Hack and slash

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Hack and slash ou hack and slay pode referir-se tanto a um gênero de jogo de ação, ou um tipo de jogabilidade.

Hack and slash ou corta e massacra, abreviado H&S ou HnS, refere-se a um tipo de jogo que enfatiza o combate. "Hack and slash" foi originalmente usado para descrever um estilo de jogo em jogos de mesa de RPG , levando de lá para MUDS , MMORPGs , e Video Games em geral. Em jogos de Console e estilo arcade, o uso implica especificamente o foco em combate corpo-a-corpo ao invés de só armas. Em outros contextos, é mais geral, um arqueiro ou artista marcial pode participar plenamente em um jogo de hack and slash, ou seja, como hack-and-slash orientada com o indivíduo armado ou corpo a corpo. O termo muitas vezes é escrito em forma com hífen e com a conjunção contraída, por exemplo, hack-and-slash, hack 'n' slash.

Em ambos os casos, descreve a ênfase em combates próximos com armas de ataques curtos. "Hack and slash" foi originalmente usado para descrever um aspecto de role playing games (RPGs) de papel e caneta.

Origens[editar | editar código-fonte]

Hack and slash têm as suas raízes no RPG de "papel e caneta" como Dungeons & Dragons, denotando as campanhas de violência sem outros elementos de plot ou meta significativa. O termo é datado de pelo menos meados dos anos 80, como mostrado em um artigo da revista Dragon por Jean Wells e Kim Mohan que inclui seguinte a afirmação: "há grande potencial para mais que cortar e bater em D&D ou AD&D; há possibilidade de intriga, mistério e romance que implica ambos os sexos, ao benefício de todos os personagens em uma campanha. O artigo continua informando a experiência de uma jogadora de D&D que exigiu que "quando ela joga em torneios, ela realmente se depara com o tipo "hack and slash" de jogador, mas a maior parte deles são adolescentes do sexo masculino. Esse tipo de jogo sugeriu que a violência descuidada feita para uma RPG unidimensional era um estilo favorecido por jogadores juvenis.

O gênero se frutificou e multiplicou em incontáveis plataformas, em 2D e em 3D, e acabou ganhando força com o sub-gênero de games "hack and slash", que abrange diversos outros sub-gêneros, como RPGs de ação, "Beat 'em up's", ação em terceira pessoa e os mais variados "button mashers", ou esmagadores de botões. Outras vezes, hack and slash é empregado como um termo neutro de simplesmente usado para descrever um dos tipos diferentes de jogos RPG e estilos diferentes de jogabilidade. Hack and slash pode ser usado para contrastar o lutar em um caminho por um calabouço ("um dungeon crawl") com roleplaying para o propósito de desenvolvimento da trama e desenvolvimento de personagem.[1] Este estilo de jogo, deu origem a séries renomadas, como Samurai Warriors, Warriors Orochi entre outras. O termo tem sua origem nas mesas de RPG, mas agora é uma das características de diversos games. Basta ter uma espada e uma legião de inimigos que, pronto, está a meio caminho andado do clube.

Tipo de jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Hack and slash fez a transição do jogo de mesa para os videogames, geralmente começando com o mundo do tipo Dungeons and Dragons. Esta forma de jogabilidade é especialmente prevalente em jogos de RPG de ação, como Diablo ou Dungeon Master.[2]

Alguns jogos empregam convenções de hack and slash sem uma jogabilidade de RPG. Nesses casos, como Golden Axe, hack and slash poderia descrever o próprio jogo. Daí o motivo no qual hack and slash é às vezes um gênero de jogo de fato, em vez de somente um elemento de jogabilidade. A maior parte da mesma mecânica de jogabilidade do gênero de ação hack and slash embora, inclusive o crowd combat (combate de multidão), também possa ser encontrado em jogos de role-playing-games.

Subgênero[editar | editar código-fonte]

Alguns jogos enfocam inteiramente em jogabilidade hack and slash, e são assim um subgênero de jogos de ação-aventura.

Esses jogos são semelhantes aos beat 'em ups em que um jogador deve enfrentar grandes ondas de inimigos de poder inferior, muitas vezes seguidos por uma luta de Chefe. Contudo, os jogos de hack and slash sempre armam o jogador com uma arma de curto alcance, ao passo que em beat 'em ups há armas que podem se pegar no percurso do jogo, mas as mesmas se desgastam ou se descartam com o uso ou não há arma em absoluto. Devido à natureza da luta, o foco em um jogo de hack and slash é matar oponentes, ao passo que os beat 'em ups tendem a concentrar-se na incapacitação.

Por causa dessas armas de curto alcance, um jogo de hack and slash normalmente realiza-se em uma locação medieval ou de fantasia. Contudo, até uma locação moderna pode empregar espadas e outras armas de lâminas, como Bayonetta, Blades of Time, Devil May Cry, God of War ou Teenage Mutant Ninja Turtles.

Se múltiplos jogadores estiverem implicados, a jogabilidade é normalmente cooperativa.

Combate de multidão[editar | editar código-fonte]

Alguns jogos de hack and slash põem o jogador contra dúzias ou centenas de inimigos ao mesmo tempo. Isto é às vezes chamado de crowd combat (combate de multidão), como em Dynasty Warriors , Sengoku Basara ou Gungrave. Este enorme número de oponentes é possível devido à tecnologia de jogos mais eficiente. Um dos jogos primeiros a incorporar isto foi a Gauntlet.

O combate de multidão não é único subgênero de hack and slash. Devido à natureza das armas, o combate de multidão é mais comum em hack and slash do que ele é beat em' up. Contudo, o combate de multidão é mesmo mais comum no gênero relacionado shoot 'em up, como visto na televisão em Smash TV.


Referências

  1. Dominique Jagusch: Autorenschaft in virtuellen Gemeinschaften - Die Strukturierung des Narrationsprozesses in MUDs (Multi-User Dungeons) (pdf-Datei, 541 KB, Referenz auf Seite 17)
  2. 4Players-Test von „Titan Quest“ mit Ausführungen zu Hack-&-Slay-Computerspielen
Bibliografia
  • Sara Tulloch, The Oxford Dictionary of New Words: A Popular Guide to Words in the News, Oxford University Press (1991): hack-and-slay, S. 145.