Guilhermina da Prússia (1709–1758)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guilhermina da Prússia
Marguesa consorte de Brandenburgo-Bayreuth
 
Cônjuge Frederico de Brandemburgo-Bayreuth
Casa Real Hohenzollern
Nome completo
Frederica Sofia Guilhermina
Nascimento 3 de julho de 1709
Berlim,  Alemanha
Morte 14 de outubro de 1758 (49 anos)
Bayreuth,  Alemanha
Pai Frederico Guilherme I da Prússia
Mãe Sofia Doroteia de Hanôver

Frederica Sofia Guilhermina da Prússia (em alemão: Friederike Sophie Wilhelmine von Preußen; 3 de julho de 170914 de outubro de 1758) era a filha mais velha de Frederico Guilherme I da Prússia e de Sofia Doroteia de Hanôver, sendo, portanto, irmã de Frederico o Grande. Em 1731, Guilhermina casou-se com Frederico de Brandemburgo-Bayreuth, que viria a se tornar marquês de Brandemburgo-Bayreuth a partir de 1735.

Ganhou importância histórica e literária especialmente por sua correspondência com Frederico, o Grande, seu irmão favorito, e pela publicação de suas memórias, que são retratos às vezes contundentes da vida na corte prussiana, tendo especial valor histórico-cultural. Como patrona das artes e compositora, Guilhermina marcou indelevelmente a vida cultural da cidade de Bayreuth.

Vida[editar | editar código-fonte]

Guilhermina da Prússia

Nascida em Berlim, Guilhermina compartilhou a infância infeliz de seu irmão, Frederico, o Grande, de quem permaneceu amiga e confidente durante toda a vida, com exceção de um curto intervalo de tempo.

Duramente espancada e abusada por sua governanta durante a infância, Guilhermina escreveria mais tarde: "Não se passava um dia sem que ela [a governanta] não conseguisse provar em mim o poder do medo de seus punhos." Os maus-tratos continuaram até a governanta do príncipe finalmente contar para sua mãe, sendo a babá prontamente substituída.

Guilhermina com seu irmão Frederico, quando crianças

Sendo a filha mais velha de sua família, muito cedo ela foi alvo das discussões sobre casamentos políticos. Seu pai preferia uma aproximação com a Casa de Habsburgo. Já sua mãe, Sofia Doroteia, desejava casá-la com seu sobrinho Frederico, Príncipe de Gales, mas, no lado britânico, não havia nenhuma inclinação para fazer uma oferta de casamento, exceto em troca de concessões substanciais, o que o pai de Guilhermina não aceitaria. As intrigas infrutíferas exercidas por Sofia Doroteia tiveram papel importante nos primeiros anos da vida de Guilhermina.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Guilhermina na véspera de seu casamento

Depois de muitas negociações que não deram em nada, Guilhermina acabou por se casar em em 1731 com um parente da Casa de Hohenzollern, Frederico de Brandemburgo-Bayreuth. Frederico tinha sido noivo de sua irmã mais nova, a princesa Sofia Doroteia da Prússia, mas, no último momento, o rei Frederico Guilherme I decidiu substituí-la por Guilhermina. O noivo não foi consultado antes da decisão.

O casamento só foi aceito por Guilhermina sob as ameaças de seu pai e com vista a aliviar a desgraça de seu irmão, que também desafiara a autoridade paterna e sofria represálias. O casamento de Guilhermina foi inicialmente mas acabou ruindo devido a dificuldades financeiras e, depois, por um caso do futuro marquês com Doroteia de Marwitz, cuja ascensão como amante na corte de Bayreuth foi amargamente ressentida por seu irmão Frederico, o Grande e causou um estranhamento de cerca de três anos entre ele e Guilhermina.

Marquesa[editar | editar código-fonte]

A marquesa de Bayreuth

Quando o marido de Guilhermina recebeu sua herança em 1735, o casal começou a fazer de Bayreuth uma miniatura de Versalhes. Seus projetos de construção incluíam a reconstrução de sua residência de verão (o Ermitage), a reconstrução da grande casa de ópera de Bayreuth e a construção de mais uma outra, a construção de um teatro, e a reconstrução do palácio de Bayreuth, o então chamado Bayreuth rococó, em alusão ao estilo de sua arquitetura. O casal também fundou a Universidade de Erlangen.

A marquesa fez de Bayreuth um dos principais centros intelectuais do Sacro Império Romano, cercando-se de grupo de artistas que acumulava prestígio acrescentado das visitas ocasionais de Voltaire e de Frederico, o Grande.

