Guta Stresser

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guta Stresser
Nome completo Maria Augusta Labatut Stresser
Nascimento 28 de setembro de 1972 (49 anos)
Curitiba, PR
Nacionalidade brasileira
Estatura 1,62m
Progenitores Pai: Ronald Sanson Stresser
Ocupação atriz, diretora e escritora
Período de atividade 2001–presente
Principais trabalhos Bebel em A Grande Família
Nina em Nina
Prêmios Prêmio Guarani: Melhor Atriz (2004) (ver mais)

Maria Augusta Labatut Stresser[1] (Curitiba, 28 de setembro de 1972), mais conhecida como Guta Stresser, é uma atriz, diretora e escritora brasileira. Conhecida por suas performances nas mais variadas áreas do entretenimento, ela é ganhadora de vários prêmios, incluindo um Prêmio Guarani, além de ter recebido indicações para um Prêmio ACIE, um Prêmio Qualidade Brasil e três Prêmios Shell.[2]

Guta começou a sua carreira ainda criança e atuou em peças como O Vampiro e a Polaquinha, Mais Perto e Rita Formiga, sendo indicada três vezes ao maior prêmio do teatro nacional, o Prêmio Shell.[2] Mas foi em 2001, com sua atuação no seriado A Grande Família, que ela alcançou maior reconhecimento em sua carreira.[3] Com sua personagem Bebel, ela ganhou sucesso de público e crítica, permanecendo no ar por 14 anos, e faturou indicação ao Prêmio Qualidade Brasil de melhor atriz em série de comédia. Ela também é escritora e em 2010 lançou seu primeiro livro, chamado Meu Pequeno Coxa-Branca.

Nos cinemas, Stresser ganhou notoriedade por sua atuação dramática como a protagonista Nina no filme Nina (2004). Por seu desempenho, ela se saiu vitoriosa como Melhor Atriz no Prêmio Guarani de Cinema e ainda recebeu a indicação de Melhor Atriz no Prêmio ACIE de Cinema. Também recebeu elogios por sua atuação no filme Tudo Que Deus Criou (2015) e Antes que Eu me Esqueça (2018), pelo qual ela venceu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Jaipur.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Guta iniciou sua carreira nos palcos de Curitiba quando ainda tinha 13 anos de idade. Desde cedo chamou atenção por sua força de interpretação. Atuou no espetáculo O Vampiro e a Polaquinha, de autoria de Dalton Trevisan e direção de Ademar Guerra, interpretando Polaquinha. O espetáculo foi um sucesso de público e crítica, sendo que ele foi o maior sucesso da história do teatro paranaense. Por esse trabalho, ela recebeu sua primeira indicação a um prêmio, o Troféu Gralha Azul de melhor atriz revelação.[2] Foi dirigida por Hector Babenco na peça Mais Perto, de Patrick Marber, onde ela deu vida a Alice,[5] e por Camila Amado em Primeira Chuva no Deserto, de Ana Paula Pedro.

Em 1997, já estabelecida no Rio de Janeiro, protagonizou o espetáculo O Casamento, de autoria de Nelson Rodrigues, e direção de Antonio Abujamra e João Fonseca. A peça teve uma excelente repercussão e Guta recebeu aclamação da crítica, sendo indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz.[6] No espetáculo, ela deu vida a protagonista Glorinha. Em 2012, mais de dez anos depois da estreia, a peça voltou a ser montada e a atriz reprisou novamente sua personagem.[6] Em 1999 atuou como Beth e Sheron no espetáculo Tudo no Timing, pelo qual garantiu sua segunda indicação ao Prêmio Shell.[7]

Após alcançar sucesso nos palcos, em 2001 Guta recebeu o papel de Bebel no seriado de televisão A Grande Família, da TV Globo, contracenando com os consagrados atores Marieta Severo e Marco Nanini, os quais interpretaram seus pais, além de Floriano Peixoto, Lúcio Mauro Filho, Pedro Cardoso e Andrea Beltrão. A série foi um sucesso de audiência e permaneceu no ar durante 14 anos. Ao longo das 14 temporadas, ela ganhou grande reconhecimento do público e esse se tornou o maior trabalho de sua carreira. Ela recebeu indicação a um Prêmio Contigo! de melhor atriz revelação, em 2002, e um Prêmio Qualidade Brasil de melhor atriz em série de comédia, em 2010, por esse trabalho. Ela continuou realizando outros trabalhos intercalando com a série.

