Guto Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guto Ferreira
Informações pessoais
Nome completo Augusto Sérgio Ferreira
Data de nasc. 7 de setembro de 1965 (56 anos)
Local de nasc. Piracicaba, São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,83 m
Apelido Gordiola[1]
Peter Griffin
Gutinho
Informações profissionais
Equipa atual sem clube
Função treinador
Times/Equipas que treinou
2002
2003
2003–2004
2004
2005
2007
2011
2011
2011
2012
2012–2013
2013–2014
2014
2014–2015
2015–2016
2016–2017
2017
2018
2018
2019–2020
2020–2021
Internacional
Noroeste
Penafiel
Naval
Corinthians-AL
XV de Piracicaba
Mogi Mirim
Criciúma
ABC
Mogi Mirim
Ponte Preta
Portuguesa
Figueirense
Ponte Preta
Chapecoense
Bahia
Internacional
Bahia
Chapecoense
Sport
Ceará
Última atualização: 29 de agosto de 2021

Augusto Sérgio Ferreira, mais conhecido como Guto Ferreira (Piracicaba, 7 de setembro de 1965), é um treinador de futebol brasileiro. Atualmente está sem clube.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Formado em educação física pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), em 1985, Guto começou a carreira de treinador nas categorias de base do XV de Piracicaba, clube de sua cidade natal. Em seguida assumiu o mesmo no São Paulo e no Internacional, sendo que no Inter começou como treinador de equipes principais conquistando o Super Campeonato Gaúcho de 2002. passou ainda por Noroeste, Penafiel e Naval, de Portugal. Voltando ao Brasil, comandou o Corinthians Alagoano, o 15 de Novembro e o Mogi Mirim, este último pelo qual esteve até junho de 2011. Em pouco tempo comandou o Criciúma[2], meses depois acertou com o ABC[3] e depois retornou ao comando do Mogi Mirim, onde conseguiu o troféu de Campeão do Interior Paulista 2012 e o acesso para a Série C.[4]

Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Após conseguir o acesso com o Mogi, foi anunciado no mesmo dia como novo treinador da Ponte Preta.[5] Lá, alcançou a marca de 16 partidas sem perder no Campeonato Paulista e conquistou o troféu de Campeão do Interior Paulista.[6]

Portuguesa[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de julho de 2013, Guto foi oficializado como treinador da Portuguesa.[7] Assinou contrato até o final do Paulistão 2014, com a missão imediata de livrar a Lusa do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Foi apresentado oficialmente no dia 29 de julho de 2013 e, logo em sua chegada, mostrou-se consciente da situação do clube e traçou metas para o trabalho a ser realizado.[8]Assumiu o time na lanterna com sete pontos em nove jogos, terminou a competição com 48 pontos, na 12 colocação. No STJD, o clube foi punido pela escalação irregular de um jogador, perdendo quatro pontos e caindo para a 17ª posição.

Em fevereiro de 2014, após um mau início no Campeonato Paulista, pediu demissão do comando da Lusa.[9]

Figueirense[editar | editar código-fonte]

No dia 30 de abril, assumiu o comando do Figueirense para a disputa do Campeonato Brasileiro,[10] porém foi demitido em 24 de julho.[11][12]

Retorno à Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Após a demissão de Dado Cavalcanti, Guto Ferreira, que estava sem clube, acertou seu retorno no comando da Ponte Preta.[13] Na Macaca alcançou o acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro de 2015, sendo vice-campeão brasileiro da Série B em 2014.[14] Em 2015 conquistou mais um troféu de Campeão Paulista do Interior.[15] Após um ótimo inicio no Brasileirão 2015, onde figurou entre os primeiros até a 7ª rodada[16], no dia 3 de agosto Guto foi demitido após sete jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro.[17][18] O treinador deixou o Majestoso com 107 partidas - somando as duas passagens pelo clube, com 51 vitórias, 28 empates e 28 derrotas, um aproveitamento de 56,38%. Ele já figura entre os dez treinadores que mais comandaram a Ponte Preta.[17] A conquista do Título do Interior e o bom início de Campeonato Brasileiro fizeram com que Guto Ferreira recebesse sondagens de diversos clubes nacionais, como Santos e Fluminense, e recusasse uma proposta vantajosa do do Al-Ittihad, dos Emirados Árabes.[17]

Chapecoense[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de setembro de 2015, foi contratado pela Chapecoense após a demissão de Vinícius Eutrópio.[19] Livrou o time do rebaixamento no Campeonato Brasileiro e o levou às quartas de final da Copa Sul-Americana, onde a Chape foi eliminada pelo River Plate.[20]

No dia 9 de maio de 2016, conquistou o Campeonato Catarinense após empatar por 1 a 1 com o Joinville na Arena Condá.

