Hashomer Hatzair

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Hashomer Hatzair (hebraico: "jovem guarda" ou "jovem guardião") é um movimento juvenil (em hebraico, "Tnuat Noar") escoteiro, judaico, sionista e socialista, fundado em 1913 na Galícia (Europa Central) a partir da junção de dois grupos, Hashomer (hebraico: "Guardião"), um grupo sionista escoteiro, e Tzerei Tzion (hebraico: "Filhos de Sião" ou "Juventude de Sião"), um movimento ideológico que estudava o sionismo, o socialismo e história judaica.

Além de Israel, o Hashomer Hatzair está presente em várias partes do mundo, com atividades semanais para jovens judeus. No Brasil, o Hashomer Hatzair está no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Florianópolis.

Entre muitos nomes famosos, passaram pelo Hashomer Hatzair Arik Einstein, Tony Cliff, Ernest Mandel, Mordechaj Anielewicz, Leopold Trepper, Benny Morris e Bussunda e também Markos Filho do Homem urso[1].

Como ativista no movimento sionista, o Hashomer Hatzair lança-se à criação de seu primeiro kibutz (denominado Beit Alfa) em 1921. Os jovens passam então a compor as forças do Palmach, exercendo papel vital na defesa das colônias judaicas. Logo após a independência do Estado de Israel, o Palmach será uma das forças formadoras do Tzahal (Forças de Defesa de Israel).

Símbolos[editar | editar código-fonte]

O semel (hebraico: "símbolo") do Hashomer Hatzair é composto pelos seguintes itens:

  • Estrela de David (Tradução do hebraico Maguen David), representando o judaísmo do Movimento
  • Flor de Lis, representando o lado do escautismo
  • Parreira (planta apresentada no lado direito do Semel), representando o sionismo
  • Oliveira (planta apresentada no lado esquerdo do Semel), representando o pacifismo do Movimento
  • Fundo Vermelho (apesar de poucas vezes apresentado deste modo, o Semel possui um fundo vermelho), representando o socialismo. Muitas vezes o fundo vemelho é substituído por uma fita vermelha (como ocorre no semel ao lado), tendo a mesma simbologia.
  • A inscrição Chazak Ve'Ematz (Hebraico: "Força e Coragem"), a "frase lema" do Hashomer Hatzair, que tem origem na Torá.
  • Laço e Nó, representam a união de todos os elementos do Semel.

Ken Negba[editar | editar código-fonte]

O Ken Negba foi a primeira sede do Hashomer Hatzair no Rio de Janeiro. Este foi fundado em 1947 no bairro Tijuca por jovens da comunidade judaica que buscavam um espaço para debater ideais. Incentivados por ex-membros vindos da Polônia por conta da Segunda Guerra Mundial, fundaram o ken (sede). Em seu começo, as atividades ocorreram no Colégio Hebreu Brasileiro, o que atraiu muitos jovens que frequentavam o local. Porém, logo após a estruturação eles se mudaram para uma casa na rua Carlos Vasconcelos.

Com uma grande quantidade de chanichim (educandos) e madrichim (educadores), o Hashomer era a maior tnua do Rio. Sua as atividades funcionavam aos sábados, porém as sextas era realizado o shabat, no domingo, muitas vezes, havia um passeio além de atividades variadas durante a semana. Tinham machanot (acampamentos) junto aos outros keinim da cidade além de uma fazenda em São Paulo para capacitar jovens que iriam fazer Aliah (ir morar em Israel), tendo em vista a necessidade desta mão de obra para a formação do Estado de Israel. As Shichavot (turmas) eram divididas em Kvutzot (grupos) e estas separadas entre homens e mulheres. As atividades se destinavam a crianças desde os 7 anos até os 16 ou 17 anos, quando estes se tornavam madrichim. Um fato interessante é que os madrichim muitas vezes buscavam os chanichim em casa, para leva-los as atividades.

Com um número menor de chanichim o Ken se mudou para uma outra casa na Barão de São Francisco, ainda no bairro da Tijuca. Continuavam realizando atividades nos sábados e uma vez ao mês ocorriam atividades em conjunto com o ken Beit Mordechai Anielewicz no bairro de Botafogo. Em 1993 surgiu uma oportunidade de utilizar o espaço do Colégio Sholem, que na época estava inativo e então se mudaram para lá em 1994. Ainda dando atividades apenas aos sábados, conseguiram ter até 50 chanichim por sábado, com idades entre 10 e 12 anos. Uma vez a cada 2 meses iam ao Beit, pra manter a tradição de juntar os kenim. Porém esta última sede só durou cerca de um ano, encerrando as atividades do Ken Negba na Tijuca.

Em 2006 surgiu uma ideia desacreditada de se fazer um ken do Hashomer Hatzair na Barra da Tijuca. Bogrim (membro mais velho do movimento) que estavam finalizando seu ciclo tnuati foram incentivados por um ex-membro a concretiza-la. O sonho foi se desenvolvendo nos últimos anos, ganhando força e finalmente se realizou em uma parceria do movimento com uma sinagoga do bairro no ano de 2007. O novo ken veio a se chamar Negba em homenagem ao extinto ken da Tijuca aonde os seus fundadores iniciaram o seu ciclo shomrico. De maneira rápida o ken cresceu, tendo atividades aos sábados com uma divisão não muito clara de shichavot. Ao longos dos anos o Ken se fortaleceu e estruturou-se e teve seus primeiros madrichim de formação no ano de 2012. Em meados de 2012 sua sede foi transferida para um clube aonde reside atualmente, realizando atividades todos os sábados, para dez shichavot contando com mais de 100 chaverim.

“Ole Negba, Ole Ole,

Veod Paam Negba, Ole Ole”

Referências

  1. «Enterro de Bussunda deixa judeus inconformados». Consultado em 21 de fevereiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]