Também em 2001 estreou nos cinemas realizando uma pequena participação no filme de ação Bellini e a Esfinge, dirigido por Roberto Santucci, e na comédia A Partilha, um sucesso de bilheteria dirigido por Daniel Filho, onde ela interpretou a homossexual Célia, par romântico de Paloma Duarte no filme. Antes de estrear nos longas-metragens, ela já havia rodado dois curtas-metragens, ainda em Curitiba o filme Bar Babel, de Antônio Augusto Freitas, e já no Rio de Janeiro o filme O Esôfago da Mesopotãnia, de Isaac Cheke[8] Em 2004, substituiu Luana Piovani interpretando Lia na peça Mais Uma Vez Amor, onde ela protagonizou ao lado de Marcos Palmeira.[9] A peça foi um sucesso e ficou em cartaz em várias cidades do país e ela foi indicada novamente ao Prêmio Shell.[5] No mesmo ano, ela atuou em um pequeno papel no filme Redentor, de Cláudio Torres.

Ainda 2004, ganhou maior reconhecimento nos cinemas interpretando a jovem pobre e sensível Nina no filme Nina, dirigido por Heitor Dhalia. O diretor a conheceu quando ela encenava na peça Mais Perto e ficou fascinado por sua atuação, despertando interesse do mesmo em gravar um filme com ela.[8] Ele então a convidou para protagonizar o filme ao lado da atriz Myriam Muniz. O filme percorreu diversos festivais pelo mundo, incluindo nas cidades de Moscou e Lima, e Guta recebeu elogios da crítica por sua performance dramática. Anteriormente ela havia ficado conhecida pelo grande público por sua atuação cômica como Bebel. Por esse trabalho, ela venceu o maior prêmio da crítica de cinema brasileiro, o Prêmio Guarani de Melhor Atriz,[10] e ainda recebeu uma indicação ao Prêmio ACIE, promovido pela Associação de Correspondentes de Imprensa Estrangeira no Brasil.[11]

Em 2005 atuou e produziu o espetáculo Rita Formiga, escrito por Maria Gladys e Domingos de Oliveira, o qual também dirige a peça.[2] Em 2007 voltou aos cinemas em A Grande Família: O Filme, derivado da série de televisão homônima, e em 2008 atuou no filme Vingança. Em 2010, Guta se lançou como escritora,[12] tendo publicado seu primeiro livro, direcionado ao público infanto-juvenil, Meu pequeno Coxa-branca, livro que fala sobre um garoto carioca que se tornou torcedor do time paranaense.[13]

Em 2013, Stresser estreou como diretora no teatro com a peça Medea en Promenade, que tem texto assinado por Clara Góes. Inicialmente ela estava no projeto como atriz, mas foi convidada pela idealizadora da peça, Ana Bugarim, para assumir o cargo de direção. Anteriormente, Guta havia dirigido videoclipes musicais da banda de seu marido.[14] Pela direção do videoclipe "Eu Que Não Estou Mais Aqui", ela recebeu uma indicação ao Video Music Brasil Awards, em 2009.[7] Em 2014, a atriz gravou a última temporada de A Grande Família. Com o fim do seriado, Guta passou a se dedicar mais ao teatro. No mesmo ano montou o espetáculo musical O Médico Que Tinha Letra Bonita, criado por André Carioca Paixão, onde ela voltou ao cargo de direção.[15] Em 2015, interpretou sua primeira personagem na televisão depois do sucesso como Bebel, na minissérie Amorteamo como Cândida.[16]