Bahia[editar | editar código-fonte]

No dia dia 24 de junho de 2016, Guto Ferreira acertou com o Bahia.[21] Em novembro, conquistou o acesso à Serie A do Campeonato Brasileiro.[22] Já no dia 24 de maio de 2017, conquistou a Copa do Nordeste, primeiro título a nível regional da carreira e primeiro título do treinador no comando do Esquadrão, batendo o Sport no jogo de volta das finais da competição por 1 a 0 na Arena Fonte Nova, para mais de 40 mil pagantes.[23] No jogo de ida, na Ilha do Retiro, empate por 1 a 1.[24]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Retornou ao Internacional no dia 30 de maio de 2017, assinando até o final do ano, com possibilidade de renovação por mais um.[25]

Foi demitido em 11 de novembro, após empate em 1 a 1 com o Vila Nova, mas com o time já classificado e garantido na série A do Brasileiro do ano seguinte.[26] Dentre os motivos de sua demissão, a crônica esportiva local sugeriu a "falta de desempenho", segundo o jornalista Pedro Ernesto Denardin[27], o que foi confirmado pelo vice de futebol Roberto Melo: "O desempenho não vinha acontecendo".[28]

Retorno ao Bahia[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de dezembro de 2017, acertou seu retorno ao Bahia.[29] Já no dia 8 de abril de 2018, conquistou o Campeonato Baiano.[30] No dia 3 de junho, após o time baiano ser derrotado pelo Grêmio, por um placar de 2 a 0, em casa, teve seu trabalho contestado, resultando em sua demissão.[31]

Retorno à Chapecoense[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de agosto de 2018, retornou a Chapecoense para substituir Gilson Kleina.[32] Foi demitido no dia 15 de outubro, após perder em casa para o Vitória.[33]

Sport[editar | editar código-fonte]

Já no dia 20 de fevereiro de 2019, acertou com Sport para disputar o Campeonato Pernambucano. No dia 21 de abril, sagrou-se campeão estadual.[34][35] Subiu com o rubro-negro para a Série A do Campeonato Brasileiro e chegou à marca de três acessos nos últimos quatro anos: com o Bahia em 2016, o Internacional em 2017 e o Sport em 2019.[36]

No Sport, Guto Ferreira chegou a ser o segundo técnico mais longevo no comando de um time do futebol brasileiro. Com 54 jogos no comando do Leão, o treinador foi o sétimo treinador a atingir marca de 50 jogos no clube desde 2001. Nesse período, outros 37 treinadores passaram pelo clube, sem contar técnicos interinos. Entre os que conseguiram atingir 50 jogos no comando do Sport, Guto Ferreira tinha o menor número de derrotas (apenas cinco).

Teve um início ruim em 2020, com duas vitórias, seis empates e uma derrota para o Brusque, na Copa do Brasil, que custou a eliminação do time na primeira fase do torneio.[37] Devido a esses resultados, foi demitido no dia 13 de fevereiro.[38]

Ceará[editar | editar código-fonte]

Assumiu o comando do Ceará no dia 18 de março de 2020, após a saída de Enderson Moreira.[39] Porém, fez sua estreia no clube em uma partida oficial apenas em 13 de julho do mesmo ano, em razão da Pandemia de COVID-19. Na ocasião, o time saiu vitorioso sobre o Barbalha, com o placar de 5 a 0, pelo Campeonato Cearense. No dia 4 de agosto, com o placar agregado de 4 a 1 em cima do Bahia, conquistou mais uma vez a Copa do Nordeste, sendo seu segundo título da competição como técnico e o segundo título conquistado pelo clube de forma invicta.[40]

No Campeonato Brasileiro de 2020, Guto comandou o Ceará durante todo o decorrer da competição, sendo o primeiro técnico a realizar tal feito no clube.[41] Por ter finalizado a competição em 11º lugar, conseguiu levar o clube à sua segunda participação na Copa Sul-Americana, estreando na competição internacional no dia 21 de abril de 2021, com uma vitória sobre o Jorge Wilstermann, da Bolívia.

