Guilherme Boulos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guilherme Boulos
Guilherme Boulos em fevereiro de 2019
Dados pessoais
Nome completo Guilherme Castro Boulos
Nascimento 19 de junho de 1982 (40 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Cônjuge Natalia Szermeta
Filhos 2
Partido PSOL (2018-presente)
Ocupação Ativista político, professor, escritor
Residência São Paulo, SP
Website guilhermeboulos.com

Guilherme Castro Boulos (São Paulo, 19 de junho de 1982) é um professor, bacharel em filosofia, psicanalista, ativista, político e escritor brasileiro.

Filiado ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Boulos é membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), sendo reconhecido como uma das principais lideranças da esquerda no Brasil.[1][2] Foi candidato a presidente da República, pelo PSOL, nas eleições gerais no Brasil em 2018[3] e também concorreu ao cargo de prefeito do município de São Paulo na eleição municipal de São Paulo em 2020[4] pelo mesmo partido.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Boulos na Columbia University em 2015

Guilherme Boulos é filho de um casal de médicos. Sua mãe é a infectologista Maria Ivete Castro Boulos,[5] e seu pai é o professor Marcos Boulos, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.[6]

Graduou-se em filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), onde ingressou em 2000. Especializou-se em Psicologia Clínica pela PUC/SP (tema: O Lugar da Razão na Psicanálise). É mestre em psiquiatria (2017), pela Faculdade de Medicina da USP (dissertação: Estudo sobre a variação de sintomas depressivos relacionada à participação coletiva em ocupações de sem-teto em São Paulo[7]). Foi também professor da rede pública de ensino, da Faculdade de Mauá e da Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.[8][9]

Desde 2009, Boulos mantém relacionamento com Natalia Szermeta. O casal tem duas filhas: Sofia e Laura. Embora não sejam casados no papel, Boulos a trata como sua esposa.[10][11]

Militância política[editar | editar código-fonte]

Boulos em 2017

Na juventude e nos anos de formação, engajou-se no movimento estudantil. Em 1997, aos 15 anos, ingressou no movimento estudantil brasileiro como militante na União da Juventude Comunista (UJC).[12] Em 2002, ingressou no Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).[13]

Ficou conhecido em 2003, quando participou da coordenação da ocupação de um terreno da Volkswagen, em São Bernardo do Campo.[14]

Voltou a ter visibilidade na imprensa em 2014, na esteira das mobilizações sociais em torno da Copa do Mundo, em especial da Ocupação Copa do Povo, realizada pelo MTST no início de maio. Em junho do mesmo ano, tornou-se colunista semanal do site do jornal Folha de S.Paulo, onde ficou até março de 2017.[15]

Em fevereiro de 2015, passou a integrar, junto com o deputado federal Jean Wyllys e a jornalista Laura Capriglione, o programa de debates Havana Connection, criado e mediado pelo jornalista Leonardo Sakamoto no portal UOL.[16]

Boulos afirma ter sido preso diversas vezes, além de responder a diversos processos judiciais.[2] Teve grande repercussão sua prisão em 17 de janeiro de 2017,[17] cujas acusações eram de desobediência a ordem judicial[18] e incitação à violência,[19] durante a ação de reintegração de posse de um terreno no distrito de São Mateus. Foi solto na noite do mesmo dia. Em sua defesa, alega que sua detenção foi arbitrária e de cunho político.[20]

Boulos durante campanha em 2018

Candidatura à presidência em 2018[editar | editar código-fonte]

Em março de 2018, filiou-se ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) como pré-candidato à Presidência da República, com Sônia Guajajara como vice.[21] Houve polêmicas quanto a sua candidatura, especialmente devido à ausência de debate entre os candidatos e a um vídeo gravado por Lula, no qual diz que "seria a última pessoa do mundo a pedir para que Boulos não seja candidato".[22] Sua candidatura se sustentou em uma Frente de Esquerda Socialista, com bases no PSOL, no PCB, no Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e no movimento indígena.[23] Com 617 122 votos (0,58%), ficou em décimo lugar no primeiro turno.[24][25]

Candidato à prefeitura de São Paulo em 2020[editar | editar código-fonte]

Em 9 de março de 2020, anunciou pelas redes sociais a formação de uma chapa para concorrer à prefeitura de São Paulo pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) nas eleições do mesmo ano, em conjunto com a Deputada Federal e ex-prefeita da cidade Luiza Erundina (PSOL) como vice.[26] Seu anúncio foi seguido da publicação de um manifesto intitulado "Boulos e Erundina para mudar São Paulo".[27] A pré-candidatura contou com apoio de figuras do PSOL, como dos deputados Ivan Valente, Áurea Carolina, Marcelo Freixo, Edmilson Rodrigues e Talíria Petrone. Boulos disputou a indicação com a deputada federal Sâmia Bonfim e com deputado estadual Carlos Giannazi. Originalmente marcada para 15 de março de 2020, a votação foi adiada em virtude da Covid-19.[28][29] Em 19 de julho, Boulos foi confirmado pré-candidato pelo PSOL à prefeitura de São Paulo, após receber 61% dos votos nas prévias do partido.[30] A chapa contou com o apoio do PCB e da Unidade Popular (UP).[31]