Estrelou o drama Tudo Que Deus Criou, dirigido por André da Costa Pinto e lançado em 2015. Interpretando Ângela, ela recebeu elogios da crítica. O filme é baseado em fatos reais e foi gravado em Campina Grande, na Paraíba. Diferente do que ficou conhecida na televisão, ela voltou a ganhar reconhecimento por uma performance dramática, se destacando por sua versatildade.[17] Foi escalada para o elenco do seriado Mister Brau, da TV Globo, para interpretar a gótica Maria Augusta.[18] Ela permaneceu com participações recorrentes durante a primeira e a segunda temporada do programa, deixando o elenco da série em 2016. Em 2017, entra em cartaz no teatro com a peça Ela é Meu Marido, ao lado de Bia Guedes, contando a história de duas amigas que deixam de lado as decepções amorosas com homens para viverem um romance, e também volta a atuar no cinema na comédia Ninguém Entra, Ninguém Sai.[19]

Em 2018, Guta dirigiu o monólogo Eu Só Queria Que Você Não Olhasse Pro Lado, escrito por Herton Gustavo Gratto e protagonizado pela atriz Rose Abdallah.[20] Também em 2018 interpretou Rosália da Paz, mãe da protagonista da novela Malhação: Vidas Brasileiras.[21] No filme Antes que Eu me Esqueça (2018), ela interpretou a prostituta Joelma, a qual era dona de um bordel. Por sua interpretação, ela recebeu o prêmio de melhor atriz no Festival Internacional de Cinema de Jaipur, realizado na Índia.[4]

Em 2020 atuou no filme Alice & Só e voltou à televisão participando do reality show Dança dos Famosos, sendo a primeira eliminada da competição.[22] Em 2021, se dedicou ao cinema. Atuou no filme de comédia Missão Cupido, em uma participação especial como Dona Marlene. Também esteve no drama independente Valentina, onde ela interpretou a técnica de enfermagem Márcia, que vive os dramas sociais ao lado de sua filha transexual Valentina, interpretada por Thiessa Woinbackk.[23] Ao lado de Rafael Vitti e Orã Figueiredo, estrelou o filme Júpiter, lançado na HBO Max em 2022.[24]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nascida em Curitiba, é filha do jornalista e advogado Ronald Sanson Stresser[25] com Diva Maria Farracha Labatut[26]. Stresser também é bisneta do maestro Augusto Stresser[27], autor da Ópera Sidéria, primeira ópera paranaense e neta do jornalista Adherbal Stresser.[28]

Problemas de saúde[editar | editar código-fonte]

Em 2022, Guta foi diagnosticada com esclerose múltipla, doença que afeta os neurônios.[29] Em publicação em suas redes sociais, Guta revelou que, antes do diagnóstico, já esquecia palavras básicas, como copo e cadeira. Stresser ainda disse que sentia formigamentos nos pés e que foi ao médico após uma queda na sala de sua casa.[29][30]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Programa Papel Nota
2001–14 A Grande Família Maria Isabel Silva Carrara (Bebel)[31] Temporadas 1-14
2015 Amorteamo Cândida[16]
2015–16 Mister Brau Maria Augusta[32] Temporadas 1–2
2018–19 Malhação: Vidas Brasileiras Rosália da Paz Temporada 26
2020 Dança dos Famosos Participante Temporada 17