Em 2021, sua equipe chegou a segunda final seguida da Copa do Nordeste, porém, o Ceará foi batido pelo Bahia — mesmo adversário do ano anterior, quando foi campeã —, após vencer o jogo de ida por 1 a 0 e perder o jogo de volta por 2 a 1 e ser derrotado nas penalidades máximas, ficando dessa vez com o vice-campeonato.[42] No dia 29 de agosto, após a derrota de 2 a 0 pelo América Mineiro, foi demitido do Ceará.[43]

Títulos[editar | editar código-fonte]

XV de Piracicaba (categorias de base)
  • Copa São Paulo de Futebol Juvenil: 1992
São Paulo (categorias de base)
  • Campeonato Paulista Juvenil: 1993
  • Torneio Sul-Americano Sub-16: 1995
Internacional (categorias de base)
Internacional
Mogi Mirim
Ponte Preta
Chapecoense
Bahia
Sport
Ceará

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 08 de setembro de 2021.

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Criciúma 11 5 3 3 54,5%
Ponte Preta 107 51 28 28 56,3%
Portuguesa 35 11 11 13 41,9%
Figueirense 11 3 1 7 30,3%
Chapecoense 64 27 19 18 52%
Bahia 89 48 21 20 62,5%
Internacional 42 21 11 10 60,6%
Mogi-Mirim 47 23 12 12 60,6%
Sport 54 25 23 6 60.49%
Ceará 94 41 31 23 54.61%
Total 427 196 117 114 55.04%

