Harper's Weekly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Harper's Weekly
Capa da Harper's Weekly com o presidente eleito Abraham Lincoln; ilustração de Winslow Homer de uma fotografia de Mathew Brady (10 de novembro de 1860)
Editor
Categoria Notícias, política
Frequência Semanal
Fundador(a) Fletcher Harper
Fundação 1857
Última edição 13 de maio de 1916
Empresa Harper & Brothers
País Estados Unidos
Baseada em Nova Iorque
Idioma Inglês

Harper's Weekly, A Journal of Civilization foi uma revista política americana com sede em Nova Iorque. Publicada pela Harper & Brothers de 1857 a 1916, apresentava notícias nacionais e estrangeiras, ficção, ensaios sobre muitos assuntos e humor, além de ilustrações. Trazia uma extensa cobertura da Guerra Civil Americana, incluindo muitas ilustrações de eventos da guerra. Durante seu período mais influente, foi o fórum do cartunista político Thomas Nast.

História[editar | editar código-fonte]

Começo[editar | editar código-fonte]

Os fundadores da Harper & Brothers, Fletcher, James, John e Joseph Wesley Harper (1860)

Junto com seus irmãos James, John e Wesley, Fletcher Harper começou a editora Harper & Brothers em 1825. Seguindo o exemplo de sucesso do The Illustrated London News, Harper começou a publicar a Harper's Magazine em 1850. A publicação mensal apresentava autores consagrados, como Charles Dickens e William Makepeace Thackeray, e em vários anos a demanda pela revista foi grande o suficiente para sustentar uma edição semanal.[1]

Em 1857, sua empresa começou a publicar a Harper's Weekly em Nova Iorque.[1] Em 1860, a circulação da Weekly alcançou 200 000. As ilustrações eram uma parte importante do conteúdo da Weekly e desenvolveram uma reputação por usar alguns dos ilustradores mais renomados da época, principalmente Winslow Homer, Granville Perkins e Livingston Hopkins.

Entre as características recorrentes estavam os desenhos políticos de Thomas Nast, que foi contratado em 1862 e trabalhou com a Weekly por mais de 20 anos. Nast era um caricaturista temido e costuma ser chamado de pai da caricatura política americana.[2] Ele foi o primeiro a usar um elefante como símbolo do Partido Republicano.[3] Ele também desenhou o personagem lendário do Papai Noel; sua versão tornou-se fortemente associada à figura, popularizada como parte dos costumes natalinos no final do século XIX.

Cobertura da Guerra Civil[editar | editar código-fonte]

Retratos de Gordon, o escravo fugitivo (4 de julho de 1863)
A queima de Sherman em McPhersonville, Carolina do Sul, ilustrada por William Waud (4 de março de 1865)

Harper's Weekly foi o jornal mais lido nos Estados Unidos durante o período da Guerra Civil.[4][5] Para não desagradar seu amplo público no sul, a Harper's assumiu uma posição editorial moderada sobre a questão da escravidão antes do início da guerra. As publicações que apoiavam a abolição se referiam a ela como "Harper's Weakly". A Weekly havia apoiado a campanha presidencial de Stephen A. Douglas contra Abraham Lincoln, mas quando a Guerra Civil Americana estourou, ela apoiou totalmente Lincoln e a União. Um artigo de julho de 1863 sobre o escravo fugitivo Gordon incluía uma fotografia de suas costas, fortemente marcada por chicotadas; isso forneceu a muitos leitores no norte sua primeira evidência visual da brutalidade da escravidão. A fotografia inspirou muitos negros livres no norte a se alistarem.[6]

O artista da Harper's Weekly, Alfred Waud, ilustra o campo de batalha de Gettysburg
O artista da Harper's Weekly, Alfred Waud, ilustra o campo de batalha de Gettysburg

Alguns dos artigos e ilustrações mais importantes da época foram os relatórios da Harper's sobre a guerra. Além de ilustrações de Homer e Nast, a revista também publicou ilustrações de Theodore R. Davis, Henry Mosler e dos irmãos Alfred e William Waud.

Em 1863, George William Curtis, um dos fundadores do Partido Republicano, tornou-se editor político da revista e permaneceu nessa capacidade até sua morte em 1892. Seus editoriais defendiam a reforma do serviço público, tarifas baixas e adesão ao padrão-ouro.[7]

"President maker"[editar | editar código-fonte]

Caricatura de William "Boss" Tweed, por Thomas Nast (21 de outubro de 1871)
"Não há descanso para os ímpios—condenado a mais trabalho duro": Auto-caricatura de Thomas Nast na capa da Harper's Weekly (2 de dezembro de 1876)
Capa da Harper's Weekly com Theodore Roosevelt (29 de setembro de 1900)

Após a guerra, a Harper's Weekly apoiou mais abertamente o Partido Republicano em suas posições editoriais e contribuiu para a eleição de Ulysses S. Grant em 1868 e 1872. Apoiou a posição republicana radical na reconstrução. Na década de 1870, o cartunista Thomas Nast iniciou uma campanha agressiva no jornal contra o corrupto líder político de Nova Iorque William "Boss" Tweed. Nast recusou um suborno de 500 mil dólares para cessar seu ataque.[8] Tweed foi preso em 1873 e condenado por fraude.

