Duquesa de Cambridge foi admitida esta manhã no Hospital de St. Mary, Paddington, em Londres, nas fases iniciais do trabalho de parto”.[70] O primeiro filho dos Cambridge, Jorge de Cambridge, nasceu às 16h24 (hora local), com 3,8 kg. A notícia foi divulgada às 20h30 do mesmo dia. Em 8 de setembro de 2014, a Casa de Windsor confirmou que os Duques aguardavam a chegada de um segundo filho.[6]

Na manhã de 2 de maio de 2015, Catarina deu entrada novamente no Hospital de St. Mary, em Londres, acompanhada pelo marido e deu à luz uma menina às 8h34 locais, com 3,7kg, que foi chamada de Carlota de Cambridge. No dia 4 de setembro de 2017 a realeza britânica anunciou que os duques estavam a espera do terceiro filho com data de nascimento prevista entre março e abril de 2018.[71] No dia 23 de abril nasceu o terceiro filho do casal às 11h01 (hora local) com 3,8 kg, que foi nomeado de príncipe Luís de Cambridge.[72][73]

Património[editar | editar código-fonte]

Guilherme e seu irmão Henrique herdaram a grande parte dos 12,9 milhões de libras deixados por sua mãe quando completaram 30 anos, um número que cresceu desde a morte de Diana em 1997 para 10 milhões de libras em 2014.[74][75] Em 2002, o The Times informou que Guilherme também dividiria com seu irmão um pagamento de 4,9 milhões de libras de fundos fiduciários estabelecidos por sua bisavó, a rainha Isabel, a rainha mãe, em seus respectivos 21 anos de aniversário e compartilharia um pagamento de 8 milhões de libras em seus respectivos 40 anos. Como o filho mais velho do herdeiro aparente, Guilherme deve herdar o Ducado da Cornualha, o que lhe traria uma renda adicional.[76]

Em 2014, os irmãos herdaram o vestido de noiva de sua mãe, juntamente com muitos outros bens pessoais, incluindo vestidos, tiaras de diamantes, joias, cartas e pinturas. Os irmãos também receberam a letra original e a partitura de "Candle in the Wind" de Bernie Taupin e Elton John interpretada por John no funeral de Diana.[75]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Em 3 de junho de 1991, Guilherme foi internado no Royal Berkshire Hospital após ser acidentalmente atingido na testa por um colega empunhando um taco de golfe. Ele sofreu uma fratura deprimida do crânio e foi operado no Great Ormond Street Hospital, resultando em uma cicatriz permanente.[77] Em uma entrevista de 2009, ele apelidou essa cicatriz de "cicatriz de Harry Potter" e disse: "Eu chamo isso porque às vezes brilha e algumas pessoas percebem - outras vezes nem percebem".[78]

Em 1º de novembro de 2020, foi relatado que Guilherme havia testado positivo para COVID-19 em abril, mas decidiu não alertar a mídia para 'evitar alarmar a nação'.[79] O Daily Telegraph relatou que ele estava "muito doente" e isolado de sua família; outras fontes dizem que ele não estava gravemente doente, não estava acamado e trabalhando a maior parte do tempo.[80]

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Deveres reais[editar | editar código-fonte]

Aos 21 anos, Guilherme foi nomeado Conselheiro de Estado; ele serviu pela primeira vez nessa capacidade quando a rainha participou da Reunião dos Chefes de Governo da Commonwealth em 2003. Em seu 21º aniversário, Guilherme acompanhou seu pai em uma visita ao País de Gales, visitando o Anglesey Food Festival e abrindo um centro para os sem-teto em Newport.[81] Ao graduar-se na universidade, Guilherme começou os deveres reais em apoio e em nome da rainha em eventos oficiais, compromissos públicos e viagens ao exterior.[82] Em julho de 2005, ele embarcou em sua primeira turnê solo no exterior, viajando para a Nova Zelândia para participar das comemorações da Segunda Guerra Mundial. Para o 30º aniversário da instituição de caridade de seu pai, The Prince's Trust, Guilherme e seu irmão foram entrevistados pela primeira vez em conjunto por personalidades da televisão Ant & Dec. Segundo a autora Tina Brown, ele, como seu pai, expressou o desejo de se tornar governador-geral da Austrália.[83] O primeiro-ministro da Austrália John Howard expressou seu desejo de que o cargo fosse ocupado por um cidadão australiano.[84] Em 2009, a rainha montou um escritório particular para o príncipe com David Manning como seu conselheiro.[85] Manning o acompanhou em janeiro de 2010 em uma turnê por Auckland e Wellington; Guilherme abriu o novo prédio da Suprema Corte da Nova Zelândia e foi recebido por um chefe maori.[86]

Em junho de 2010, Guilherme e seu irmão visitaram Botsuana, Lesoto e África do Sul, visitando projetos relacionados à vida selvagem, esporte e crianças pequenas.[87] Em novembro de 2010, ele participou de um serviço memorial realizado no Dia da Lembrança em Camp Bastion, Afeganistão.[88] Em março de 2011, ele visitou Christchurch, Nova Zelândia, logo após o terremoto, e falou no serviço memorial em Hagley Park em nome de sua avó.[89] Ele também viajou para a Austrália para visitar áreas afetadas por inundações em Queensland e Victoria.[90] Em abril de 2011, a revista Time o selecionou como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.[91] Em maio de 2011, o duque e a duquesa de Cambridge se encontraram com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a primeira-dama, Michelle Obama, no Palácio de Buckingham.[92] O casal viajou pelo Canadá no verão de 2011, participando das comemorações do Dia do Canadá no Parliament Hill.[93] Em 2 de novembro, o Duque e a Duquesa visitaram a Divisão de Suprimentos do UNICEF para crianças desnutridas em Copenhague, Dinamarca.[94]

Guilherme e sua esposa serviram como embaixadores para os Jogos Olímpicos de Verão de 2012 em Londres, durante vários eventos esportivos durante os jogos.[95] Em setembro de 2012 visitaram Singapura, Malásia, Tuvalu e Ilhas Salomão como parte das celebrações do Jubileu de Diamante da Rainha.[96] O Duque e a Duquesa participaram de outras comemorações do Jubileu ao longo do ano, incluindo o Thames Diamond Jubilee Pageant em julho.[97] O duque sediou sua primeira cerimônia de posse no Palácio de Buckingham em outubro de 2013.

O Duque de Cambridge conhece o vice-presidente americano Joe Biden e sua esposa Jill Biden, na Casa Branca em dezembro de 2014.

