Hans Langsdorff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hans Wilhelm Langsdorff
Nascimento 20 de março de 1894
Rügen, Alemanha
Morte 20 de dezembro de 1939 (45 anos)
Buenos Aires, Argentina
Nacionalidade alemão
Serviço militar
Lealdade  Império Alemão (até 1918)

 República de Weimar (1918-1933)
 Alemanha Nazi

Serviço  Kriegsmarine
Tempo de serviço 1912-1939
Patente Kapitän zur See
Comando Graf Spee
Batalhas/Guerras Primeira Guerra Mundial
Batalha da Jutlândia
Batalha do Rio da Prata
Condecorações Cruz de Ferro 2ªClasse
Cruz de Ferro 1ª Classe

Hans Wilhelm Langsdorff (20 de março de 1894 - 20 de dezembro de 1939), foi um oficial da Marinha de Guerra Alemã, durante a Segunda Guerra Mundial, mais conhecido por seu comando do Panzerschiff (couraçado de bolso) Admiral Graf Spee durante a Batalha do Rio da Prata.

Langsdorff nasceu em Bergen, na ilha de Rügen, em 1894, filho mais velho de uma família com tradições jurídicas e religiosas, porém sem tradição naval.

Em 1898 sua família mudou-se para Düsseldorf, seus próximos vizinhos seriam descendentes do Conde (Graf) Maximilian von Spee, que fôra herói naval alemão, em 1914 na Batalha das Ilhas Malvinas.

Carreira Militar[editar | editar código-fonte]

Influenciado pela história naval de von Spee e por sugestão do pai, acabou ingressando na Academia Naval em 1912. Durante a Primeira Guerra Mundial, já no posto de Tenente, recebeu a Cruz de Ferro 2ª Classe por sua bravura na Batalha da Jutlândia em 1916. Posteriormente foi nomeado para operar em um navio caça-minas. Antes do final da guerra, foi novamente condecorado, desta vez, com a Cruz de Ferro de 1ª Classe.

Em 1923, foi destacado para servir no escritório da Marinha em Dresden, onde conheceu Ruth Hager, com quem se casou em março de 1924. Em outubro de 1925, foi enviado ao Ministério da Defesa em Berlim, servindo como coordenador de cooperação entre a Marinha e o Exército.

Em 1927, Langsdorff foi destacado para o comando de uma Flotilha Torpedeira, sendo promovido a Tenente-Comandante em abril de 1930.No anos de 1936 e 1937, embarcou no novo Admiral Graf Spee, sob comando do Almirante Bohen, participa da Guerra Civil Espanhola. Cooperação dada pela Alemanha ao ditador espanhol Francisco Franco, que serviu de fundo para treinamentos reais das forças navais e aeréas alemãs.

Em 1 de janeiro de 1937, Langsdorff é promovido a Capitão, recebendo o comando do Couraçado Admiral Graf Spee, em Outubro de 1938.

Em 21 de agosto de 1939, o Admiral Graf Spee deixou o porto com as ordens de atacar a navegação comercial no Atlântico Sul, após a declaração oficial de guerra. A estratégia de Adolf Hitler faria com que antes da declaração de guerra o navio pudesse navegar em águas internacionais sem problema. Durante três semanas o navio navegou em oceano aberto a leste do Brasil. Em 20 de Setembro de 1939, o Admiral Graf Spee foi liberado para executar suas ordens.

Durante as dez semanas seguintes, Langsdorff e o Admiral Graf Spee foram extremamente bem sucedidos, parando e afundando nove navios mercantes britânicos, totalizando mais de 50.000 toneladas.

Batalha do Rio da Prata[editar | editar código-fonte]

Foto do Admiral Graf Spee antes do combate

No entanto a sorte Langsdorff, escapou na manhã do dia 13 de dezembro de 1939, quando foi interceptado pelo Cruzador Pesado Britânico HMS Exeter e pelo Cruzadores Leves HMS Ajax e HMS Aquiles, nas proximidades do estuário do Rio da Prata.