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Papel Nota
2001 A Partilha Célia
Do Tempo que Eu Comia Pipoca Clara[33]
2002 Metade Sexo, Metade Mussarela Adelina
2004 Nina Nina
Redentor Flávia
2006 Balada das Duas Mocinhas de Botafogo Marília
2007 A Grande Família - O Filme Maria Isabel da Silva Carrara (Bebel)
2008 Sexo Virtual Neuma Curta-metragem
Vingança Raquel
2015 Tudo Que Deus Criou Ângela
2017 Ninguém Entra, Ninguém Sai Francisca
2018 Antes que eu me Esqueça Joelma
2020 Alice & Só Desconhecido[34]
2021 Missão Cupido Dona Marlene[35]
Valentina Márcia[36]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1992 - O Vampiro e a Polaquinha (Direção: Ademar Guerra)[37]
  • 2004 - Mais Uma Vez Amor (Direção: Ernesto Piccolo)[9]
  • 2005 - De Como a Jovem Atriz Rita Formiga, Minha Amiga e Vizinha, Ocupa Meu Telefone Todos os Dias de Quatro a Seis da Tarde, Que É Justamente o Meu Horário Predileto de Escrever (Direção: Domingos de Oliveira)[2]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeações Resultado
1992 Troféu Gralha Azul Melhor Atriz Revelação
O Vampiro e a Polaquinha
Indicado
1997 Prêmio Shell[38] Melhor Atriz
O Casamento
Indicado
1999 Prêmio Shell Melhor Atriz
Tudo no Timing
Indicado
2002 Prêmio Contigo! de TV Melhor Atriz Coadjuvante Indicado
2004 Prêmio Shell Melhor Atriz
Mais Uma Vez Amor
Indicado
2005 Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro[10] Melhor Atriz Venceu
Prêmio ACIE de Cinema Melhor Atriz Indicado
2009 Video Music Brasil Awards[39] Melhor Video Clipe Indicado
2010 Prêmio Qualidade Brasil Melhor Atriz em Série de Comédia Indicado
2019 Festival Internacional de Cinema de Jaipur Melhor Atriz Venceu
2021 Festival Sesc Melhores Filmes[40] Melhor Atriz Nacional Indicado
2022 Festival Sesc Melhores Filmes[41] Melhor Atriz Nacional Indicado
Melhor Atriz Nacional
Júpiter
Indicado