Em abril de 2014, o duque e a duquesa fizeram uma viagem real à Nova Zelândia e Austrália com seu filho, o príncipe Jorge. O itinerário incluía visitar a Plunket Society para crianças e visitar áreas danificadas pelo fogo em Nova Gales do Sul.[98] Em junho de 2014, o casal visitou a França para participar da comemoração do 70º aniversário do desembarque na Normandia em Gold Beach. Em setembro de 2014, o Duque visitou Malta para comemorar seu 50º aniversário de independência, substituindo sua esposa após o anúncio de sua segunda gravidez.[99] Em 21 de outubro, o duque e a duquesa se encontraram com o presidente de Singapura, Tony Tan, durante sua visita de Estado ao Reino Unido. Em dezembro de 2014, William se encontrou com o presidente Obama no Salão Oval e fez um discurso no Banco Mundial em Washington, D.C., condenando o comércio ilegal de animais selvagens.[100] Em dezembro de 2014, o casal visitou Nova York e participou de um jantar beneficente no Metropolitan Museum of Art.

O primeiro-ministro indiano, Shri Narendra Modi, recebe o duque e a duquesa de Cambridge em Nova Deli, em 12 de abril de 2016.

Em fevereiro de 2015, o Duque visitou o Japão, encontrando-se com o Imperador Akihito e a Imperatriz Michiko no Palácio Imperial de Tóquio e visitando sobreviventes devastados pelo tsunami de 2011.[101] De 1 a 4 de março, o duque visitou as cidades chinesas de Pequim, Xangai e Yunnan e se reuniu com o presidente Xi Jinping. Foi a primeira visita real à China continental em quase três décadas.[102] Em abril de 2016, Guilherme e sua esposa fizeram uma excursão à Índia e ao Butão. As atividades incluíam visitas a instituições de caridade para crianças, como Childline India, bem como uma visita ao Palácio Lingkana.[103][104] Mais tarde naquele mês, o casal se encontrou novamente com os Obamas no Palácio de Kensington. Em novembro de 2016, ele visitou o Vietnã, encontrando-se com o primeiro-ministro Nguyen Xuan Phuc e visitando escolas primárias locais.[105] Os países visitados pelo casal em 2017 incluem França, Polônia, Alemanha e Bélgica.[106] Em janeiro de 2018, o casal visitou a Suécia e a Noruega.[107] As visitas, que foram, como outras, solicitadas pelo Ministério das Relações Exteriores, foram interpretadas para beneficiar as relações Reino Unido-Europa após o Brexit.[108] Em junho de 2018, o duque visitou a Jordânia, Israel e Palestina.[109]

O duque e a duquesa de Cambridge no Canadá em setembro de 2016.

Em fevereiro de 2019, Guilherme e Catherine realizaram uma visita de dois dias à Irlanda do Norte, visitando Belfast, Fermanagh e Ballymena.[110] O duque e a duquesa visitaram o Paquistão em outubro de 2019, que foi a primeira visita da família real ao país em 13 anos.[111] Em dezembro de 2019, Guilherme visitou o Kuwait e Omã, comemorando o 120º aniversário do Acordo Anglo-Kuwaitiano de 1899.[112] Em março de 2020, o casal realizou uma excursão de três dias pela Irlanda, visitando County Meath, Kildare e Galway.[113] Em outubro de 2020, o duque e a duquesa conheceram Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, e a primeira-dama Olena Zelenska, no Palácio de Buckingham, o primeiro compromisso real realizado na residência desde o início da pandemia de COVID-19.[114] Em dezembro, o casal embarcou em uma excursão de três dias pela Inglaterra, Escócia e País de Gales no trem real britânico "para homenagear o trabalho inspirador de indivíduos, organizações e iniciativas em todo o país" em 2020.[115][116] O primeiro-ministro Boris Johnson expressou seu apoio à iniciativa, enquanto o primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, criticou a turnê, citando restrições de viagem; Os governos do Reino Unido, da Escócia e do País de Gales foram consultados antes de planejar a turnê.[117][118] Na qualidade de Guilherme como Lord High Commissioner da Assembleia Geral da Igreja da Escócia, o casal visitou Edimburgo, Fife e Orkney em maio de 2021.[119] Na Cornualha, em 11 de junho de 2021, Guilherme e Catherine participaram da cúpula do G7 pela primeira vez. Eles também participaram de uma recepção, onde o duque e seu pai discutiram soluções governamentais e corporativas para problemas ambientais.[120][121]

Patrocínios humanitários e ambientais[editar | editar código-fonte]

Guilherme tomou conhecimento do HIV/AIDS em meados da década de 1990, quando acompanhou sua mãe e seu irmão em visitas a abrigos e clínicas para pacientes. Em janeiro de 2005, Guilherme e seu irmão se ofereceram como voluntários em um centro de distribuição de ajuda da Cruz Vermelha Britânica para embalar suprimentos de emergência para países afetados pelo tsunami do Boxing Day de 2004.[122] Em setembro daquele ano, Guilherme concedeu seu patrocínio ao Centrepoint, uma instituição de caridade que ajuda os sem-teto.[123] Em dezembro de 2009, ele, como parte de um evento organizado pelo Centrepoint, passou a noite com saco de dormir perto da Ponte Blackfriars para aumentar a conscientização sobre as experiências dos jovens sem-teto.[124] O duque abriu suas novas instalações, Apprenticeship House, em novembro de 2019 para marcar o aniversário de 50 anos do lugar.[125] Em 2005, Guilherme trabalhou na unidade infantil do Royal Marsden Hospital, antigo patronato de sua mãe, por dois dias de experiência de trabalho; ele também auxiliou nos departamentos de pesquisa médica, alimentação e arrecadação de fundos.[123] Em maio daquele ano, ele passou duas semanas no Norte do País de Gales com o Mountain Rescue England and Wales.[122] Em maio de 2007, William tornou-se patrono de ambas as organizações.[123] Em outubro de 2020, o duque lançou a pedra fundamental do Oak Cancer Center do hospital, 30 anos depois que sua mãe fez o mesmo por sua Chelsea Wing em 1990.[126]

O príncipe Guilherme tornou-se patrono do Tusk Trust em dezembro de 2005,[123] uma instituição de caridade que trabalha para conservar a vida selvagem e iniciar o desenvolvimento comunitário, incluindo o fornecimento de educação, em toda a África.[127] Ele se associou à organização depois de testemunhar seu trabalho em primeira mão na África. Afirmando que "iniciativas rurais africanas que promovem a educação, a responsabilidade e a participação na comunidade local iluminam o caminho para a conservação",[128] ele cumpriu seu primeiro dever oficial com a confiança de lançar um passeio de bicicleta de 5 000 milhas (8 000 km) o continente africano em 2008.[129] Mais tarde, Guilherme ajudou a lançar o Tusk Conservation Awards, que tem sido apresentado a ativistas ambientais selecionados anualmente desde 2013.[130] Guilherme ocasionalmente comentou sobre os efeitos da superpopulação na vida selvagem da África, mas suas observações foram criticadas por não levar em consideração o consumo de recursos e a densidade populacional, que afetam a vida selvagem em países ricos e desenvolvidos.[131]

Príncipe Guilherme em uma reunião do United for Wildlife Taskforce no Palácio de Buckingham em 2017.

