HIP 78530

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
HIP 78530
Dados observacionais (J2000)
Constelação Scorpius
Asc. reta 16h 01m 55,46s[1]
Declinação -21° 58′ 49,40″[1]
Magnitude aparente 7,19[1]
Características
Tipo espectral B9V[1]
Cor (B-V) 0,08[1]
Astrometria
Velocidade radial -9,0 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -12,01 mas/a[2]
Mov. próprio (DEC) -24,11 mas/a[2]
Paralaxe 7,2848 ± 0,0784 mas[2]
Distância 447,7 ± 4,8 anos-luz
137,3 ± 1,5 pc
Magnitude absoluta 1,1 (visual)[3]
Detalhes
Idade 11 ± 2 milhões[7] de anos
Estrela primária
Massa 2,5[4] M
Raio 2,6[5] R
Gravidade superficial log g = 4,32 cgs[3]
Luminosidade 40[3] L
Temperatura 10500[4] K
Rotação v sin i = 180 km/s[6]
Objeto sub-estelar
Massa 0,023 ± 0,002[8] M
Luminosidade 0,0030 ± 0,0006[8] L
Temperatura 2700 ± 100[8] K
Outras denominações
CD-21 4255, HD 143567, HIP 78530, SAO 184043.[1]
HIP 78530
Scorpius constellation map.png

HIP 78530 é uma estrela na constelação de Scorpius. Tem uma magnitude aparente visual de 7,19,[1] podendo ser fraca demais para ser visível a olho nu. Com base em medições de paralaxe pelo satélite Gaia, está localizada a aproximadamente 450 anos-luz (140 parsecs) da Terra.[2] Esta é uma estrela massiva e quente de classe B, pertencente ao subgrupo Scorpius Superior da associação Scorpius–Centaurus, a associação OB mais próxima do Sol. Em 2011, um objeto sub-estelar que provavelmente é uma anã marrom foi descoberto a uma separação de 700 UA da estrela.[4]

Características estelares[editar | editar código-fonte]

HIP 78530 é uma estrela de classe B da sequência principal com um tipo espectral de B9V, o que indica que é uma estrela quente e luminosa que gera energia pela fusão de hidrogênio no núcleo. Possui uma massa estimada de 2,5 vezes a massa solar[4] e um raio de 2,6 vezes o raio solar.[5] Está irradiando energia de sua fotosfera com 40 vezes a luminosidade solar[3] a uma temperatura efetiva de 10 500 K,[4] dando à estrela a coloração azul-branca de estrelas de classe B.[9] Como é típico dessas estrelas, HIP 78530 está girando rapidamente com uma velocidade de rotação projetada (v sin i) de 180 km/s.[6]

Com base em seu movimento próprio e distância, medida diretamente pela sonda Hipparcos, HIP 78530 é um membro confirmado do subgrupo Scorpius Superior da associação Scorpius–Centaurus, a associação OB mais próxima do Sol.[10] Essa é uma associação de estrelas com origem e movimento pelo espaço comuns. A idade do subgrupo Scorpius Superior foi inicialmente estimada em 5 milhões de anos, mas um artigo recente de 2012 trouxe uma revisão desse valor para 11 milhões de anos, que é portanto considerada a idade de HIP 78530.[7]

Objeto sub-estelar[editar | editar código-fonte]

Estrelas jovens em associações como a Scorpius Superior são alvos atraentes para buscas por objetos sub-estelares por imagens diretas, pois esses objetos perdem luminosidade com o passar do tempo. A primeira detecção de um objeto próximo no céu a HIP 78530 aconteceu em 2000 e 2001, pelo instrumento ADONIS no Telescópio de 3,6 m do ESO, que detectou um objeto a uma separação de 4,54 segundos de arco e ângulo de posição de 139,7°. Nos artigos de publicação desses dados, em 2005 e 2007, os autores da pesquisa não puderam concluir se o objeto estava fisicamente associado à estrela, e a hipótese de que ele era apenas uma estrela de fundo foi considerada mais provável.[11][12]

