Haliotis pourtalesii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHaliotis pourtalesii
Fotografia em preto e branco da concha de H. pourtalesii, espécie de um laranja intenso.

Fotografia em preto e branco da concha de H. pourtalesii, espécie de um laranja intenso.
Classificação científica
Reino: Animalia
Clado: Vetigastropoda
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Superfamília: Haliotoidea
Família: Haliotidae
Género: Haliotis
Linnaeus, 1758[1]
Espécie: H. pourtalesii
Nome binomial
Haliotis pourtalesii
Dall, 1881[1]
Distribuição H. pourtalesii no oceano Atlântico.
Sinónimos
Haliotis aurantium Simone, 1998[1][2][3]
Haliotis portalesii (sic)

Haliotis pourtalesii (em inglês Pourtales's abalone) é uma espécie de pequeno molusco gastrópode marinho pertencente à família Haliotidae. Foi classificada por Dall, em 1881. É nativa do oeste do oceano Atlântico, em águas moderadamente profundas.[1][4]

Descrição da concha[editar | editar código-fonte]

Concha com até 2.5 centímetros[4], com 3 voltas completas e superfície de coloração amarelada ou salmão a alaranjada[5], por vezes marmoreada[6], até abóbora ou vermelho amarronzada; dotada de 22 a 27 estrias espirais como relevo e 4 a 5 perfurações abertas em sua superfície.[7][8] Região interna da concha nacarada, apresentando o relevo da face externa visível.[2][9][5]

Taxonomia e distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Os espécimes hoje denominados Haliotis pourtalesii já estiveram sob táxon distintos no passado: Haliotis pourtalesii (Dall, 1881) e Haliotis aurantium (Simone, 1998).[10] Atualmente tais espécies se colocam como subespécies: Haliotis pourtalesii pourtalesii[7] e Haliotis pourtalesii aurantium.[8][1]

Vivem entre 10 a 300 metros de profundidade[9] (Rios a descreve entre 60 a 360 metros, em algas Laminaria e em fundos de algas calcárias e conchas quebradas)[5], ocorrendo desde a Carolina do Norte[10] ao mar do Caribe, em Aruba, Bonaire, Curaçao, Golfo do México[1] e Iucatã[11], Cuba, Colômbia[1], Venezuela[12], Suriname[13] e na costa do Brasil, do Pará[5], ou Amapá[2], ao Rio Grande do Sul[5], com a subespécie Haliotis pourtalesii aurantium, de concha com coloração mais intensa[2][3], ocorrendo principalmente na região sudeste do Brasil.[9][8]

Descoberta e nomenclatura[editar | editar código-fonte]

A história da descoberta e descrição desta espécie se inicia pela coleta do primeiro exemplar, realizada em 31 de março de 1869 a uma profundidade aproximada de 350 metros[14], pelo naturalista suíço-americano Louis François de Pourtalès (1824-1880), no navio da expedição Bibb, na costa sul da Flórida.[15][16] O material da expedição, com este holótipo, foi enviado para o Museu de História Natural dos Estados Unidos, em Washington, e posteriormente enviado para Chicago; depositado na Academia de Ciência de Chicago para estudo pelo Dr. William Stimpson (1832-1872), onde foi destruído pelo grande incêndio de Chicago, em 1871, sem ser descrita a especie.[17][18]