Boulos recebeu 1 080 736 votos, 20% dos votos válidos e avançou ao segundo turno, no qual disputou contra o prefeito, Bruno Covas (PSDB), que alcançou 32% dos votos,[32] tendo recebido 2 168 109 votos, o que não foi suficiente para lhe garantir o mandato de Prefeito da Cidade de São Paulo, tendo o cargo permanecido com Bruno Covas (PSDB).[33]

Para o segundo turno, recebeu apoio dos ex-candidatos Jilmar Tatto (PT),[34] Marina Helou (REDE)[35] e Orlando Silva (PCdoB).[36] O Partido dos Trabalhadores,[37] PDT,[38] PSB,[39] PCdoB[36] e a Rede Sustentabilidade oficializaram apoio à candidatura de Boulos e Erundina e formalizaram a Frente Democrática por São Paulo. Já o PSTU defendeu voto crítico em Boulos.[40] Políticos como os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff,[41] Fernando Haddad, ex-prefeito da cidade, Eduardo Suplicy, vereador mais votado na eleição, Flávio Dino, governador do estado do Maranhão, Marina Silva e Ciro Gomes, candidatos a presidente da república em 2018, também declararam apoio a chapa do PSOL.[42][43] Na campanha de Boulos, tinha apoiadores do candidato com jaleco branco que aplicaram álcool em gel nas mãos dos eleitores, ao que Evaldo Stanislau, infectologista do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e diretor da SPI (Sociedade Paulista de Infectologia) respondeu: "Brigada de álcool em gel é uma boa intenção sem nenhum resultado prático (...) Seria melhor uma brigada do distanciamento e de máscara." O cientista político e professor da USP Glauco Peres considerou os esforços de Covas e Boulos válidos para conseguir votos na reta final da campanha, mas arriscado.[44]

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Cargo Partido Coligação Vice/Suplentes Votos % Resultado
2018 Presidencial no Brasil Presidente PSOL 50 Vamos Sem Medo de Mudar o Brasil
(PSOL, PCB)
Sônia Guajajara (PSOL) 617 122 0,58% 10º colocado[45]
2020 Municipal de São Paulo Prefeito PSOL 50 Pra Virar o Jogo
(PSOL, PCB, UP)
Luiza Erundina (PSOL) 1 080 736 (1º turno)
2 168 109 (2º turno)
20,24% (1º turno)
40,62% (2º turno)
2º colocado
2º turno[46]
2022 Estadual de São Paulo Deputado Federal PSOL 5010 Federação PSOL REDE