Referências

  1. «EGO - Guta Stresser». Ego. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2014 
  2. a b c d e Galindo, Rogerio Waldrigues. «Medo de ser a eterna Bebel». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de junho de 2022 
  3. «Guta Stresser - Trip FM». Trip. Consultado em 20 de junho de 2022 
  4. a b «Antes que eu me Esqueça - Guta Stresser». Globo Filmes (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2022 
  5. a b «Mulheres do Cinema Brasileiro - Entrevistas Depoimentos». www.mulheresdocinemabrasileiro.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  6. a b «Guta Stresser se divide entre TV e teatro». O Fuxico. 29 de março de 2012. Consultado em 27 de junho de 2022 
  7. a b «INTERPRETAÇÃO». Casa das Artes de Laranjeiras. Consultado em 27 de junho de 2022 
  8. a b «Mulheres do Cinema Brasileiro - Entrevistas Depoimentos». www.mulheresdocinemabrasileiro.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  9. a b «A história de um amor que vence o tempo». Jornal de Brasília. 10 de setembro de 2004. Consultado em 27 de junho de 2022 
  10. a b «10° Prêmio Guarani :: Premiados de 2004». Papo de Cinema. Consultado em 20 de maio de 2020 
  11. «Prêmio ACIE de Cinema». www.premioaciedecinema.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  12. «GUTA STRESSER». Belas Artes. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2018 
  13. «Meu Pequeno Coxa-Branca - Guta Stresser». Belas Artes. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original em 19 de abril de 2010 
  14. em 01/08/2012, Por Globo Teatro Publicado originalmente. «Guta Stresser estreia na direção com espetáculo 'Medea en Promenade'». redeglobo.globo.com. Consultado em 27 de junho de 2022 
  15. «O Médico que Tinha Letra Bonita». Itaú Cultural. Consultado em 27 de junho de 2022 
  16. a b Naiara Andrade (4 de maio de 2015). «Em 'Amorteamo', Guta Stresser encara seu primeiro papel na TV após 14 anos em 'A grande família'». Extra. Consultado em 8 de maio de 2015 
  17. Paraná, Jornal Bem. «Guta Stresser vive oposto de Bebel em». www.bemparana.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  18. «Guta Stresser participa de 'Mister Brau' com personagem gótica». tv. Consultado em 27 de junho de 2022 
  19. «Aos 44 anos, Guta Stresser diz que ainda quer ser mãe: 'Penso em adotar'». Ego. Consultado em 20 de junho de 2022 
  20. Cult, Rota (4 de novembro de 2018). «"EU SÓ QUERIA QUE VOCÊ NÃO OLHASSE PRO LADO" no Teatro Cândido Mendes». Rota Cult. Consultado em 27 de junho de 2022 
  21. Carlos, Henrique. «Guta Stresser fala sobre mudanças na carreira depois de Malhação». observatoriodatv.uol.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  22. Digital, CARAS (7 de dezembro de 2020). «Guta Stresser lamenta notas baixas na Dança dos Famosos: Provavelmente me desclassificou». Revista CARAS. Consultado em 27 de junho de 2022 
  23. «Crítica: Filme com protagonista trans contrasta realidade e contos de fadas». Folha de S.Paulo. 18 de agosto de 2021. Consultado em 27 de junho de 2022 
  24. «Opinião - Zapping - Cristina Padiglione: Rafael Vitti, Guta Stresser e Orã Figueiredo estreiam filme na HBO Max». F5. 21 de janeiro de 2022. Consultado em 27 de junho de 2022 
  25. Paraná, Jornal Bem. «Morre o jornalista e advogado Ronald Stresser - Bem Paraná». www.bemparana.com.br. Consultado em 20 de junho de 2022 
  26. Digital, CARAS (5 de junho de 2022). «Guta Stresser parabeniza a mãe com bela homenagem: "Inspiração"». Revista CARAS. Consultado em 20 de junho de 2022 
  27. «Quem foi: Augusto Stresser | Curitiba Space - Sinta a sua cidade». Curitiba Space. 1 de setembro de 2016. Consultado em 20 de junho de 2022 
  28. «Minha História». Museu da Pessoa. Consultado em 20 de junho de 2022 
  29. a b TEMPO, O. (20 de junho de 2022). «Guta Stresser, a Bebel de A Grande Família, revela ter esclerose múltipla | O TEMPO». www.otempo.com.br. Consultado em 20 de junho de 2022 
  30. Braziliense', 'Correio (20 de junho de 308). «Guta Stresser sobre esclerose múltipla: 'Tive muito medo'». Diversão e Arte. Consultado em 20 de junho de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  31. «A Grande Família - Personagens». GShow. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original em 9 de maio de 2012 
  32. Pereira, Jonathan (15 de setembro de 2015). «Guta Stresser rebate declaração de Betty Faria: "Ninguém causa repulsa"». O Dia. Consultado em 20 de junho de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2021 
  33. «3 CURTAS PARANAENSES PARA CELEBRAR O DIA DO CINEMA NACIONAL». Portal Curitiba Cult. 19 de junho de 2021. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  34. «Alice & Só ganhou trailer e cartaz promocional». Coxinha Nerd. 7 de novembro de 2020. Consultado em 13 de novembro de 2020 
  35. «Missão Cupido | Revista de Cinema». Consultado em 20 de junho de 2022 
  36. «VALENTINA - longa-metragem com Thiessa Woinbackk, Guta Stresser, Rômulo Braga». VALENTINA. Consultado em 20 de junho de 2022 
  37. Cultural, Instituto Itaú. «O Vampiro e a Polaquinha». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 27 de junho de 2022 
  38. «Folha de S.Paulo - Indicados ao Prêmio Shell para o Teatro Brasileiro - 19/7/1997». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 27 de junho de 2022 
  39. «Guta Stresser atrás das câmeras | Caras». caras.uol.com.br. Consultado em 20 de maio de 2020 
  40. «Melhor Atriz Nacional». Festival Sesc. Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  41. «48° Festival Melhores Filmes: Melhor Atriz Nacional». Melhores Filmes Sesc SP. 1 de fevereiro de 2022. Consultado em 1 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Guta Stresser

Precedida por
Simone Spoladore
por Desmundo
Prêmio Guarani de Melhor Atriz
por Nina

2005
Sucedida por
Alice Braga
por Cidade Baixa