O malacologista William Healey Dall (1845-1927), fascinado pelo espécime que havia estudado enquanto esteve no Museu de História Natural dos Estados Unidos, o descreve de memória, em 1881, e o nomeia em homenagem a seu coletor como Haliotis pourtalesii.[14] Oito anos mais tarde, Dall redescreve a espécie com base em dois espécimes coletados nas Galápagos, no oceano Pacífico, pelo navio-expedição Albatross[19][20]; até 1915, quando John B. Henderson compara espécimes, coletados dois anos antes pelo navio da expedição Eolis (em Florida Keys) com estes. Esta comparação faz Henderson achar que o material das Galápagos e os recolhidos por ele não são a mesma espécie; designando o material das Galápagos como uma nova espécie, Haliotis dalli, e definindo o neótipo de Haliotis pourtalesii.[21][22]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g «Haliotis pourtalesii» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. a b c d «Haliotis aurantium Simone, 1998» (em inglês). Idscaro. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. a b «Haliotis aurantium Simone, 1998» (em inglês). ViaNet Conchology. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. a b ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês). New York: E. P. Dutton. p. 19. 412 páginas. ISBN 0-525-93269-0  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  5. a b c d e RIOS, Eliézer (1994). Seashells of Brazil (em inglês) 2ª ed. Rio Grande, RS. Brazil: FURG. p. 22. 492 páginas. ISBN 85-85042-36-2  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  6. «Haliotis pourtalesii» (em inglês). Jaxshells. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. a b «Haliotis pourtalesii pourtalesii» (em inglês). Gastropods. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. a b c «Haliotis pourtalesii aurantium» (em inglês). Gastropods. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. a b c «Haliotis pourtalesii = Haliotis aurantium» (em inglês). Conquiologistas do Brasil. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. a b Simone, Luiz Ricardo L. (1998). «Morphology of the Western Atlantic Haliotidae (Gastropoda, Vetigastropoda) with description of a new species from Brazil» (PDF) (em inglês). Malacologia. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. Harry, Harold W. «Haliotis pourtalesii Dall, 1881 from Yucatan» (em inglês). Biostor. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  12. Ruiz, E. R.; Ruiz, B. L. (1994). Nota acerca de la presencia del gastropodo Haliotis (Padollus) pourtalesii Dall, 1881 (Archeogastropoda, Pleurotomariacea) en aguas del Caribe venezolano (em espanhol). [S.l.]: Acta Biológica Venezuelica. pp. 63–64  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  13. Nijssen-Meyer, J. (1969). «On the occurrence of Haliotis pourtalesii Dall, 1881, off Surinam (South America)» (em inglês). Zoologische Mededelingen. 1 páginas. Consultado em 02 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. a b «Haliotis (Padollus) pourtalesii Dall, Bull. M. C. Z., IX. p. 79, 1881» (em inglês). Bulletin of the Museum of Comparative Zoology. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  15. Smith, Maxwell. «East coast marine shells: descriptions of shore mollusks together with many living below tide mark, from Maine to Texas inclusive, especially Florida, with more than one thousand» (em inglês). Biodiversity Heritage Library. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. «Breakthrough Years (1866-1922)» (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  17. Sarasúa, Hortensia (1968). «Primer hallazgo del género Haliotis (Mollusca: Gastropoda) en aguas cubanas» (em inglês). WorldCat. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  18. «The First Museum in the West / Rising From the Ashes» (em inglês). Peggy Notebaert Nature Museum. 1 páginas. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  19. Dall, W. H. (1889). Preliminary report on the Mollusca. Report on the results of dredging by the U.S. Coast Survey Steamer Blake (em inglês). [S.l.]: Bulletin of Museum Comparative Zoology. Harvard. pp. 9(2): 33–144  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  20. Dall, W. H. (1889). Preliminary report on the collection of Mollusca and Brachiopoda obtained in 1887-88. VII. Scientific results of exploration by the U. S. Fisheries Commission Steamer Albatros (em inglês). [S.l.]: Proceedings of the United States National Museum. pp. 12: 219–362  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  21. Henderson, John B. (1911). «Extracts from the log of the Eolis» (em inglês). The Nautilus (Biodiversity Heritage Library). pp. 81–83. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  22. Henderson, John B. (1915). «Rediscovery of Pourtales Haliotis» (em inglês). Proceedings of the United States National Museum (Biodiversity Heritage Library). pp. 659–661. Consultado em 05 de maio de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)