Hanafismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Hanafi redireciona para este artigo. Para a ilha grega, veja Anafi.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Mapa das áreas de influência das principais madh'habs (escolas ou correntes de direito islâmico

Hanafismo ou escola Hanafi (em árabe: الحنفي) é uma das quatro madh'hab (escolas ou correntes de direito islâmico) em jurisprudência (fiqh) do Islão sunita (as restantes escolas são a Shafi'i, Maliqui e Hanbali). A madhhab Hanafi deve o seu nome ao académico iraquiano Abu Hanifa An-nu'man Ibn Thabit (أبو حنيفة النعمان بن ثابت‎), um Tabi‘un[a] que viveu no século VII cujas interpretações legais foram preservadas principalmente pelos seus dois discípulos mais importantes, Abu Yusuf al-Kindi e Maomé Chaibam.

O Hanafismo é a escola sunita mais antiga e a que tem mais adeptos no mundo muçulmano. Desde o tempo dos Omíadas que é a madh'hab mais proeminente e tem a reputação de dar mais ênfase ao papel da razão e de ser mais liberal do que as outras três escolas.[carece de fontes?] Os califados abássida e otomano, bem como o Império Mogol, três dos maiores impérios muçulmanos da História, seguiam a escola hanafista, o que contribuiu para a grande influência que ela ainda tem nos antigos territórios desses impérios. Na atualidade, o hanafismo predomina entre os sunitas da generalidade da Ásia a leste do Irão, na Turquia, Iraque, Jordânia, Síria, Egito, bem como nos antigos territórios otomanos nos Bálcãs (Bósnia, Albânia, Kosovo, Macedónia, etc.) e no Cáucaso.[carece de fontes?]

Fontes e metodologia[editar | editar código-fonte]

As fontes das quais as leis derivam são, por ordem de importância e preferência: o Alcorão, as narrações autênticas do Profeta (hádice), o "consenso" (ijma) e raciocínio analógico (Qiyas), estas últimas só aplicadas quando os assuntos não são abordados diretamente no Alcorão. Devido ao quarto califa, Ali, ter transferido a capital islâmica para Cufa, no que é hoje o Iraque, onde muitos dos companheiros do Profeta se estabeleceram, a escola hanafi baseou muitas das suas leis em narrações proféticas transmitidas por companheiros residentes no Iraque, tendo sido conhecida como a "escola cufana" ou "escola iraquiana" nos primeiros tempos. Ali e Abdalá ibne Massude, bem como muitas personalidades familiares do Profeta, formaram muitas das bases da escola com as quais Abu Hanifa estudou, como Maomé Albaquir, Jafar al-Sadique e Zaide ibne Ali. Muitos juristas e transmissores de hádice viveram em Cufa, incluindo um dos principais professores de Abu Hanifa, Amade ibne Solimão.

A metodologia hanafi envolvia o processo lógico do exame do Livro e de todo o conhecimento disponível da Suna e em seguida a descoberta de um exemplo nessas fontes análogo ao caso particular em estudo, de forma a que a din de Alá fosse aplicada corretamente na nova situação. Desse modo, envolvia o uso da razão no exame do Livro e da Suna para extrapolar os juízos necessários para a aplicação do Islão num novo cenário. Por isso representa na essência a adaptação, segundo a orientação estrita e rigorosa dos preceitos legais e indutivos, da poderosa e viva din a uma nova situação de molde a possibilitar que ela crie raízes e floresça em novos terrenos. Isto fez dela o instrumento legal ideal para a governação central de populações muito variadas, o que explica que a encontremos na Turquia como o legado do "Uthmaniyya Khilafa" e no subcontinente indiano, onde foi herdada do Império Mogol.
 

Alguns pontos de vista distintivos do hanafismo[editar | editar código-fonte]

  • É proibido ou desaconselhado comer algumas formas de seres marinhos que não são peixes, baseado no hádice de Maomé: «Dois tipos de carne morta e dois tipos de sangue foram tornadas lícitas para o teu consumo (sem terem sido abatidas): peixe e gafanhoto, fígado e baço (relatado por Ahmed e ibn Majah)
  • Exceto para o Haje (peregrinação a Meca), todas as salás (orações rezadas diariamente) têm que ser feitas à hora regular (alguns académicos não hanafistas autorizam as pessoas que estão em viagem a ajustar as horas de algumas orações se isso lhes for conveniente).
  • A hora de início da asr (oração da tarde) e de fim da zhur é mais tardia do que noutras escolas (grosseiramente, quando o tamanho das sombras é o dobro da dos objetos que as originam).
  • Uma sexta oração diária, chamada witr é wajib (obrigatória), embora sem o mesmo nível de obrigatoriedade das cinco salás.
  • Numa interpretação literal (harfiyyah), Abu Hanifa defendeu que o "vinho" (خمر, khamr em árabe clássico ou corânico), ou seja, o sumo fermentado de tâmara ou uva, era absolutamente proibido. No entanto, ele pensava que era permissível beber pequenas quantidades não inebriantes de outras bebidas alcoólicas, como por exemplo as feitas a partir de mel ou cereais. Hanafistas posteriores tendem a declarar que todas as bebidas alcoólicas são proibidas independentemente da sua origem.
  • Sangrar pode invalidar o abdesto (ablução, ritual de purificação efetuado antes das orações).
  • O simples toque de alguém de outro sexo não invalida o abdesto.
  • Os muçulmanos estão autorizados a trabalhar na construção de igrejas, sendo os salários considerados lícitos pelos hanafistas.
  • Todos os seguidores da escola de pensamento hanafista acreditam que o Alcorão não foi criado pelo Homem e que a Xaria é lei divina, válida para sempre e que é haraam (proibido) tentar alterá-la.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Hanafi», especificamente desta versão.
[a] ^ O termo árabe Tabi‘un ou Tabi‘i (التابعون; "seguidores") aplica-se aos muçulmanos que conheceram os Sahaba (companheiros de Maomé), mas não conheceram o profeta.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]