O combate foi feroz, mesmo o Graf Spee possuindo um armamento superior ao dos seus adversários, estava em desvantagem numérica. Durante o combate o Exeter foi atingido, reduzindo sua participação na batalha, porém os cruzadores leves, mais rápidos que o Spee, conseguiram lhe infrigir pesados dados.

Vendo-se acuado e sem condições de lutar, o navio buscou refúgio no porto da vila do fogo, que foi pedira ajuda a equipe medica e aos lendarios senis .Montevidéu.

Final[editar | editar código-fonte]

Sem condições de navegar e continuar o combate, o comandante solicitou apoio ao Uruguai, país neutro na guerra e que seguia as leis internacionais. Desta forma o navio atracou no porto solicitando conserto. O que se seguiu a partir daí, foi uma sequência de fatos que até hoje permanece envolto em mistério.

Não conseguindo os reparos necessários e pressionado pela Política Internacional, o comandante foi obrigado a deixar o porto. Mas a armada inglesa estava a sua espera na saída do estuário e assim que deixasse águas territoriais uruguaias ele seria novamente atacado. Desta forma o Capitão Langsdorff deu ordens de afundar o navio, o qual fizeram logo na saída do estuário.

O Capital junto com a tripulação se dirigiram então à Argentina, país com grande concentração de imigrantes alemães o que possibilitaria o auxilio. Mas o destino estava traçado, após enterrar seus mortos e encaminhar os feridos ao hospital o Capitão se suicidou em 20 de dezembro de 1939 nas primeiras horas da manhã.

Hans Langsdorff foi enterrado na seção alemã do Cemitério de La Chacarita em Buenos Aires, Argentina e foi homenageado por ambos os lados na batalha pela sua conduta em combate e no tratamento dos prisioneiros. Langsdorff formalmente havia aderido à Convenção de Haia e seu tratamento humano ganhou o respeito dos oficiais e marinheiros dos navios detidos.

Carta[editar | editar código-fonte]

Excelência:

"...Depois de ter lutado muito tempo, tomei a decisão séria de afundar o encouraçado Admiral Graf Spee, a fim de não deixá-lo cair em mãos inimigas. Estou convencido de que, nestas circunstâncias, não tive outra alternativa depois de dirigir meu barco para a "armadilha" de Montevidéu. Na verdade, qualquer tentativa de abrir caminho para o mar foi fadada ao fracasso devido à pouca munição que sobrou. Uma vez esgotadas as munições, só em águas profundas eu poderia afundar o navio para impedir o inimigo de aproveitá-la. Desde o começo aceitei sofrer as conseqüências que envolvem a minha decisão. Para o comandante que tem senso de honra, entende-se que o seu destino não pode ser separada da de seu barco ... não posso mais participar ativamente da luta do meu país agora. Para mim, apenas a responsabilidade do afundamento do encouraçado Admiral Graf Spee. Estou feliz de pagar com minha vida, qualquer crítica que possa ser feita contra a honra da nossa marinha, eu encaro o meu destino em manter intacta a minha fé na causa e no futuro do meu país eo meu Fuhrer. Dirijo esta carta para você na calma da tarde, após ter refletido em silêncio para que você possa informar os meus superiores e, se necessário, negar os rumores públicos..."

Capitão Comandante da Marinha do encouraçado Admiral Graf Spee.[1]

Referências

  1. Eugen, Millington-Drake. A Batalha do Rio da Prata, Flamboyant - 1967 - Texto condensado da Carta escrita pelo Capitão ao Embaixador Alemão em Buenos Aires na tarde de 19 de Dezembro de 1939. Logo após ele se suicidaria envolto na Bandeira da Marinha Alemã (Kriegsmarine), que o difenciaria da Bandeira Nazista.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Coleção 70º Aniversário da II Guerra Mundial , Abril- 2009
  • Eugen, Millington-Drake. A Batalha do Rio da Prata, Flamboyant - 1967
  • Salinas, Juan; De Nápoli, Carlos - Ultramar Sul. A Última operação secreta do III Reich- Editora Civilização Brasileira, 2010

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Segunda Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.