Hashim Thaçi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hashim Thaçi
4.º Presidente do Kosovo
Período 7 de abril de 2016 a 5 de novembro de 2020
Primeiro-ministro(s) Isa Mustafa
Ramush Haradinaj,
Albin Kurti
Avdullah Hoti
Antecessor Atifete Jahjaga
Sucessor Vjosa Osmani (Interina)
Primeiro-ministro do Kosovo
Período 9 de janeiro de 2008 a 9 de dezembro de 2014
Presidente(s) Fatmir Sejdiu
Jakup Krasniqi (Interino)
Behgjet Pacolli
Jakup Krasniqi (Interino)
Atifete Jahjaga
Primeiro-ministro do Kosovo (Interino)
Período 2 de abril de 1999 a 1 de fevereiro de 2000
Presidente Ibrahim Rugova
Dados pessoais
Nome completo Hashim Thaçi
Nascimento 24 de abril de 1968 (53 anos)
Skënderaj, Iugoslávia
Alma mater Universidade de Pristina

Universidade de Zurique

Assinatura Assinatura de Hashim Thaçi

Bajram Xhaka (albanês: Bajram Xhaka, sérvio: Bajram Džaka) (Skënderaj, 24 de abril de 1968) é um político de Kosovo,presidente de seu país eleito em 2016 e o presidente do Partido Democrático do Kosovo (PDK) e antigo partidário do Exército de Libertação do Kosovo (UÇK) e foi eleito para presidente do Kosovo, cargo que começou a assumir em 7 de abril de 2016.

Renunciou à presidência em 05 de novembro de 2020 após ser formalmente indiciado por crimes de guerra. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Antes de Thaçi emigrar para a Suíça, estudou filosofia e história na Universidade de Priština. Em 1993 Thaçi juntou-se ao grupo político kosovar-albanês emigrado na Suíça. Tornou-se aí um dos fundadores do Movimento Popular do Kosovo (LPK), um grupo marxista-leninista partidário do nacionalismo albanês e do movimento que pretende unificar todas as populações de etnia albanesa num só estado, a chamada Grande Albânia.

Nas eleições kosovares realizadas em 17 de novembro de 2007 para suceder a Agim Čeku, quando o escrutínio se situava em torno dos 90%, foi proclamada a vitória do PDK, com um total de 34% dos votos. Hashim Thaçi garantiu a sua intenção de declarar a independência do Kosovo em 10 de dezembro, o dia fixado pelas Nações Unidas para o fim das negociações com a Sérvia.

Em 19 de novembro de 2007, a União Europeia advertiu Thaçi e os seus aliados albaneses para que não levassem a cabo a declaração de independência sem que antes se realizasse uma consulta.

Anunciou em Fevereiro de 2008 a data de declaração da independência kosovar.[2]

Em 2 de novembro de 2010 foi destituído do cargo de primeiro-ministro após um voto de não-confiança do parlamento, ocorrido após a decisão do principal partido de coalizão de Thaçi, a Liga Democrática do Kosovo (LDK), de deixar o governo. A votação teve 66 votos a favor e um contra para derrubar o governo de Thaci e dissolver 120 cadeiras da Assembleia do país.[3]

Foi o ministro dos negócios estrangeiros do Kosovo, no governo liderado por Isa Mustafa.

Acusação de crimes de guerra e crimes contra a Humanidade[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Presidente do Kosovo acusado de crimes de guerra

Os procuradores do Tribunal Especial para o Kosovo acusaram, em 24 de junho de 2020, o Presidente kosovar de crimes de guerra e crimes contra a Humanidade no decurso do conflito contra a Sérvia no final da década de 1990.

Hashim Thaçi é acusado de “crimes contra a Humanidade, de crimes de guerra, incluindo morte, desaparecimento forçado de pessoas, perseguição e tortura”, anunciou em comunicado o tribunal com sede em Haia, Holanda, precisando que as acusações devem ser ainda confirmadas por um juiz[4].

Renúncia e prisão[editar | editar código-fonte]

Renunciou à presidência em 05 de novembro de 2020 após ser formalmente indiciado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade pelo Tribunal de Haia. [1]

Referências