Hélio Lobo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hélio Lobo Academia Brasileira de Letras
Nome completo Hélio Leite Pereira
Nascimento 27 de outubro de 1883
Juiz de Fora,  Minas Gerais
Morte 1 de janeiro de 1960 (76 anos)
Rio de Janeiro, Bandeira do Distrito Federal (Brasil) (1891–1960).gif Distrito Federal
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Diplomata, ensaísta, biógrafo e historiador

Hélio Lobo, (Juiz de Fora, 27 de outubro de 1883Rio de Janeiro, 1 de janeiro de 1960) foi um diplomata, ensaísta, biógrafo e historiador brasileiro.

Filho de Fernando Lobo Leite Pereira e de Maria Barroso Lobo. Américo Lobo, Ministro do Supremo Tribunal Federal, foi seu tio, irmão de Fernando Lobo, que foi Ministro da Justiça. Formou-se pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, em 1903. Ingressou no Itamarati, onde logo demonstrou a sua vocação para a diplomacia (1907-1915).

Nesta época, começou a escrever os seus primeiros trabalhos sobre a diplomacia brasileira, utilizando-se da Biblioteca do Itamarati para suas pesquisas. Foi cônsul-geral do Brasil em Londres/Inglaterra e Nova Iorque/EUA.

Membro da cadeira nº 13 da Academia Brasileira de Letras, na sucessão de Sousa Bandeira, tendo sido eleito em 06 de junho de 1918 e tomado posse em 26 de novembro de 1919.

No campo literário colaborou na revista Atlântida(1915-1920)

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sabres e togas, (1906);
  • O Tribunal Arbitral Brasileiro-Boliviano, 1910);
  • De Monroe a Rio Branco, (1912);
  • Brasil, Terra cara... (1913);
  • O Brasil e seus princípios de neutralidade, (1915);
  • Aos estudantes do Rio da Prata, (1918);
  • Coisas diplomáticas (1918);
  • A passo de gigante, (1923);
  • Coisas americanas e brasileiras (1925);
  • Brasilianos e yankees (1926);
  • No limiar da Ásia, (1935);
  • Um varão da República: Fernando Lobo, (1937);
  • Manuel de Araújo Porto-Alegre, (1938);
  • O pan-americanismo e o Brasil (1939);
  • O domínio do Canadá, (1942).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
João Carneiro de Sousa Bandeira
Olivenkranz.png ABL - quinto acadêmico da cadeira 13
1918 — 1960
Sucedido por
Augusto Meyer