Guilherme de Jülich-Cleves-Berg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guilherme, o Rico
O duque Guilherme de Jülich-Cleves-Berg, numa gravura de Heinrich Aldegrever
Duque dos Ducados Unidos de Jülich-Cleves-Berg
Reinado 1539-1592
Antecessor(a) João III de Cleves
Sucessor(a) João Guilherme de Jülich-Cleves-Berg
 
Cônjuge (1) Joana III de Navarra
(2) Maria de Habsburgo
Descendência Maria Leonor, Duquesa da Prússia;
Ana, Condessa Palatina de Neuburgo;
Madalena, Condessa Palatina de Zweibrücken;
Sibila, Margravina de Burgau;
João Guilherme, Duque de Jülich-Cleves-Berg.
Casa Mark
Nascimento 28 de julho de 1516
  Dusseldórfia, Ducado da Lorena
Morte 5 de janeiro de 1592 (75 anos)
  Dusseldórfia, Sacro-Império
Pai João III, Duque de Cleves
Mãe Maria de Jülich-Berg
Religião Luterano[1]
Brasão

Guilherme de Jülich-Cleves-Berg também conhecido como Guilherme, o Rico (em alemão: Wilhelm, der Reiche; Dusseldórfia, 28 de julho de 1516 – Dusseldorfia, 5 de janeiro de 1592) foi o duque soberano de Jülich-Cleves-Berg (1539–1592).

Como soberano, era conhecido por Guilherme V, Duque de Jülich, Guilherme IX, Conde de Jülich, Guilherme IV de Berg, e Guilherme I de Cleves-Mark.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Guilherme era o filho único de João III, Duque de Jülich-Cleves-Berg, e de Maria, Duquesa de Jülich-Berg. Guilherme herdou os estados de seu pai (o Ducado de Cleves e o Condado de Mark) quando este morreu em 1539. Apesar de sua m,ãe ter vivido até 1543, Guilherme sucedeu-lhe nos estados da família materna, tornando-se Duque de Berg e de Jülich e Conde de Ravensberg.

De 1538 a 1543, Guilherme também deteve o vizinho Ducado de Gueldres, como sucessor dos seus familiares distantes, os duques da dinastia Egmond. O imperador Carlos V reclamou este ducado para si próprio uma vez que os duques haviam vendido o direito de herança, e Guilherme tentou manter Gueldres. Ele assinou um tratado com o Rei de França , casando com Joana de Albret, e com este apoio ousou desafiar o Imperador. Mas rapidamente percebeu que os franceses não levantariam um dedo para o ajudar, sendo derrotado e acabando por se render. Pelo Tratado de Venlo (1543), que pôs fim ao conflito, a Gueldres e o Condado de Zutphen foram transferidos para Carlos V, que os incluiu nas Países Baixos dos Habsburgos.

Guilherme tentou, então, fortalecer e enriquecer os territórios herdados lançando um projeto de desenvolvimento impressionante para as cidades mais importantes. Os três ducados foram todos dotados de novas fortalezas como pontos de defesa, uma vez que as antigas fortificações medievais provaram não poderem fazer frente à artilharia imperial. As cidades de Jülich, Dusseldórfia e Orsoy tornaram-se as fortalezas, respetivamente, dos ducados de Jülich, de Berg e de Cleves; as cidades de Jülich e Düsseldorf foram também dotadas com residências impressionantes. Para esta tarefa ele contratou o arquiteto italiano Alessandro Pasqualini, de Bolonha, que já dera provas das suas capacidades por diversos trabalhos nos Países Baixos. Ainda hoje é possível identificar alguns traços nos projetos de Pasqualini para as fortificações e palácios, especialmente em Jülich onde a cidadela (construída em 1548-1580) é uma referência marcante, com partes do palácio renascentista ainda de pé.

A irmã de Guilherme, Ana de Cleves foi, durante seis meses, a quarta mulher do rei Henrique VIII de Inglaterra.

Através da sua filha, Maria Leonor de Cleves, Guilherme tornou-se antepassado da Landegravina Maria Luísa de Hesse-Cassel, mulher de João Guilherme Friso, Príncipe de Orange e, por isso, antepassado de todos os atuais monarcas europeus.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Em 1541, Guilherme casou com Joana de Albret (1528–72), herdeira do Reino de Navarra, quando ela tinha apenas 13 anos, mas este casamento político veio a ser anulado 4 anos depois.

A 18 de julho de 1546, Guilherme casou com a arquiduquesa Maria de Habsburgo (1531–81), filha do imperador Fernando I, e de Ana da Boêmia e Hungria, de quem teve sete filhos:

  1. Maria Leonor (Marie Eleonore) (1550–1608), que casou com Alberto Frederico, Duque da Prússia.[2]
  2. Ana (Anna) (1552–1632), que casou com Filipe Luís do Palatinado-Neuburgo.[2]
  3. Madalena (Magdalene) (1553–1633), que casou com João I do Palatinado-Zweibrücken (irmão de Filipe Luís)[2]
  4. Carlos Frederico (Karl Friedrich) (1555–75), Príncipe-herdeiro; morreu antes do pai com 20 anos.
  5. Isabel (Elizabeth) (1556–61)
  6. Sibila (Sibylle) (1557–1627), que casou com Carlos, Margrave de Burgau [3][2][4]
  7. João Guilherme (Johann Wilhelm) (1562–1609), Bispo de Münster, Duque de Jülich-Cleves-Berg, Conde de Mark, Conde de Ravensberg, Senhor de Ravenstein.

Brasão de armas[editar | editar código-fonte]

Brasão Descrição
Jülich-Kleve-Berg-1511.PNG Brasão de Guilherme, o Rico

Esquartelado; no 1 de Cleves, no 2 de Jülich, no 3 de Berg e no 4 de Mark. Sobre o todo Ravensberg.

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Weir, Alison: The Six Wives of Henry VIII; Grove Press, 2000; page 388.
  2. a b c d The Cambridge modern history, Volume 3, The University press, 1918; Digitized 2008, Google Books
  3. filho morganático de Fernando II, Arquiduque da Àustria
  4. L.M. Koldau, Frauen-Musik-Kultur: ein Handbuch zum deutschen Sprachgebiet der Frühen Neuzeit, pg 68

Fontes[editar | editar código-fonte]


Títulos de nobreza
Precedido por
João III
Jülich-Kleve-Berg-1511.PNG
Duque de Jülich, Cleves e Berg
Conde de Mark e Ravensberg

1539–1592
Sucedido por
João Guilherme
Precedido por
Carlos II
Duque de Gueldres e Conde de Zutphen
1538–1543
Sucedido por
Carlos III