O duque se manifestou pelos direitos LGBT como parte de seu trabalho contra o cyberbullying, afirmando a importância de estar "orgulhoso da pessoa que você é" e discutindo os efeitos do abuso e discriminação online.[132] Em 2016, ele apareceu na edição de julho da Attitude e se tornou o primeiro membro da família real a aparecer na capa de uma revista gay.[133] Ele foi reconhecido no British LGBT Awards em maio de 2017.[132] Em 2019, durante uma visita à sede da organização LGBT "Albert Kennedy Trust" (AKT), dedicada a ajudar jovens que ficaram "sem-teto" devido à sua orientação sexual, o Duque de Cambridge declarou que não teria problema se seus filhos fossem gays, mas que se preocuparia apenas com pressão social poderiam sofrer, devido ao seus papéis na monarquia.[134] Em 2016, a Royal Foundation lançou várias iniciativas de saúde mental, incluindo Heads Together, uma campanha liderada pelo duque e pela duquesa de Cambridge e pelo príncipe Henrique para desestigmatizar a saúde mental.[135] Os programas legados incluem o Heads Up, lançado em maio de 2019 em parceria com a Football Association, utilizando o futebol para afetar a conversa em torno da saúde mental em adultos.

Em março de 2020, o duque apareceu em um vídeo para o National Emergencies Trust, lançando um apelo de arrecadação de fundos para ajudar instituições de caridade durante a pandemia. O apelo levantou £ 11 milhões em sua primeira semana, totalizando £ 90 milhões, com o dinheiro indo para "caridades da linha de frente" e para as Fundações Comunitárias do Reino Unido para ser distribuído entre "fundações comunitárias locais".[136] Em maio de 2020, a mensagem de rádio gravada do duque e da duquesa de Cambridge para a Semana de Conscientização da Saúde Mental foi transmitida em todas as estações do Reino Unido.[137] Em maio e junho de 2020, o casal, ao lado de seus filhos, entregou pacotes de alimentos feitos na Sandringham Estate para aposentados isolados locais durante a pandemia de COVID-19.[138][139] Em fevereiro de 2021, William visitou um centro de vacinação em King's Lynn e mais tarde incentivou o uso da vacina, denunciando informações falsas que poderiam causar hesitação na vacina.[140][141] Em maio de 2021, ele recebeu sua primeira dose da vacina COVID-19 pela equipe do NHS no Science Museum em Londres.[142] Em setembro de 2021, foi relatado que William havia ajudado um oficial afegão formado pela Real Academia Militar de Sandhurst e assistente das tropas britânicas a ser evacuado do aeroporto de Cabul junto com mais de 10 membros de sua família em meio ao Talibã de 2021.[143]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Príncipe Guilherme visite o Estádio Nacional de Belfast, sede da Associação Irlandesa de Futebol, em 2019.

Guilherme frequentemente joga polo para arrecadar dinheiro para caridade.[144] Ele é um fã de futebol e apoia o clube inglês Aston Villa.[145] Ele se tornou presidente da Associação de Futebol da Inglaterra em maio de 2006 e patrono vice-real da Welsh Rugby Union (WRU) em fevereiro de 2007, apoiando a rainha como patrona.[123] No mesmo ano, a decisão da WRU de nomear uma nova copa para jogos de teste entre o País de Gales e a África do Sul a Copa do Príncipe Guilherme causou polêmica; alguns acreditavam que teria sido mais apropriado nomeá-lo em homenagem a Ray Gravell.[146] Em dezembro de 2010, Guilherme e o primeiro-ministro David Cameron participaram de uma reunião com o vice-presidente da FIFA, Chung Mong-joon, na qual Chung sugeriu um acordo de troca de votos pelo direito de sediar a Copa do Mundo de 2018 na Inglaterra. A delegação inglesa relatou a sugestão ao investigador de ética da FIFA porque considerava a troca de votos uma violação das regras anticonluio. Em 2011, Guilherme, como presidente da federação inglesa, votou contra a candidatura da Austrália à FIFA em 2022 e, em vez disso, votou na Coreia do Sul; apesar de ser o futuro herdeiro do país. Em 2020, novamente como presidente da Federação Inglesa, ele votou contra a candidatura conjunta Austrália-Nova Zelândia à Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023 e, em vez disso, votou na Colômbia.[147]

Em fevereiro de 2021, após uma investigação sobre racismo dirigida a Marcus Rashford, o duque divulgou um comunicado como presidente da FA, denunciando o "abuso racista... " e afirmando que "todos temos a responsabilidade" de criar um ambiente de tolerância e responsabilidade.[148] Em abril de 2021, Guilherme criticou a competição separatista planejada The Super League, acrescentando que ele "compartilha as preocupações dos fãs sobre a proposta da Super League e os danos que ela corre o risco de causar ao jogo que amamos", ele condenou os ataques racistas contra jogadores de futebol da Inglaterra após a derrota na final da Euro 2020 da UEFA.[149]

Títulos e honras[editar | editar código-fonte]

