Habilidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o uso do termo em psicologia, veja competência (psicologia).

Habilidade (do latim habilitate) é o grau de competência de um sujeito concreto frente a um determinado objetivo. Poder-se-ia assim, por exemplo, falar de "habilidade mecânica" (a capacidade de colocar uma máquina em funcionamento), "habilidade verbal" (a capacidade de fazer uma apresentação discursiva), "habilidade matemática" etc.

Definições[editar | editar código-fonte]

Segundo Voltaire ter habilidade significa ser "mais do que capaz, mais do que instruído", pois mesmo aquele que houver lido e presenciado tudo sobre um determinado assunto, pode não ser capaz de reproduzir a ação na prática com êxito. Habilidade assim, seria um indicativo de capacidade, particularmente na produção de soluções para um problema específico.

Na área da educação, habilidade é o saber fazer. É a capacidade do indivíduo de realizar algo, como classificar, montar, calcular, ler, observar e interpretar. A capacidade da pessoa em mobilizar suas habilidades (saber fazer), seus conhecimentos (saber) e suas atitudes (saber ser) para solucionar determinada situação-problema é chamada por alguns educadores como competência. Assim, entender os conceitos é uma coisa, interpretá-los é outra e posicionar-se diante disso é outra (ver Le Bortef e Philippe Perrenoud).[1] .

Habilidade é o que nós aprendemos e conseguimos identificar (por exemplo, os alunos saberem identificar autores de textos ou artigos). Habilidade está ligada à competência, que é como vamos colocar em prática o que aprendemos (por exemplo, os alunos criarem seus próprios textos)

Na área da administração, um gestor precisa ser capaz de delegar atividades para outros e assumir a responsabilidade de atingir determinados objetivos por meio da soma de esforços. Com essa intenção, a administração pode se basear em três tipos de habilidades básicas, sendo elas, Habilidade Técnica, Humana e Conceitual.[2]

  • Habilidade técnica, é relacionada com a capacidade de compreensão e domínio de uma determinada atividade. Envolve conhecimento especializado, habilidade analítica dentro de uma especialidade e facilidade no uso de técnicas de uma disciplina específica. Essa habilidade é adquirida por meio de experiência, educação e treinamento profissional.
  • Habilidade humana, capacidade de trabalhar como membro de um grupo com eficácia, conseguindo extrair esforços cooperativos do grupo para atingir os objetivos estabelecidos. Requer capacidade de criar uma atmosfera de segurança para gerar uma boa comunicação entre os membros a fim de facilitar o entendimento das necessidades e motivações das pessoas envolvidas. Uma característica importante dessa habilidade é a estabilidade emocional, ou inteligência emocional, por meio da qual um bom administrador deve ser capaz de tomar decisões mesmo quando sob pressão.
  • Habilidade conceitual, também chamada de Visão Sistêmica ou Holística, é a capacidade de visualizar a organização (instituição, empresa ou grupo de empresas) como um conjunto integrado. É necessário ser capaz de enxergar sobre o ponto de vista da organização e assim, perceber a interdependência das suas funções e também sobre o seu ambiente externo para entender como as forças políticas, econômicas e sociais a afetam para assim considerar esses aspectos e identificar uma alternativa mais adequada para uma ação ou tomada de decisão. O administrador deve ser capaz de lidar com situações complexas e ambíguas, o que necessita de maturidade, experiência e capacidade para lidar com pessoas e situações.

Referências

  1. Gentile, Paola e Roberta Bencini, 2000, Construindo competências. Entrevista com Philippe Perrenoud, Universidade de Genebra.
  2. Lacombe, Francisco (2011). Recursos Humanos: princípios e tendências (São Paulo: Saraiva). pp. 150,151 e 152. 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.