Hélia Correia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hélia Correia Gold Medal.svg
Nascimento
Lisboa,  Portugal
Prémios Prémio Máxima de Literatura (1991, 2006)

Prémio D. Dinis (2001)
Prémio P.E.N. Clube Português de Novelística (2002)
Prémio Vergílio Ferreira (2013)
Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia (2013)
Gold Medal.svg Prémio Camões 2015

Género literário Romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo

Hélia Correia (Lisboa, fevereiro de 1949) é uma escritora portuguesa, tendo sido laureada ao longo da sua carreira literária. Foi galardoada com o Prémio Camões 2015.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hélia Correia nasceu em Lisboa em fevereiro de 1949, e cresceu em Mafra, terra da família materna, na qual frequentou o ensino primário e liceal.[2][3] Finalizou os estudos liceais em Lisboa, cidade onde também viria a frequentar a Faculdade de Letras.[1] Licenciou-se em Filologia Românica, tendo concluído, mais tarde, uma pós-graduação em Teatro da Antiguidade Clássica.[4][1] É professora de Língua Portuguesa do ensino secundário.[3] Foi também responsável por diversas traduções.[5]

Em 1981, estreou-se na poesia com O Separar das Águas; em 1982, foi a vez d'O Número dos Vivos. A novela Montedermo, encenada pelo grupo O Bando, acabou por dar à autora um certo destaque. Enfoque esse que reflete, desde muito cedo, o gosto da autora pelo teatro e pela Grécia Clássica.[6] Destacam-se ainda, na sua produção literária, os romances Casa Eterna e Soma. Já em poesia, há que salientar A Pequena Morte/Esse Eterno Conto.[6] Em 2010, Hélia Correia publicou o romance biográfico Adoecer, em que aborda a história de amor entre Elisabeth Siddal e o poeta e pintor pré-rafaelita Dante Gabriel Rossetti. Em 2012 publica a obra A Terceira Miséria, que foi duplamente premiado na modalidade de Poesia. Em 2015 foi galardoada com o Prémio Camões.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Ficção
    • 1981 - O Separar das Águas
    • 1982 - O Número dos Vivos
    • 1983 - Montedemo
    • 1985 - Villa Celeste - Novela ingénua
    • 1987 - Soma
    • 1988 - A Fenda Erótica
    • 1991 - A Casa Eterna
    • 1996 - Insânia
    • 2001 - Lillias Fraser (Prémio de Ficção do Pen Club)
    • 2001 - Antartida de mil folhas
    • 2002 - Apodera-te de mim
    • 2008 - Contos
    • 2010 - Adoecer
  • Poesia
    • 1986 - A Pequena Morte / Esse Eterno Canto
    • 2012 – A Terceira Miséria
  • Teatro
    • 1991 - Perdição, Exercício sobre Antígona
    • 1991 - Florbela
    • 2000 - O Rancor, Exercício sobre Helena
    • 2005 - O Segredo de Chantel
    • 2008 - A Ilha Encantada (versão para jovens de William Shakespeare)
  • Para a Infância
    • 1988 - A Luz de Newton (7 Histórias de Cores)

Referências

  1. a b c Relógio D'Água Editores (17 - 06 - 2015). «Hélia Correia Recebe Prémio Camões». Relógio D'Água Editores. Consultado em 26 - 07 - 2015. 
  2. «Literatura: Hélia Correia distinguida com Prémio Vergílio Ferreira 2013 pela Universidade de Évora». Expresso. 19 de fevereiro de 2013. 
  3. a b «Hélia Correia é a vencedora do Prémio Camões». Público. 17 de junho de 2015. Consultado em 17 de junho de 2015. 
  4. Mariana Pereira (17 de junho de 2015). «Hélia Correia é Prémio Camões 2015». Diário de Notícias. Consultado em 19 de junho de 2015. 
  5. Maria João Costa (21 de fevereiro de 2013). «Hélia Correia vence Prémio Correntes d'Escritas». Rádio Renascença. Consultado em 19 de junho de 2015. 
  6. a b Infopédia. «Hélia Correia». Infopédia. Consultado em 26 07 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Alberto da Costa e Silva
Prémio Camões
2015
Sucedido por
-


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.