O seu tratamento completo é: "Sua Alteza Real, O Príncipe William Arthur Philip Louis, Príncipe de Gales, Príncipe da Escócia, Duque da Cornualha, Duque de Rothesay, Duque de Cambridge, Conde de Strathearn, Conde de Chester, Conde de Carrick, Barão de Renfrew, Barão Carrickfergus, Lorde das Ilhas , Real Cavaleiro da Companhia Mais Nobre da Ordem da Jarreteira, Cavaleiro Extra da Mais Antiga e Mais Nobre Ordem do Cardo-selvagem e Membro do Mais Honorável Conselho Privado de Sua Majestade". Como um príncipe britânico, Guilherme não tem sobrenome, mas como todos os outros netos do sexos masculino de Isabel II, ele usava o nome da área sobre a qual o pai detém título, ou seja, Gales (como as princesas Beatriz de Iorque e Eugénia de Iorque usam Iorque, devido ao seu pai, o André, Duque de Iorque). Quando na idade adulta deixa de usar o título do seu pai e passa a usar somente o apelido Mountbatten-Windsor e o título de Duque de Cambridge. Após a ascensão de seu pai ao trono em 8 de setembro de 2022, William, como filho mais velho do Soberano e herdeiro aparente, recebeu automaticamente os títulos adicionais de Duque da Cornualha Duque de Rothesay, Conde de Carrick, Barão de Renfrew, Lord das Ilhas, e Príncipe e Grande Regente da Escócia. Em 9 de setembro de 2022, o rei anunciou a nomeação de William como Príncipe de Gales e conde de Chester.[157][158][159]

Se Guilherme subir ao trono e decidir manter seu próprio nome (assim como fez sua avó Isabel II e seu pai Carlos III), será conhecido como "Guilherme V" (William V). Porém, o nome a ser usado por um monarca ao ascender ao trono é de livre escolha do próprio.

Brasões[editar | editar código-fonte]

Coat of arms of William, Duke of Cornwall.svg
Coat of Arms of the Duke of Rothesay.svg
Arms of the Duchy of Cornwall.svg
Brasão de Guilherme como
Duque da Cornualha
Brasão de Guilherme como
Duque de Rothesay
Armas do
Ducado da Cornualha

2000-2022[editar | editar código-fonte]

Em seu aniversário de 18 anos, o príncipe William foi premiado com um brasão pessoal da Rainha. Os braços são os mesmos do soberano, apenas cerdas para diferenciá-los dos cheios, neste caso com um lambel de três brincos de prata .

O lambel contém em seu centro uma concha de vieira que aparece nos braços do Spencer e que alude à sua mãe.

Coat of Arms of Prince William of Wales (2000-2008).svg
Coat of Arms of Prince William of Wales (2008-2011).svg
Coat of Arms of William, Duke of Cambridge.svg
Coat of arms of Prince William, Earl of Strathearn.svg
Brasão de Guilherme de Gales (2000-2008)
Brasão de Príncipe Guilherme KG (2008-2011)
Brasão de Guilherme como Duque de Cambridge (2011-2022)
Brasão de como conde de Strathearn (2011-2022)

Patentes militares[editar | editar código-fonte]

Exército Britânico[editar | editar código-fonte]

Marinha Britânica[editar | editar código-fonte]

Força Aérea Britânica[editar | editar código-fonte]

Honras[editar | editar código-fonte]

Nomeações e Medalhas

Nomeações militares honorárias[editar | editar código-fonte]

 Reino Unido
  • Naval Ensign of the United Kingdom.svg Desde 8 de agosto de 2006: Comandante-em-chefe do Serviço da HMNB Clyde;
  • Escócia Desde 8 de agosto de 2006: Comandante-em-chefe da Escócia;[177]
  • Air Force Ensign of the United Kingdom.svg Desde 3 de outubro de 2008: Comandante Aéreo Honorário da RAF Coningsby;[178]
  • Flag of the British Army.svg Desde 10 de fevereiro de 2011: Coronel da Guarda Irlandesa;[179][180]

Compromissos[editar | editar código-fonte]

  • Desde 6 de julho de 2009: Bencher Honorário da Honorável Sociedade do Templo Médio;[181]
  • Desde 23 de junho de 2010: Royal Fellow da Royal Society (FRS);[182]
  • 17 de março de 2013: Auxiliar de campo pessoal de Sua Majestade, a Rainha (ADC);[183]
  • 9 de junho de 2016: Membro do Honorável Conselho Privado de Sua Majestade (PC);[184]
  • Desde 1 de março de 2017: Royal Honorary Fellow da Royal Society of Edinburgh (HonFRSE);[185]
  • Desde 17 de janeiro de 2018: Membro Honorário da Royal Society of Medicine (FRSM);[186]
  • 25 de janeiro de 2020: Senhor Alto Comissário da Assembleia Geral da Igreja da Escócia;[187]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Nascimento
Prince George of Cambridge in 2019 (cropped).jpg Jorge de Gales 22 de julho de 2013
Carlota de Gales 2 de maio de 2015
Luís de Gales 23 de abril de 2018

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Enquanto Guilherme continua a deter os ducados da Cornualha e Cambridge, ele é geralmente tratado por seu título mais alto, que é 'Príncipe de Gales'.
  2. Como filho mais velho do novo monarca, William herdou automaticamente o título de 'Duque de Rothesay' após a morte da rainha Elizabeth II, em 8 de setembro de 2022, um dia antes de ser criado 'Príncipe de Gales'.

