Haifaa al-Mansour

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Haifaa al-Mansour
Nascimento 10 de agosto de 1974 (44 anos)
Al Zulfi, Arábia Saudita
Ocupação Diretora de cinema

Haifaa al-Mansour (em árabe: هيفاء المنصور) (Al Zulfi, 10 de agosto de 1974) é uma diretora de cinema da Arábia Saudita. Ela é uma das mais conhecidas e controversas directoras de cinema, e a primeira mulher saudita a tornar-se cineasta.[1][2]

Início da vida e educação[editar | editar código-fonte]

Haifaa al-Mansour é a oitava (de doze) filha do poeta Abdul Rahman Mansour, que introduziu a ela os filmes através de formatos em vídeo, dado que não havia salas de cinema na Arábia Saudita entre 1983 e 2018.[3] Um dos seus actores favoritos foi Jackie Chan.[4] Ela é de Al Zulfi, mas cresceu em Al-Hasa.[5]

Com o incentivo do seu pai, ela estudou literatura comparativa na Universidade Americana do Cairo. Mais tarde, ela concluiu um Mestrado em Estudos de Cinema pela Universidade de Sydney, na Austrália.[6][7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ela começou sua carreira de cineasta com três curtas, Quem?, A Amarga Viagem e A Única Maneira de Sair. A Única Maneira de Sair ganhou diversos prémios nos Emirados Árabes Unidos, e na Holanda. Ela seguiu com a carreira, depois destas curtas, com o documentário Mulheres Sem Sombras, que lida com a vida oculta das mulheres árabes do Golfo Pérsico. Ela viu o seu trabalho a ser mostrado em 17 festivais internacionais. O filme recebeu o Punhal de Ouro de Melhor Documentário no Festival de Cinema de Mascate e uma menção especial do júri no quarto Festival de Cinema Árabe de Roterdão. Haifaa al-Mansour foi convidada para o 28º Festivas de Três Continentes em Nantes, França.[1]

Ela não tinha a intenção de que o seu trabalho se focasse sobre as questões das mulheres, mas, encontrou-os demasiado importante para não  serem endereços. Tanto Quem? como As Mulheres Sem Sombras abordam o costume da abaya. Ela recebeu mensagens de ódio e críticas por não ser religiosa, o que ela nega. Ela, no entanto, sente que a Arábia Saudita precisa ter uma visão mais crítica da sua cultura. Ela também recebeu elogios de árabes por incentivar a discussão sobre temas geralmente considerados tabu na sua sociedade.[8]

Em 2014, foi relatado que al-Mansour iria ser directora da obra Uma Tempestade nas Estrelas, um filme de drama romântico sobre o início da vida da escritora Mary Shelley.[9] O filme foi mais tarde renomeado para Mary Shelley e estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto, em 2017.[10]

De seguida, al-Mansour anunciou que ela estava em vias de dirigir Nappily Ever After, uma adaptação do livro com o mesmo nome de Trisha R. Thomas.[11]

Ela foi escolhida para ser jurado para a secção Un certain Regard do Festival de Cinema de Cannes de 2015.[12]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Haifaa al-Mansour viveu no Bahrein durante alguns anos, e depois se mudou para a Califórnia com o seu marido, Bradley Niemann, um diplomata norte-americano, e seus dois filhos, Adão e Hailey.[13]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Joan Dupont. “Saudi filmmakers come out of the shadows”. International Herald Tribune, 14 December 2006 .
  2. «Cannes 2012: Saudi Arabia's First Female Director Brings 'Wadjda' to Fest» 
  3. Danna Harman. “Middle Eastern Female Filmmakers Give Glimpse of Once-Veiled Worlds” March 10, 2008. Christian Science Monitor/Alternet.
  4. Fielding-Smith, Abigail (14–15 de dezembro de 2013), The film director blazing a trail for Saudi women, p. 21 
  5. «Wadjda: A Conversation with Haifaa Al Mansour - Cultural Weekly» (em inglês) 
  6. Grey, Tobias (30–31 de março de 2013), The undercover director, p. 14 
  7. «Ms Haifaa al-Mansour» 
  8. Najah Al Osaimi. “Haifa Film Creates a Stir.” ‘’Arab News’’. 21 April 2005.
  9. «'Wadjda's Haifaa Al Mansour To Direct 'A Storm In The Stars' For Gidden Media» 
  10. «Toronto Film Festival 2017 Unveils Strong Slate» 
  11. «Sanaa Lathan to Star in Netflix Adaptation of 'Nappily Ever After'» 
  12. «Un Certain Regard Jury 2015». Cannes Film Festival 
  13. «Meet Saudi Arabias Groundbreaking Filmmaker» (em inglês)