Haliotis kamtschatkana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHaliotis kamtschatkana
Concha de H. kamtschatkana, vista por cima.

Concha de H. kamtschatkana, vista por cima.
Concha de H. kamtschatkana, vista por baixo.
Concha de H. kamtschatkana, vista por baixo.
Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo
Classificação científica
Reino: Animalia
Clado: Vetigastropoda
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Superfamília: Haliotoidea
Família: Haliotidae
Género: Haliotis
Linnaeus, 1758[1]
Espécie: H. kamtschatkana
Nome binomial
Haliotis kamtschatkana
Jonas, 1845[1]
H. kamtschatkana da subespécie assimilis, Dall, 1878.
Sinónimos
Haliotis assimilis Dall, 1878
Haliotis aulaea Bartsch, 1940
Haliotis smithsoni Bartsch, 1940
(WoRMS)[1]

Haliotis kamtschatkana (em inglês Pinto abalone, Kamchatka abalone, Alaska abalone, japanese abalone ou northern abalone) é uma espécie de molusco gastrópode marinho pertencente à família Haliotidae. Foi classificada por Jonas, em 1845. É nativa do norte do oceano Pacífico, em águas rasas da costa oeste da América do Norte, na Sibéria e no Japão.[1] [2] [3] [4] A espécie Haliotis assimilis (em inglês threaded abalone), Dall, 1878, agora é considerada sua subespécie: Haliotis kamtschatkana assimilis.[5] [6] [7] [8]

Abalones têm sido utilizados nesta área desde que o Homem chegou. Os americanos nativos comiam a carne de abalone, utilizando conchas inteiras como tigelas e pedaços de conchas para uso em anzóis, raspadores, miçangas, colares e decorações; até mesmo fazendo permutas com as conchas.[5] Sete espécies são descritas na região oeste da América do Norte: Haliotis corrugata, H. cracherodii, H. fulgens, H. kamtschatkana, H. rufescens, H. sorenseni e H. walallensis.[9]

Descrição da concha das subespécies[editar | editar código-fonte]

Haliotis kamtschatkana kamtschatkana[editar | editar código-fonte]

Esta subespécie apresenta uma variação considerável na forma de suas conchas, podendo ter uma longa e estreita concha, muito arqueada, com uma superfície áspera e irregular; ou apresentá-las ovais e pouco arqueadas, com superfície mais regular e lisa. Os espécimes de concha estreita vão, em sua distribuição norte-americana, do Panhandle do Alasca até Point Sur, na Califórnia; com indivíduos de concha oval e pouco arqueada indo desta localidade até Point Conception.[2] Chegam até 10 centímetros[3] , raramente até 15, e são de um marrom-avermelhado com marmoreios esverdeados, manchado com ocasionais branco e azul espalhados sobre sua superfície.[2] [10] Os furos abertos na concha, de 3 a 6, mas geralmente em número de 5, são circulares e elevados. Região interna madreperolada, iridescente, com nenhuma cicatriz muscular ou com pequenas cicatrizes musculares centrais visíveis, esverdeadas, em indivíduos maiores.[2] [11] Lábio externo levemente ondulado, se estendendo sobre a área madreperolada interna e normalmente formando uma borda com a mesma coloração de sua superfície. Em águas profundas, as conchas são cobertas com os mesmos organismos marinhos que se encontram sobre o substrato, tornando-as difíceis de distinguir dos arredores.[2] [1][2][3]

Haliotis kamtschatkana assimilis (ex Haliotis assimilis)[editar | editar código-fonte]

Na região central da Califórnia a subespécie assimilis se apresenta[12] , com sua concha oval e arqueada, moderadamente fina, com superfície bastante regular e com proeminentes estrias em espiral, intercaladas por várias costelas ou estreitas cristas baixas. Espiral moderadamente alta e coloração principalmente esverdeada, com manchas em marrom, branco, vermelho ou amarelo.[6] Ela tem uma característica genética única, encontrada em 5 a 10% da população, que é uma banda de coloração laranja, paralela aos buracos abertos, mais rara na subespécie kamtschatkana.[5] [8] Possui 4 a 6 furos abertos, pequenos e levantados. Região interna madreperolada, iridescente, com nenhuma cicatriz muscular ou com pequenas cicatrizes musculares centrais visíveis, esverdeadas, em indivíduos maiores. Lábio externo se estendendo sobre a área madreperolada interna e normalmente formando uma borda com a mesma coloração de sua superfície.[6] [13] A concha desta espécie, em vida, pode ser recoberta por outros animais marinhos, como cracas.[14]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Haliotis kamtschatkana ocorre em águas rasas, desde a zona entremarés, entre as rochas da maré baixa, até profundidades de cerca de 10 a 15 metros[2] , em costas rochosas do nordeste do oceano Pacífico; com a subespécie H. kamtschatkana assimilis ocorrendo com maior frequência entre 20 e 30 metros, indo do sul de Point Conception (Califórnia, Estados Unidos), até Bahía Tortugas, na península da Baixa Califórnia (no oeste do México).[6] Já a subespécie H. kamtschatkana kamtschatkana ocorre de Sitka, no Alasca, até Point Conception[2] [5] , passando por todo o território da Colúmbia Britânica, no Canadá, e sendo a única espécie comum de abalone neste país.[15] Também é relatada como presente na Sibéria (Rússia) e Japão.[3] [4]