Referências

  1. a b c d e Newton, Jennifer (8 de setembro de 2022). «Prince William and Kate Middleton's new titles and roles as Charles becomes King». The Mirror (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2022 
  2. Landau, Elaine (2002). Prince William of Wales. Estados Unidos: The Millbook Press, Inc. Consultado em 6 de julho de 2012 
  3. «La novia del príncipe Guillermo tendrá que acostumbrarse a su ausencia» (em espanhol). ABC. 6 de julho de 2009. Consultado em 21 de abril de 2011 
  4. «El Príncipe Guillermo de Inglaterra: 'Oficial y Caballero'». Hola idioma = es. 11 de abril de 2008. Consultado em 21 de abril de 2011 
  5. Mábel Galaz (21 de fevereiro de 2011). «Una boda de 1 900 invitados». El País. Consultado em 20 de abril de 2011 
  6. a b G1 (8 de setembro de 2014). «Kate e William anunciam nova gravidez». Consultado em 8 de setembro de 2014 
  7. a b «Prince William's his name». The Evening News (em inglês). Londres. 28 de julho de 1982. Consultado em 23 de julho de 2013. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2015 
  8. «The Duke of Cambridge – Biography» (em inglês). Office of the Prince of Wales. Consultado em 6 de maio de 2015. Cópia arquivada em 23 de abril de 2015 
  9. «William baptized». The Palm Beach Post. London. 5 de agosto de 1982. Consultado em 31 de maio de 2013. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2015 
  10. «Princess Diana enters hospital in early labor». Youngstown Vindicator. Londres. 21 de junho de 1982. Consultado em 21 de julho de 2013. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2015 
  11. «When princes Harry and William visited Canada with their parents». CBC. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  12. «'What about Harry?' When 2 teenage princes and their dad visited Canada». CBC. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  13. «Growing Up Royal». Time (em inglês). 25 de abril de 1988. Consultado em 4 de junho de 2009. Cópia arquivada em 31 de março de 2005 
  14. Lauer, Matt (12 de junho de 2007). «In honor of Diana». NBC News. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  15. a b c d «Prince William Biography». People (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 21 de abril de 2016 
  16. «Timeline: How Diana died» (em inglês). BBC News. 14 de dezembro de 2006. Consultado em 15 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2008 
  17. «BBC ON THIS DAY – 6–1997: Diana's funeral watched by millions». BBC News (em inglês). Londres. 6 de setembro de 1997. Consultado em 26 de março de 2009. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2017 
  18. a b c Tieck, Sarah (2012). Prince Guilherme: The Real Life (em inglês). Edina, Minessota: ABDO Publishing. Consultado em 6 de julho de 2012 
  19. «Rugged prince scores PR triumph» (em inglês). BBC News. 11 de dezembro de 2000. Consultado em 11 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2017 
  20. «Prince William Celebrates 21st Birthday With African-Themed Party» (em inglês). Fox News. 21 de junho de 2003. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  21. Summerskill, Ben (23 de setembro de 2001). «Welcome to Will's new world». The Observer (em inglês). Londres. Consultado em 15 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  22. Howie, Michael (24 de junho de 2005). «William Wales M.A. collects his degree». The Scotsman (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 14 de junho de 2013 
  23. S.A., Hola. «Guillermo de Inglaterra. Noticias, fotos y biografía de Guillermo de Inglaterra». www.hola.com (em Spanish). Consultado em 8 de setembro de 2017 
  24. a b Victoria Arbiter (8 de janeiro de 2014). «Opinion: Why Prince William is right to go back to school». CNN (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2016. Cópia arquivada em 24 de abril de 2016 
  25. Davies, Caroline (22 de outubro de 2005). «Prince William to join his brother at Sandhurst». The Daily Telegraph (em inglês). Londres. Consultado em 22 de maio de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  26. «William joining Harry's regiment». BBC News (em inglês). 21 de setembro de 2006. Consultado em 17 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2009 
  27. «William begins new life in Army» (em inglês). BBC. 8 de janeiro de 2007. Consultado em 27 junho de 2019. Cópia arquivada em 27 de junho de 2019 
  28. «Prince William ready for Search and Rescue role». meeja.com.au (em inglês). 16 de setembro de 2008. Consultado em 16 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2008 
  29. «Prince William awarded RAF wings». BBC News (em inglês). 11 de abril de 2008. Consultado em 2 de julho de 2008. Cópia arquivada em 26 de julho de 2008 
  30. «William visits Afghanistan troops». BBC News (em inglês). 30 de abril de 2008. Consultado em 30 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 21 de maio de 2008 
  31. «William's Navy posting revealed». BBC News (em inglês). 31 de maio de 2008. Consultado em 31 de maio de 2008. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2009 
  32. «William's Navy posting revealed». BBC News (em inglês). 31 de maio de 2008. Consultado em 31 de maio de 2008. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2009 
  33. «Prince William recalls the time he took part in an R825 million drugs bust». Channel24. 11 de novembro de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  34. Bonnett, Tom (15 de janeiro de 2010). «Royal Heir Force: Prince's Career Takes Off». Sky News. Consultado em 16 de janeiro de 2010 
  35. «Prince William starts RAF rescue training on Anglesey». BBC News (em inglês). 26 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2017 
  36. «The Tatler List – Duke of Cambridge» (em inglês). Tatler. Consultado em 11 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2015 
  37. «Co-pilot Prince William rescues man from oil rig». BBC News (em inglês). 5 de outubro de 2010. Consultado em 17 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2015 
  38. «Prince William to deploy to Falkland Islands» (em inglês). CTV News. Associated Press. 11 de novembro de 2011. Consultado em 11 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2012 
  39. «Argentina condemns Prince William Falklands posting». BBC News (em inglês). 11 de novembro de 2011. Consultado em 5 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2012 
  40. Goñi, Uki (1 de fevereiro de 2012). «Argentina criticises Prince William's tour of duty of Falkland Islands». The Guardian (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 31 de julho de 2013 
  41. «Prince William to command search and rescue missions». BBC News (em inglês). 7 de junho de 2012. Consultado em 11 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  42. Withnall, Adam (12 de setembro de 2013). «Prince William completes last shift as RAF pilot to take up full-time job of being royal». The Independent (em inglês). Londres. Consultado em 11 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2015 
  43. «Prince William joins Battle of Britain Memorial Flight commemorations». BBC. 11 de julho de 2017. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  44. «Prince William to join East Anglian Air Ambulance». BBC News (em inglês). 7 de agosto de 2014. Consultado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2014 
  45. Rosa McMahon. «Prince William starts training for East Anglian Air Ambulance job at Norwich airport». Eastern Daily Press (em inglês). Consultado em 31 de março de 2015. Cópia arquivada em 1 de abril de 2015 