Uma pesquisa independente em busca de novos objetos sub-estelares e estelares em Scorpius Superior selecionou uma amostra aleatória de 91 estrelas da associação para serem observadas pelos instrumentos de óptica adaptativa NIRI e ALTAIR no Telescópio Gemini Norte, entre as quais HIP 78530. O primeiro conjunto de imagens da estrela, obtido em maio de 2008, revelaram a presença de um objeto próximo da estrela consistente com o relatado anteriormente, indicando que ele poderia ser um corpo relacionado fisicamente. Observações adicionais obtidas em julho de 2009 e agosto de 2010 mostraram o objeto na mesma posição em relação à primária e praticamente confirmaram movimento próprio comum. Observações espectroscópicas com o instrumento NIFS do Telescópio Gemini Norte confirmaram que o objeto é jovem e possui uma baixa gravidade superficial.[4]

A descoberta do objeto companheiro de HIP 78530, que foi designado HIP 78530 B, foi publicada em 2011. Com os dados fotométricos e espectroscópicos obtidos, foi determinado que o objeto tem uma temperatura efetiva de 2 800 K e um tipo espectral de M8. A partir da luminosidade do objeto e da idade da associação Scorpius Superior, uma massa de 19 a 26 vezes a massa de Júpiter foi estimada, indicando que HIP 78530 B provavelmente é uma anã marrom de baixa massa. A separação angular do sistema, de 4,5 segundos de arco, indica que a anã marrom está separada da estrela primária por cerca de 700 UA, correspondendo a um período orbital estimado de 12 mil anos. Conforme esperado, os dados de posição e separação do objeto não apresentam evidências de movimento orbital.[4]

Um artigo de 2013, baseando-se nos índices de cor de HIP 78530 B, sugeriu que o objeto pode ser bem mais quente do que estimado antes, com uma temperatura efetiva de 3 300 K, sendo na verdade uma estrela anã vermelha de tipo espectral M3 com uma massa de 0,2-0,4 massas solares.[13] Esse resultado é inconsistente com as medições mais recentes do espectro do objeto, que encontraram uma temperatura efetiva de 2700 K e um tipo espectral de M7, características similares às do artigo da descoberta original do objeto.[8]

Entre sistemas de alta separação conhecidos, o sistema HIP 78530 possui uma das menores razões de massa entre seus componentes (0,009), o que torna sua formação incerta. É considerado improvável que HIP 78530 B tenha se formado da mesma maneira que um planeta, ou seja, pelo colapso gravitacional do disco protoplanetário ou pelo mecanismo de acreção de um núcleo rochoso. No entanto, é possível que o objeto tenha se formado próximo da estrela e então migrou para sua posição atual por interação com outros corpos no sistema. Alternativamente, ele pode ter se formado como uma estrela, pela fragmentação de um núcleo pré-estelar.[4]

A alta separação do sistema HIP 78530 indica que ele está sujeito a perturbações por estrelas passantes, o que poderia ocasionar a ruptura do sistema em algum ponto no futuro. Em observações de 91 estrelas da associação Scorpius Superior, foram encontrados objetos sub-estelares ao redor de duas estrelas, HIP 78530 e 1RXS J160929.1−210524, o que permitiu estimar que, nessa associação, a taxa de ocorrência de objetos de baixa massa a separações de centenas de unidades astronômicas é de 2,2+5,5
−1,9
%. Esse é apenas um limite inferior, já que a sensibilidade da pesquisa diminui para massas baixas. A comparação dessa taxa com a de estrelas mais velhas pode revelar se uma fração significativa dos sistemas são rompidos com o passar do tempo.[4]

Estimativas dos parâmetros de HIP 78530 B
Idade (106 anos) Massa
(MJ)
Temperatura
efetiva (K)
Tipo
espectral
Ref.
5 23 ± 4 2800 ± 200 M8 ± 1 [4]
11 ± 2 30+17
−8
[7]
>75 3300–3400 M3 ± 2 [13]
5 23,0 ± 1,0 2700 ± 100 M7 ± 0.5 [8]
10 24,1 ± 1,0