Pesca e conservação[editar | editar código-fonte]

Embora tenha sido raramente pescada para a indústria de alimentos e joalheria nos Estados Unidos[5] , Haliotis kamtschatkana agora é espécie protegida. O Alasca e a Colúmbia Britânica são as duas únicas regiões onde ocorreu a pesca comercial desta espécie, pois populações significativas estão ausentes ao sul das ilhas San Juan, em Washington.[12] Nas águas costeiras deste último estado. não há esperança de que a população vá se recuperar sem as ações de proteção e recuperação do Endangered Species Act.[16] No Canadá, o auge de sua coleta foi em 1979 e o seu encerramento em 1996, com o declínio de sua densidade populacional superior a 80%. Os números de população atuais são estáveis, mas o potencial para mais declínio ainda existe.[12] A espécie é predada por lontras marinhas, caranguejos, polvos, alguns peixes e estrelas do mar (especialmente da espécie Pycnopodia helianthoides). Este abalone possui uma tolerância de temperatura considerável, embora possa ser diretamente afetado pelos efeitos do aquecimento global na sua distribuição sul.[15]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Haliotis kamtschatkana» (em inglês). World Register of Marine Species. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  2. a b c d e f g Cox, Keith W. (1962). «California Abalones, Family Haliotidae» (em inglês). Calisphere. pp. 38–39. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  3. a b c ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês) (New York: E. P. Dutton). p. 19. ISBN 0-525-93269-0. 
  4. a b Fretwell, Kelly; Starzomski, Brian (2013). «Northern abalone, japanese abalone, pinto abalone, kamchatka abalone, alaska abalone - Haliotis kamtschatkana» (em inglês). Biodiversity of the Central Coast. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  5. a b c d e Anderson, Genny (2003). «Abalone Species Diversity» (em inglês). Marine Science Home Page. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  6. a b c d Cox, Keith W. (1962). «California Abalones, Family Haliotidae» (em inglês). Calisphere. pp. 42–43. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  7. «Haliotis assimilis» (em inglês). World Register of Marine Species. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  8. a b «Haliotis kamtschatkana assimilis» (em inglês). Gastropods. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  9. «Abalone» (PDF) (em inglês). California Department of Fish and Wildlife. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  10. «Haliotis kamtschatkana Jonas, 1845 Pinto Abalone» (em inglês). Jaxshells. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  11. «Haliotis kamtschatkana Jonas, 1845 Pinto Abalone» (em inglês). Jaxshells. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  12. a b c McDougall, P. T.; Ploss, J.; Tuthill, J. (2006). «Haliotis kamtschatkana» (em inglês). The IUCN Red List of Threatened Species. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  13. Internet Archive Book Images (tirada circa 1825). «Image from page 26 of "California fish and game" (Haliotis kamtschatkana assimilis (em inglês). Flickr. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  14. Aharmer1 (08 de agosto de 2015). «Pinto (Threaded) Abalone, Haliotis kamtschatkana assimilis, San Luis Obispo, California, United States» (em inglês). Flickr. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  15. a b c Committee on the Status of Endangered Wildlife in Canada (2009). «Northern Abalone, Haliotis kamtschatkana in Canada» (PDF) (em inglês). Registre public des espèces en péril - Species at Risk Public Registry. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 
  16. «The Pinto Abalone Deserves Protection Under the Endangered Species Act» (PDF) (em inglês). Natural Resources Defense Council. p. 1. Consultado em 15 de maio de 2016. 


Ícone de esboço Este artigo sobre moluscos, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.