Gustave Courbet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para por outras acepções, veja Courbet (desambiguação).
Gustave Courbet
Gustave Courbert retratado por Nadar.
Nascimento 10 de junho de 1819
Ornans,  França
Morte 31 de dezembro de 1877 (58 anos)
La Tour-de-Peilz, Suíça
Nacionalidade França Francês
Ocupação Pintor, artista plástico
Auto-retrato, Gustave Courbet.
Os quebradores de pedras (II), Gustave Courbet.

Gustave Courbet (Ornans, 10 de junho de 1819La Tour-de-Peilz, 31 de dezembro de 1877) foi um pintor francês pioneiro do estilo realista francês.[1] [2] Foi acima de tudo um pintor da vida camponesa de sua região. Ergueu a bandeira do realismo contra a pintura literária ou de imaginação.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Gustave Courbet nasceu 10 de junho de 1819 em Ornans no Doubs, filho de Régis Courbet e de Sylvie Oudot, proveniente de uma rica família de proprietários de terra na aldeia de Flagey, onde criavam gado e praticavam a agricultura.[3] Aos doze anos, Gustave Courbet entrou para o seminário de Ornans, onde ele recebeu pela primeira vez a educação artística com um professor de desenho, seguidor da pintura pré-romântico de Antoine-Jean Gros. Em seguida, ele entrou para o Royal College of Besancon, onde, na classe de artes plásticas, participou de aulas de desenho na classe de Charles-Antoine Flajoulot, um ex-aluno de Jacques-Louis David.[4] Courbet muda-se para Paris no final de 1839, passando a viver com seu primo Jules Oudot. Frequentou a faculdade de direito ao mesmo tempo em que frequentava as aulas do estúdio do pintor Charles Steuben.[5] Courbet visitava o Louvre para estudar os mestres, especialmente os pintores da escola de espanhola do século XVII, Diego Velázquez, Francisco de Zurbarán e José de Ribera. Admirava o claro-escuro holandês.

Em meados da década de 1840 passa a frequentar a efervescente noite parisiense, onde passa a se relacionar com outros artistas que procuravam uma alternativa ao modelo romântico: Charles Baudelaire, Hector Berlioz, entre outros.

Em 1848 dez pinturas suas foram escolhidas para participar do Salão de Paris. À partir daí Courbet passa a ser mais notado, inclusive por preferir retratar pessoas anônimas e simples, diferente do padrão da época, em que representavam cenas bíblicas, personagens da história e da mitologia.[6] Durante a década de 1860 o trabalho de Courbet foi muito produtivo, ele também pintou cenas de caça menos controversas, naturezas mortas e paisagens, o respeito e admiração por sua arte continuou.

Ele chamava a si mesmo de um "republicano por nascimento", mas não pegou em armas durante a Revolução de 1848, aderindo a suas crenças pacifistas. Ele entrou na política às véspera da Comuna de Paris de 1871 e desempenhou um papel ativo na vida política e artística do governo socialista de curta duração. Com o desaparecimento da Comuna, Courbet foi preso e condenado a seis meses de prisão por seu envolvimento na destruição da Coluna Vendôme, um símbolo da autoridade napoleônica.[7] Em 1873, temendo perseguição por parte do governo recém-instalado, Courbet foi voluntariamente para o exílio na Suíça, onde morreu em 1877, de alcoolismo e doença hepática em La Tours-de-Peilz. Seus restos mortais estão atualmente no Cemitério de Ornans.[8] Courbe se auto-proclamava o "homem mais rude e mais arrogante na França".[9]

Obra[editar | editar código-fonte]

Courbet liderou o movimento do Realismo na pintura francesa do século XIX, comprometendo-se a pintar apenas o que via. Quando lhe pediram que pintasse anjos ele respondeu que os pintaria se os visse.

Rejeitou a convenção académica e o romantismo da anterior geração de artistas plásticos e a sua independência foi um exemplo importante para artistas posteriores, como os impressionistas e os cubistas. Courbet ocupa um lugar de destaque na pintura francesa do século XIX, seja como um inovador seja como artista disposto a fazer declarações socialmente ousadas, através de seu trabalho.

A pintura de Courbet do final dos anos 1840 e início dos anos 1850 trouxe-lhe o primeiro reconhecimento, desafiando convenções, descrevendo camponeses e trabalhadores de forma livre de idealizações, utilizando a grande escala,tradicionalmente reservadas para pinturas de temas religiosos ou históricos.

Nas décadas que se seguiram, as pinturas de Courbet foram, na sua maioria, de caráter político, menos abertamente: paisagens, horizontes marítimos, cenas de caça, nus e naturezas-mortas.


Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gustave Courbet (1819-1877) : une biographie (em francês) Museu de Orsay. Visitado em 8 de maio de 2015. Cópia arquivada em 8 de maio de 2015.
  2. http://www.biografiasyvidas.com/biografia/c/courbet.htm Página acessada em 22 de janeiro de 2016.
  3. LÉGER, Charles. Courbet et son temps, Les éd. Universelles,‎ 1948, p. 16
  4. RAGON, Michel. Gustave Courbet, peintre de la liberté. Paris: Fayard, 2004, p. 11.
  5. RAGON, pág. 13-14.
  6. http://www.biography.com/people/gustave-courbet-9259220#synopsis Página acessada em 24 de janeiro de 2016.
  7. http://www.musee-orsay.fr/en/collections/courbet-dossier/biography.html#c19277 Página acessada em 24 de janeiro de 2016.
  8. http://www.theartstory.org/artist-courbet-gustave.htm Página acessada em 24 de janeiro de 2016.
  9. http://www.metmuseum.org/toah/hd/gust/hd_gust.htm Página acessada em 24 de janeiro de 2016.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Gustave Courbet
    Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

    Fontes : http://pms2004.no.sapo.pt/Courbet.htm