O irmão de Guilhermina, Frederico, concedeu-lhe um subsídio em troca de tropas, seguindo o mesmo procedimento com suas irmãs. Com a eclosão da Guerra dos Sete Anos, os interesses Guilhermina mudaram do diletantismo à diplomacia. Diplomatas austríacos estavam tentando influenciar o tribunal de Bayreuth para tomar o seu lado contra a Prússia. Em setembro de 1745, durante a guerra da Silésia, Guilhermina reuniu-se com Maria Teresa da Áustria. Isto quase destruiu o relacionamento íntimo com seu irmão. Em 1750, Guilhermina visitou a corte prussiana durante várias semanas e se reuniu com contemporâneos famosos, como Voltaire, Maupertuis e La Mettrie. Em junho de 1754, os irmãos se reuniram pela última vez, depois que Frederico jurou a ela sua lealdade eterna. Guilhermina atuou como olhos e ouvidos para seu irmão no sul da Alemanha até sua morte, em Bayreuth, no dia 14 de outubro de 1758, dia da derrota de Frederico para forças da Áustria de Leopold Joseph von Daun, na Batalha de Hochkirch.

Obras[editar | editar código-fonte]

O Templo da Amizade, construído em sua memória

Além de suas outras realizações, Guilhermina também foi uma talentosa compositora e defensora da música. Era alaudista, aluna de Sylvius Leopold Weiss e empregou músicos como Bernhard Hagen Joachim em Bayreuth. Em 1740, ela escreveu uma ópera,Argenore, para o aniversário do marido. Escreveu também peças de câmara que chegaram até a nossa época.

As memórias da marquesa (Memoires de ma vie), escritas ou traduzidas em francês entre 1748 e sua morte, estão preservados na Biblioteca Real de Berlim. A obra foi inicialmente impressa em duas versões, em 1810: uma tradução alemã anterior a 1733, publicada pela empresa Cotta de Tübingen, e uma versão em francês, publicada pela Vieweg de Brunswick, anterior a 1742. Houve diversas edições subsequentes, incluindo uma em alemão, publicada em Leipzig, 1908. Uma tradução para o inglês foi publicada em Berlim, 1904. [1]

Filhos[editar | editar código-fonte]

A única filha de Guilhermina foi Isabel Frederica Sofia de Brandemburgo-Bayreuth (Elisabeth Friederike Sophie von Brandenburg-Bayreuth), nascida em 30 de agosto de 1732. Descrita por Casanova como uma das mais belas princesas da Alemanha, ela se casou com Carlos Eugênio, Duque de Württemberg, em 1748.

Na literatura[editar | editar código-fonte]

A princesa Guilhermina é a principal personagem de um romance histórico de 1909, A Gentle Knight of Old Brandenburg, de Charles Major [2]

Ancestralidade[editar | editar código-fonte]

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
16. Jorge Guilherme de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
8. Frederico Guilherme I de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
17. Isabel Carlota doe Palatinado
 
 
 
 
 
 
 
4. Frederico I da Prússia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18. Frederico Henrique, príncipe de Orange
 
 
 
 
 
 
 
9. Luísa Henriqueta de Orange-Nassau
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
19. Amália de Solms-Braunfels
 
 
 
 
 
 
 
2. Frederico Guilherme I
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
20. Jorge de Brunsvique-Luneburgo
 
 
 
 
 
 
 
10. Ernesto Augusto, Eleitor de Hanôver
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
21. Ana Leonor de Hesse-Darmstadt
 
 
 
 
 
 
 
5. Sofia Carlota de Hanôver
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
22. Frederico V, Eleitor Palatino
 
 
 
 
 
 
 
11. Sofia de Hanôver
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
23. Isabel da Boémia
 
 
 
 
 
 
 
1. Guilhermina da Prússia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
24. Jorge Guilherme de Brunsvique-Luneburgo =20, 28
 
 
 
 
 
 
 
12. Ernesto Augusto, Eleitor de Brunsvique-Luneburgo =10
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
25. Ana Leonor de Hesse-Darmstadt =21, 29
 
 
 
 
 
 
 
6. Jorge I da Grã-Bretanha
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
26. Frederico V, Eleitor Palatino =22
 
 
 
 
 
 
 
13. Sophia of the Palatinate =11
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
27. Isabel da Escócia =23
 
 
 
 
 
 
 
3. Sofia Doroteia de Hanôver
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
28. Jorge de Brunsvique-Luneburgo =20, 24
 
 
 
 
 
 
 
14. Jorge Guilherme, Duque de Brunsvique-Luneburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29. Ana Leonor de Hesse-Darmstadt =21, 25
 
 
 
 
 
 
 
7. Sofia Doroteia de Brunsvique-Luneburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30. Alexandre d'Esmier d'Olbreuse
 
 
 
 
 
 
 
15. Éléonore Desmier d'Olbreuse
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31. Jacquette Poussard du Bas Vandré
 
 
 
 
 
 

Referências

  1. Andrew Sanders (romance de Guilherme Makepeace Thackeray) (1984). «Notes». The Memoirs of Barry Lyndon, Esq. Oxford University Press [S.l.] p. 331. 
  2. MAJOR Charles.A Gentle Knight of Old Brandenburg; Nova York: Macmillan, 1909.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Thea Leitner: Skandal bei Hof. Frauenschicksale an europäischen Königshöfen, Piper, München 2003, ISBN 3-492-22009-6
  • Uwe A. Oster: Wilhelmine von Bayreuth. Das Leben der Schwester Friedrichs des Großen, Piper, München, 2005, ISBN 3-492-04524-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guilhermina da Prússia (1709–1758)