Hakainde Hichilema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hakainde Hichilema
7.º Presidente da Zâmbia
Período 24 de agosto de 2021
a atualidade
Vice-presidente Mutale Nalumango
Antecessor(a) Edgar Lungu
Dados pessoais
Nome completo Hakainde Hichilema
Nascimento 4 de junho de 1962 (60 anos)
Monze, Rodésia do Norte (atual Zâmbia)
Esposa Mutinta Hichilema
Partido Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional
Profissão Político

Hakainde Hichilema (Monze, 4 de junho de 1962) é um político zambiano, atual presidente de seu país.[1] É líder do Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional, maior partido de oposição da Zâmbia.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hichilema nasceu em uma vila no distrito de Monze. Recebeu uma bolsa de estudos para a Universidade da Zâmbia, e mais tarde graduou-se com um MBA da Universidade de Birmingham, no Reino Unido.[3]

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

  • Serviços Consultivos do Equador, consultor assistente, 1986
  • Coopers & Lybrand, restructuring Indeco, 1986
  • Diretor de Assessoria Corporativa,1989
  • CEO 1994-1998
  • Mudou o nome da Coopers & Lybrand para Grant Thornton.

Empresário[editar | editar código-fonte]

Hichilema é integrante de vários quadros de diretorias em empresas como Sun International, Greenbelt Fertilisers Ltd, Media Trust Fund, Export Development Programme.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Hichilema é membro do partido de oposição Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional, um partido político liberal. Após a morte de Anderson Mazoka em 2006, ele foi eleito como o novo presidente do partido.[4] Ele também serviu como líder da Aliança Democrática Unida (UDA), uma aliança de três partidos políticos da oposição.

Nas eleições de 2006, Hichilema foi candidato pela UDA e concorreu contra o então presidente Levy Mwanawasa do Movimento pela Democracia Multipartidária, e o candidato da Frente Patriótica, Michael Sata. Ele recebeu o aval do ex-presidente Kenneth Kaunda. A eleição foi realizada em 28 de setembro de 2006, e Hichilema ficou em terceiro lugar com cerca de 25% dos votos.

Hichilema concorreu como candidato da UPND nas eleições de 2008, que foram convocadas após a morte do Presidente Levy Mwanawasa.[5] Ele ficou em 3º lugar, com 19,7% dos votos. Em junho de 2009, o partido de Hichilema, a UPND, formou um pacto com a Frente Patriótica (PF) de Michael Sata para disputar juntos as eleições de 2011. Entretanto, a indecisão a respeito do candidato que representaria o pacto, a profunda desconfiança e as acusações de tribalismo de ambos os lados resultaram no colapso do pacto em março de 2011.

Ele foi um dos dois principais candidatos nas eleições presidenciais de janeiro de 2015, quando foi derrotado por uma estreita margem de 27.757 votos (1,66%) contra o candidato do partido governista, Edgar Lungu. Hichilema denunciou a eleição como uma farsa e instou seus apoiadores a permanecerem calmos.[6][7] Ele novamente enfrentou Lungu como o principal candidato da oposição nas eleições presidenciais de agosto de 2016, e foi novamente derrotado também por margem pequena.[8]

Em abril de 2017, ele foi preso por suspeita de traição e acusado de tentativa de derrubar o governo.[9] Ele esteve na prisão por quatro meses antes de ser solto com a decisão do Ministério Público de não prosseguir com o caso.[10][11]

Após ter contestado cinco eleições anteriores em 2006, 2008, 2011, 2015 e 2016, ele ganhou as eleições presidenciais de 2021 com mais de 59% dos votos.[12] Sua principal plataforma foi a promessa de reformas políticas, econômicas e democráticas para fomentar investimentos, bem como o combate à corrupção.[13]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado com uma antiga gerente de escritório Mutinta e juntos têm três filhos,[14] a filha Miyanda e os filhos Habwela e Chikonka. Em dezembro de 2014, declarou-se Adventista do Sétimo Dia.[15] Hichilema é um milionário e o segundo maior pecuarista da Zâmbia.[16]

Referências

  1. «Zambian opposition leader Hakainde Hichilema wins presidential election» (em inglês). Reuters. 16 de agosto de 2021. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  2. «Zambia's opposition leader Hichilema wins presidential vote» (em inglês). Al Jazeera. 16 de agosto de 2021. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  3. GONDWE, Kennedy (16 de agosto de 2021). «Hakainde Hichilema: The Zambian 'cattle boy' who became president» (em inglês). BBC. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  4. «Zambia National Assembly - Elections in 2006». União Interparlamentar (em inglês). Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2015 
  5. "Zambia to hold presidential by-election on Oct.30", Xinhua, 10 de setembro de 2008.
  6. «Zambia opposition cries foul as Lungu wins presidential election» (em inglês). The Daily Telegraph. 24 de janeiro de 2015. Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  7. HICHILEMA, Hakainde (24 de janeiro de 2015). «Edgar Lungu steals election» (em inglês). hh-zambia.com. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2015 
  8. «Zambia's President Edgar Lungu declared election winner». BBC (em inglês). 15 de agosto de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  9. MFULA, Chris (18 de abril de 2017). «Zambian opposition leader charged with trying to overthrow government» (em inglês). Reuters. Consultado em 19 de abril de 2017 
  10. «Zambia : HH walks to freedom as state enters nolle prosequi in the treason case» (em inglês). Lusaka Times. 16 de agosto de 2017 
  11. «DPP drops HH case» (em inglês). Zambia Daily Mail. 16 de agosto de 2017 
  12. MFULA, Chris (16 de agosto de 2021). «Zambia opposition leader Hichilema wins landslide in presidential election» (em inglês). Reuters. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  13. NEBE, Cai (17 de agosto de 2021). «Quem é o novo Presidente da Zâmbia?». Deutsche Welle. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  14. «HH's curriculum vitae» (em inglês). Lusaka Times. 19 de setembro de 2008. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  15. «I am not a Masonist, I am Christian and a church elder at SDA -HH» (em inglês). Lusaka Times. 24 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2021 
  16. LAING, Aislinn (19 de janeiro de 2015). «Africa needs leaders to run countries like CEOs, Zambia's opposition leader says» (em inglês). Ndola: The Daily Telegraph. Consultado em 23 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Edgar Lungu
Presidente de Zâmbia
2021 - presente
Sucedido por
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.