Referências

  1. «"Ah, é Gordiola!" Jogadores do Bahia parabenizam técnico Guto Ferreira». GloboEsporte.com. 7 de setembro de 2016. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  2. http://www.engeplus.com.br/noticias/32375,Confirmado-Guto-Ferreira-vem.html
  3. «Guto Ferreira, ex-Criciúma, é o novo técnico do ABC». GloboEsporte.com. 15 de agosto de 2011. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  4. «Retrospectiva: Mogi é campeão do interior e fica com acesso à Série C». GloboEsporte.com. 28 de dezembro de 2012. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  5. «Após empate, Ponte Preta oficializa contratação de Guto Ferreira». Terra. 23 de setembro de 2012. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  6. «Ponte Preta 'atropela' Penapolense e conquista título do Torneio do Interior». GloboEsporte.com. 18 de maio de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  7. «Na lanterna, Portuguesa anuncia técnico Guto Ferreira». Estadão. 29 de julho de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  8. «Guto Ferreira chega e traça meta por etapas na Lusa». Estadão. 29 de julho de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  9. «Guto Ferreira não suporta nova derrota da Lusa e pede demissão». Terra. 2 de fevereiro de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  10. «Figueira anuncia Guto Ferreira como técnico horas após demitir Eutrópio». GloboEsporte.com. 30 de abril de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  11. «Figueirense demite Guto Ferreira e contrata Argel Fucks». Gazeta do Povo. 24 de julho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  12. «Após 85 dias, técnico Guto Ferreira é demitido do comando do Figueirense». GloboEsporte.com. 24 de julho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  13. «Ponte derruba acordo com Ricardinho e anuncia Guto Ferreira para a Série B». GloboEsporte.com. 24 de julho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  14. «Retrospectiva alvinegra 2014: em novembro acesso para a Série A, Lei pró-Arena assinada, eleições pontepretanas e AVCB 2015 garantido». Site oficial da Ponte Preta. 30 de dezembro de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  15. «'Campeã do interior', Ponte entra com representação contra bandeirinha». ESPN.com.br. 12 de abril de 2015. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  16. Cassio Zirpoli (14 de junho de 2015). «Classificação da Série A 2015 – 7ª rodada». Blog de Esportes. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  17. a b c Caio Maciel e Heitor Esmeriz (3 de agosto de 2015). «Guto não resiste à má fase da Ponte Preta no Brasileiro e acaba demitido». GloboEsporte.com. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  18. Gustavo Hofman (4 de agosto de 2015). «Guto Ferreira demitido: até quando a mesmice vai dominar o futebol brasileiro?». ESPN.com.br. Consultado em 1 de setembro de 2021 
  19. Laion Espíndula (14 de setembro de 2015). «Chape confirma acerto com Guto Ferreira, que inicia trabalho nesta terça». GloboEsporte.com. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  20. «Chapecoense luta e vence o River Plate, mas cai em campanha histórica na Copa Sul-Americana». Superesportes. 29 de outubro de 2015. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  21. «Guto Ferreira chega a acordo com Bahia e deixa o comando da Chape». GloboEsporte.com. 24 de junho de 2016. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  22. «Guto Ferreira celebra acesso do Bahia: "Tudo está valendo a pena"». GloboEsporte.com. 26 de novembro de 2016. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  23. «Bahia bate Sport e fatura Copa do Nordeste após 15 anos». Terra. 24 de maio de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  24. «Sport e Bahia ficam no empate em jogo de ida da final do Nordestão». GloboEsporte.com. 17 de maio de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  25. «Guto Ferreira deixa o Bahia e assume o comando do Internacional». Extra. 30 de maio de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  26. «Inter demite o técnico Guto Ferreira». GloboEsporte.com. 11 de novembro de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  27. Pedro Ernesto Denardin (12 de novembro de 2017). «Por que Guto foi demitido do Inter?». GaúchaZH. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  28. «Guto Ferreira é demitido após empate do Inter com Vila Nova». Correio do Povo. 11 de novembro de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  29. «A volta do Gordiola: Bahia acerta retorno de Guto Ferreira para 2018». GloboEsporte.com. 26 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  30. «Bahia vence clássico e é campeão baiano de 2018». Portal A TARDE. 8 de abril de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  31. «Após derrota para o Grêmio e com Bahia no Z-4, Guto Ferreira é demitido». GloboEsporte.com. 3 de junho de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  32. «Chapecoense anuncia volta de Guto Ferreira após demissão de Kleina». GloboEsporte.com. 7 de agosto de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  33. Pedro Rocha (15 de outubro de 2018). «Depois de derrota para o Vitória, Chapecoense demite Guto Ferreira». GloboEsporte.com. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  34. «Nos pênaltis, Mailson brilha e Sport é campeão pernambucano em cima do Náutico». Gazeta Esportiva. 21 de abril de 2019. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  35. Gustavo Lucchesi (21 de abril de 2019). «Sport vence Náutico nos pênaltis e fatura 42º Estadual». Folha de Pernambuco. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  36. «Com o Sport, Guto Ferreira conquista quarto acesso na carreira». Rádio Jornal. 21 de novembro de 2019. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  37. «Com emoção, Brusque vence o Sport e avança à segunda fase da Copa do Brasil». GloboEsporte.com. 12 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  38. «Após queda na Copa do Brasil, Guto Ferreira deixa comando técnico do Sport». GloboEsporte.com. 13 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  39. «Ceará anuncia saída de Enderson Moreira; Guto Ferreira é o novo treinador do Vovô». GloboEsporte.com. 18 de março de 2020. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  40. «Ceará volta a vencer o Bahia e conquista título da Copa do Nordeste 2020». GloboEsporte.com. 4 de agosto de 2020. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  41. «Guto Ferreira faz história e será o primeiro técnico a iniciar e terminar um Brasileirão pelo Ceará». Gazeta Esportiva. 19 de fevereiro de 2021. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  42. «Bahia vence Ceará nos pênaltis e é tetracampeão da Copa do Nordeste». Gazeta Esportiva. 8 de maio de 2021. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  43. «Mercado da Bola: Após nova derrota, Guto Ferreira é demitido do Ceará». Torcedores.com. 29 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ivo Wortmann
Antônio Carlos Zago
Treinador do Internacional
2002
2017
Sucedido por
Celso Roth
Odair Hellmann
Precedido por
Gilson Kleina
Dado Cavalcanti
Treinador da Ponte Preta
2012–2013
2014–2015
Sucedido por
Paulo César Carpegiani
Doriva
Precedido por
Edson Pimenta
Treinador da Portuguesa
2013–2014
Sucedido por
Argel Fucks
Precedido por
Vinícius Eutrópio
Treinador do Figueirense
2014
Sucedido por
Argel Fucks
Precedido por
Vinícius Eutrópio
Gilson Kleina
Treinador da Chapecoense
2015–2016
2018
Sucedido por
Caio Júnior
Claudinei Oliveira
Precedido por
Doriva
Paulo César Carpegiani
Treinador do Bahia
2016–2017
2018
Sucedido por
Jorginho
Enderson Moreira
Precedido por
Milton Cruz
Treinador do Sport
2019–2020
Sucedido por
Daniel Paulista
Precedido por
Enderson Moreira
Treinador do Ceará
2020–2021
Sucedido por
Tiago Nunes