Gulag de Vorkuta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Memorial às vítimas da revolta no gulag de Vorkuta

O gulag de Vorkuta ou Vorkutlag era uma prisão do sistema gulag da época soviética localizada na bacia hidrográfica do rio Pechora , na República de Komi, parte da região siberiana da Rússia, localizada a 1200 milhas de Moscou (Moscovo) e 100 milhas acima do Círculo Polar Ártico.

O gulag de Vorkuta foi criado em 1932 para explorar principalmente os recursos de carvão ao redor do rio Pechora, a segunda maior bacia carbonífera na antiga União Soviética. A cidade de Vorkuta foi criada para apoiar o acampamento. Havia cerca de 132 sub-campos no gulag de Vorkuta durante o auge de sua utilização no sistema prisional soviético. A partir de 1939, prisioneiros poloneses foram encarcerados aqui até que a Rússia se uniu aos aliados, depois que foi atacada pela Alemanha nazista. O acampamento foi, então, também usado para manter prisioneiros de guerra alemães capturados na frente oriental durante a Segunda Guerra Mundial, bem como os cidadãos soviéticos e os de países ocupados pelos soviéticas considerados dissidentes e inimigos do Estado durante a era soviética.

Embora o acampamento tenha sido encerrado em 1962, ainda há um grande número de cidadãos soviéticos que eram ex-prisioneiros que vivem em Vorkuta, originalmente devido ao seu status anterior como inimigos do Estado, ou então, como resultado de sua má situação financeira. A associação Memorial, uma organização russa de direitos humanos que se concentra na pesquisa e divulgação das violações dos direitos humanos na era totalitária da União Soviética,[1] estima que das 40 mil pessoas que coletam pensões do Estado na área de Vorkuta 32.000 são ex-prisioneiros do gulag, ou seus descendentes.[2]

Em julho de 1953, os presos em Vorkuta que eram forçados a trabalhar nas minas de carvão da região entraram em greve durante a Revolta de Vorkuta.[3] A greve na maior parte passiva, que durou cerca de duas semanas e foi sufocada em 1 de agosto de 1953, quando o General Kuzma Derevyanko, comandante do campo de concentração ordenou às tropas para disparar contra os grevistas, resultando na morte de pelo menos 53 trabalhadores, embora as estimativas variem.[4]

Presos notáveis[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Memorial website
  2. Robert Conquest, Paul Hollander: Political violence: belief, behavior, and legitimation p.55, Palgrave Macmillan;(2008) ISBN 978-0-230-60646-3
  3. Anne Applebaum (2003). «24». "Gulag – A History". Londres: Penguin Books Ltd. p. 438-443. ISBN 13:978-0-14-028310-5 Verifique |isbn= (ajuda) 
  4. L. Latkovskise M. G. Slavėnas (Volume 51, No.3 - Outono 2005). «Baltic Prisoners in the GULAG Revolts of 1953». GULAG Revolts of 1953 (em inglês). LithuanianI quartely journal of Arts and Sciences. Consultado em 12 de julho 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)