Livros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Robinson, Andy (5 de janeiro de 2016). «A Conversation With Guilherme Boulos, Leader of Brazil's Homeless Workers' Movement». The Nation. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  2. a b Dip, Andréa (24 de fevereiro de 2017). «O psicanalista das massas». Pública. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  3. Galhardo, Ricardo; Pereira, Pablo. «PSOL articula Boulos para Presidência - Política - Estadão». Estadão. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  4. «PSOL oficializa candidatura de Guilherme Boulos à Prefeitura de São Paulo». G1. Consultado em 20 de junho de 2021 
  5. Maria Ivete Castro Boulos. Currículo Lattes.
  6. Página do Professor Marcos Boulos no site do IEA-USP
  7. Biblioteca Digital USP. Teses e Dissertações. Dissertação de Mestrado. Boulos, Guilherme Castro. Estudo sobre a variação de sintomas depressivos relacionada à participação coletiva em ocupações de sem-teto em São Paulo
  8. O herdeiro. Por Fabio Victor. Piauí, ed. 140, maio de 2018.
  9. «Currículo Lattes de Guilherme Castro Boulos». CNPq 
  10. Joelmir Tavares; Artur Rodrigues (28 de novembro de 2020). «Filho de Covas e mulher de Boulos mergulham em campanha e atuam como portos seguros de candidatos». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de fevereiro de 2022 
  11. «Eleições 2020: Boulos, do PSOL, vota ao lado da mulher e das filhas em SP». Yahoo!. 15 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2022 
  12. «PSOL confirma Guilherme Boulos como candidato à Presidência». Valor Econômico. Consultado em 24 de junho de 2020 
  13. Ferraz, Adriana (16 de junho de 2014). «Perfil: Guilherme Boulos: coordenador nacional do MTST». O Estado de S.Paulo 
  14. «Filósofo, líder dos sem-teto saiu de casa para ser militante». Folha de S. Paulo. UOL. 7 de maio de 2014. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  15. Redação (26 de junho de 2014). «Coordenador de sem-teto é novo colunista da Folha». Folha de S. Paulo, Cotidiano 
  16. Sakamoto, Leonardo (10 de fevereiro de 2015). «Vá para Cuba! Assistam ao Havana Connection». Blog do Sakamoto. Uol 
  17. «Brazil Social Movement Leader Arrested for Resisting Eviction». TeleSur. 17 de janeiro de 2017. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  18. «Guilherme Boulos, líder do MTST, é preso em São Paulo». Folha de S. Paulo. UOL. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  19. Isabela Leite. «Líder do MTST, Guilherme Boulos, é detido em reintegração de posse na Zona Leste». G1. Globo.com. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  20. Bruno Bocchini e Daniel Mello. «Líder do MTST é solto após ser detido em reintegração de posse em São Paulo». Agência Brasil. EBC. Consultado em 18 de janeiro de 2017 
  21. «Guilherme Boulos se filia ao PSOL». Site do PSOL. PSOL. 10 de fevereiro de 2015 
  22. Marcelo Osakabe (7 de março de 2018). «Candidatura de Boulos irrita demais pré-candidatos do PSOL». Estado de S. Paulo. Consultado em 10 de março de 2018 
  23. «Unir a esquerda socialista com as pré candidaturas populares de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara!». PCB - Partido Comunista Brasileiro. 10 de março de 2018 
  24. «Guilherme Boulos 50 - Eleições 2018». Eleições 2018. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  25. «Resultado da apuração para presidente das Eleições 2018.». G1. Globo. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  26. «Guilherme Boulos lança pré-candidatura à Prefeitura de SP pelo PSOL com Erundina de vice». G1. Consultado em 10 de março de 2020 
  27. «Boulos e Erundina para mudar São Paulo». Consultado em 10 de março de 2020 
  28. «Na disputa pela prefeitura de SP, Boulos recebe apoio de 40 pré-candidatos a vereador do PSOL». Revista Fórum. 13 de julho de 2020. Consultado em 15 de julho de 2020 
  29. «PSOL inicia prévias democráticas para definir candidatura à Prefeitura de São Paulo». PSOL - Partido Socialismo e Liberdade. 9 de março de 2020 
  30. «Boulos e Erundina vencem prévias do PSOL e disputarão a Prefeitura de SP». UOL. 19 de julho de 2020 
  31. «Partido Unidade Popular decide apoiar candidatura de Guilherme Boulos à Prefeitura de SP». 16 de setembro de 2020. Consultado em 16 de junho de 2021 
  32. «Covas e Boulos disputam 2º turno em São Paulo». G1. 15 de novembro de 2020 
  33. «Boulos teve quase que o mesmo número votos de todos os candidatos do Psol no 1º turno». 29 de novembro de 2020 
  34. «Guilherme Boulos recebe apoio de Tatto, do PT, no segundo turno em São Paulo». Correio Brasiliense. 16 de novembro de 2020 
  35. «Marina Helou confirma apoio a Boulos em São Paulo: 'Precisamos fazer diferente'». Jovem Pan. 18 de novembro de 2020 
  36. a b «Orlando Silva anuncia apoio do PCdoB a Boulos e Erundina». UOL. 16 de novembro de 2020 
  37. «PT oficializa apoio a Guilherme Boulos em São Paulo». UOL. 16 de novembro de 2020 
  38. «Boulos tem o apoio do PDT de Ciro e busca o PSB de Márcio França». UOL. 17 de novembro de 2020 
  39. «Como a direção do PSB 'forçou' apoio a Boulos e outros nomes de esquerda no segundo turno». BBC Brasil. 20 de novembro de 2020 
  40. «PSD declara apoio a Covas por 'juventude e experiência'; PSTU apoia Boulos». UOL. 19 de novembro de 2020 
  41. «Lula declara apoio a Boulos e fala em 'compromisso histórico'». Carta Capital. 17 de novembro de 2020 
  42. «Boulos mostra mensagens de apoio de Ciro, Flávio Dino, Lula e Marina». noticias.uol.com.br. Consultado em 20 de junho de 2021 
  43. «Haddad, Tatto e Suplicy declaram apoio a Boulos em São Paulo». Sul 21. 16 de novembro de 2020 
  44. Felipe Pereira e Nathan Lopes. «Covas e Boulos pregam prevenção à covid, mas promovem aglomerações». Notícias. UOL. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  45. «Guilherme Boulos 50 - Eleições 2018». Toda Política. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2020 
  46. «Resultado das Eleições e Apuração São Paulo-SP no 2º Turno». G1. 29 de novembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Guilherme Boulos:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikidata Base de dados no Wikidata