  46. «Prince William starts new job as air ambulance pilot». The Guardian (em inglês). 13 de julho de 2015. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  47. «Inside the trauma team where Prince William is a pilot». BBC. 20 de setembro de 2016. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  48. Hunt, Peter (27 de julho de 2017). «Prince William ready to be full-time royal». BBC News (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2022 
  49. «Prince William pilots last East Anglian Air Ambulance shift». BBC News (em inglês). 27 de julho de 2017. Consultado em 2 de março de 2018. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  50. «The Duke of Cambridge becomes Patron of our charity». London's Air Ambulance Charity. 11 de março de 2020. Consultado em 12 de março de 2020 
  51. «Prince William gives up a patch of Kensington Palace lawn for Air Ambulance use». Tatler. 4 de maio de 2020. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  52. Mackelden, Amy (7 de setembro de 2020). «Prince William Shares His "Profound Respect" for Air Ambulance Workers in a Personal Letter». Harper's Bazaar. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  53. «An open letter written by The Duke of Cambridge to mark Air Ambulance Week 2020». The Royal Family. 7 de setembro de 2020. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  54. Cramb, Auslan (25 de fevereiro de 2011). «Prince William and Kate Middleton return to St Andrews University for anniversary celebrations». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 9 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 18 de julho de 2015. Em seu primeiro ano, eles moravam a algumas portas de distância no salão de St Salvator... 
  55. «Kate Middleton's transparent dress sparks global interest at auction» (em inglês). The Telegraph. 12 de março de 2011. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 21 de junho de 2018 
  56. Rayner, Gordon (17 de novembro de 2010). «Royal wedding: schoolgirl dream comes true for Kate Middleton, the 'princess in waiting'» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 21 de junho de 2018 
  57. Jobson, Robert (23 de outubro de 2013). «Profiles: Prince George's godparents». Evening Standard (em inglês). Consultado em 17 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  58. a b «Prince William, girlfriend end their relationship» (em inglês). CTV News. 14 de abril de 2007. Consultado em 16 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2013 
  59. «William graduates from Sandhurst». BBC News (em inglês). 15 de dezembro de 2006. Consultado em 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2016 
  60. «Royal wedding: The Kate Middleton story». BBC News (em inglês). 16 de novembro de 2010. Consultado em 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2016 
  61. «Prince William splits from Kate». BBC News (em inglês). 14 de abril de 2007. Consultado em 7 de maio de 2010. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2010 
  62. «'Paparazzi chase' concerns prince». BBC News (em inglês). 5 de outubro de 2007. Consultado em 7 de maio de 2010. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2009 
  63. «Prince William and Kate revisit former home of Anglesey». BBC. 8 de maio de 2019 
  64. «First look inside the Duke and Duchess of Cambridge's Anglesey home» (em inglês). The Telegraph. 23 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  65. «Leia a entrevista de William e Kate Middleton após o anúncio do noivado». caras.sapo.pt. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  66. «Casamento de príncipe William e Kate Middleton marcado para Abril». 23 de novembro de 2011. Consultado em 18 de março de 2012 
  67. «As reações ao noivado de William e Kate». Caras. 17 de novembro de 2010. Consultado em 18 de março de 2012 
  68. «William e Kate passarão sua lua de mel nas Ilhas Seychelles | O Casamento Real | band.com.br». entretenimento.band.uol.com.br. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  69. «Anglesey, a pequena ilha galesa onde Kate Middleton e o príncipe William vão começar a vida de casados - Jornal O Globo». oglobo.globo.com. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  70. G1. «Kate Middleton entra em trabalho de parto». g1.globo.com 
  71. Emma.Goodey (4 de setembro de 2017). «The Duke and Duchess of Cambridge are expecting their third child». The Royal Family (em inglês). Consultado em 28 de abril de 2021 
  72. «Nasce terceiro filho de Kate e do príncipe William». Folha de S.Paulo. 23 de abril de 2018 
  73. Editorial, Reuters. «William e Kate escolhem nome Louis Arthur Charles para novo filho». BR 
  74. «Prince Harry and Meghan: Where do they get their money?». BBC News (em inglês). 20 de janeiro de 2020. Consultado em 5 de abril de 2020. Cópia arquivada em 6 de abril de 2020 
  75. a b «What will Prince Harry and Prince William inherit from Princess Diana?». Daily Telegraph (em inglês). 1 de setembro de 2014. Consultado em 5 de abril de 2020. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  76. Richard Ford (2 de abril de 2002). «Princes inherit as royal big spender leaves £60m». The Times. Consultado em 5 de abril de 2020 
  77. «Prince William marks the end of the first term of his third university year with an interview» (em inglês). Prince of Wales. 14 de dezembro de 2003. Consultado em 31 de maio de 2008. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2008 
  78. Pierce, Andrew (18 de março de 2009). «Prince William has 'Harry Potter' scar from golf accident». The Telegraph (em inglês). Reino Unido. Consultado em 5 de abril de 2018. Cópia arquivada em 26 de abril de 2018 
  79. «Covid-19: Prince William 'tested positive in April'». BBC. 1 de novembro de 2020. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  80. Nicholl, Katie; Vanderhoof, Erin (2 de novembro de 2020). «Prince William's Coronavirus Diagnosis Was 'No Secret' Among the Royal Family». Vanity Fair (em inglês). Condé Nast 
  81. «The Prince of Wales: Prince William: Biography: Growing Up». Clarence House. Consultado em 16 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 15 de junho de 2008 
  82. «Supporting The Queen». The Royal Family. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 3 de maio de 2021 
  83. «Australian leaders dismiss the idea of Prince William as governor-general». International Herald Tribune (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 1 de julho de 2007 
  84. «William for GG not on: PM». The Sydney Morning Herald (em inglês). 29 de junho de 2007. Consultado em 30 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2008 
  85. Nikkhah, Roya (10 de fevereiro de 2011). «Mentor helps Kate Middleton prepare for Royal life». Telegraph.co.uk (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2013. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2012 
  86. «Prince William's royal magic captures the crowds». The New Zealand Herald (em inglês). New Zealand Press Association. 18 de janeiro de 2010. Consultado em 19 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  87. «Prince William and Prince Harry to visit Botswana, Lesotho and South Africa». The Royal Family. 10 de maio de 2010. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  88. «Britain's Prince William honors war dead in Afghanistan». CNN. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  89. Manhire, Toby (17 de março de 2011). «Prince William tours Christchurch earthquake damage». The Guardian (em inglês). Londres. Consultado em 23 de julho de 2013. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2013 
  90. Mclean, Tamara (19 de abril de 2011). «Prince William heads to Queensland». Stuff.co.nz (em inglês). Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada em 22 de março de 2011 