Nast e a Harper's também tiveram um papel importante em garantir a eleição presidencial de Rutherford B. Hayes em 1876. Mais tarde, Hayes observou que Nast era "a ajuda mais poderosa que [ele] tinha".[9] Após a eleição, o papel de Nast na revista diminuiu consideravelmente. Desde o final da década de 1860, Nast e George W. Curtis diferiam frequentemente em questões políticas e particularmente no papel dos desenhos animados no discurso político.[10] Curtis acreditava que a zombaria da caricatura deveria ser reservada para os democratas, e não aprovava as charges de Nast que atacavam republicanos como Carl Schurz e Charles Sumner, que se opunham às políticas do governo Grant. O editor de Harper, Fletcher Harper, apoiou fortemente Nast em suas disputas com Curtis. Em 1877, Harper morreu e seus sobrinhos, Joseph W. Harper Jr. e John Henry Harper, assumiram o controle da revista. Eles eram mais simpáticos aos argumentos de Curtis de rejeitar caricaturas que contradiziam suas posições editoriais.[11]

Em 1884, no entanto, Curtis e Nast concordaram que não podiam apoiar o candidato republicano James G. Blaine, cuja associação com a corrupção era um anátema para eles.[12] Em vez disso, apoiaram o candidato democrata Grover Cleveland. Os desenhos de Nast ajudaram Cleveland a se tornar o primeiro democrata a ser eleito presidente desde 1856.[13]

A contribuição final de Nast para a Harper's Weekly foi sua ilustração de natal em dezembro de 1886. O jornalista Henry Watterson disse que "ao deixar a Harper's Weekly, Nast perdeu seu fórum: ao perdê-lo, a Harper's Weekly perdeu sua importância política".[14] A biógrafa de Nast, Fiona Deans Halloran, diz que "o primeiro é verdadeiro até certo ponto, o segundo improvável. Os leitores podem ter perdido os desenhos animados de Nast, mas a Harper's Weekly permaneceu influente".[15]

George Harvey, editor semanal do Harper de 1901 a 13

Início do século XX[editar | editar código-fonte]

Depois de 1900, a Harper's Weekly dedicou mais impressões a questões políticas e sociais e apresentou artigos de algumas das figuras políticas mais importantes da época, como Theodore Roosevelt. O editor da Harper's, George Harvey, foi um dos primeiros a apoiar a candidatura de Woodrow Wilson, propondo-o para a Presidência em um jantar no Lotos Club em 1906.[16] Após o jantar, Harvey se certificaria de que "estampasse em cada edição da Harper's Weekly as palavras 'Para o presidente — Woodrow Wilson'".[17]

A Harper's Weekly publicou sua edição final em 13 de maio de 1916.[18] Foi absorvida pelo The Independent, que por sua vez se fundiu com o The Outlook em 1928.

Anos 1970[editar | editar código-fonte]

Em meados da década de 1970, a Harper's Magazine usou o título Harper's Weekly para uma publicação derivada, novamente publicada em Nova Iorque. Publicado quinzenalmente durante a maior parte de sua execução, a Harper's Weekly revivida dependia das contribuições dos leitores para grande parte de seu conteúdo.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Em 14 de janeiro de 1893, a Harper's Weekly tornou-se a primeira revista americana a publicar uma história de Sherlock Holmes — "The Adventure of the Cardboard Box".[19]

Referências

  1. a b Palmquist & Kailborn 2002, p. 279.
  2. Halloran 2012, p. 289.
  3. Halloran 2012, p. 214.
  4. «Harper's Weekly archives». onlinebooks.library.upenn.edu 
  5. Heidler et al 2002, p. 931.
  6. Goodyear, "Photography changes ..."
  7. Halloran 2012, p. 254.
  8. Paine 1904, pp. 181–182.
  9. Paine 1904, p. 349.
  10. Halloran 2012, p. 228.
  11. Halloran 2012, p. 230.
  12. Halloran 2012, p. 255.
  13. Nast & St. Hill 1974, p. 33.
  14. Paine 1904, p. 528.
  15. Halloran 2012, p. 270.
  16. Link 1970, p. 4.
  17. Throntveit 2008, p. 30.
  18. Mott 1938, p. 469.
  19. Panek 1990, p. 53.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]