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h «HD 143567 -- Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 18 de abril de 2018 
  2. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  3. a b c d de Geus, E. J.; de Zeeuw, P. T.; Lub, J. (junho de 1989). «Physical parameters of stars in the Scorpio-Centaurus OB association». Astronomy and Astrophysics. 216 (1-2): 44-61. Bibcode:1989A&A...216...44D 
  4. a b c d e f g h i j Lafrenière, David; et al. (março de 2011). «Discovery of an ~23 MJup Brown Dwarf Orbiting ~700 AU from the Massive Star HIP 78530 in Upper Scorpius». The Astrophysical Journal. 730 (1): artigo 42, 9. Bibcode:2011ApJ...730...42L. doi:10.1088/0004-637X/730/1/42 
  5. a b Pasinetti Fracassini, L. E.; Pastori, L.; Covino, S.; Pozzi, A (fevereiro de 2001). «Catalogue of Apparent Diameters and Absolute Radii of Stars (CADARS) - Third edition - Comments and statistics». Astronomy and Astrophysics. 367: 521-524. Bibcode:2001A&A...367..521P. doi:10.1051/0004-6361:20000451 
  6. a b Slettebak, Arne (março de 1968). «Stellar Rotation in the Scorpio-Centaurus Association». Astrophysical Journal. 151. 1043 páginas. Bibcode:1968ApJ...151.1043S. doi:10.1086/149503 
  7. a b c Pecaut, Mark J.; Mamajek, Eric E.; Bubar, Eric J. (fevereiro de 2012). «A Revised Age for Upper Scorpius and the Star Formation History among the F-type Members of the Scorpius-Centaurus OB Association». The Astrophysical Journal. 746 (2): artigo 154, 22. Bibcode:2012ApJ...746..154P. doi:10.1088/0004-637X/746/2/154 
  8. a b c d e Lachapelle, François-René; et al. (março de 2015). «Characterization of Low-mass, Wide-separation Substellar Companions to Stars in Upper Scorpius: Near-infrared Photometry and Spectroscopy». The Astrophysical Journal. 802 (1): artigo 61, 15. Bibcode:2015ApJ...802...61L. doi:10.1088/0004-637X/802/1/61 
  9. «The Colour of Stars». Australia Telescope, Outreach and Education. Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation. 21 de dezembro de 2004. Consultado em 18 de abril de 2018 
  10. de Zeeuw, P. T.; Hoogerwerf, R.; de Bruijne, J. H. J.; Brown, A. G. A.; Blaauw, A. (janeiro de 1999). «A HIPPARCOS Census of the Nearby OB Associations». The Astronomical Journal. 117 (1): 354-399. Bibcode:1999AJ....117..354D. doi:10.1086/300682 
  11. Kouwenhoven, M. B. N.; Brown, A. G. A.; Zinnecker, H.; Kaper, L.; Portegies Zwart, S. F. (janeiro de 2005). «The primordial binary population. I. A near-infrared adaptive optics search for close visual companions to A star members of Scorpius OB2». Astronomy and Astrophysics. 430: 137-154. Bibcode:2005A&A...430..137K. doi:10.1051/0004-6361:20048124 
  12. Kouwenhoven, M. B. N.; Brown, A. G. A.; Kaper, L. (março de 2007). «A brown dwarf desert for intermediate mass stars in Scorpius OB2?». Astronomy and Astrophysics. 464 (2): 581-599. Bibcode:2007A&A...464..581K. doi:10.1051/0004-6361:20054396 
  13. a b Bailey, Vanessa; et al. (abril de 2013). «A Thermal Infrared Imaging Study of Very Low Mass, Wide-separation Brown Dwarf Companions to Upper Scorpius Stars: Constraining Circumstellar Environments». The Astrophysical Journal. 767 (1): artigo 31, 13. Bibcode:2013ApJ...767...31B. doi:10.1088/0004-637X/767/1/31 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]