  91. Collins, Jackie (21 de abril de 2011). «The 2011 TIME 100: Prince William and Kate Middleton». Time. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  92. «Barack Obama and Michelle meet Prince William and Kate at Buckingham Palace». The Telegraph (em inglês). 24 de maio de 2011. Consultado em 30 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2016 
  93. Campion-Smith, Bruce (16 de fevereiro de 2011). «Royal newlyweds are coming to Canada, but not Toronto». Toronto Star (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2011 
  94. «Photo story: William and Kate visit UNICEF Supply Centre» (em inglês). unicef.org.uk. 2 de novembro de 2011. Consultado em 25 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2012 
  95. «Royals made ambassadors of London 2012 Olympic Games». The Guardian (em inglês). 1 de dezembro de 2011. Consultado em 13 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2013 
  96. Singh, Anita (15 de dezembro de 2011). «Jubilee: royal trip to paradise for Duke and Duchess». The Telegraph (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2016 
  97. «Kate Middleton pretty in pink Emilia Wickstead at Queen's Jubilee lunch». Marie Claire. 18 de maio de 2012. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  98. «Royal visit: Prince William and Kate arrive in Sydney with Prince George for 10-day Australian tour». ABC News. 15 de abril de 2014. Consultado em 21 de novembro de 2020 
  99. «Pregnant Duchess of Cambridge withdraws from Malta trip». BBC News (em inglês). 18 de setembro de 2014. Consultado em 21 de junho de 2018. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2018 
  100. «Prince William holds first talks with President Obama». BBC News (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2018. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2018 
  101. «Prince William arrives in Japan for four-day visit». BBC. 26 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  102. «Prince William arrives in China and invites President Xi for state visit». The Telegraph (em inglês). 2 de março de 2015. Consultado em 25 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2015 
  103. «Prince William and Kate visit India – in pictures». The Guardian. 10 de abril de 2016 
  104. Hume, Tim (14 de abril de 2016). «Duke and Duchess of Cambridge meet 'William and Kate of the Himalayas'». CNN. Consultado em 21 de novembro de 2020 
  105. «Profile: Catherine, Duchess of Cambridge». BBC News. Maio de 2016. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  106. Rodriguez, Cecilia (18 de março de 2017). «Kate Middleton And Prince William Charm Paris: Best Photos Of A Glamorous Diplomatic Trip». Forbes (em inglês). Consultado em 1 de março de 2018. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  107. Gajanan, Mahita (30 de janeiro de 2018). «See Prince William and Kate Middleton With the Swedish Royal Family». Time (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2018 
  108. «William and Kate to visit Paris as part of Brexit charm offensive». The Guardian. Consultado em 13 de dezembro de 2020 
  109. «Prince William Lands in Jordan for 'Historic' Middle East Trip». The New York Times. 24 de junho de 2018. Consultado em 19 de dezembro de 2020 
  110. «Facebook Instagram Twitter Youtube The Duke and Duchess of Cambridge in Northern Ireland: Day One». The Royal Family. 27 de fevereiro de 2019. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  111. Furness, Hannah (29 de junho de 2019). «Duke and Duchess of Cambridge defy security fears with plan to retrace Diana's footsteps during royal tour of Pakistan». The Telegraph (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 29 de junho de 2019. Cópia arquivada em 29 de junho de 2019 
  112. Puente, Maria (29 de novembro de 2019). «Prince William heads to Persian Gulf for visit spotlighting his growing diplomatic profile». USA Today. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  113. Puente, Maria (3 de março de 2020). «Prince William and Duchess Kate arrive in Ireland for first official royal visit». USA Today. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  114. Foussianes, Chloe (7 de outubro de 2020). «Prince William and Kate Middleton Meet with Ukraine's President and First Lady at Buckingham Palace». Town & Country. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  115. «Covid: William and Kate plan train tour to thank key workers». BBC. 6 de dezembro de 2020. Consultado em 8 de dezembro de 2020 
  116. Perry, Simon. «Kate Middleton and Prince William Kick Off Final Day of Royal Train Tour with Trip to a Castle!». People. Consultado em 8 de dezembro de 2020 
  117. Davies, Caroline (8 de dezembro de 2020). «Lukewarm welcome for William and Kate in royal tour of Scotland and Wales». The Guardian. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  118. Neilan, Catherine (8 de dezembro de 2020). «UK drops law-breaking clauses from Internal Market Bill after reaching new Brexit agreement with EU». The Telegraph (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  119. «In pictures: Prince William and Kate visit Scotland». BBC. 27 de maio de 2021. Consultado em 28 de maio de 2021 
  120. Nicholl, Katie (11 de janeiro de 2021). «Prince William and Kate Make Royal History at the G7». Vanity Fair. Consultado em 13 de junho de 2021 
  121. «Queen hosts reception at Eden Project with Royal family and G7 leaders». Cornwall Live. 11 de junho de 2021. Consultado em 13 de junho de 2021 
  122. a b «The Royal Family – HRH The Prince of Wales – Prince William – Charities and Patronages». Buckingham Palace. Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2009 
  123. a b c d e «The Prince of Wales – Prince William – At Work – Charities and Patronages» (em inglês). Clarence House. Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada em 29 de abril de 2011 
  124. Press Association (22 de dezembro de 2009). «Prince William sleeps rough for a night». The Guardian. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  125. Jobson, Robert (13 de novembro de 2019). «Prince William marks 50 years of homeless charity Centrepoint with south London visit». The Standard. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  126. Vanderhoof, Erin (22 de outubro de 2020). «Prince William Follows In Diana's Footsteps at the Royal Marsden Hospital». Vanity Fair. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  127. «About Us» (em inglês). Tusk Trust. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2018 
  128. «Cycle of Life: News» (em inglês). Cycle of Life. Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada em 8 de julho de 2011 
  129. «Prince William Bids Bon Voyage to Fundraising Cross-Africa Cyclists». Hello!. 1 de abril de 2008. Consultado em 22 de novembro de 2021 
  130. Perry, Simon (22 de novembro de 2021). «Prince William Steps Out to Honor Conservation Heroes as He Continues Fight Against Climate Change». People. Consultado em 22 de novembro de 2021 
  131. Daunton, Nichola (24 de novembro de 2021). «Why Prince William is wrong to blame habitat loss on population growth in Africa». Euronews. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  132. a b «LGBT Awards: Prince William honoured for supporting community». BBC. 13 de maio de 2017. Consultado em 14 de dezembro de 2020 
  133. Siddique, Haroon (15 de junho de 2016). «Prince William appears on cover of gay magazine Attitude». The Guardian. Consultado em 4 de setembro de 2021 
  134. EFE, Agência (26 de junho de 2019). «Príncipe William diz que não teria problema se seus filhos fossem gays». G1 - O portal de notícias da Globo. Consultado em 6 de maio de 2022 
  135. Samuelson, Kate (25 de agosto de 2017). «How Princes William and Harry Are Carrying on Causes Close to Princess Diana's Heart». Time (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada em 7 de junho de 2018 
  136. Stacey, Danielle (26 de março de 2020). «Prince William receives good news amid COVID-19 crisis». Hello! (em inglês). Consultado em 26 de março de 2020. Cópia arquivada em 26 de março de 2020 
  137. Barr, Sabrina (18 de maio de 2020). «Mental Health Awareness Week: Message from Prince William and Kate Middleton is broadcast nationwide at 10.59AM». The Independent. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  138. Leslie, Mark (7 de junho de 2020). «New Sandringham photograph released by Kate and William». Lynn News. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  139. Hall, Ellie (1 de maio de 2020). «The British Royal Family Released New Photos Of Princess Charlotte For Her 5th Birthday». Buzzfeed News. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  140. «Covid-19: Prince William visits King's Lynn vaccination centre». BBC News. Consultado em 4 de março de 2021 
  141. «Covid-19: Prince William and Kate urge people to get vaccine». BBC. Consultado em 4 de março de 2021 
  142. «Prince William receives first Covid vaccine dose». BBC News (em inglês). 20 de maio de 2021. Consultado em 20 de maio de 2021 
  143. Crane, Emily (3 de setembro de 2021). «Prince William reportedly helped Afghan officer, family escape Kabul». Fox News. Consultado em 4 de setembro de 2021 
  144. «Why is the Royal Family Obsessed With Polo?». Polo Weekly. 15 de maio de 2019. Consultado em 3 de dezembro de 2020 
  145. «Prince George to support Aston Villa, says William». BBC News (em inglês). 26 de outubro de 2013. Consultado em 24 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  146. «Prince William to watch namesake cup tie». WalesOnline (em inglês). 24 de novembro de 2007. Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2012 
  147. Savage, Nic (28 de junho de 2020). «Peter FitzSimons condemns Prince William and England's Football Association for controversial World Cup vote». news.com.au (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2020. Cópia arquivada em 28 de junho de 2020 
  148. «Duke of Cambridge: Football Association president calls for racist abuse of footballers to stop». BBC. 31 de janeiro de 2021. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  149. Adam, Karla (12 de julho de 2021). «Boris Johnson, Prince William condemn racist abuse of England's Black players». The Washington Post. Consultado em 24 de outubro de 2021 
  150. «New appointments to the Order of the Thistle, 29 May 2012». Official website of the British royal family 
  151. Duke and Duchess of Cambridge – visit the Emirates Arena Arquivado 2013-08-06 no Wayback Machine "The Duke and Duchess, known as the Earl and Countess of Strathearn when in Scotland..." (Accessed 24 July 2013)
  152. Prince of Wales – Dumfries House Arquivado 2013-06-26 no Wayback Machine (Section: April 5th Official Opening of the Tamar Manoukian Outdoor Centre) "...Their Royal Highnesses The Prince Charles, Duke of Rothesay and the Earl and Countess of Strathearn..." (Accessed 24 July 2013)
  153. Prince William, Kate Middleton, and Prince Charles have different names when they go to Scotland and Ireland — here's what they are – website of UK Business Insider
  154. The Duchess of Cambridge has a different name in Scotland and Northern Ireland – website of Country Living UK
  155. «Duke of Cornwall and Cambridge». royal.uk. Consultado em 9 de setembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2022 
  156. «Watch: King Charles's first speech in full». BBC News. 9 de setembro de 2022. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  157. «King Charles III pays tribute to his 'darling mama' in first address» [Rei Carlos III presta homenagem à sua 'querida mamãe' no primeiro discurso]. BBC (em inglês). 9 de Setembro de 2022. Consultado em 9 de Setembro de 2022 
  158. «Em 1º discurso, rei Charles passa título de príncipe de Gales para William». Uol. 9 de Setembro de 2022 
  159. «Rei Charles III concede a William e Kate títulos de príncipes de Gales». Metropoles. 9 de setembro de 2022 
  160. «Prince William Begins Military School». www.cbsnews.com (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  161. a b «Page 2075 | Supplement 58245, 13 February 2007 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  162. «Page 119 | Supplement 58941, 6 January 2009 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  163. «Page 107 | Supplement 61462, 5 January 2016 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  164. «Page 493 | Supplement 58580, 15 January 2008 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  165. a b «Page 117 | Supplement 58941, 6 January 2009 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  166. «Page 496 | Supplement 58580, 15 January 2008 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  167. «Page 123 | Supplement 58941, 6 January 2009 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  168. «RAF - Senior Appointments». web.archive.org. 5 de julho de 2017. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  169. «Page 108 | Supplement 61462, 5 January 2016 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  170. «Prince William is appointed to the Order of the Garter». Prince of Wales. 23 de abril de 2008. Consultado em 15 de outubro de 2008. Arquivado do original em 10 de outubro de 2008 
  171. «No. 27113». The Edinburgh Gazette. 29 de junho de 2012. p. 1789 
  172. «No. 60195». The London Gazette. 29 de junho de 2012. p. 12473 
  173. «New appointments to the Order of the Thistle». Royal. 25 de maio de 2012. Consultado em 28 de maio de 2012. Arquivado do original em 6 de junho de 2012 
  174. a b c «Queen Elizabeth II Platinum Jubilee 2022 - National Service of Thanksgiving». Getty Images. 3 de junho de 2022. Consultado em 4 de junho de 2022 
  175. Medal Yearbook 2021. Honiton, Devon: Token Publishing. 2021. p. 295. ISBN 978-1-908828-53-8 
  176. «Court Circular». The Royal Household. 30 de outubro de 2017. Consultado em 21 de abril de 2021 
  177. «The Royal Family > HRH The Prince of Wales > Prince William». web.archive.org. 4 de agosto de 2008. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  178. «RAF Regiment Association Official Site». web.archive.org. 2 de fevereiro de 2009. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  179. «Page 5860 | Supplement 59740, 29 March 2011 | London Gazette | The Gazette». www.thegazette.co.uk. Consultado em 28 de abril de 2021 
  180. «Wayback Machine». web.archive.org. 13 de fevereiro de 2011. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  181. «Prince William becomes honorary barrister». The Telegraph (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  182. «The Prince of Wales - Prince William becomes a Royal Fellow of the Royal Society». web.archive.org. 7 de maio de 2011. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  183. «Duke of Cambridge becomes Aide-de-Camp to the Queen». The Telegraph (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  184. privycouncil.independent.gov.uk - pdf
  185. «The RSE Welcomes 60 New Fellows - The Royal Society of Edinburgh». web.archive.org. 6 de março de 2017. Consultado em 28 de abril de 2021 
  186. «Prince William receives Honorary Fellowship from Royal Society of Medicine – Royal Central». web.archive.org. 23 de maio de 2018. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  187. «Prince William is appointed Lord High Commissioner to the General Assembly of the Church of Scotland 2020». GOV.UK (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Guilherme, Príncipe de Gales
Casa de Windsor
Ramo da Casa de Wettin
21 de junho de 1982
Precedido por
Carlos III
Coat of arms of the Prince of Wales.svg
Príncipe de Gales
9 de setembro de 2022 – presente
Titular